20 de out de 2017

Brasil colhe crise moral após derrubada de Dilma

República é oferecida em sacrifício por serial killers

Retrocessos viram moeda de troca para salvar Temer


Serial killers

Naquele tempo era mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos Céus (Mateus, 19:24). Fazia-se política com um projeto de país no horizonte e se tinha vergonha das mazelas sociais do Brasil.

Eram dias de democracia, de Estado de direito.

Antagonistas se diziam adversários, não inimigos. Personalidades públicas perseguiam a exposição da própria biografia, não a ocultação do prontuário.

Sabia, cada um de vós, que o lado perverso da sociedade usava artifícios como trabalho análogo à escravidão para enriquecer indevidamente e ampliar indicadores de produtividade às custas do sofrimento alheio.

Havia um paraíso na terra, a Amazônia, considerada patrimônio da humanidade e cujas reservas eram protegidas acima de qualquer cobiça.

Foi assim até 17 de abril de 2016, quando se abateu sobre o Planalto, onde Dom Bosco sonhara ter visto jorrar leite e mel, densa treva. Fez-se então uma noite sem fim a partir dali, e nela seguimos mergulhados.

Para justificar o aniquilamento de uma agenda chancelada nas urnas de 2014 por 54.501.118 eleitores inventou-se o crime de responsabilidade fast-track: as tais pedaladas fiscais concederiam um verniz de legalidade ao impeachment de Dilma Rousseff, mas logo depois a regra seria revogada para não amputar outros mandatos. Crimes fiscais poderiam voltar a ser cometidos ao arrepio da lei e sem provocar indignações seletivas.

Iniciou-se um período de crescente vulgarização do papel dos operadores do direito, dos detentores do poder – instituído ou usurpado – e de implosão da arquitetura institucional construída a duras penas pela sociedade brasileira no pós-ditadura.

Em tempo: vulgarização não na acepção de “tornar popular”, mas sim no sentido de tornar vulgar mesmo. Escrachado.

Perdeu-se o respeito pelo cidadão, o temor pelo veredito das urnas, a perspectiva histórica e o compromisso com o regate das gigantescas diferenças sociais que fazem do Brasil uma das nações mais desiguais do planeta.

Foi essa desfaçatez para com a agenda da sociedade, por exemplo, que governou o voto dos 44 sócios de Aécio Neves na inexorável jornada de volta à carreira de lambanças e constrangimentos construída à sombra da imagem do avô Tancredo e no rastro do que sempre houve de mais desqualificante na política: as pegadas do presidiário Eduardo Cunha, autor intelectual do crime de desmonte nacional.

Agora, os correligionários de Aécio o querem longe da Presidência do PSDB, embora tenham-no honrado com o voto de confiança recebido de seus eleitores. Para eles, o senador mineiro não serve para presidir o partido porque está enrolado com a Justiça, é investigado na Lava Jato, disse que mataria um primo se ele o delatasse… mas serve para exercer o mandato e representar Minas Gerais. Os tucanos usam metros diferentes para medir representações públicas semelhantes.

O ápice dessa acelerada marcha à ré se tornou perigosamente aviltante na última terça-feira, quando o Ministério do Trabalho alterou e relaxou as exigências que devem ser feitas para definir situações de “trabalho análogo à escravidão”. Em português usual, trata-se do repugnante trabalho escravo – ainda em voga entre nós.

A mão pesada disposta a repor grilhões imemoriais nos pulsos de brasileiros degradados e segregados pelo fosso social que aparta abissalmente a ínfima parcela de ricos da imensa maioria de pobres e miseráveis do país foi usada pelo governo como moeda de troca na votação da 2ª denúncia contra Michel Temer. Parlamentares ligados aos segmentos mais reacionários do agronegócio impuseram o resgate desse objetivo almejado há muito tempo. A oportunidade surgiu porque acabou a verba para liberação de emendas de deputados e senadores e escasseiam as vagas em postos públicos disponíveis ao troca-troca usual em véspera de votações polêmicas.

A Organização Internacional do Trabalho, órgãos internos da ONU, o Ministério Público, federações de trabalhadores, sindicatos, a Ordem dos Advogados do Brasil e líderes de opinião na sociedade civil se levantaram contra o relaxamento dos parâmetros que definem trabalho escravo. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, até aqui voz associada ao governo que se instalou com a deposição de Dilma Rousseff, e o embaixador Rubens Ricúpero, uma das mais autorizadas personalidades públicas na busca de um lugar ao sol para o país no seleto clube dos Estados desenvolvidos e modernos, protestaram publicamente contra o retrocesso inimaginável.

Ricúpero alerta: o Brasil regredirá à vexatória situação de Nação cujos produtos irão sofrer boicotes internacionais com barreiras não alfandegárias. Esse é o último degrau da corrente de comércio – barreiras não alfandegárias são levantadas contra produtos saídos de territórios sob o domínio do Estado Islâmico, da Síria, do Malawi, da Coreia do Norte… enfim, de porções apartadas da civilização e que já não têm a integridade de Estados-Nação. Ex-ministro de Itamar Franco e entusiasta das gestões de Fernando Henrique, o embaixador aposentado está longe de ser classificado como “petista” ou “esquerdista”. É tão mente um realista – pragmático e realista.

Em verdade vos digo, voltando às escrituras: há tempo de plantar, e tempo de colher (Eclesiastes, 3:1-4). As hordas de brasileiros que foram às ruas no ano passado vestindo uniforme amarelo-pato plantaram intolerância e incoerência. Deixaram-se manipular de todas as formas por profissionais da má política e se converteram em massa de manobra para os arautos do Apocalipse. Hoje, o país colhe sua maior crise moral, não há bússola nem norte no horizonte. Todos parecemos convergir para um imenso matadouro onde a República é oferecida em sacrifício por serial killers dispostos a pulverizar o Brasil em troca da salvação efêmera de suas almas. Elas, contudo, arderão no inferno.

Luís Costa Pinto
No Poder360

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.