25 de set de 2017

Membro do MBL que pintou muro de Doria ganha boquinha na prefeitura

João Doria (PSDB) contratou um integrante do MBL (Movimento Brasil Livre) que ajudou a apagar uma pichação feita por manifestantes na casa do prefeito, nos Jardins (zona oeste de SP).

O gesto mostra o fortalecimento do MBL na gestão, no momento em que Doria busca se firmar como candidato à presidência. Formado por jovens liberais, o grupo é impulsionador da imagem do prefeito nas redes sociais.

O muro do tucano foi pichado no dia 15 de julho por manifestantes que protestavam contra a privatização de bens públicos, uma das bandeiras da atual administração. Eles escreveram na casa a frase "SP não está à venda".

No mesmo dia, integrantes do MBL foram até os Jardins repintar o muro do prefeito. Entre eles, estava Cauê Del Valle, 23, coordenador nacional do MBL e, à época, assessor parlamentar do vereador Fernando Holiday (DEM).

Doria chegou a gravar um vídeo para elogiar a atitude "espontânea" dos militantes, entre os quais também estava a jovem Paloma Oliva, 22, funcionária da prefeitura regional de Pinheiros.

Membro do MBL, ela aparece no vídeo pintando o muro com Cauê, namorado dela. "A gente não acha certo [a pichação]. Como a gente apoia a nova gestão do prefeito Doria, a gente decidiu se mobilizar pela internet e vir aqui ajudar", diz o rapaz no vídeo.

Pouco mais de duas semanas depois dessa ação, Cauê foi contratado pela mesma prefeitura regional de Pinheiros (zona oeste de SP).

Tanto o rapaz quanto a prefeitura regional de Pinheiros negam relação entre o contrato e com a pintura do muro. Ele diz que conhecia o prefeito regional de Pinheiros, Paulo Mathias, desde a campanha eleitoral de 2016.

No Executivo, Del Valle passou a receber um salário menor que no Legislativo, segundo dados do site da transparência. O valor bruto sai de R$ 5 mil para R$ 3,6 mil.

Del Valle diz, por e-mail, que o que pesou foi a oportunidade de trabalhar no poder Executivo. Graduando em publicidade, ele atua agora em questões relacionadas à agenda do gabinete.

O rapaz diz não ver contradição entre a ocupação de cargo público e a crítica que o movimento faz sobre o loteamento político. "[A ocupação] só reitera e fortifica nossos ideais dentro do poder público e abre ainda mais campo para o que defendemos: uma máquina pública enxuta, austera e eficiente."

O superior hierárquico de Del Valle e de Paloma, o prefeito regional de Pinheiros, Paulo Mathias, recentemente aderiu ao MBL. "Quando você monta um time, tem que montar com dois critérios. Primeiro é capacidade e, segundo, consonância de ideias", diz, justificando a contratação de pessoas do grupo.

Na prefeitura regional da Sé, o grupo também está presente. Ali, o militante do MBL Eric Balbino atua na supervisão de cultura do órgão.

Ele diz ser natural que o movimento faça parte da administração Doria, por questões ideológicas. "Não se espera que a gestão irá arregimentar colaboradores ligados ao PSOL e demais partidos de extrema-esquerda."

O rapaz edita o site "O Reacionário", que frequentemente exalta feitos de Doria e atacando seus críticos.

Um dos articuladores dos protestos pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o MBL faz as vezes de tropa de choque de Doria nas redes sociais. Com frequência, sites ligados ao movimento tentam desqualificar jornalistas que fazem matérias críticas ao tucano, geralmente acusando-os de serem militantes de extrema esquerda.

Balbino disse por e-mail que críticas ocorrem "sempre que jornalistas militantes usam seus veículos para noticiar mentiras e plantar factoides". Ele criticou a Folha, que, diz ele, usa "contra o MBL e a direita práticas que os nazistas nem sequer ousaram contra seus opositores".

Conforme a Folha noticiou, também há lideranças do movimento nos protestos nomeados para cargos também em Porto Alegre, Goiânia, Caxias do Sul (RS) e São José dos Campos (SP). O MBL argumenta que as indicações são absolutamente técnicas.

No Amigos do Presidente Lula

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.