26 de set de 2017

Silvio Santos vai pagar pelas baixarias na TV?

Nesta sexta-feira (22), o Ministério Público do Trabalho de São Paulo (MPT-SP) moveu uma ação contra o SBT por “danos morais coletivos” em que cobra uma multa de R$ 10 milhões da emissora. O processo tem como base dois casos escabrosos: o primeiro, de abril de 2016, envolvendo a assistente de palco Milene Pavorô, no Programa do Ratinho; e o segundo, de junho último, envolvendo a jovem Maisa Silva durante o Programa Silvio Santos. No caso mais recente, o dono da emissora insistiu em um namoro entre a adolescente e o apresentador Dudu Camargo, o que gerou uma situação constrangedora. Dias depois, Silvio Santos persistiu no crime, promovendo um novo encontro entre os dois na gravação do programa, levando Maisa Silva a sair chorando do estúdio.

Na avaliação do MPT-SP, a jovem “sofreu grave constrangimento diante da violação de sua privacidade, intimidade e honra, caracterizando lesão aos direitos da personalidade, mediante abuso do poder hierárquico e discriminação do gênero feminino pela forma de tratamento dispensada às profissionais”. Este caso ocorreu no momento em que o órgão negociava um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o SBT devido ao episódio de agressão sofrido pela assistente de palco do Programa do Ratinho. Na época, o apresentador chutou a caixa de papelão em que Milene Pavorô estava e o golpe atingiu a região da nuca da funcionária, “que deu um grito e caiu sentada no chão, visivelmente assustada e possivelmente machucada", relata o MPT.

Um filhote da ditadura militar

Nos dois episódios lamentáveis, difundidos amplamente em uma concessão pública de tevê, o truculento Silvio Santos não fez qualquer autocrítica. O SBT inclusive se recusou a assinar o TAC, alegando que a humilhação imposta por Ratinho foi apenas uma “encenação” do programa, “que tem conteúdo humorístico”. Já sobre o constrangimento sofrido pela jovem Maisa Silva e sobre o processo movido pelo Ministério Público do Trabalho, ele ainda não se manifestou. Silvio Santos não nega suas origens no regime militar. Recentemente, ele confessou seus vínculos com os generais promotores de torturas e mortes no país.

O jornalista Mauricio Stycer, do site UOL, registrou a confissão: “Silvio Santos já manifestou mais de uma vez gratidão a João Batista Figueiredo (1918-1999), último general a presidir o Brasil durante a ditadura. Foi no governo dele, em 1981, que o empresário ganhou a concessão de parte dos canais da TV Tupi, incluindo o de São Paulo, o que permitiu a transformação da TVS, do Rio, em SBT. Neste domingo [27/08/2017], em meio a uma brincadeira com os nomes de diferentes presidentes, ele voltou a fazer um elogio a Figueiredo: ‘Sou muito grato a ele. Se não fosse ele, eu estava vendendo caneta na praça da Sé’”.

Casos de Justiça e de polícia

As baixarias na televisão brasileira não são uma exclusividade do fascistoide Silvio Santos. Em julho último, a coluna “TV e Famosos”, do UOL, fez um levantamento sobre os programas que estão na mira do Ministério Público Federal por desrespeito aos direitos humanos, racismo e estímulo ao ódio e à violência. Vale conferir a reportagem:

* * *

"A Casa"

O Ministério Público Federal de São Paulo abriu inquérito para investigar o reality show "A Casa", da Record, após denúncias de telespectadores por violação de direitos humanos. 100 participantes ficam confinados em um imóvel de 120 m², com objetos e móveis para comportar até quatro pessoas. Só existem quatro camas, quatro toalhas, e alimentos e itens de higiene limitados, como papel higiênico, para este número de moradores. Alguns participantes já chegaram a passar mal e desenvolver doenças contagiosas no programa.

"BBB"

O reality mais longevo da Globo vira e mexe dá problema à emissora. Em 2010, foi um comentário do participante Marcelo Dourado, que disse que "hétero não pega AIDS". O comentário equivocado foi alvo do Ministério Público Federal (MPF) e uma liminar obrigou a emissora a exibir um esclarecimento sobre o assunto.

No "BBB12", a Globo teve de lidar com o maior escândalo do programa. O participante Daniel Echainz foi acusado de abusar sexualmente da colega Monique Amin, que estava alcoolizada, e o MPF instaurou inquérito para apurar se houve violações dos direitos da mulher no programa. O órgão ainda moveu uma ação para impedir que a Globo usasse as imagens do ocorrido, já que elas remetiam a um crime.

Uma esponja considerada racista motivou uma ação do MPF contra a Globo em 2016. O utensílio em questão imitava um penteado black power e foi alvo de protestos de espectadores antes mesmo da edição começar. A instituição protocolou uma ação civil pública contra a emissora "por dano moral coletivo e discriminação racial".

"Pânico"

O Conselho Distrital de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos pediu no MPF a retirada do ar dos quadros "A Academia das Paniquetes" e "O Maior Arregão do Mundo", exibidos pelo Pânico em 2012, alegando que eles estimulavam a discriminação e constrangiam a figura feminina. O programa também já teve de pagar indenizações a famosos como Agnaldo Silva e Antônia Fontenelle, e foi condenado a remover paródias do ar.

"Bom Dia & Cia"

O tradicional infantil do SBT era apresentado por Matheus Ueta e Ana Julia em 2015, quando os dois foram afastados por uma determinação do Tribunal Regional do Trabalho em São Paulo que visava a readequar o horário de trabalho dos apresentadores mirins. Eles ficaram duas semanas longe do programa e o juiz responsável pelo caso concedeu o alvará para que eles voltassem a trabalhar. O SBT, porém, optou por deixar Silvia Abravanel, diretora do núcleo infantil da emissora, no comando da atração.

"SBT Brasil"

O MPF trava uma batalha na Justiça contra o SBT por conta de um comentário feito por Rachel Sheherazade no "SBT Brasil" em 2014. Na ocasião, ela defendeu o linchamento de um adolescente que foi amarrado a um poste após um furto no Rio de Janeiro. A decisão de primeira instância foi favorável à emissora, mas neste ano o MPF entrou com recurso por considerar que a emissora extrapolou o direito à liberdade de expressão por exibir mensagens que incitam a violência.

"O Sexo e as Negas"

O seriado de Miguel Falabella foi alvo de denúncias antes de estrear, em 2014, por conta de seu nome e seu conteúdo, que girava em torno da vida sexual de quatro amigas – todas negras. A Seppir (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial) da Presidência da República abriu um procedimento administrativo para investigar a produção e autuou a Globo. Não houve maiores consequências, mas as críticas fizeram o autor Miguel Falabella se afastar da ideia de uma possível segunda temporada.

Altamiro Borges

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.