13 de ago de 2017

Mapa da derrota da direita na Venezuela


A essa hora a direita estaria, pelos cálculos dela mesma, numa posição de força totalmente diferente da atual. Ou sentada no Palácio de Miraflores, ou tratando de um governo paralelo combinado com movimentos de massa e ações violentas, inclusive militares. Apostou no tudo ou nada/agora ou nunca, e hoje está enredada numa disputa interna para ver como seguir, tentando para não acabar pior que ao começar a escalada dos 100 dias.

Aconteceu o que tantas vezes acontece à direita: erraram nas análises. Superestimaram a própria força, subestimaram o chavismo, leram de maneira errada o estado de ânimo das massas, calcularam mal as coordenadas do campo de batalha. E nas batalhas as responsabilidades são coletivas, mas diferenciadas: o peso maior cai sobre os generais – como ensina, dentre outros livros, A Estranha Derrota, de Marc Bloch.

Porque fato é que houve a derrota, derrota tática, no marco de um equilíbrio instável prolongado, mas derrota, sim, e derrotas implicam mudanças, rompimentos, debandadas e mudanças de posição.

Por que a direita avaliou tão erradamente as condições para tomar o poder pela força na Venezuela? Foram vários elementos combinados. Em primeiro lugar, a posição da classe dirigente. A direção do movimento golpista estava e está em mãos de homens e mulheres da burguesia, da oligarquia, quadros em sua maioria de classe média alta, formados todos nessa política imaginária tão típica das direitas em todo o mundo. Não é verdade que a direita não desenvolveu estruturas em algumas zonas populares, mas não dirigem realmente coisa alguma e onde existem, são minoritárias. A esse elemento soma-se outro, que agrava o risco do cálculo e leva a erro: uma parte da direção do movimento golpista, tanto venezuelanos como norte-americanos, vive fora da Venezuela, muitos nos EUA.

Essas interpretações, marcadas por grande distância de classe e de país, acabaram por fracassar pelo efeito bumerangue de uma de suas reconhecidas forças: as redes sociais predominantemente de direita. A direita golpista venezuelana assumiu que a dinâmica manifestada nas redes seria representativa do estado de ânimo das maiorias e que essas maiorias seriam de direita. Pensaram que a fortuna que consumiram – da ordem de milhões de dólares – com veículos das empresas Twitter, Facebook, Instagram, Youtube, obtivera real sucesso, seria a expressão da verdade, o que realmente existia no mundo real, que a radicalidade da direita ali expressa seria a radicalidade popular real.

Desse modo, acabaram por se convencer de que o governo Maduro estaria caindo, faltando só o empurrão final, que o governo tinha apoio popular, que era minoritário e estava preso às cordas, que as massas descontentes atenderiam a convocação da direita para que tomassem as ruas para derrubar o "regime", e que a própria direita teria força suficiente para expandir-se até alcançar aa grande massa policlassista e nacional necessária para derrubar o governo eleito. Essa combinação de elementos incidiria por sua vez sobre fatores políticos e institucionais do chavismo, os quais, ao ver o crescimento irrefreável das massas a exigir eleições gerais, mudariam de lado. Só aconteceu com a Fiscal Geral e alguns dirigentes intermédios pontuais – e não por pressão das massas, mas por plano e suborno político. O mais importante nesse plano era a Fuerza Armada Nacional Bolivariana, que a direita contava com que rapidamente mudaria de lado: e essa se manteve intacta, não vacilou e não quebrou.

Esses cálculos levaram a direita a manter a hipótese de saída violenta durante mais de 100 dias. Com pontos chaves, como o anúncio de que o próximo presidente seria eleito em eleições primárias. Foi o que disse Ramos Allup, o primeiro a declarar logo que participará nas eleições regionais. Entre um e outro anúncio, passaram-se 15 dias, e no meio houve um evento crucial: a vitória eleitoral de 30 de julho, com mais de 8 milhões de votos contra a violência golpista, e a favor de uma solução democrática comandada pelo chavismo. A direita fez como se nada tivesse acontecido, mas o impacto daquela vitória foi inegável: levou a um rearranjo de posições e mudança de tática em desenvolvimento.

Resultado disso tudo foi a inversão das premissas da direita: o chavismo não estava nocauteado e aplicou uma lição histórica à direita venezuelana; os setores populares adivinharam de longe o movimento que viria da direita e rechaçaram a violência. E a direita, os grupos de choque e setores paramilitares não conseguiram modificar o quadro nacional real. Com coordenadas desse tipo, é impossível tomar o poder pela força. E uma depois da outra caíram as 'propostas' da direita. Hoje já declaram que participarão de eleições coordenadas e comandadas pelo governo chavista de Maduro que, há uma semana, a direita acusava de ilegal, ilegítimo y fraudulento. Freddy Guevara, de "Voluntad Popular", já anunciou que "o caminho é eleitoral".

Alguns ainda não se pronunciaram, por desacordos, por incapacidade para concorrer em disputa eleitoral limpa – como María Corina Machado –, por tensão com uma base social fraudada, à qual haviam prometido poder iminente e forte, mas à qual, cem dias depois, só têm a oferecer a via eleitoral e crise interna.

Esses meses de escalada reconfiguraram o mapa interno da direita, que hoje parece composta de três setores, os quais, embora sustentem posições diferentes – por pragmatismo ou convicção – não parecem separados por fronteiras muito claras.

    1.      O primeiro desses grupos da direita venezuelana reúne os partidos de direita mais históricos, como "Acción Democrática" presidido por Ramos Allup, o qual, embora tenha acompanhado a escalada da violência, aposta e sempre apostou na estratégia de desgastar o governo – principalmente por efeito de ataques econômicos –para assim 'herdar' os votos do descontentamento popular e apostas em vitórias eleitorais.

    2.     O segundo grupo da direita venezuelana é coordenado, por exemplo, por "Voluntad Popular" e "Primero Justicia" – cujos dirigentes estão proibidos de candidatar-se – e grupo que desde o início apostou na saída pela violência, trabalhou na formação/financiamento/treinamento de grupos de choque e vinculou-se diretamente com setores paramilitares.

    3.     O terceiro grupo da direita venezuelana é o que se autodenominou "resistência" e recebe vários nomes conforme as regiões na Venezuela. O discurso desse grupo é rechaçar a traição dos dirigentes que aceitaram concorrer em eleições, e insistir na necessidade de escalar a confrontação de rua, com reivindicação de ações violentas – como as que se viram no dia das eleições.

             Esse grupo de direita extremista opera comunicacionalmente pelas redes sociais, e diretamente de Miami. É difícil definir se há aí um processo de relativa espontaneidade, ou se a dita "resistência" foi inventada exclusivamente para pôr em execução ações planejadas, dentro do segundo grupo acima, sob diferentes denominações. Quantos são? Quem os dirige e coordena? Segundo dizem os próprios 'representantes' maiameros [de Miami/*maiami*] seriam dispersos, sem centro de comando.

Essa análise permite compreender por exemplo a ação de domingo passado no Fuerte Paramacay.

Não se trata, como os ataques a quarteis dos meses de maio/junho/julho, de medidas no marco de alguma escalada que vise a encurralar o governo, como ação ofensiva. Mais se assemelha a um esforço para manter medidas de alto impacto – com forte repercussão internacional –, que contou com a participação dos grupos mais radicais. A autoria do fato deve ser buscada no terceiro setor acima – que parece vinculado, por baixo dos panos, também ao segundo e a dirigentes assumidos da direita como o senador norteamericano Marco Rubio. – Seguramente há planos para ações como essa, e maiores. Veem-se sintomas de desespero, o que sempre pode gerar violência e apostas mais radicais.

A esse quadro devem acrescentar-se as principais linhas de força da direita: os ataques econômicos e a ação internacional. No primeiro caso, já se viu como, logo depois do 30 de julho, produziu-se ataque frontal contra a moeda, quando o dólar paralelo foi aumentado vertiginosamente. O objetivo é fazer disparar os preços, desgastar o apoio popular, afastar do governo a população, agravar o quadro de dificuldade material, tentar asfixiar os cotidianos das classes populares. Quanto ao contexto internacional, a escalada continua, dirigida dos EUA, com apoio central da Colômbia e de governos subordinados aos EUA na região.

Resultado é que a direita voltou a depender de duas estratégias que manifestam a incapacidade da própria direita. Uma é golpear a população do país, para levá-la ao desespero e tentar converter o desespero em votos. A outra é pedir intervenção norte-americana, a ser disfarçada como seja preciso. Essa realidade é mostra de fraqueza, não de força.

A eleição de 30 de julho, da Assembleia Constituinte, foi vitória tática do chavismo. Essa nova situação, no equilíbrio instável, trouxe efeitos que recaíram sobre uma direita que outra vez equivocou-se gravemente em sua análise do campo de batalha, e também dentro dela. Essa vantagem a favor dos chavistas tem de ser traduzida urgentemente em ações. O setor que mais exige ações revolucionárias, além do Judiciário, é o setor econômico. A economia, já se sabe, é política concentrada. Aí parece estar hoje o principal desafio que a revolução bolivariana tem de enfrentar.

Marco Teruggi
Tradução do Coletivo Vila Vudu
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.