6 de set de 2017

Porque Joesley entregou as fitas que o comprometiam


De fonte do Ministério Público Federal, diretamente envolvida com a Lava Jato, fica-se sabendo que a existência das gravações já era conhecida há tempos.

Quando houve a entrega dos primeiros grampos, a busca feita pelo MPF capturou também gravações adicionais, possivelmente as que foram divulgadas estes dias. Os advogados da JBS pediram insistentemente que não fossem consideradas. E, aparentemente, a PGR acatou o pedido.

Com o final do mandato de Rodrigo Janot criou-se um dilema. Do lado da PGR o receio de que, entrando, a nova PGR Raquel Dodge procedesse a uma auditoria e descobrisse conteúdos comprometedores. Do lado, de Joesley, o receio de que a PGR entregasse as fitas antes da passagem do bastão. Quando a Polícia Federal botou a mão nos grampos reservados, o calco entornou.

Foi o que levou Joesley a se adiantar e entregar as gravações, com a vaga esperança de não ser acusado de esconder provas.

Com a formalização da entrega, não houve outro caminho a Janot que convocar um grupo de trabalho para uma audição de emergência. E, aí, apareceram os diálogos comprometedores sobre o x-procurador Marcello Miller.

Ou Janot já sabia do conteúdo e disfarçou, ou não sabia e se assustou. No apuro, imaginou a estratégia mais desastrada: uma coletiva para assumir o controle da narrativa do episódio, criando suspeitas que fossem mais bombásticas do que os fatos concretos envolvendo ele e Miller. E aí se enrolou todo lançando as suspeitas sobre o Supremo Tribunal Federal.

Valeu-se dos mesmos estratagemas do auge da Lava Jato, em que conseguia escandalizar até pum de delator, desde que meramente mencionasse o nome de Lula e Dilma.

Os tempos são outros. De um lado, jornais que dependem fortemente da publicidade oficial trataram de se lançar com gana sobre seu pescoço. A tentativa de um copy-paste para acelerar uma denúncia contra Lula e Dilma, visando reconquistar as manchetes, não deu certo. Apenas jornais menores, como o que se tornou O Globo, deram destaque ao factoide.

Nos seus estertores, Janot conseguiu dar uma flechada no pé. Aliás, várias flechadas.

Luís Nassif
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.