3 de set de 2017

Saqueadores do Brasil

O País anda de marcha à ré, mas celebramos o Dia da Independência enquanto nunca fomos tão dependentes

Wilson sabia mais do que os nossos governantes
Neste período de Michel Temer no comando de um governo golpista, o país subitamente bate de frente com o Dia 7 de Setembro e, por ironia, sofre constrangimentos ao fazer reverência à data de comemoração da Independência do Brasil, proclamada às margens do riacho Ipiranga. Nada menos que 195 anos se passaram. A realidade de 2017 briga, neste momento, com a referência histórica de 1822.

Esse badalado “evento cívico” poderia ser rebatizado e, por causa da entrega da soberania do País, passaria a ser o “Dia da Dependência”, conduzido pelo subjugado Temer, uma figura distante do determinado dom Pedro I.

Emergiram neste momento os entreguistas ou saqueadores do Brasil.

Temer botou à venda uma longa lista de empresas e ativos públicos à feição dos compradores externos. Alguns exemplos: Eletrobras, Cemig, pré-sal, aeroportos e, por fim, entre outras coisas, um previsto retorno ao aconchego do FMI, como anotou recentemente a revista Forbes.

Todos os estrangeiros receberão as boas-vindas dos parceiros locais. Mas essa aliança não engana. Nunca iludiu, por exemplo, o senhor Woodrow Wilson, que não envergava a faixa de presidente brasileiro.

Wilson, democrata e de viés progressista, era presidente dos Estados Unidos (1913-1921), quando fez a seguinte consideração política sobre as ações das empresas americanas fora do país. Disse: “O que esses Estados (os da América do Sul) estão procurando realizar é emancipar-se da subordinação (...), não tenho senão motivos para me congratular com a perspectiva de que consigam levar a efeito essa emancipação e considero meu dever ser o primeiro a tomar lugar entre os que os auxiliam a levá-la a termo”.

Essa posição foi reafirmada por William Jennings Bryan, secretário de Estado de Wilson. Disse ele: “O capitalista estrangeiro foi muitas vezes um elemento perturbador na América Latina”.

Em linha oposta, avoque-se a batalha travada entre os anos 1950 e 1960 para a criação da Casa da Moeda do Brasil, hoje posta em leilão por Michel Temer. A história foi contada recentemente pelo ex-prefeito Cesar Maia, em discurso na Câmara de Vereadores.

O pai dele, Felinto Maia, presidente da Casa da Moeda, foi autorizado pelo presidente Getúlio Vargas a adquirir tecnologia para fazer as notas brasileiras, até então fornecidas pela American Bank Notes, dos EUA, e pela britânica Thomas de La Rue. “Meu pai correu a Europa. Nem todos os países queriam fornecer. Finalmente, o Brasil comprou da Itália”, conta Maia.

Por essa e por outras, o país anda de marcha à ré. Quando consegue dar um passo à frente, logo, por subordinação política e econômica dos governantes, dá dois atrás.

Maurício Dias
No CartaCapital

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.