19 de jan de 2017

Cereja do bolo da delação da Camargo Corrêa será a corrupção no Judiciário


Recentemente, a ex-ministra Eliana Calmon, do Superior Tribunal de Justiça, afirmou que uma delação da Odebrecht não deveria ser levada a sério se não atingisse o Poder Judiciário.

Dos 77 delatores da Odebrecht, não se sabe algum deles chegou a incriminar representantes do Poder Judiciário.

No entanto, a delação da Camargo Corrêa, que atingirá em cheio governos do PSDB em São Paulo, assim como Michel Temer, citado 21 vezes em planilhas da empreiteira, ao lado de pagamentos de US$ 345 mil, terá como cereja do bolo a corrupção no Poder Judiciário. Mais precisamente, a nebulosa história de como foi encerrada a Operação Castelo de Areia.

Deflagrada em 2009, a Castelo de Areia chegou a prender doleiros que operavam para a Camargo e a mapear o seu esquema de caixa dois. No entanto, numa ação coordenada pelo ex-ministro Marcio Thomaz Bastos, a a operação foi anulada por uma liminar concedida no plantão do STJ.

Ao que tudo indica, os depoimentos serão constrangedores para ministros de tribunais superiores, assim como alguns de seus parentes.

No 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.