8 de jan de 2017

Pai e filho

Ele tinha 65 anos e um dia surpreendeu todo o mundo com a informação de que estava, finalmente, conseguindo falar com seu pai. Foi um espanto. Ninguém imaginava que ele ainda tivesse pai. Alguns chegaram a pensar que o contato se dera numa sessão espírita. Mas não, o pai estava vivo. Casara cedo, tinha 20 e poucos anos quando o filho nascera. Por isso mesmo, nunca haviam se entendido muito bem. Não tinham interesses em comum. Não tinham assunto. Mas agora tinham.

O pai era fã da Ingrid Bergman e dizia que nunca apareceria outra como a Ingrid Bergman.

– O que é isso, papai? E a Jennifer Lawrence?

– Não conheço.

O pai jogava golfe e sabia pouco sobre futebol. Mas dizia:

– Bom mesmo é o Didi. 

– Quem?

– O Didi. Ele ainda joga?

– Não, papai. Acho que até já morreu.

O pai falava do seu desempenho no golfe, apesar da idade. O filho falava do seu desempenho no tênis, apesar da idade. Um não ouvia o que o outro contava. Também não podiam falar de política. O pai era conservador, ex-simpatizante da UDN. O filho não era exatamente de esquerda, mas simpatizava com o PSDB e defendia a social-democracia. 

– Rá, social-democracia – dizia o pai. 

– Disfarce de comunismo.

Não havia jeito de se entenderem. Todas as tentativas de diálogo acabavam em briga. Mas agora, finalmente, estavam conversando. Sobre o que conversavam?

Remédios

Comparavam tratamentos. “Qual é o seu betabloqueador?” “Está tomando o que para o colesterol?” “Experimenta este.” E trocavam hemogramas. “A sua taxa de glicose está melhor do que a minha!” Essas coisas.

E era comum os dois irem à farmácia de braços dados, conversando.  

Mãe e filha

Ela contou que o conselho que recebera da sua mãe, quando se casara, fora: “Não seja inteligente demais, minha filha. Disfarce”. E que a mãe lhe contara que devia o sucesso do seu casamento à frase “Eu não tenho cabeça para essas coisas complicadas, mas...”, que usava como preâmbulo sempre que precisava dizer ao marido o que fazer. Segundo a mãe, para um casamento feliz, preâmbulo é tudo.

Luís Fernando Veríssimo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.