24 de jan de 2017

A semana que expôs toda a hipocrisia da elite brasileira: Temer, Gilmar, Moro, Filgueiras e os irmãos Marinho


Foi uma semana reveladora da completa esculhambação que é o Brasil.

Terminou domingo, com dois suspeitos de corrupção, às vésperas da revelação de delações que podem custar a eles seus cargos — Michel Temer e o ministro Moreira Franco — recebendo “em casa” o juiz que poderá julgá-los, tanto no Tribunal Superior Eleitoral quando no próprio Supremo Tribunal Federal.

É o ministro que “articula” os interesses do PSDB e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no interior de um governo golpista: Gilmar Mendes.

O mesmo que havia viajado anteriormente em avião oficial com Temer — destino, Portugal — onde não compareceu ao enterro do ex-presidente Mário Soares alegando problemas de saúde.

Outra imagem simbólica da semana havia sido recolhida no sábado, quando futuros réus se deixaram fotografar, “pesarosos”, diante do caixão de Teori Zavascki, o ministro morto na quinta-feira em acidente de avião.

Estavam lá, velando Teori ao lado de Temer, o ministro Eliseu Padilha, acusado dentre outras coisas de receber R$ 3,9 milhões por serviços não prestados a uma universidade e o chanceler José Serra, que será delatado pelo recebimento de R$ 23 milhões da empreiteira Odebrecht.

Também tirou uma casquinha do velório o juiz Sérgio Moro, que havia sido admoestado publicamente por Teori — sem menção nominal — por seu comportamento na Operação Lava Jato.

Teori  disse, então:

“O princípio da imparcialidade pressupõe uma série de outros pré-requisitos. Supõe, por exemplo, que seja discreto, que tenha prudência, que não se deixe se contaminar pelos holofotes e se manifeste no processo depois de ouvir as duas partes”.

Pois Moro antecipou o fim das férias, foi atrás dos holofotes e chamou Teori de “herói brasileiro”, a antítese da “discrição” pregada pelo ministro do STF.

“Meus pêsames aos familiares e amigos do ministro Teori Zavascki”, escreveu o protofascista Kim Kataguiri, em outro rompante de hipocrisia.

O Movimento Brasil Livre (MBL), do qual ele é um dos fundadores, participou de protestos diante da casa do ministro, quando ele foi definido como “Teori traidor” e “Pelego do PT”. “Deixa o Moro trabalhar”, dizia outra faixa.

Aconteceu no ano passado, depois que Teori pediu ao juiz Sérgio Moro que devolvesse ao STF os processos envolvendo o ex-presidente Lula que o juiz de Curitiba conduzia.

Meses depois, Zavascki anulou prova obtida ilegalmente pela Polícia Federal, sob o comando de Moro: grampo telefônico entre a presidenta da República em exercício e o ex-presidente.

Bem antes da anulação, Moro tratou de difundir o grampo através de Vladimir Netto, repórter da Globo, filho de Miriam Leitão e autor de um livro adulatório sobre… Sérgio Moro.

Foi mais um caso em que Moro não foi “discreto” e atuou ciente das consequências políticas de seu ato — baseado, frise-se, em prova ilegal — num momento chave da campanha pelo impeachment de Dilma Rousseff.

Além da hipocrisia de Kataguiri, também é preciso expor a do Brasil #vemprarua, que postou nas redes sociais o endereço de um dos filhos do ministro Zavascki para efeito de “esculacho” — mensagem que se disseminou com um retuíte do cantor Lobão.

“Obrigado, Vossa Excelência”, agradeceu em sua capa a revista Época, da família Marinho, cujo editor chefe Diego Escosteguy, na época dos protestos contra Teori, vaticinou, meio que torcendo: “Será difícil conter o ânimo contra Teori. A revolta começou agora e vai piorar imensamente”.

O próprio comportamento do ministro falecido, no entanto, demonstra que a elite brasileira tem um padrão para si e outro para os comuns.

Teori estava a caminho da casa de um empresário que tinha interesses em jogo no STF. Carlos Alberto Filgueiras é dono de extensa área de terra em Paraty: uma fazenda à beira mar e a ilha das Almas, em Paraty Mirim.

Como se sabe, as ilhas brasileiras pertencem à União. Muitas posses são “esquentadas” em cartório e os direitos possessórias vendidos em seguida. Filgueiras, depois de comprar a posse da ilha das Almas, na Área de Preservação Ambiental Cairuçu, passou a fazer construções com o objetivo de montar em Paraty o embrião de um terceiro hotel de luxo, “boutique”, no dizer de quem é do ramo.

Ele era processado por crime ambiental, teve liminar negada no STF pelo ministro Edson Fachin quando tentou trancar a ação que corre no Superior Tribunal de Justiça.

No Rio, um dos sócios indiretos de Filgueiras, através de empresas, é o BGT Pactual, cujo ex-presidente, o banqueiro André Esteves, foi preso na Operação Lava Jato. Em dezembro de 2015 Teori revogou a prisão de Esteves e o mandou para casa. Em abril de 2016, revogou a domiciliar.

Embora não haja qualquer indício de que Filgueiras tenha atuado para beneficiar Esteves ou de que Teori Zavascki tenha se submetido a qualquer tipo de pressão, a permanência do ministro num hotel de luxo sempre que vinha a São Paulo e a viagem a Paraty podem levantar dúvidas sobre a “discrição” que ele próprio, Teori, recomendou a Moro.

A diária básica do Hotel Emiliano em São Paulo é de R$ 1.200,00.

A recomendar Teori, o fato de que na conversa gravada entre o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado e o hoje presidente do PMDB, senador Romero Jucá — na qual os dois combinavam travar a Lava Jato em defesa do governo Temer — uma frase foi dita sobre o ministro do STF indicado por Dilma:

MACHADO – Um caminho é buscar alguém que tem ligação com o Teori [Zavascki, relator da Lava Jato], mas parece que não tem ninguém.

JUCÁ – Não tem. É um cara fechado, foi ela [Dilma] que botou, um cara… Burocrata da… Ex-ministro do STJ [Superior Tribunal de Justiça].

Na mesma conversa, uma frase de Machado que menciona o ex-presidente Lula tem sido pouco lembrada:

MACHADO - Eu acho o seguinte, a saída [para Dilma] é ou licença ou renúncia. A licença é mais suave. O Michel forma um governo de união nacional, faz um grande acordo, protege o Lula, protege todo mundo. Esse país volta à calma, ninguém aguenta mais. Essa cagada desses procuradores de São Paulo ajudou muito [referência possível ao pedido de prisão de Lula pelo Ministério Público de SP e à condução coercitiva dele para depor no caso da Lava jato].

Talvez isso explique a recente decisão do PT de “esquecer” Dilma e apoiar parlamentares que deram o golpe na Câmara e no Senado. É a “pacificação” até  as eleições de 2018, supostamente com apoio do empresariado.

Um precioso adiamento de até 90 dias na divulgação das delações da Odebrecht dá ao governo Temer um tubo de oxigênio essencial, diante da expectativa de algum tipo de recuperação econômica no segundo semestre.

Para os ricaços, é isso o que realmente importa.

Filgueiras, o dono do avião que caiu em Paraty, era conhecido na cidade pela extensão das propriedades, mas não pela ostentação das posses.

Navegando a caminho da ilha das Almas, que pertence a ele, fica à direita o que alguns locais viam como o verdadeiro “centro do poder”: a mansão de concreto atribuída à família Marinho, que ganhou um prêmio internacional de arquitetura. Ela se assenta num terreno de 55 mil metros quadrados, 8 mil dos quais pertencentes à União.

Vários crimes ambientais foram cometidos na construção e manutenção da mansão, inclusive o bloqueio de uma praia pública.

O barqueiro que nos atendeu contou ter trabalhado mais de cinco anos para gente da família: Paula, neta de Roberto Marinho e filha de João Roberto Marinho, um dos magnatas controladores da Globo.

Paula era presença constante no lugar, de acordo com o barqueiro. Quando o escândalo da mansão de concreto estourou, a família Marinho tratou de dizer publicamente que não tinha qualquer relação com a casa, sugerindo que era de Alexandre Chiapetta de Azevedo, ex-marido de Paula.

No entanto, documentos descobertos na sede paulista da empresa panamenha Mossack & Fonseca, facilitadora internacional da lavagem de dinheiro, contém indícios de que Paula pagou pela manutenção de três empresas offshore, uma das quais é sócia da mansão de Paraty, a Vaincre LLC, de Las Vegas, nos Estados Unidos, cria da Mossack.

Moradores de Paraty definem a Costa Verde e particularmente a ilha Grande como um “quintal” dos donos da Globo, cujos interesses são organizados pelo “ambientalista” da família, José Roberto Marinho.

O problema principal não é que Paraty não tem um aeroporto adequado, afirmam eles, mas o fato de que milionários “invadiram” as ilhas da região e tomaram para si bens públicos, causando ampla devastação ambiental no que resta da mata atlântica.

Este é o Brasil ao qual servem Temer, o Congresso e o STF.

Captura de Tela 2017-01-23 às 16.46.55

Luiz Carlos Azenha
No Viomundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.