18 de set de 2017

O general da “intervenção” vai para a geladeira?


Os jornais trazem reportagens sobre as declarações do general Antonio Mourão de que “companheiros do Alto Comando do Exército” entendem que uma “intervenção militar” poderá ser adotada se o Judiciário “não solucionar o problema político”, em referência à corrupção de políticos.

Não é coisa a se atribuir maior importância, exceto dentro do próprio Exército, pela evidente quebra de hierarquia e disciplina mas, principalmente, por ter usurpado a palavra do mais alto órgão do Exército Brasileiro, onde ele é apenas um dos 14 integrantes.

Mourão, exonerado de um dos mais fortes comandos do Exército, o Sul, foi convertido ano passado em “general sem tropa” pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, ao transferi-lo para a burocrática Secretaria de Economia e Finanças.

É por isso que resolveu falar com a “cobertura” de uma reunião da maçonaria.

Neste momento julga-se se ele deve ser ignorado ou receber nova punição, necessária do ponto-de-vista disciplinar, mas que tem o inconveniente de  torná-lo líder do “movimento dos sem juízo”.

O mais provável é que o coloquem “no freezer”.

Os oficiais generais do Exército, salvo uma meia-dúzia de “brucutus”, são homens inteligentes e que passaram anos  estudando, entre outras coisas, geopolítica. Sabem perfeitamente que uma intervenção militar não apenas “racharia” a Força como acarretaria o imediato  isolamento do Brasil no mundo., que vive um contexto completamente diferente do período da “Guerra Fria”.

Governos militares só são possíveis, hoje – e olhe lá – em pequenos países, sem importância no cenário mundial, jamais num gigante como o Brasil.

A ameaça de ditadura que o Brasil vive hoje não é a militar, é a judicial.

Fernando Brito
No Tijolaço

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.