4 de out de 2017

Quem é o brasileiro que quer Lula preso?

Uma questão de metodologia de amostragem da pesquisa Datafolha pode explicar o paradoxo da maioria dos brasileiros querer, ao mesmo tempo, Lula presidente e Lula preso.


O paradoxo Lula

O jornal Folha de São Paulo nas edições de 01 e 02 de outubro de 2017 trazia um paradoxo. A maioria dos brasileiros quer Lula presidente, a maioria dos brasileiros quer Lula preso.

Na edição da Folha de São Paulo da segunda-feira – 02 de outubro de 2017 – parecia ter sido planejada para criar um anticlímax nas hostes petista. Logo após a edição do domingo anterior, quando noticiou que Lula ganharia as eleições de 2018 qualquer que fosse seu adversário – inclusive o juiz Sergio Moro, o jornal trazia a manchete: “maioria no país quer Lula preso”.

A manchete forçava um pouco a barra – uma maioria de 54% precisa ser relativizada quando uma “grande minoria” de 40% tem opinião contrária. Na verdade, a relativização estava lá – mas era preciso ler o texto.

A informação indiscutível – 89% da população querem a investigação de Michel Temer, o presidente de facto do Brasil, passou desapercebida.

Estava estabelecido o paradoxo. Apesar da impertinência da questão – a prisão de uma pessoa não é decidida em uma enquete de opinião pública – e da forma como foi apresentada, em manchete de jornal, pudesse, inclusive, ser considerada até uma forma de pressionar indevidamente o Judiciário.

Como era possível ao, mesmo tempo, o povo desejar Lula presidente e Lula preso?

Mas talvez não haja paradoxo algum.

Ocorre que, para entender isso, é preciso examinar o perfil da amostra das pesquisas do Datafolha. Foram realizadas duas pesquisas simultâneas: uma de intenção de voto – que virtualmente elegia Lula – e outra sobre ”temas políticos” que trazia a questão: “considerando o que foi revelado pela Operação Lava-Jato e seus desdobramentos até o momento, na sua opinião, Lula deveria ou não ser preso?”.

Vejamos o perfil da amostra.

Quem é o brasileiro que quer Lula preso?

No que diz respeito às distribuições por gênero, idade e população por região do Brasil, a amostragem da pesquisa seguiu escrupulosamente o Censo IBGE de 2010.

Quanto à distribuição por renda familiar, é bem mais difícil de se comparar contra dados oficiais, mas parecia bastante coerente – a maioria 82% com renda até 5 salários mínimos – 47% até 2 salários mínimos.

Havia uma discrepância clara no que se referia à formação étnica da amostra – com menos brancos e mais pretos, indígenas e orientais – além outras denominações – do que identificado no Censo 2010. Era uma amostra que privilegiava as minorias em detrimento da representação dos brancos – perto de 48% pelo Censo IBGE de 2010 e 34% na pesquisa Datafolha. Em relação aos pardos, não havia distorção maior – eram a maioria com 42% na pesquisa e 43,4% no Censo 2010.

Porém, como os resultados não foram estratificados por etnia, não é possível determinar-se qual influência sua distribuição pode ter exercido. Talvez acabe sendo mesmo apenas uma curiosidade.

O brasileiro superior

O que chamava a atenção era a estratificação por grau de instrução. O perfil da amostra parecia inicialmente ser mais escolarizado do que seria de se esperar – 20% com curso superior, 46% com o nível médio e 34% com grau de ensino fundamental.

datafolha set17 -3

Em outras palavras, 66% da amostra possuía grau de instrução médio ou superior.

O ”Portal Brasil em Síntese” do IBGE traz dados sobre o grau de instrução da população brasileira colhidos nas PNAD – pesquisa nacional por amostra de domicílios. Os dados, porém, são estratificados por anos de estudo e não por grau – fundamental, médio e superior.

É possível, no entanto, fazer-se uma aproximação.

IBGE 1

Por ela, em extremo, a população com instrução de nível médio e superior ficaria em 44%.

O que não significa, de modo algum, que a pesquisa Datafolha contenha qualquer tipo de manipulação ou incorreção dos dados, deixemos claro. Como tem apenas três estratos – fundamental, médio e superior, a diferença com os dos do IBGE pode ter surgido da forma como o Datafolha alocou as respostas relativas a médio e superior incompletos.

Há ainda um estrato que está presente na pesquisa Datafolha e está ausente nos dados do IBGE Brasil em Síntese – a escolaridade da faixa da população entre 16 e 24 anos. Mas essa faixa, até pela pouca idade, não iria aumentar os índices de educação de nível médio e, principalmente, a de nível superior da amostra. Provavelmente ao contrário.

Mesmo assim, pode haver uma diferença de 22 pontos percentuais entre a amostra do Datafolha e o levantamento da PNAD 2015. E 22 pontos percentuais são uma diferença considerável.

Lula preso

Basta ver como responderam os mais instruídos?

69% dos que têm instrução superior e 61% dos que têm nível médio querem Lula preso. O índice cai para 37% entre dos de instrução fundamental.

datafolha set17 -1

A amostragem do Datafolha privilegiaria a opinião dos estratos mais educados da população, em detrimento dos de menor grau de instrução. Daí o Lula preso estar em maioria.

Lula presidente

E por que, aparentemente, a distorção na representatividade por grau de instrução não afeta a eleição de Lula?

Por vários fatores combinados:

1 – existe algo em torno de 30% de eleitores com nível de instrução médio e superior que votam em Lula e, por óbvio, não o querem preso.

2 – os votos dos eleitores de instrução de nível médio e superior que não votam em Lula, e que por consequência o quereriam preso, se dividem entre os seus adversários, enquanto os votos dos de instrução fundamental se concentram em Lula.

3 – os eleitores de nível superior demostram um alto grau de rejeição a todos os candidatos – 24% votariam branco ou nulo – mas isso não leva a uma mudança de opinião quanto continuarem querendo que Lula seja preso.

datafolha set17 -2

Não há paradoxo algum

Conclusão, caso o estrato da população com grau de instrução fundamental esteja realente subrepresentado na pesquisa Datafolha, a afirmação de que “maioria no país quer Lula presopoderia não ser tão majoritária assim.

A opinião pública continuaria dividida, de uma forma ou de outra, mas com uma maior representação do estrato menos instruído, mais próxima da do IBGE, talvez a maioria se invertesse a favor da não prisão de Lula.

O que seria coerente com a eleição de um presidente com alto índice de rejeição, mas enfrentado adversários igualmente tão ou mais rejeitados. Uma eleição que teria também altos índices de votos brancos e nulos. Como, aliás, a pesquisa Datafolha de intenção de votos mostra.

Por fim, parafraseando Joãozinho Trinta: parece que quem quer Lula preso é intelectual, o povo quer mesmo é Lula presidente.

Sérgio Saraiva
No Oficina de Concertos Gerais e Poesia

Um comentário:

  1. Como já dizia o saudoso Joelmir Beting - "Se eu como dois frangos; e você não come nenhum, não se preocupe, a Estatística Prova que Comemos Um Frango cada um..."
    E notem que a Estatística em si (Ciência Precisa), "naufraga/sossobra" nas cleptomaníacas mãos interesseiras dos DESONESTOS Covardes e Traidores, ora com "poder"...

    ResponderExcluir

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.