20 de nov de 2017

O risco Lula


Desafiar o poder da elite com uma aliança com a própria elite foi ao mesmo tempo a grande virtude do governo Lula, que adotou, de forma quase incondicionada, a chamada Realpolitik, mas também foi o seu grande calcanhar de Aquiles. O preço dessa manobra política, bem sucedida quanto aos frutos que trouxe para as camadas menos privilegiadas, não foi pago diretamente por Lula; pelo menos num primeiro momento. A conta foi cobrada no governo Dilma. Não sem motivos.

A tentativa de Dilma de negligenciar o congresso em nome de um discurso técnico, que soava, por um lado, como sinfonia para os ouvidos da grande mídia (inicialmente mais adepta a Dilma do que a Lula) e, por outro, como falta de tato político para os congressistas, não foi a melhor estratégia de se opor à Realpolitik do seu antecessor e garantir seu lugar próprio no céu de Brasília. Notadamente, sem qualquer possibilidade de alicerçar um governo numa plataforma técnica, estritamente técnica, o governo Dilma continuou a política da troca de benefícios, mas sem se assumir como tal. Ao cabo e ao fim, o governo Dilma não era nem técnico, nem político. Não tinha clareza. A própria fala de Dilma, aliás, simetrizava essa falta de rumo. Golpe à vista.

A tentativa desesperada de Dilma de convocar Lula para o seu governo, para ser Chefe da Casa Civil, certamente tinha como intuito imunizar Lula diante dos avanços da Lava Jato, mas não pode de modo nenhum obliterar o fato de que fora a última cartada para salvar o seu próprio governo moribundo; acenando menos para o PAC e mais para a política intestinal e fisiológica que move Brasília e que Lula conhece como ninguém. Oferecer mundos e fundos aos congressistas nos últimos suspiros do governo foi visto pelo congresso como uma tentativa de um náufrago que se apoia sobre uma precária madeira, mas que está a milhas e milhas de distância de um lugar seguro. Dilma, sabemos, naufragou.

Esse foi o golpe mais duro para a onipresença de Lula. Sim, quem naufragou foi o governo Dilma, mas com ele a imagem do PT se deteriorava. Como a imagem do PT se confunde com a de Lula, Lula também se deteriorava. Com isso fica claro, que os movimentos para tirar Dilma eram, desde seu início, para não permitir Lula se eleger. Conseguiram tirar Dilma, mas apesar da mídia, grande mídia, insistir que o PT construiu o maior esquema de corrupção da história e reputar ao PT todos os problemas do Brasil, Lula não perdeu a sua força política. As críticas estampadas nos noticiários foram o seu combustível. Ele ainda é uma ameaça à direita.

Nessa perspectiva, o discurso de que as pessoas batiam panela por falta de consciência ou informação – endossado recentemente pela própria Dilma – é completamente míope. Os paneleiros e paneleiras faziam política. Política rasteira. A política que é leniente com a grave corrupção não apenas do governo Temer, mas do próprio Temer, para lançar luz sobre a corrupção do PT, a corrupção, ainda hoje pautada em “convicções” e não em provas, do seu grande adversário: Lula. A corrupção desenfreada do governo Temer em termos políticos significa pouca coisa em face do uso político da corrupção para atacar o PT.

A política foi cooptada pelo discurso moralista. Essa foi estratégia adotada no Brasil em outros momentos. A moralidade na política, historicamente, tem nome: nacionalismo. Como no início do século XX o Brasil viu novamente o discurso da pátria, naquela ocasião eram os camisas verdes, integralistas, assumir o protagonismo na política com a camisa da seleção brasileira. Mesmo debelando a pobreza extrema e alterando drasticamente o mapa da fome no Brasil, com programas reconhecidos mundialmente, o PT foi associado à imagem mais depurada da corrupção não apenas financeira, o que por si só é uma visão unilateral, mas também da corrupção dos valores. Novamente moral e política se cruzavam e na voz estridente dos paneleiros e paneleiras faziam eco para a varrer a única possiblidade do PT voltar ao poder: Lula.

Desde o governo Dilma, o alvo era eliminar a candidatura de Lula. A direita tinha consciência da força política de Lula. Desqualificar preconceituosamente seus mais fiéis eleitores, beneficiados indiscutivelmente pelo governo do PT, os nordestinos e, por outro lado, detonar intelectuais (as universidades federais são testemunho também da importância do governo Lula) foram e ainda são algumas das tantas estratégias adotadas para enfraquecer a candidatura de Lula. Contudo, nem mesmo com a Lava jato a tira colo, Lula perde a sua força; pelo menos por completo. Por essas razões ele é o candidato, único no campo das esquerdas, com forte chance de ganhar a eleição. Embora forte, a candidatura de Lula traz um risco.

A divisão no seio da direita, o racha no PSDB, não traz votos para Lula. No terreno da direita fragilizada, incapaz de enfrentar Lula nas urnas, se encontra o vácuo político para que o discurso moralista, nacionalista e não menos político consiga o seu abrigo. É nessa perspectiva, que as manifestações a favor do golpe quando também incidiam contra a figura de Lula de contrabando acenavam para a eleição de Bolsonaro, visto que ele assume a bandeira dos costumes e do nacionalismo. As manifestações não foram apenas anti-PT, mas criavam também o candidado anti-PT e, claro, anti-Lula.

É com essa força que a candidatura de Bolsonaro pode chegar ao segundo turno. Um nacionalista amolecido pela agenda econômica liberal, para a alegria do mercado financeiro, e fortalecido pela rejeição ao PT. É assim que se projeta Bolsonaro na forma mais aguda do que poderíamos chamar, talvez, neofascismo ou da volta do discurso integralista à arena política. Amparado numa rejeição tão grande a Lula, Bolsonaro tem chance de capitalizar, no segundo turno, praticamente todos os votos daqueles que para tirar o PT assumiram sem constrangimento o discurso hipócrita da anticorrupção e são placidamente capazes de votar num candidato, seja quem for, suficientemente forte para tirar Lula do poder. Se a esquerda poderia ser capaz de votar, a contragosto, num candidato de centro-direita para evitar a eleição de Bolsonaro, a direita, mesmo a direita esclarecida, cada vez mais rara, já provou ser capaz de coisa pior quando assumiu o discurso seletivo da anticorruopção. Por isso, o risco de Lula ir ao segundo turno com Bolsonaro e perder a eleição não é desprezível. Na política, lembremos, nenhum risco deve ser sonegado, sobretudo quando se trata do ovo da serpente.

Érico Andrade ericoandrade@gmail.com - Filósofo e professor de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco / Sócio do Círculo Psicanalítico de Pernambuco / Crítico de cinema
No GGN

2 comentários:

  1. A LÓGICA QUE NÃO TERIA LÓGICA DE SER
    Nêgo Tom
    Cantor e compositor. É pobre, detesta doença e mais ainda camarão.
    (PARTE 1)
    Segundo uma nova pesquisa realizada, no final do mês de outubro, o ex-presidente Lula aparece a frente das intenções de voto. Jair Bolsonaro, o mito, cantado em verso e prosa pela direita radical, como o único capaz de derrotá-lo, aparece em segundo. Eu tenho lá as minhas restrições quanto a esse tipo de pesquisa, mas confesso que dessa vez, tenho motivos para acreditar nesses números. Por quê?
    Lula vem sofrendo uma CAÇADA IMPIEDOSA HÁ APROXIMADAMENTE UNS 3 ANOS. Já foi condenado com convicção, mesmo sem provas concretas contra ele. Já foi conduzido coercitivamente (ou seria midiaticamente?) para prestar um depoimento na sala de um aeroporto, quando, na verdade, bastava tê-lo convidado a prestar esclarecimentos, que ele teria ido. Mas era necessário produzir um "curta-metragem", para que a sociedade - ou pelo menos a parte dela, que nutre um ódio existencial por ele - assistisse, aplaudisse e se convencesse, de que estava diante do maior bandido da política nacional. Silvio de Abreu teria feito melhor.
    A operação Lava-Jato, como podemos comprovar, se não é uma farsa, abusa de apresentar fraudes processuais contra o povo brasileiro. Fatos distorcidos, teorias em “Power point”, modificação do estado de algumas pessoas envolvidas em crimes, comprovadamente cometidos, corporativismo partidário e ideológico e outras “mumunhas”, que visavam induzir a sociedade ao erro de acreditar, que os únicos responsáveis pela corrupção no Brasil, ERAM LULA E A ESQUERDA. A operação poderia ter sido batizada de "Lava Lula", assim, teria mais sentido funcional.
    A direita se assanhou (será mesmo que sabem o conceito de esquerda-direita, socialismo, comunismo?), os batedores de panela se encorajaram, saíram de suas varandas gourmet e foram às ruas, levando a tira colo suas bolsas de grife, seus óculos Gucci, suas “bandanas” Armani, suas camisas da CBF, seus poodles de estimação e até as babás de seus filhos. Essas, devidamente uniformizadas, é claro, para que não fossem confundidas com um deles. Até um filme - dessa vez, de fato cinematográfico - foi produzido para homenagear o Juiz encarregado de prender Lula, digo, responsável pela Lava Jato, e assim tentar transformá-lo no Clark Kent do judiciário nacional.
    Em meio a isso, o povo vinha acompanhando uma sucessão de escândalos envolvendo integrantes de partidos aliados ao golpista mor, Michel Temer. PSDB, PMDB, DEM, PP e outros, ERAM - E AINDA SÃO - OS QUE MAIS CEDEM REPRESENTANTES PARA A SELEÇÃO DOS CORRUPTOS DO PAÍS. Uma legião de craques na arte da diversidade de trapacear, de desviar dinheiro público, receber propinas e matar o povo de fome. Malas com 51 milhões de reais, grampos comprometedores envolvendo o presidente intruso, senador planejando matar o comparsa antes que este o pudesse delatar, juiz mandando soltar bandido de colarinho branco e por aí vai.
    Mas o triplex do Lula é o símbolo máximo da degradação moral e política de nossa sociedade. Uma gente que não quis mais saber de quem era o helicóptero que transportava 450 quilos de cocaína. Que ergueu uma faixa "Somos milhões de Cunhas" - e talvez sejam mesmo - e bateu palmas para um dos maiores corruptos da história do país, apenas para extravasar o seu ódio, aos projetos de inclusão social criados por Lula, Dilma e pela esquerda e que ameaçavam os tradicionais privilégios dos herdeiros das capitanias. A REVOLTA NUNCA FOI CONTRA A CORRUPÇÃO, MAS SIM, CONTRA A POSSIBILIDADE DE APROXIMAÇÃO DO POBRE DE SEUS "DOMÍNIOS" E DO SEU SELETO MUNDO.

    ResponderExcluir
  2. (PARTE 2)
    Apesar dessa caçada implacável contra Lula e da tentativa espúria de criminalizar a esquerda, atribuindo exclusivamente a ela tudo o que de pior acontece no país - e que curiosamente, é o que sempre foi praticado pela direita, desde 1500 - o povo não se deixa enganar. Mesmo com toda manipulação de informações e de fatos, patrocinada pelos grandes empresários e reproduzida pela mídia tendenciosa, as pesquisas apontam Lula como favorito e disparado. Não é estranho?
    Mesmo os golpistas tendo a máquina administrativa a seu favor e investindo pesado na destruição da imagem de Lula, não está sendo possível conter o seu avanço e a intenção do povo em conduzi-lo novamente ao planalto. Teve um jornalista da Isto É, que até sugeriu a morte de Lula, entendendo que só assim, ele não se elegeria presidente pela terceira vez. Ou alguém tem dúvidas de que Lula ganha essa eleição? Ou alguém acha mesmo, que essa pesquisa está sendo manipulada a seu favor? Se houvesse manipulação, com certeza, ela seria contrária.
    Não estou defendendo o ex presidente Lula e nem é uma questão de faze-lo, mas na atual conjuntura política, diante das opções que se apresentam E POR TUDO QUE INEGAVELMENTE ELE JÁ FEZ PELO PAÍS - PRINCIPALMENTE PELOS MENOS FAVORECIDOS - ele, sem dúvida, é a melhor opção. Digo, até, que ele seria a salvação, diante do cenário caótico e sem muitas perspectivas de mudança que está diante de nós. O pós-golpe retrata a destruição dos avanços conquistados nos governos Lula e Dilma e escancara um retrocesso, reconquistado com orgulho, pela parte da sociedade que nunca quis deixar de ser feudal.
    Se a presidência for ocupada por algum outro candidato, cujas ideias sejam as mesmas ou se assemelhem às da direita golpista, escravocrata, totalitarista, elitista e hipócrita, voltaremos à idade média. Lula representa o óbvio, o lógico, em meio a tanto castigo que vem sendo imposto aos mais pobres, por parte dos neo colonizadores liberais. Ao mesmo tempo em que não faz sentido a sua ascensão, cada vez maior, tendo em vista o processo de demonização o qual ele vem sendo submetido diuturnamente.
    Dizem que a voz do povo é a voz de Deus. O QUE EU DISCORDO TOTALMENTE. Mas eu estou quase acreditando que o povo sabe escrever certo por linhas tortas.

    ResponderExcluir

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.