30 de set de 2017

Um blefe fardado

Depois da fala precipitada de Hamilton Mourão, o general Villas Bôas prova quem manda mesmo no Exército

O comandante põe ordem na casa
Talvez para fechar o ciclo de provocações inúteis, o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, convocou para um encontro no Rio de Janeiro, realizado dia 26 de setembro, alguns generais da ativa e muitos da reserva, com a finalidade de “orientar pessoalmente” comandados e ex-comandados. Lá enquadrou todo mundo.

Civis tresloucados – algumas dezenas de homens e mulheres – clamam hoje pelo golpe, dirigindo-se insistentemente ao Twitter do general Villas Bôas. Ele não dá resposta. Os civis se dividiram. O Exército, não.

A maioria dos tuiteiros alardeia ódio e muitos deles se inspiraram no discurso do general da ativa Hamilton Mourão, pronunciado durante palestra feita por ele numa loja maçônica, em Brasília. Mourão avaliou assim os desdobramentos da crise: “Os Poderes terão de buscar a solução (...) se não conseguirem, chegará a hora em que nós teremos de impor uma solução”.

Assustadora perspectiva. Mas foi blefe. Elementar. Não há registro, mesmo nos trópicos, onde tudo é possível, que um general, antes de golpear, tenha avisado algo assim: “Siga-me quem for brasileiro”.

A partir da posse de João Goulart, na surdina, os militares tramaram o golpe bem-sucedido, desfechado em 1964, com a inestimável contribuição dos ricos e da mídia. A ditadura durou 21 anos e deixou rastros amargos. Por isso, o discurso do general Mourão assustou, não progredirá, no entanto.

Os golpes militares no Brasil não se deram com a reação no poder. Como é o caso de agora. Temer não atrapalha. Ele ajuda desfazendo o que foi feito em benefício da população desvalida. Neste caso, a corrupção é tolerável. Intolerável é a distribuição de renda, os programas sociais.

Golpearam Getúlio Vargas em razão da pauta política do governo dele. Pontificou, no seu governo, a criação da Petrobras. O presidente pagou com a própria vida. João Goulart foi a próxima vítima. Foi para o exílio.

Lula superou os obstáculos. Quase foi derrubado no primeiro mandato. Conseguiu se reeleger. Apostou em Dilma duas vezes. Na segunda, ela não chegou ao fim. Foi golpeada.

Maurício Dias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.