18 de jan de 2017

Sarney não é localizado para depor no caso triplex, diz substituta de Moro


A juíza Gabriela Hardt, substituta do simbolo da Lava Jato, Sergio Moro, assinou na segunda (16) um despacho informando que o ex-presidente José Sarney (PMDB) não foi encontrado para prestar depoimento no caso triplex como testemunha de defesa de Paulo Okamotto, dirigente do Instituto Lula.

Segundo o documento, Sarney foi procurado em um endereço no Maranhão, mas o oficial de Justiça não conseguiu encontrá-lo. "O responsável pela segurança do imóvel informou que José Sarney de Araújo Costa atualmente reside em Brasília/DF e que raramente comparece ao local."

De acordo com a magistrada, "o outro endereço informado pela defesa [de Okamotto] como sendo de residência de José Sarney, na Ilha Curupi, Baía de São Marcos, Raposa, São Luís/MA, será ainda diligenciado, porém, como informado pela própria Secretaria da Seção Judiciária do Maranhão, o endereço provável de José Sarney de Araújo Costa é em Brasília/DF."

O depoimento de Sarney foi agendado para o dia 14 de fevereiro, às 14 horas, por meio de videoconferência, com o Juízo Federal de São Luís. A defesa de Okamotto foi intimada a informar, em até cinco dias, se conhece o endereço do ex-presidente na capital federal.

A mesma situação ocorreu com outra testemunha do presidente do Instituto Lula, o ex-ministro Ricardo Berzoini (PT). Segundo a juíza, ele não foi localizado pelo oficial de Justiça em São Paulo. "Observo que foi solicitada igualmente a sua intimação em endereço de Brasília/DF para comparecimento na audiência por videoconferência do dia 01/03/2017, às 9h30. Assim, por ora aguardem-se informações quanto ao cumprimento da carta precatória expedida para Brasília/DF", determinou Hardt.

Okamotto também arrolou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) como testemunha. Em despacho de dezembro, o juiz Sergio Moro indicou que FHC será ouvido no dia 9 de fevereiro de 2017, por videoconferência, a partir de São Paulo, às 9h30. A lei impede que o ex-presidente se recuse a colaborar.

Okamotto é réu na mesma ação em que Lula responde por ter supostamente recebido vantagens indevidas da OAS. No caso do presidente do Instituto, ele assinou um contrato com a empresa Granero para armazenar parte do acervo presidencial de Lula. Ao longo de pelo menos quatro anos, a OAS fez os pagamentos à Granero, ao custo total de cerca de R$ 1 milhão. A Lava Jato diz que esse contrato foi fraudulento, pois omitia o real caráter do serviço.

Além disso, os procuradores afirmam que a OAS só aceitou pagar pela manutenção do acervo e pela reforma de um apartamento no Condomínio Solaris como contrapartida a três contratos que obteve com a Petrobras, por obras nas refinarias de Abreu e Lima (PE) e Getúlio Vargas (PR).

As oitivas do caso triplex recomeçam em fevereiro, quando serão ouvidas as testemunhas de Lula e dos demais réus; confira o calendário aqui.

Cíntia Alves
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.