20 de ago de 2017

‘Mercado’ blinda Meirelles e finge não haver crise fiscal à vista

Para economista-chefe de gestora de fundos, “pânico” surgirá durante a eleição presidencial

O “queridinho” do “mercado” a sonhar com a cadeira de presidente talvez torça em segredo pelo pânico eleitoral
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, assumiu em maio de 2016 com promessas de botar as contas públicas em ordem, mas acaba de anunciar um rombo fiscal extra de 200 bilhões de reais até 2020. Antes da revisão das metas, o déficit fiscal era projetado em 323 bilhões de reais no período, mas a conta passou para 522 bilhões de reais na última semana.

Apesar disso, Meirelles tem sido tratado com tolerância pelo “mercado”, a ponto de no mesmo dia da ampliação do buraco uma agência de rating, dessas que dão notas a um país conforme o perigo de um credor dele tomar calote, emitir um comunicado pró-Brasil.
Economista-chefe da Gradual Investimentos, empresa do “mercado”, André Perfeito vê tudo com perplexidade. A mesma agência que premiou Meirelles, a Standard & Poor’s, cortou a nota do Brasil em setembro de 2015 e parou de recomendar investimentos aqui logo após o governo Dilma Rousseff propor um orçamento com um rombo de 30 bilhões de reais.

Agora, Meirelles avisa que o buraco de 2018 será 30 bilhões de reais superior ao projetado anteriormente e ainda ganha um comunicado positivo.

Para Perfeito, a decisão da S&P “não é sensata”, como também não é sensata a postura geral do sistema financeiro, de vista grossa aos resultados produzidos até aqui pelo dream team de Brasília. Uma questão de afinidade política, talvez. “O mercado acredita que déficits maiores na mão do Meirelles são menos perigosos do que déficits menores na mão da Dilma”, afirma. “Acha também que a equipe econômica tem força e quer fazer ajustes. Só que o ajuste não vai dar certo.”

Os maus resultados da equipe econômica puderam ser notados no anúncio de Meirelles das novas projeções fiscais. Além do rombo extra, a previsão de crescimento para 2018 caiu de 2,5% para 2%. O salário mínimo subirá dez reais a menos no ano que vem, em virtude de a inflação ter desabado este ano em um País cuja economia está com o motor pifado. A arrecadação federal está no pior patamar do século e recuará de novo em 2018, também devido ao PIB estagnado.

“O governo precisa admitir que tem um problema de receitas, não só de gasto, como dizia”, afirma Perfeito. “Ou aumenta impostos ou incentiva o PIB, mas não é isso que tem feito, ao contrário, o ajuste é recessivo. O governo precisa gastar.” Gastar para compensar a retranca de firmas e famílias. No primeiro trimestre, os investimentos na economia caíram pela 12ª vez seguida. No fim do segundo, 23 havia milhões de desempregados, subocupados ou que desistiram de buscar trabalho.

O esgarçamento do tecido social complica as coisas, segundo Perfeito. Para equilibrar as finanças mais adiante, Meirelles faz promessas sem futuro, como a reforma da Previdência. Só que esta continua sendo levado a sério pelo “mercado” em suas análises sobre a dívida brasileira. “Os pactos do atual governo não poderão ser mantidos pelo próximo, não são sustentáveis no tempo, o Brasil não aguenta. E partem de um governo com apenas 5% de aprovação.”

A dívida pública está em 50% do PIB, pelo conceito de dívida líquida, que exclui por exemplo o valor das reservas internacionais de dólares, hoje em 380 bilhões. A bruta, que não faz esse tipo de desconto, está em 74% do PIB. Consultado toda semana pelo Banco Central, o “mercado” projeta 55% para a líquida até o fim de 2018, o que levaria a bruta para algo perto de 80%. Números preocupantes.

“O mercado não consegue perceber a crise fiscal que vem por aí, o Brasil está em cima de gelo fino”, diz Perfeito. Parte da explicação para o sossego é a sobra de dólares no mundo. A outra talvez seja, digamos, malandragem. “Aposto que teremos pânico no mercado durante a eleição do ano que vem. Vão fazer a mesma bobagem de 2014, quando o dólar disparou porque o preço do petróleo despencou, mas atribuíram a alta no câmbio à política interna e culparam a Dilma.”

Henrique Meirelles, o “queridinho” do “mercado” a sonhar com a cadeira de presidente, talvez torça em segredo pelo pânico eleitoral.

André Barrocal
No CartaCapital

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.