24 de ago de 2017

Quase juntos

Dois cômicos americanos morreram na semana passada, mas a morte, quase juntos, é a única coisa que os une. O afro americano Richard Claxton Gregory e o judeu americano Joseph Levitch, conhecidos como Dick Gregory e Jerry Lewis, não podiam ser mais diferentes. Dick Gregory era um “stand up” clássico. Como o de outros cômicos da mesma linha, seu humor era feito apenas de palavras. Distinguia-se dos outros pelo seu ativismo contra o racismo e pelo conteúdo político dos seus monólogos. Já Jerry Lewis pertencia à tradição do “slapstick” (mal traduzido: pau de tapa), velho adereço dos tempos do vaudeville usado para simular bofetadas em cena e que acabou dando nome a todo tipo do que aqui se chama comédia pastelão. Lewis era um mestre do humor físico, da careta e do tropeção, que não excluía, mas dispensava a palavra. Ainda mais os “riffs” verbais do Gregory.  

Outra diferença entre Gregory e Lewis era que um fazia humor adulto, que pressupunha um grau de informação e de empatia política no público, enquanto o outro era um não engajado, que só pretendia divertir crianças e adultos. Mas aí aconteceu uma coisa inesperada: a crítica de cinema francesa adotou Jerry Lewis. Para espanto dos americanos, os franceses descobriram nuances e mensagens críticas nos seus filmes que ninguém tinha visto antes, e Lewis ganhou uma respeitabilidade intelectual que ele mesmo deve ter estranhado. Desenvolveu-se uma teoria da “destruição do cenário”, uma constante na obra de Lewis, que os franceses adoraram. Diziam que o que o aloprado ia derrubando de tropeção em tropeção, nos seus filmes, da cabeleira da grã fina às colunas do salão, era o capitalismo americano atacado por dentro por um dos seus desajustados, num apocalipse cômico. Em nenhum filme de Jerry Lewis, falta alguma forma de apocalipse, mesmo que só franceses a vejam.  

Gregory não foi o único “stand up” a falar de política e fazer crítica social. Gente como Mort Sahl e Lenny Bruce também fez. Mas Gregory foi o primeiro afro-americano a romper a barreira da discriminação e a se apresentar para públicos brancos, e seu sucesso não impediu que continuasse na luta pelos direitos civis fora dos palcos, sendo, inclusive, preso várias vezes por isso. Lewis não se engajou em política, a não ser indiretamente, na visão da crítica francesa. Engajou-se em campanhas filantrópicas, mas, se existe um céu dos humoristas, é difícil que os dois estejam conversando.

Luís Fernando Veríssimo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.