13 de jan de 2017

A ficção contaminou a Política no documentário "HyperNormalisation"


Era uma vez o colapso econômico da antiga União Soviética. Diante da inevitável decadência do modelo comunista de Estado, seus dirigentes partiram para uma inédita tática de “gestão da percepção”: manter a aparência de normalidade através de narrativas ficcionais que minavam a percepção das pessoas, criando aversão à política fazendo-as tocarem a vida como se nada estivesse acontecendo. Isso chama-se “HiperNormalização”, tática copiada pelo Ocidente desde Ronald Reagan nos anos 1980 – levar conceitos do teatro de vanguarda e dos roteiros hollywoodianos para o centro da Política a tal ponto que a diferença entre realidade e mentira passa a ser desprezada pelas pessoas e pelo próprio jornalismo. Dessa maneira, Trump “surpreendentemente” chegou a poder nos EUA. Esse é o tema do documentário da BBC “HyperNormalisation” (2016), realizado pelo britânico Adam Curtis. A história de como a política foi derrotada pela ilusão enquanto as pessoas apolíticas desistiram de mudar o mundo, refugiando-se no ciberespaço. Enquanto isso, corporações e o sistema financeiro administram tranquilamente o deserto do real.

Era o ano de 2002 e o Primeiro Ministro inglês Tony Blair e o presidente dos EUA George Bush estava possuídos pela ideia de que o mundo deveria se livrar de Saddam Hussein. Estavam determinados em achar qualquer coisa que provasse as más intenções do ditador iraquiano.

Então o chefe do MI-6, o serviço de inteligência britânico, contou empolgado a Blair que tinha conseguido acesso direto ao programa de armas químicas de destruição em massa de Hussein. Disse que a fonte confirmava tudo! O Iraque estava produzindo grandes quantidades de gás Sari e VX, letais para o sistema nervoso. Estavam sendo carregados em “esferas ocas de vidro”.

Mas alguém do MI-6 notou que os detalhes relatados pela fonte eram idênticos às cenas do filme A Rocha (1996) com Sean Connery e Nicolas Cage.

As diferenças entre realidade e ficção ficam ainda mais tênues quando percebemos que os anos que antecederam aos atentados nos EUA em 2001 tiveram um inédito pico de produção de filmes hollywoodianos sobre destruição em massa perpetrados por aliens, monstros e terroristas como, por exemplo, Independence Day ou Godzilla. E Nova York era sempre a cidade icônica das catástrofes.

Essas são algumas das histórias narradas pelo documentário HyperNormalisation (2016), documentário BBC do britânico Adam Curtis (O Século do Ego, All Watched Over by Machines of Loving Grace). O tema geral do documentário é mostrar como, desde a década de 1970, governos, financistas, jornalistas e utopistas tecnológicos abandonaram o mundo real e não só construíram como também passaram a viver nesse mundo falso simplista, esquemático e maniqueísta. Um mundo administrado por corporações e mantido estável pela política.


Esse mundo simplista passou a ser administrado pela “gestão da percepção”, uma versão hiper-realizada da antiga engenharia de opinião pública – enquanto no passado, através das técnicas clássicas de retórica, mobilizava-se uma engenharia de relações públicas para inculcar ideologias, ideias ou conceitos, agora com a “HiperNormalização” criam-se “climas de opinião” e “ondas de choque” cujo eixo central e apagar as fronteiras entre ficção e realidade – mais precisamente, entre as narrativas de entretenimento (filmes, animações, literatura, minisséries etc.) e os acontecimentos pautados pelo noticiário da grande mídia.

Aversão à política e individualismo


Dividido em nove episódios, Curtis mostra como a estratégia de HiperNormalização surgiu na antiga União Soviética nos anos 1970 para depois ser adotada pelas potências do Ocidente. Durante o colapso econômica da URSS, o governo soviético mantinha a aparência de normalidade como se tudo pudesse ser planejado a partir de imagens grandiosas, tal como as glórias olímpicas no esporte. Resignados e desiludidos com a política, os cidadãos tocavam suas vidas fingindo que tudo estava normal porque não encontravam alternativas para o futuro. O escritor Alexei Yurchak chamou isso de “HiperNormalização”, uma espécie de profecia-autorrealizável aceita por todos como real.

No Ocidente, a estratégia da HiperNormalização foi fundada em dois princípios: a aversão à Política porque é algo muito complexo e, em si, corrupta; e o refúgio no individualismo e em narrativas que, num “efeito bolha”, simplificavam o mundo por meio de narrativas esquemáticas inspiradas em produções de entretenimento.

Para Adam Curtis, a partir dos anos 1970 toda uma geração desistiu de transformar o mundo, refugiando-se no individualismo empoderado por um verdadeiro flashback lisérgico dos anos 1960: a utopia tecnológica do ciberespaço nos anos 1980 (principalmente na visão utópica de John Barlow) como um mundo alternativo livre das restrições políticas e jurídicas, mas que escondia o poder crescente das corporações financeiras.


Desconexão do real


O mundo da especulação financeira que cresceu a partir do colapso econômico de Nova York de 1975 – com a crise fiscal, a cidade foi entregue à ideia de que os sistemas financeiros (e não mais o Estado) podiam gerir a sociedade. Donald Trump emerge nesse momento, adquirindo imóveis abandonados sob isenção de impostos, tornando Nova York uma cidade elitista.

Trump, ao lado do presidente Ronald Reagan nos anos 1980, seriam os precursores de um tipo de política totalmente desconectado da realidade com uma gestão de percepção capaz de distrair as pessoas das complexidade do mundo real – por exemplo, a criação do super-vilão Muammar Kadhafi como responsável por atentados em Roma, Viena e numa discoteca em Berlim naquela década.

Papel prontamente aceito pelo líder líbio, que não resistia aos holofotes da grande mídia. Como mais tarde nos anos 1990, na Guerra do Golfo, Saddam Hussein também aceitaria o mesmo papel na sua cruzada em se tornar um midiático líder do povo árabe.

Enquanto isso, antigos líderes da causa socialista nos EUA como a atriz Jane Fonda desistiam do mundo real: o documentário mostra um dos seus vídeos de exercícios aeróbicos na TV exortando as pessoas a cuidarem do seu próprio corpo porque “o mundo lá fora é complicado demais e, pelo menos, podemos controlar o próprio corpo”.



Acreditando na própria mentira


O mais incômodo no documentário HyperNormalisation não é tanto o fenômeno da “gestão da percepção”, mas principalmente como os líderes ocidentais parecem crer nas próprias narrativas criadas pelos seus assessores, relações públicas e serviços de inteligência.

Enquanto a Política transforma-se numa espécie de mundo autônomo de simulações no qual os seus líderes entram de tal forma nos papéis ficcionais que esquecem quem foram, no mundo real corporações e o sistema financeiro administram o equilíbrio sistêmico de lucros e desigualdade, livres de qualquer escrutínio de uma sociedade que desistiu do mundo real.

Para Curtis, esse mundo global, cuja estrutura foi imaginada pelo Secretário de Estado Henry Kissinger nos anos 1970, só foi possível com a divisão do mundo árabe e a manutenção dos conflitos no Oriente Médio.

Trump, Obama, Reagan, Blair, Bush, etc. seriam líderes que acreditam nas suas própria pantomimas. Personagens ficcionais criados para consumo massivo através da grande mídia e que simplificam a complexidade da política real ao participarem de narrativas ficcionais, muitas vezes extraídas de roteiros de sucessos hollywoodianos.


Jornalismo difícil


HyperNormalisation mostra ainda que fazer jornalismo nesse cenário torna-se cada vez mais complicado. Além da grande mídia virar uma correia de transmissão para essas narrativas simplistas, a própria essência, digamos assim, “hermenêutica” do jornalismo (encontrar a verdade por trás da mentira) é colocada em xeque – expor mentiras e falar a verdade sempre foi a crença dos jornalistas.

Porém, como encontrar a verdade se a própria matéria-prima das informações tornam-se não-acontecimentos? Nesse ponto, o documentário converge com as teorias do pensador francês Jean Baudrillard sobre a ordem dos simulacros e simulações. Para Baudrillard, os simulacros substituiriam a própria realidade a tal ponto que chegaríamos ao estágio final com o hiper-real: para toda a sociedade a distinção entre realidade e ficção passa a ser cada vez mais ociosa. Ninguém mais se importa com isso quando tanto uma coisa ou outra produz efeitos reais: guerras, atentados, ódio, crises, mortes etc.

Adam Curtis dá dois exemplo de como o jornalismo simplista foi muitas vezes derrotado pela realidade: primeiro, a queda do Muro do Berlim e o fim da União Soviética que pegou tanto a imprensa quanto escritores e acadêmicos de surpresa, de tanto o Ocidente estar mergulhado no simplismo hollywoodiano criado por Ronald Reagan.

E segundo, a vitória de Donald Trump na eleição presidencial: Trump derrotou o jornalismo porque para ele a diferença entre a verdade e a mentira é irrelevante. De tanto levar à sério suas pantomimas como fossem ações políticas reais, paradoxalmente sempre o consideraram uma piada.


HiperNormalização, polarização e ódio


Para Curtis, não é surpreendente que Vladimir Putin o admira. Por trás do presidente russo está Vladislav Sukov, profissional que veio do mundo do teatro cuja gestão de percepção baseia-se em pegar ideias do teatro de vanguarda e colocá-las no centro da política.

Surkov transformou a política russa em uma confusa e constante troca de peças. E com isso minou a percepção do público para que nunca tivessem certeza do que estava acontecendo. Resultado: as pessoas criam crescente aversão à política, mas, paradoxalmente, voltam a interessar-se por ela através das narrativas simplistas e ficcionais que sempre catalisam sentimentos e emoções nos telejornais – a pobre menina twitteira de Aleppo, Síria; os terroristas feios, sujos e malvados do ISIS etc.

Por isso, a explosão da polarização política, ódio e intolerância, tão bem explorados por Trump e, como destaca Curtis, também nas diversas “Primaveras” que floresceram na Tunísia, Egito e outros países árabes – e, por que não dizer, também no Brasil onde a polarização política (que deu força a todo inconsciente cultural reprimido pela democracia – intolerância, racismo, misoginia, xenofobia etc.) foi o combustível para transformações políticas exigidas por aquele complexo mundo real distante da gestão de percepções: as demandas corporativas e financeiras de uma secreta geopolítica global. 

As mais de duas horas de HyperNormalisation são um verdadeiro bombardeio de informações e imagens documentais que suscitam uma série de subtemas que vão além do espaço dessa postagem. Entre esses subtemas está o papel do ciberespaço na gestão da percepção: como o conceito de Inteligência Artificial dos anos 1960-70 se transformou nos algoritmos atuais com os quais também se gerencia essa fuga individualista desesperançada de usuários apolíticos para a Internet e redes sociais.

Mas isso será tema de uma próxima postagem. Assista ao documentário completo abaixo. Legenda ocultas. Clique em "detalhes" para converter legenda em português.



Ficha Técnica
Título: HyperNormalisation
Direção: Adam Curtis
Roteiro: Adam Curtis
Elenco: Adam Curtis, Donald Trump, Vladimir Putin, Patty Smith, Henry Kissinger
Produção: British Boradcasting Corporation (BBC)
Distribuição: BBC
Ano: 2016
País: Reino Unido

Wilson Roberto Vieira Ferreira
No CineGnose

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.