23 de out de 2017

Governo Temer acaba esta semana

Afirmação independe de derrubada da denúncia

‘Haverá uma imensa crise de liquidez política’

Temer se verá convertido numa espécie de “Geni” nacional
A marcha inexorável para o fim

Em política, ter poder é projetar expectativa futura a fim de granjear apoios com base nessa perspectiva. Com isso, ganha-se cacife para convencer interlocutores (os players desse showbizz) da capacidade de entregar algo a alguém em data certa e definida. Em torno dessa capacidade vão se formando maiorias. A regra básica do jogo consiste em dar forma e consistência de programa às ideias esparsas que se assentam no resultado das votações parlamentares (mesmo que tudo pareça uma geleia, ou uma colcha de retalhos). Se esse conjunto de ideias, mesmo amorfo, está em sintonia com os anseios da população – também conhecida como “eleitores” – o líder da engrenagem se fortalece com a ampliação gradativa da popularidade. O objetivo derradeiro é ver tal chancela convertida em votos populares.

É simples assim. Mas é complexo.

Tomando por fato consumado a equação descrita acima, obra milenar dos gregos que criaram esse sistema espetacular chamado “democracia”, há escassa margem para errar ao dizer que o governo Michel Temer termina tão logo sejam computados os votos da sessão convocada para a próxima 4ª feira (25.out.2017). Qualquer que seja o resultado do painel de votação. A sessão se destina a analisar o pedido de autorização para que o Supremo Tribunal Federal possa processar Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência) por corrupção passiva e obstrução de Justiça.

Caso a Providência Divina aja em consonância com o desejo de mais de 90% dos brasileiros, o que não ocorreu na 1ª denúncia, o tempo de Temer no Palácio do Planalto se esgota porque não obterá 172 votos a seu favor no plenário da Câmara. Sendo assim, acaba porque termina e a partir daí inicia-se novo ciclo na República. Mas, levando em conta números do domingo anterior à sessão, isso será muito difícil de ocorrer. As planilhas mais pessimistas de apoiadores do Planalto estimavam entre 200 e 220 votos contra a denúncia do Ministério Público. Os cálculos mais entusiasmados somavam de 250 a 260 pró-Temer, com sutis defecções em relação à votação de agosto quando o plenário arquivou o 1º pedido de processo.

Contudo, mesmo que vença nominalmente no plenário e siga despachando no gabinete presidencial até 31 de dezembro de 2018, Michel Temer sabe que terminada a votação da 2ª denúncia do MP contra ele, encerra-se também a fase em que podia ter representado alguma expectativa de poder. Ou seja, estará consumada a equação de perde-perde da República brasileira. À velocidade da luz, Temer se verá convertido numa espécie de “Geni” nacional.

Os cheques pré-datados distribuídos por ele e por seus diletos comandados a partidos, parlamentares, centrais sindicais conservadoras e a corporações empresariais na Praça dos Três Poderes serão sacados todos ao mesmo tempo. Haverá uma imensa crise de liquidez política. No sistema financeiro as crises de liquidez quebram bancos – mesmo vetustas instituições – por ausência absoluta de credibilidade. Na realpolitik, quebram governos, derrubando-os.

A garantia de reformas destinadas a trazer dinamismo à economia, ou mesmo aquelas cuja missão é tão-somente fechar as contas na boca do caixa do Tesouro Nacional, como da Previdência Social, vai se dissipar no ar como névoa seca nas alvoradas brasilienses. No Congresso, vozes dóceis que hoje afagam o sucessor de Dilma Rousseff posto na cadeira na esteira da deposição da presidente eleita em 2014 converter-se-ão em lamuriantes madalenas arrependidas a chorar a perda de credibilidade junto ao eleitor. Todos porão em Temer a culpa do naufrágio político. Consolidado esse cenário, até os 3% de avaliação positiva que a atual gestão ainda conserva irão perecer indulgência plenária dos brasileiros. Incapaz de projetar expectativa de poder e de amalgamar qualquer programa viável, o governo também conhecerá seu fim.

A diferença do 1º para o 2º cenário é o tempo de exposição do corpo insepulto na pedra fria e malcheirosa em que será transformada a Esplanada dos Ministérios.

Poder não conhece vácuo, e caso ocorra a improvável derrota presidencial na votação do dia 27 já há um ambicioso projeto nascido no Legislativo à espreita: tem contornos liberais, dialoga com a sociedade de forma mais ampla que o governo de plantão e parece estar mais afinado com os compromissos de rigor fiscal inexoráveis para sair dessa fase insossa de recuperação que tanto nos vendem e nunca chega. Inclusive, vão parar de vender esses lotes na lua: acabou a verba publicitária estatal para 2017. Se os veículos de comunicação toparem veicular alguma campanha agora terão de aceitar receber apenas em 2018. A crise de liquidez já se abate sobre a mídia chapa-branca.

Em paralelo a isso, como 2 corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço, e certos da vitória mesmo que por margem menor de votos – situação incômoda e responsável por eclodir desconfianças de largo espectro – os palacianos passaram a vender a tese de um “combo de governo”: mantenha-se Temer, mas compartilhe-se o poder Executivo com o comando do Congresso, apelam.

Em períodos normais tal receita já não tinha chance de dar certo. Em ano eleitoral e com administração detentora de avaliação tão ruim, não haverá masterchef capaz de fazer esse caldo estabilizar. Quando vendem a ideia de transformar o presidente da Câmara em “um CEO” de Temer, que seria por sua vez “presidente do Conselho de Administração”, os áulicos palacianos desejam terceirizar as propostas impopulares e malsucedidas para o comando do Congresso e almejam fazer com que o chefe deles se cubra apenas das glórias – caso venham. Não recomendo que se case um tostão em aposta tão carente de crédito. Dará errado. Dentre todos eles, só Temer não disputará eleição em 2018.

A proposta, então, seria deputados e senadores defenderem a linha dura e entregarem os louros a quem retalhou o país à faca e vendeu filés, ossos e tripas no grande armazém de secos e molhados montado na Esplanada. Não tem risco de dar certo. Está nas digitais de 513 deputados o poder de decidir se dará errado já agora, a tempo de pôr um novo drive para rodar no hardware nacional e deixa-lo disputar o voto popular dentro de 1 ano, ou se dará errado ao longo dos próximos meses, levando tudo para o fundo do poço (onde não há mola, e sim alçapão).

Luís Costa Pinto

2 comentários:

  1. NOS ULTIMOS SUSPIROS DESSE GOVERNO DESASTROSO ,O PRESIDENTE VENDENDO O PAÍS, DESSE JEITO VAI ACABAR VENDENDO, NA BR.116,CAMINHOES DE BANANAS, TAMBEM UMA DE NOSSAS RIQUEZAS,NAO VAI SOBRER NADA.......

    ResponderExcluir

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.