10 de nov de 2017

70 milhões de brasileiros vivem em deserto de notícias

Jornais e sites noticiosos foram mapeados em 1.125 cidades, o que significa que ficaram de fora cerca de 4.500 municípios, representando mais de 70 milhões de habitantes. São os chamados “desertos de notícias” no segmento impresso e digital, e representam até quase 40% da população nacional. Crédito: Atlas da Notícia/Projor
O Projor – Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo em parceria com o Volt Data Lab publica nesta edição especial do Observatório da Imprensa o “Atlas da Notícia“, levantamento inédito com base em jornalismo de dados sobre a presença ou ausência da imprensa em todo o território nacional.

Foram identificados, nessa primeira etapa do projeto, 5.354 veículos — entre jornais impressos e sites —, em 1.125 cidades de 27 unidades federativas. Um universo que compreende aproximadamente 130 milhões de pessoas, mais de 60% da população brasileira.

Para se entender o conceito de “desertos de notícias”, é preciso, entretanto, olhar para os espaços não contemplados na pesquisa: 4.500 municípios representando 70 milhões de habitantes não têm registros de meios noticiosos impressos ou digitais.

“O Atlas da Notícia é, antes de mais nada, uma ferramenta para conseguirmos enxergar quais as localidades mais carentes de jornalismo no Brasil”, explica Sérgio Spagnuolo, editor do Volt Data Lab, agência de jornalismo de dados que conduziu o levantamento e a pesquisa. “Dessa forma, ao criar conhecimento sobre esses desertos informativos, o Atlas servirá como ponto de partida para entendermos melhor a configuração do jornalismo no país.”

Esta legião de brasileiros — quase 35% da população nacional — não dispõe de notícias sobre sua própria comunidade, vivendo nos chamados “desertos de notícias”, onde não se cobre, entre outras coisas, nem a Prefeitura ou a Câmara Municipal. Não há, nesses territórios, a produção jornalística, o que compromete a capacidade decisória dos cidadãos.

O Atlas é um ponto de partida necessário para possíveis pesquisas imersivas nesses vazios e também nas comunidades em que o jornalismo está presente. Em função do caráter quantitativo do nosso primeiro levantamento, ainda não se pode avaliar a integridade — qualitativa — da prática profissional jornalística.

Num momento de mudanças de paradigmas e de emergência da ideia de pós-verdade, é necessário se voltar a perguntas básicas, como: para que servem as notícias locais ou regionais? Como elas se relacionam com uma noção mais ampla de cidadania?

O projeto se inspira no America’s Growing Deserts of News da revista Columbia Journalism Review. Os números apurados pelo Volt Data Lab se baseiam em três fontes de informações: Secretaria de Comunicação do Governo Federal, Associação Nacional de Jornais (ANJ), além de uma campanha de crowdsourcing.

Metodologia

Nesta primeira etapa, foram considerados apenas os jornais e sites de notícia e buscou-se, além de números absolutos, um recorte proporcional considerando a presença de veículos a cada cem mil habitantes.

Quando consideramos a população das capitais, Fortaleza foi a pior: com grande população (2,42 milhões) a metrópole registrou apenas 0,87 veículo por 100 mil habitantes. Salvador (2,65 milhões) ficou logo atrás, com 1,1 veículo. (Crédito: Atlas da Notícia/Projor)

O Volt Data Lab observa que não se trata, nesse caso, propriamente de alcance populacional mas da diversidade de veículos nos territórios pesquisados. Outras questões como circulação, abrangência geográfica efetiva e taxa de consumo deverão ser contempladas em outras etapas do projeto.

Os dados dos veículos impressos e online também foram cruzados com o IDHM – Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, considerando três indicadores socioeconômicos: população, escolaridade e renda. Mas, por dificuldades cadastrais, 47 cidades ficaram de fora dessa relação com o IDHM. As relações de 100 mil habitantes por veículo foram apuradas apenas em cidades com mais de cem mil habitantes para evitar distorções metodológicas.


Os números

Eles indicam o predomínio dos meios impressos (63% contra 37 % dos  digitais). Como já se poderia prever, em termos absolutos, São Paulo é o  estado com maior número de veículos noticiosos (1.641), seguido do Rio  Grande do Sul (600) e Santa Catarina (547).

Mas se levarmos em conta a concentração populacional, Santa Catarina,  Distrito Federal e Rio Grande do Sul são as unidades da federação com  maior concentração de veículos a cada cem mil habitantes, média de 8,8.  Em compensação, todos os estados do nordeste possuem, em média, um  veículo mapeado a cada 100 mil habitantes.

De um ponto de vista da proporcionalidade, Santa Catarina é a unidade  da federação com maior número de jornais impressos do Brasil, seguida  do Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

Já nos veículos online, a liderança proporcional é do Distrito  Federal, seguido de Rondônia e Santa Catarina. O Maranhão é o estado com  menor número de veículos online, considerando a relação por cem mil  habitantes.

No recorte por regiões do Brasil, há, novamente, uma diferença entre  os números absolutos e os proporcionais considerando a relação para cada  cem mil habitantes e a presença de veículos impressos e digitais. O  sudeste ocupa o primeiro lugar nos números absolutos, com 2.643 veículos  impressos e online, mas se considerarmos a proporcionalidade na relação  a cada cem mil habitantes ocupa o terceiro lugar.

A região Sul é a região com o maior número de jornais impressos e  online mapeados (5,49) para cada 100 mil habitantes. (Crédito: Atlas da  Notícia/Projor)

A liderança, nesse caso, é da região sul com média de 5,49 veículos  para cada cem mil habitantes, seguida do centro-oeste com 4,5 veículos,  norte com 1,31 veículos. A média mais baixa está no nordeste com 0,72  veículos. Os números do impresso acompanham a tendência do ranking  geral. Mas se consideramos, os veículos online a liderança passa a ser  da região centro-oeste, seguida pelo sul, sudeste, norte e nordeste.

A média é de cerca de 1,11 veículo online mapeado por região para cada 100 mil habitantes. (Crédito: Atlas da Notícia/Projor)

As regiões metropolitanas também foram ranqueadas a partir do  critério da proporcionalidade de presença de veículos impressos e  digitais a cada cem mil habitantes. A liderança, nesse caso, é do  Distrito Federal, seguida de Porto Alegre, São Paulo, Curitiba, Rio de  Janeiro e Belo Horizonte. Das capitais de outras regiões do país, Belém  aparece na sétima posição, seguida de Salvador, Fortaleza e Recife.

De forma análoga à distribuição de jornais de suas respectivas  regiões, as regiões metropolitanas de Recife, Fortaleza, Salvador e  Belém têm concentrações mais baixas de veículos mapeados. (Crédito:  Atlas da Notícia/Projor)

Das cidades do interior com mais veículos mapeados digitais e  impressos são Campinas e Santos, empatadas em 12º lugar, com 30 veículos  mapeados, seguida por Ribeirão Preto, em 19º lugar, com 22 veículos.

30 cidades com mais veículos de notícia (impresso e online), em 2017,  e comparativo por tipo de mídia e taxa a cada 100 mil habitantes.  (Fonte e crédito: Atlas da Notícia/Projor)

Ao considerarmos apenas os veículos impressos Porto Alegre assume o  1º lugar no país, seguida do Distrito Federal, Curitiba, São Paulo, Belo  Horizonte e Rio de Janeiro.

Crédito: Atlas da Notícia/Projor

Quando se trata de veículos online, porém, o Distrito Federal ocupa a  primeira posição, São Paulo a segunda e Porto Alegre a terceira.

Crédito: Atlas da Notícia/Projor.

O diagnóstico da situação atual do desertos de notícias no Brasil  poderá ser melhor compreendido a partir de parcerias e análises de  profissionais e pesquisadores de todo o país. O Atlas marca  o início de um processo de conhecimento não só das boas práticas de  jornalismo, como da falta que elas podem fazer para a construção de um  país mais cidadão e justo.

Pedro Varoni é jornalista e editor do Observatório da Imprensa | Vitor Haddad do Prado é jornalista e editor assistente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.