26 de jun de 2017

Anti-Freud

Li uma resenha de um livro de ensaios do crítico literário Frederick Crews intitulado “Follies of the Wise” (mais ou menos “Loucuras dos sábios”), em que ele critica diferentes formas de irracionalidade que aspiram à respeitabilidade intelectual e científica — coisas como criacionismo e “design” inteligente opostos a evolucionismo etc. — e inclui entre elas todo o corpo teórico e experimental de Sigmund Freud.

Crews não admite nem que, se muitas das suas sacadas não resistem à verificação empírica e foram desmentidas pelo tempo ou ultrapassadas, mesmo assim Freud foi um pensador original, cuja influência na cultura ocidental não se pode negar.

Ele nega. Diz que a ideia do inconsciente já estava na Psicologia e na Filosofia românticas e que coisas como terapias que recorrem à memória reprimida criaram mais traumas familiares, como falsas memórias de abuso sexual na infância, do que curas.

Coloca Freud, surpreendentemente, com os metafísicos e os charlatães no mesmo lado do abismo irrecuperável que os separa da Ciência.

O resenhista lembra que Crews já foi um freudiano que, inclusive, recorria à psicanálise nos seus estudos literários, e poderia ter a mesma relação com o antigo mestre que um défroqué tem com a Igreja.

De qualquer forma, Freud não está tendo uma boa posteridade.

A psicanálise como terapia foi em boa parte ultrapassada pelo tratamento químico, e as suas teses sobre o inconsciente coletivo e sua importância no devir da História explicaram, mas não influenciaram a História.

Crews fez o contrário de Thomas Mann, que resistiu às ideias de Freud e acabou sucumbindo, tornando-se um dos seus maiores defensores e exegetas.

Mas Freud deve ter se engasgado com seu charuto ao ler o que Mann escreveu a seu respeito, que seu antirracionalismo e sua teoria da libido eram, em resumo, sem qualquer mística, romantismo com pretensão a ser Ciência.

A mesma reação que deve ter tido Marx ao ouvir que sua obra devia mais ao romantismo alemão e ao messianismo judeu do que a uma ciência da História.

Luís Fernando Veríssimo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.