27 de ago de 2017

Juízes e coxinhas reclamam, mas Gilmar Mendes é “a sua cara”


Quem sempre combateu a prepotência de Gilmar Mendes não pode ficar constrangido  por medo de ser confundido com suas abjeções.

E, portanto, não entra de gaiato no navio do movimento que se faz contra suas decisões agora, quando não se as fez no passado.

Que aliás, é o mais recente fiasco dos “coxinhas”, não conseguindo reunir hoje mais do que algumas centenas de fanáticos de extrema-direita

Protestam agora contra Gilmar Mendes assume atitudes ultraliberais – e como de tantas outras vezes, desavergonhadas – surge na imprensa uma onda para pedir seu impeachment, mais que merecido, e não de agora.

O que se questiona agora em Gilmar, a parcialidade e a discricionariedade é exatamente aquilo o que, de tempos para cá, caracteriza boa parte da magistratura brasileira.

Pois Gilmar solta com a mesma naturalidade com que Moro prende. Basta-lhe a “convicção”.

Gilmar dá ou nega mandados como Moro, hoje, demonstra considerar denunciados em delações: para uns, vale, para outros, não.

Gilmar Mendes não é a doença do Judiciário, é um sintoma dela.

Existe porque existem cumplicidades, covardias e, sobretudo, desejos de fazer com que ela seja instrumento do conservadorismo.

É só o que têm feito dela.

Fernando Brito
No Tijolaço

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.