23 de mai de 2017

O acordo por cima: continuidade do golpe sem Temer


Em paralelo à guerra entre a Globo, a FSP e o Estadão pela primazia de protagonismo na arena política, avançam as costuras no interior da classe dominante para definir as saídas para a crise.

Além dos movimentos dos atores partidários da oligarquia, as entidades empresariais passaram a defender publicamente suas perspectivas.

Nos jornais pode-se observar estes movimentos:

- num Comunicado à Nação, a CNI, sem mencionar o governo e o presidente moribundo, defende que "as reformas trabalhista, previdenciária, tributária e política são imprescindíveis e têm de continuar avançando";

- em anúncio de página inteira, o SECOVI [Sindicato da Habitação de SP], também omite o descartável Temer e sustenta que "a agenda de reformas veio para ficar e deve ser obrigatoriamente implantada";

- FHC sugere um entendimento com Lula e o PT para viabilizar "uma sucessão controlada" [leia-se, indireta] do Temer, como pressuposto para a estabilização do clima político para o prosseguimento das reformas no Congresso;

- a colunista Lydia Medeiros, de O Globo informa que o "alto comando da coalizão partidária que sustenta o governo Temer busca, desde o fim de semana, uma solução para a crise que permita a renúncia do presidente e dê a ele garantias de que não irá para a prisão". Segundo a jornalista, "Temer já teria concordado com a ideia, e opções como indulto ou pedido de asilo foram discutidas nas últimas horas. Entre os articuladores estão José Sarney, Fernando Henrique Cardoso, Romero Jucá e Renan Calheiros".

Os parâmetros da classe dominante para a solução da crise estão claros: eleição indireta do sucessor de Michel Temer no Congresso e a continuidade das reformas trabalhista e previdenciária e das agendas antipopulares e antinacionais – ou seja, a continuidade do golpe.

Esta solução requer, porém, o equacionamento de três variáveis: [1] proteger Temer da prisão depois da renúncia ou afastamento, [2] encontrar consenso acerca do nome a ser eleito indiretamente pelo Congresso para suceder Temer e presidir o país até 31/12/2018, e [3] inviabilizar a candidatura do Lula.

Caso não haja uma contundente capacidade de mobilização popular, nos moldes da campanha das Diretas Já de 1984, o desfecho da crise será o acordo por cima fechado pela classe dominante, mesmo que isso possa abrir um período de instabilidade política e de conflito social no país.

Jeferson Miola

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.