25 de jun de 2017

Roquenrol

O aniversário do Sergeant Pepper, dos Beatles, me pôs a pensar no meu currículo roqueiro. Posso dizer que conheço o roquenrol desde antes de ele nascer, ou pelo menos antes de se chamar assim. Morávamos em Washington e eu ia muito a concertos de “rhythm and blues”, onde geralmente era o único branco na plateia, e lembro quando as primeiras músicas de “r&b” começaram a pular a barreira racial e ser tocadas em programas de rádio para brancos. Em seguida, começaram a aparecer grupos brancos tocando mais ou menos a mesma música com o nome novo. A expressão “rock and roll”, com sua conotação sexual, também vinha da cultura negra, mas foram os grupos brancos que a capitalizaram. Como Bill Halley e seus Cometas, que fizeram a trilha sonora do filme Blackboard Jungle, que levou jovens à loucura e provocou quebra-quebras em muitas cinemas do mundo, e gravaram o Rock Around the Clock, espécie de hino inaugural do movimento.

A base do roquenrol era a progressão harmônica do “blues” e uma das suas raízes estava no “blues” branco, misturado com música caipira, do Sul dos Estados Unidos, de onde saíram Jerry Lee Lewis e Elvis Presley. O “rhythm and blues” negro continuou a existir e gerou muitas das formas que o roquenrol tem hoje, mas foi o roque branco nascido há 60 anos da encampação da música popular negra que tomou conta do mundo e o domina até hoje. Ajudou o fato de que, junto com o roque, começava a existir o Jovem como consumidor diferenciado, e não só de música. Um mercado que também domina o mundo até hoje.

Acompanhei o roquenrol até os Beatles se separarem. Lembro que os Beatles e os Rolling Stones representavam correntes adversárias dentro do universo do roque. Os dois grupos vinham da mesma origem proletária, mas os Beatles tinham se sofisticado e, com o álbum do Sgt. Pepper, enveredado para uma coisa mais intelectualizada enquanto os Stones se mantinham fiéis ao “backbeat” básico e à pura energia hormonal, a mesma que atrai os jovens até hoje, embora eles já pareçam as suas própria múmias.

Quando os Beatles acabaram, me desliguei. Fui ouvir meu jazz, minha bossa e meus barrocos, e só tenho prestado atenção quando o roque se transforma em fenômeno psicossocial e a atenção é inescapável - como no caso das apresentações dos Stones. Uma ocasião para refletir sobre estes 60 anos e a durabilidade daquele ato de apropriação, quando os “blues” ficaram brancos. Sem falar, claro, na eternidade do Mick Jagger.

Luís Fernando Veríssimo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.