5 de out de 2017

Nuzman e Grynner explodem no colo da Globo

Lava Jato vai pra cima? Ou não vem ao caso?

Grynner era o dono da bola - como levantador e cortador
Os chefões do esporte olímpico brasileiro, Nuzman e Grynner, geneticamente unidos à Globo Overseas, como a CBF e a FIFA, foram encaminhados à cadeia pela Lava Jato do Rio:

Lava-Jato prende Nuzman e seu braço direito, Leonardo Gryner

Em novo desdobramento da Operação Unfair Play, a força-tarefa da Lava-Jato prendeu temporariamente o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, e seu braço direito Leonardo Gryner, como antecipou o colunista do GLOBO Lauro Jardim. Na segunda-feira, o GLOBO mostrou que Gryner se reuniu em um hotel em Paris, em 2009, com o empresário Arthur Soares, acusado de pagar milhões em subornos ao ex-governador Sérgio Cabral e atualmente foragido.

O “Rei Arthur”, apelido de Soares, é apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como responsável pelo pagamento de US$ 2 milhões (R$ 3,5 milhões, na cotação da época) em propina ao senegalês Papa Massata Diack.

Segundo o MP francês, em troca, o pai dele, Lamine Diack, à época presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), votaria na candidatura do Rio durante a eleição realizada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), no dia 2 de outubro de 2009, na Dinamarca.

As novas provas que basearam o pedido de prisão temporária — com duração de cinco dias renováveis por mais cinco — contra o presidente do COB e seu braço-direito são e-mails encontrados no Comitê trocados entre Nuzman, Gryner e Papa Diack. Numa das mensagens, Papa Diack escreveu para Nuzman sobre Gryner:

"Nós estamos na sexta feira, 11 de dezembro de 2009, e meu banco Societé General de Senegal ainda não recebeu nenhuma transferência SWIFT de sua parte. Eu tentei falar com Leonardo Gryner diversas vezes mas não houve resposta. Você poderia verificar com ele [Gryner] se ele pode confirmar 100% que as transferências foram feitas a meus endereços em Dacar ou em Moscou (BSGV) [Banque Societé General Vostok]".
Mensagem de e-mail trocada por Papa Diack e Carlos Arthur Nuzman - Reprodução

Em outra mensagem, o Ministério Público aponta que há indícios de que podem haver outros delegados envolvidos na compra de votos para eleger o Rio a cidade sede dos Jogos de 2016. Segundo o e-mail, Papa Diack (como consultor de marketing da IAAF e CEO da empresa Pomodzi Sports Marketing) pede, mais uma vez, a Carlos Nuzman que dê a posição para “resolver o problema para a satisfação de todas as partes”, pois “tem encontrado todo tipo de problemas com a implementação/execução do problema anexo”.

Ao esclarecer o citado “problema” diz: "(...) Estou me referindo à sua amável assistência para resolver isso. Nós temos enfrentado de nosso lado todo tipo de constrangimento de pessoas que confiaram no nosso comprometimento em Copenhague. Por favor, me dê uma posição final e oficial a respeito de como podemos resolver esse assunto com a satisfação de todas as partes. Por favor aceite as desculpas e mensagem de amizade do meu pai [Lamine Diack]. Eu tenho notado a bondade e diligência da Sra. Maria Pedroso que tem se comunicado comigo quase toda semana", escreveu.
Mais uma mensagem enviada por Papa Diack ao presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman - Reprodução

(...)

O ansioso blogueiro conheceu e conviveu com Grynner.

Grynner era o todo-poderoso diretor de Esportes da Globo Overseas.

Basta o amigo navegante se dar conta do espaço estratégico que o Esporte tem na programação da Globo para ter uma ideia do poder de Grynner - e seus sucessores.

Eficiente, discreto, gentil, Grynner não escondia as genéticas relações com Nuzman.

Nuzman presidia o vôlei brasileiro e demonstrava desde ali que planejava subir a montanha.

Grynner na Globo e fora dela acompanhou e contribuiu para essa escalada fulminante.

O ansioso blogueiro foi trabalhar em Nova York e, na cobertura da Olimpíada (um fiasco) de Atlanta, reencontrou Grynner.

Já então Grynner estava fora da Globo e se tornou - ostensivamente - o braço-direito de Nuzman.

Perdeu os escrúpulos de jornalista e, antes de uma entrevista, sugeriu que perguntas fazer ao Nuzman...

Uma investigação sobre Nuzman e Grynner explode - se vier ao caso - no colo da Globo.

Assim como uma investigação sobre a patifaria na CBF e no malogrado futebol que se pratica no Brasil explode no colo da Globo e de seu inesquecível funcionário Marcelo Campos Pinto.

Mas, como se sabe, isso não vem ao caso.

Como os tucanos, a Globo é inimputável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.