16 de ago de 2016

Ministro acusa Serra de “tentar comprar o voto do Uruguai” para prejudicar Maduro no Mercosul

Uruguai acusa Brasil de tentar ‘comprar’ seu voto contra a Venezuela 


(Atualizada às 16h13) O chanceler do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, acusou o governo interino do Brasil de tentar “comprar o voto do Uruguai” contra o direito da Venezuela de exercer a presidência do Mercosul em troca de futuros acordos comerciais.

A declaração foi publicada nesta terça­-feira no jornal uruguaio “El País”, reproduzindo notas taquigráficas de uma fala do chanceler à Comissão de Assuntos Internacionais da Câmara dos Deputados do país vizinho, em 10 de agosto.

“Não gostamos muito que o chanceler [José] Serra veio ao Uruguai para nos dizer — e o fez em público, por isso digo — que vinham com a pretensão de que se suspendesse a transmissão [da presidência do bloco] e que, além disso, se fosse suspensa, nos levariam em suas negociações comerciais com outros países, como querendo comprar o voto do Uruguai”, disse o chanceler na ocasião.

Serra esteve em Montevidéu em 5 de julho, acompanhado do ex­-presidente Fernando Henrique Cardoso, para reunir­-se com Novoa e o presidente Tabaré Vázquez.

Segundo o “El País”, o chanceler disse, na ocasião, que o Brasil faria “uma grande ofensiva comercial na África subsaariana e no Irã e queria levar o Uruguai — não todo o Mercosul — como sócio”.

Novoa disse que Vázquez também ficou “muito incomodado” com isso. “O presidente disse na cara dele [Serra], clara e inequivocamente: o Uruguai vai cumprir com a normativa e chamar a uma mudança da presidência [do Mercosul]”, afirmou.

À época, o Uruguai exercia a presidência do bloco e queria entregá-­la à Venezuela, seguindo a ordem alfabética que tradicionalmente determina a transmissão do cargo. Serra tentava convencer o país a permanecer na presidência até que uma solução fosse encontrada.

Brasil e Paraguai consideram que Caracas está impedida de liderar o bloco por não ter incorporado todo seu acervo normativo, após um encerramento de quatro anos para fazê­-lo. O Uruguai, entretanto, entregou a presidência dias depois, deixando-­a vaga.

A proposta mais recente, defendida pelo Brasil, é rebaixar a Venezuela à categoria de membro não pleno. E que a presidência seja exercida ou em colegiado ou pela Argentina, a próxima da vez pela ordem alfabética.

Em mais de uma ocasião, Serra disse que o venezuelano Nicolás Maduro não tem condições de liderar o Mercosul porque não é capaz de governar o próprio país.

A Venezuela, por sua vez, diz que há uma “nova Operação Condor” em andamento na região — em referência à coordenação entre ditaduras sul-­americanas para caçar militantes de esquerda na década de 1970. E disse que Brasil, Paraguai e Argentina formam uma “nova Tríplice Aliança”, como a da Guerra do Paraguai, em que brasileiros, uruguaios e argentinos dizimaram o país vizinho no Século XIX.

Novoa disse ainda que Brasil e Paraguai usam argumentos “eminentemente políticos” e que tem o objetivo de “fazer bullying para a presidência da Venezuela”. “Eu digo com todas as letras. Se pulam o jurídico, que é este livro que estou mostrando, que contém o corpo normativo [do Mercosul], e invocando razões que não estão aqui, querem burlar, erodir, fazer bullying à presidência da Venezuela”, disse Novoa. “Essa é a pura verdade.”

O Ministério de Relações Exteriores do Brasil convocou o embaixador do Uruguai no país, Carlos Amorín, para pedir explicações ao diplomata sobre declarações do chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, sobre a transferência da presidência do Mercosul.

serra - mercosul-001

MADURO SE QUEDA SIN APOYOS

El gobierno dice que Brasil lo molestó al intentar “comprar” su voto para aislar a Maduro

“Para qué buscar atajos políticos para saltearnos lo jurídico”, planteó Nin.


El canciller Rodolfo Nin Novoa acusó al gobierno de Brasil de querer “comprar el voto de Uruguay” al pretender que se suspendiera el traspaso de la presidencia temporal del Mercosur a Venezuela, a cambio de futuros acuerdos comerciales.

“No nos gustó mucho que el canciller (José) Serra viniera a Uruguay a decirnos — lo hizo público, por eso lo digo — que venían con la pretensión de que se suspendiera el traspaso y que, además, si se suspendía, nos iban a llevar en sus negociaciones con otros países, como queriendo comprar el voto de Uruguay”, señaló el canciller en la Comisión de Asuntos Internacionales de Diputados, el pasado miércoles 10, según la versión taquigráfica a la que accedió El País.

Acompañado por el expresidente Fernando Henrique Cardoso, Serra llegó a Uruguay el 5 de julio para reunirse con el presidente Tabaré Vázquez y su par uruguayo. En conferencia de prensa, Serra reveló que Brasil haría “una gran ofensiva” comercial en África subsahariana e Irán y quería llevar a Uruguay — no a todo el Mercosur — como “socio”. A su vez pidió al gobierno dejar en suspenso el traspaso de la presidencia del Mercosur a Venezuela.

Esta actitud “molestó mucho” a Vázquez y “bastante” al canciller, según informó Nin Novoa al Parlamento. “El presidente se lo dijo clara y rotundamente: Uruguay va a cumplir con la normativa y va a llamar al cambio de la presidencia” del Mercosur, enfatizó.

En todo momento, Nin Novoa dejó en claro que Uruguay entiende que “Venezuela es el legítimo ocupante de la presidencia pro tempore y, por lo tanto, cuando convoque a una reunión el gobierno uruguayo asistirá”. El mensaje a los otros socios del Mercosur fue claro: “Uruguay va a estar presente. Si los otros no van, será una responsabilidad de ellos”.

El canciller también afirmó que los “socios mercosurianos”, en alusión a Brasil y Paraguay, manejan argumentos “eminentemente políticos” y tienen el objetivo de “hacer bullying a la presidencia de Venezuela”. “Lo digo con todas las letras. Se saltean lo jurídico, que es este libro que estoy mostrando, que contiene el cuerpo normativo, y aduciendo razones que no están aquí, quieren eludir, erosionar, hacer bullying a la presidencia de Venezuela. Esa es la pura verdad”, subrayó.

Nin Novoa coincidió con el diputado que lo convocó a comisión, Ope Pasquet (Partido Colorado), en que “hay que salvar al Mercosur”. En tanto, opinó que “no hay ninguna condicionante para que un país cuyo mandato ha terminado siga ejerciéndolo y no asuma la presidencia pro tempore el próximo país según el orden de rotación alfabético. Uruguay no se iba a quedar en la presidencia de ninguna manera; ateniéndonos a las normas, a los seis meses, íbamos a dejarla”.

Además, el gobierno uruguayo tomó la decisión de no participar de las reuniones que por este tema mantienen Argentina, Brasil y Paraguay. Nin señaló que el encuentro realizado en Río de Janeiro en la inauguración de los Juegos Olímpicos “fue de cóctel” y “no se resolvió absolutamente nada”. Para el canciller, lo “grave” fue el hecho de que el coordinador nacional de Brasil, el embajador (Paulo Estivallet) de Mesquita, mandató a que ningún representante de ese país concurriera a las reuniones convocadas por Venezuela.

Por otro lado, Nin Novoa le restó trascendencia a lo que implica la presidencia del Mercosur y pidió “no dar por el pito más de lo que el pito vale”. En ese marco agregó que la presidencia supone la coordinación de los grupos de trabajo “y poca cosa más”.

Asimismo, el canciller afirmó que esta polémica por el traspaso de la presidencia del Mercosur “no se puede volver a repetir en diciembre, cuando Venezuela tenga que pasarla a Argentina”. “En esa oportunidad, Uruguay tendrá la autoridad moral para exigir lo que dio en el momento que tenía que dar”, acotó en referencia a la presidencia del bloque.

“No castigar”.

Paraguay pidió al resto de los fundadores del Mercosur que se proceda a realizar una “revisión jurídica” del protocolo de adhesión de Venezuela al bloque debido al incumplimiento del país caribeño de la normativa contenida en ese compromiso. Por su parte, el gobierno de Brasil sostuvo que el Mercosur deberá decidir las “medidas jurídicas” aplicables a Venezuela.

La posición de Uruguay es otra. La idea del gobierno de Vázquez es “no aplicar el castigo”, sino buscar vías de colaboración con Venezuela, en especial, cuando no hay ninguna sanción prevista en el protocolo en caso de no cumplimiento. “¿Para qué vamos a estar inventando, buscando atajos políticos para saltearnos lo jurídico?”, preguntó el canciller en su comparecencia al Parlamento.

“No vamos a tomar ninguna decisión de sancionar a Venezuela; creemos que no están dadas las condiciones para aplicar la carta democrática. (…) El día que nos digan que cerraron la Asamblea Nacional, para nosotros, va a ser una ruptura democrática, mientras solo lo anuncien no lo es”, finalizó.

Diputado del Frente denunció “chantaje deleznable” de Brasil.

El presidente de la Comisión de Asuntos Internacionales de Diputados, el socialista Roberto Chiazzaro, condenó el comportamiento “lamentable” de la Cancillería brasileña encabezada por José Serra. “Venir a chantajear a Uruguay es algo totalmente deleznable. Me parece bien que el señor ministro diga públicamente que Uruguay no se sujeta a chantajes”, sostuvo Chiazzaro en la sesión del miércoles 10, durante la comparecencia del canciller Rodolfo Nin Novoa en esa comisión.

Además, el diputado elogió el trabajo realizado por la Cancillería, que calificó de “intachable”. “De todo lo dicho acá, una de las frases que más me gustó fue una que señaló el ministro en el sentido de que se buscan atajos políticos para no cumplir con lo jurídico. Creo que esa es la realidad que se trasmite acá. Hay interés de países de la región en que el gobierno venezolano caiga. Es claro”, subrayó.

Por su parte, el colorado Ope Pasquet — encargado de convocar a Nin Novoa — también elogió “la dignidad del gobierno uruguayo en cuanto a no ceder frente a lo que fue, evidentemente, una presión de Brasil”. Por lo que concluyó: “Creo que actuó correctamente”.

Sin embargo, Pasquet cuestionó el hecho de que la Cancillería entienda que no hay ruptura del orden democrático en Venezuela. “Dejo constancia de que discrepo con la interpretación del ministerio en el sentido de que no hay méritos para entender que está configurada la ruptura democrática. ¡Vaya si los hay!”, exclamó.

El nacionalista Daniel Peña también discrepó con la Cancillería. “En cuanto a la aplicación de lo jurídico, discrepamos, pues estamos hablando de que Venezuela es un país que mantiene presos políticos”, afirmó. Asimismo, el senador Pablo Mieres (Partido Independiente) afirmó, en la Comisión de Asuntos Internaciones, que frente a la situación política venezolana “están dadas todas las condiciones para que se aplique la cláusula democrática del Protocolo de Ushuaia”.

Respaldo del Frente a la gestión de la cancillería.

La Mesa Política del Frente Amplio aprobó el pasado viernes una resolución de respaldo a la política del canciller Rodolfo Nin Novoa por la voluntad de entregar la presidencia temporal del Mercosur a Venezuela. Además, la coalición reafirmó “el compromiso irrestricto” con los espacios de integración regional y manifestó su confianza de que el gobierno encuentre la forma de “salvaguardar el Mercosur como herramienta estratégica latinoamericana”. La declaración fue aprobada por unanimidad.

No Viomundo
Leia Mais ►

Em áudio, presidente da Famurs ameaça CCs que não ajudarem em campanha eleitoral

Prefeito alegou que não realizou nenhuma reunião oficial e que o conteúdo dos áudios foi divulgado de modo informal em um grupo de WhatsApp

Ele
O presidente da Famurs (Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul) e prefeito de Arroio do Sal, Luciano Pinto (PDT), teve divulgados áudios publicados em um grupo de WhatsApp em que é flagrado coagindo servidores a prestarem apoio político na próxima campanha eleitoral. A denúncia foi levada ao ar no programa Esfera Pública, da Rádio Guaíba. Nos áudios, Pinto pode ser ouvido falando na necessidade de apoio fora do horário de trabalho para fins políticos e também a incerteza de garantia dos empregos para aqueles que não se comprometerem com as campanhas deste ano.

Nos áudios, o prefeito é ouvido dizendo que vai observar os CCs: “eu não sou candidato, mas vou ficar observando, porque sinceramente, nós precisamos dos companheiros que vestem a camiseta”. Na sequência, fala do viés político e ameaça: “eu agradeço o trabalho que já é feito na Prefeitura, mas precisamos do viés político (…) quem estiver imbuído desse espírito, vai continuar, quem não estiver, eu compreendo e respeito, mas vai dar espaço pra outros (…)”. Pinto ainda ressaltou o comportamento dos CCs nas redes sociais: “muita gente que tão (sic) ocupando cargos, que tem Facebook, eu não vejo curtir. Muitos não curtem nada da Prefeitura, daquilo que eu postei.”

O prefeito alegou que não realizou nenhuma reunião oficial e que o conteúdo dos áudios foi divulgado de modo informal em um grupo de WhatsApp. Ele afirmou que não vê gravidade na questão e que, na verdade, demonstrou preocupação com o futuro dos servidores. Pinto ainda assegurou que não fazia menção ao trabalho dos CCs dentro do expediente, e sim fora dele, como apoiadores.”Não me reuni e não estou pressionando ninguém”, disse.


No Rádio Guaíba
Leia Mais ►

Whatsapp, privacidade e autoritarismo

http://www.maurosantayana.com/2016/08/whatsapp-privacidade-autoritarismo.html


O STF, por meio do ministro Ricardo Lewandowski­, suspendeu, no mês passado, a proibição, que durou algumas horas, decretada por uma juíza do Rio de Janeiro, de funcionamento do WhatsApp em todo o território nacional. Espera-se que a sábia decisão regulamente definitivamente a questão, não apenas com relação ao aplicativo em questão, mas também a outros semelhantes, e evite que parte da Justiça continue procurando chifre em cabeça de cavalo e passando ridículo aos olhos do mundo.

A decisão da juíza e sua suspensão pelo STF se desenvolvem no âmbito da contradição entre indivíduo e sistema descrita por George Orwell, em seu profético livro 1984.

A obra do escritor britânico — publicada em 1949 —, que deu origem ao termo Big Brother, tão nefastamente apropriado por uma produtora de vídeo holandesa para servir de título ao programa de televisão homônimo, é a representação de um líder autoritário e onipresente, por meio de aparelhos de televisão, instalados em todas as casas e ruas de uma hipotética nação do futuro.

Por meio dessas telas, esse líder prega a ideologia de um regime político opressivo e brutal, com as mentiras cunhadas pelo Miniver — o Ministério da Verdade.

E opera, ao mesmo tempo, um sistema de monitoramento que vigia a cada passo tudo que é feito pelo indivíduo, a cada momento, esteja ele nas ruas, no trabalho ou fechado em sua própria casa.

Desde, pelo menos, o uso do recenseamento pelos romanos — o que, segundo Lucas, levou a família de Jesus a Belém — e o mito do massacre ordenado por Herodes para matar, ainda ­bebê, o "rei" dos judeus, que a informação é utilizada pelo sistema para vigiar, localizar e eliminar seus inimigos.

Da mesma forma que o anonimato na internet pode facilitar a comunicação entre criminosos, ele protege a vida de pessoas perseguidas por suas convicções políticas ou religiosas, tentando escapar, com suas famílias, da prisão, da tortura, do assassinato, em mãos de regimes ou governos ilegítimos e autoritários.

Desse ponto de vista, mesmo que apenas uma vida fosse salva em qualquer lugar do mundo, por meio do WhatsApp ou de outros aplicativos semelhantes, já estaria plenamente justificada a proteção do sigilo de suas mensagens, mesmo que outras vidas pudessem vir a ser eventualmente ameaçadas por esse mesmo segredo, em outras circunstâncias.

Segundo divulgado pela mídia, o ministro da Justiça do governo ainda interino, Alexandre de Moraes, pretende enviar ao Congresso projetos de lei que levem empresas estrangeiras a instalar suas sedes no Brasil, e a utilizar tecnologia que possibilite a decriptação (decodificação de dados criptografados) das informações trocadas pelos usuários. A não ser que se trate de discurso para a plateia, essa é uma hipótese absurda e descolada da realidade.

Primeiro, porque a decisão de instalar ou não aqui uma sede ou representação é estritamente mercadológica e, para muitas empresas internacionais de internet, o Brasil ainda é um mercado secundário e periférico.

Segundo, porque a internet não tem fronteiras. Google, Facebook, Telegram, WhatsApp não precisam instalar uma unidade em cada país para atender consumidores do mundo todo da mesma forma.

E em terceiro lugar, porque seus produtos foram desenvolvidos exatamente para, tecnológica e deliberadamente, por meio de criptografia automática e avançada — e a não gravação de dados — impedir que qualquer um, principalmente as autoridades, possa ter acesso às informações trocadas entre os usuários.

Ao contrário do que os governos pensam, muita gente escolhe usar um programa como o Telegram e o WhatsApp não para trocar informações, simplesmente, ou por uma questão de "popularidade", mas para assegurar que suas mensagens se mantenham em sigilo.

Isso, porque coloca a sua privacidade em nível tão prioritário quanto o da facilidade no acesso ou agilidade de utilização.

E não apenas com relação a alguém que possa eventualmente ter acesso físico ao seu computador, tablet ou telefone móvel, mas principalmente no contexto de que essa informação não possa ser interceptada, quando está circulando entre um ponto e outro da rede, pelos numerosos braços do Big Brother de governos cada vez mais autoritários.

As empresas que fornecem esses programas e aplicativos não fazem isso apenas porque sabem que esse apelo à privacidade é um importante, imprescindível, ponto de venda na conquista de novos usuários, em um ambiente empresarial extremamente complexo e altamente competitivo.

Mas também porque ficaria­ tremendamente caro registrar e guardar os dados relativos à troca de bilhões de mensagens por dia, tornando proibitivo o preço do serviço para consumidores.

Mas mesmo que, eventualmente, fosse possível proibir e bloquear, por lei, no Brasil, o uso de certos aplicativos para impedir a comunicação entre bandidos ou "terroristas", por exemplo, isso seria ainda, absolutamente inócuo.

Não há um, mas centenas de programas, até mesmo na Deep Web (internet "invisível", cujo conteúdo não é indexado a mecanismo de busca) — e surgem novos todos os dias — que permitem a comunicação criptografada e sem monitoramento.

E centenas de outros programas que custam pouco mais de R$ 1 por dia e possibilitam ao usuário acessar a internet e todo tipo de aplicativos como se estivesse, virtualmente, em outro país – logo, fora do alcance da jurisdição das autoridades brasileiras.

E, finalmente, porque há, neste momento, dezenas de fundações e associações e milhares de cientistas e hackers trabalhando de graça, de modo voluntário e colaborativo, 24 horas por dia.

Denodados, criativos, eles aplicam tempo e esforços ao desenvolvimento de softwares gratuitos, voltados para assegurar e facilitar o anonimato e a privacidade na internet.

E se dedicam à defesa de ideais como liberdade de pensamento, de expressão, política e de comunicação, cada vez mais ameaçadas pelo avanço, em muitos lugares do planeta, do sistema representado pelo imenso Big Brother midiático-governamental do fascismo, da manipulação, da vigilância, do controle e do autoritarismo.
Leia Mais ►

Temer não ‘cancelou sua participação’ no encerramento da Rio 2016 — ele foi expulso

Ganharam a parada
O recuo — mais um — de Temer ao cancelar sua participação no encerramento da Olimpíada do Rio não é apenas covardia.

É uma desfeita com os poucos chefes de estado que vieram ao Brasil mesmo diante de nossa bagunça institucional — especialmente o primeiro ministro japonês Shinzo Abe, que estará no Rio para a passagem do bastão para os Jogos de Tóquio em 2020.

É, igualmente, uma demonstração de cinismo e dissimulação. O próprio Temer desfez dos apupos citando Nelson Rodrigues, segundo o qual “o Maracanã vaia até minuto de silêncio”.

Deu a entender que estava acima disso e não se importava. Mentira. Naquele corpo sem pescoço vive um anão moral vaidoso que não está acostumado com o chamado povo.

A refugada do interino é, sobretudo, uma vitória dos manifestantes que levaram seus cartazes de “Fora Temer” mesmo correndo o risco de ser expulsos das arenas por policias e pseudo policiais.

A assessoria declara que ele “não cogitou ir”. Mentira. Temer foi enxotado. É persona non grata.

Veja o caso de Dilma. Na abertura da Copa, mandaram-na tomar naquele lugar. Mesmo assim, ela foi à cerimônia no último dia do evento, onde voltou a ser xingada. Seu ex-vice decorativo prefere se esconder.

O interino se acoelhou porque sabe que está de penetra numa festa que não organizou. Para o bem e para o mal, aquilo é uma realização de Lula e seu sonho de, como ele mesmo definiu, “mostrar o Brasil ao mundo”.

“Na abertura me senti como no filme ‘Esqueceram de Mim’ e me dei conta de que não haveria Jogos Olímpicos se não fosse por mim”, falou num ato em Santo André.

Lula e Dilma assistirão o fechamento da Rio 2016 do sofá — mas dignamente, ao contrário do medroso chefe da camarilha, ferido em seu orgulho de espertalhão usurpador.



Kiko Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Tucano usa carro oficial para fazer politicagem


Leia Mais ►

Lava Jato não quer delação da Odebrecht citando caixa 2 para Kassab


A força-tarefa da Lava Jato está "torcendo o nariz" para a delação da Odebrecht que cita caixa 2 para o ministro Gilberto Kassab (PSD). Segundo informações da colunista Mônica Bergamo, o núcleo de investigação quer ouvir dos potenciais delatores que Kassab recebeu dinheiro da empreiteira em troca de algum favor.

"De acordo com profissional familiarizado com as negociações, "esse é um dos grandes cabos de guerra do MP com a Odebrecht atualmente: os promotores para tudo exigem o 'ato de ofício', comprovando que para cada real dado pela empresa houve uma retribuição das autoridades políticas", escreveu Bergamo, nesta terça (16).

O nome de Kassab surgiu em declarações preliminares de executivos da Odebrecht, num contexto similar ao de outros políticos que teriam solicitado recursos da empreiteira que foram injetados em campanhas eleitorais via caixa 2.

Segundo já vem circulando na imprensa, Lava Jato não gosta desse tese porque configura crime eleitoral, de baixo potencial punitivo. Na semana passada, por exemplos, aliados de José Serra disseram à Folha, em off, que a delação contra o tucano e Michel Temer (PMDB), do jeito que está, não tem potencial para terminar em prisão, justamente porque caixa 2 é crime eleitoral.

A Lava Jato força, portanto, a existência da tese de que tudo foi, na verdade, corrupção do tipo pagamento de propina e lavagem de dinheiro — o que deve render penas mais duras.

Por isso, no pacote anticorrupção que o Ministério Público tenta emplacar no Congresso, já se discuti inserir uma diretriz para separar caixa 2 de crime comum. Dessa forma, todos os políticos que foram citados em delações como beneficiários de caixa 2 poderão receber sua anistia na Lava Jato.

No GGN
Leia Mais ►

Dilma divulga Mensagem ao Senado Federal e ao Povo Brasileiro. Assista!




MENSAGEM DA PRESIDENTA DA REPÚBLICA DILMA ROUSSEFF

AO SENADO FEDERAL E AO POVO BRASILEIRO

Brasília, 16 de agosto de 2016.

Dirijo-me à população brasileira e às Senhoras Senadoras e aos Senhores Senadores para manifestar mais uma vez meu compromisso com a democracia e com as medidas necessárias à superação do impasse político que tantos prejuízos já causou ao País.

Meu retorno à Presidência, por decisão do Senado Federal, significará a afirmação do Estado Democrático de Direito e poderá contribuir decisivamente para o surgimento de uma nova e promissora realidade política.

Minha responsabilidade é grande. Na jornada para me defender do impeachment me aproximei mais do povo, tive oportunidade de ouvir seu reconhecimento, de receber seu carinho. Ouvi também críticas duras ao meu governo, a erros que foram cometidos e a medidas e políticas que não foram adotadas. Acolho essas críticas com humildade e determinação para que possamos construir um novo caminho.

Precisamos fortalecer a democracia em nosso País e, para isto, será necessário que o Senado encerre o processo de impeachment em curso, reconhecendo, diante das provas irrefutáveis, que não houve crime de responsabilidade. Que eu sou inocente.

No presidencialismo previsto em nossa Constituição, não basta a desconfiança política para afastar um Presidente. Há que se configurar crime de responsabilidade. E está claro que não houve tal crime.

Não é legítimo, como querem os meus acusadores, afastar o chefe de Estado e de governo pelo “conjunto da obra”. Quem afasta o Presidente pelo “conjunto da obra” é o povo e, só o povo, nas eleições.

Por isso, afirmamos que, se consumado o impeachment sem crime de responsabilidade, teríamos um golpe de estado. O colégio eleitoral de 110 milhões de eleitores seria substituído, sem a devida sustentação constitucional, por um colégio eleitoral de 81 senadores. Seria um inequívoco golpe seguido de eleição indireta.

Ao invés disso, entendo que a solução para as crises política e econômica que enfrentamos passa pelo voto popular em eleições diretas. A democracia é o único caminho para a construção de um Pacto pela Unidade Nacional, o Desenvolvimento e a Justiça Social. É o único caminho para sairmos da crise.

Por isso, a importância de assumirmos um claro compromisso com o Plebiscito e pela Reforma Política.

Todos sabemos que há um impasse gerado pelo esgotamento do sistema político, seja pelo número excessivo de partidos, seja pelas práticas políticas questionáveis, a exigir uma profunda transformação nas regras vigentes.

Estou convencida da necessidade e darei meu apoio irrestrito à convocação de um Plebiscito, com o objetivo de consultar a população sobre a realização antecipada de eleições, bem como sobre a reforma política e eleitoral.

Devemos concentrar esforços para que seja realizada uma ampla e profunda reforma política, estabelecendo um novo quadro institucional que supere a fragmentação dos partidos, moralize o financiamento das campanhas eleitorais, fortaleça a fidelidade partidária e dê mais poder aos eleitores.

A restauração plena da democracia requer que a população decida qual é o melhor caminho para ampliar a governabilidade e aperfeiçoar o sistema político eleitoral brasileiro.

Devemos construir, para tanto, um amplo Pacto Nacional, baseado em eleições livres e diretas, que envolva todos os cidadãos e cidadãs brasileiros. Um Pacto que fortaleça os valores do Estado Democrático de Direito, a soberania nacional, o desenvolvimento econômico e as conquistas sociais.

Esse Pacto pela Unidade Nacional, o Desenvolvimento e a Justiça Social permitirá a pacificação do País. O desarmamento dos espíritos e o arrefecimento das paixões devem sobrepor-se a todo e qualquer sentimento de desunião.

A transição para esse novo momento democrático exige que seja aberto um amplo diálogo entre todas as forças vivas da Nação Brasileira com a clara consciência de que o que nos une é o Brasil.

Diálogo com o Congresso Nacional, para que, conjunta e responsavelmente, busquemos as melhores soluções para os problemas enfrentados pelo País.

Diálogo com a sociedade e os movimentos sociais, para que as demandas de nossa população sejam plenamente respondidas por políticas consistentes e eficazes.

As forças produtivas, empresários e trabalhadores, devem participar de forma ativa na construção de propostas para a retomada do crescimento e para a elevação da competitividade de nossa economia.

Reafirmo meu compromisso com o respeito integral à Constituição Cidadã de 1988, com destaque aos direitos e garantias individuais e coletivos que nela estão estabelecidos. Nosso lema persistirá sendo “nenhum direito a menos”.

As políticas sociais que transformaram a vida de nossa população, assegurando oportunidades para todas as pessoas e valorizando a igualdade e a diversidade deverão ser mantidas e renovadas. A riqueza e a força de nossa cultura devem ser valorizadas como elemento fundador de nossa nacionalidade.

Gerar mais e melhores empregos, fortalecer a saúde pública, ampliar o acesso e elevar a qualidade da educação, assegurar o direito à moradia e expandir a mobilidade urbana são investimentos prioritários para o Brasil.

Todas as variáveis da economia e os instrumentos da política precisam ser canalizados para o País voltar a crescer e gerar empregos.

Isso é necessário porque, desde o início do meu segundo mandato, medidas, ações e reformas necessárias para o País enfrentar a grave crise econômica foram bloqueadas e as chamadas pautas-bomba foram impostas, sob a lógica irresponsável do “quanto pior, melhor”.

Houve um esforço obsessivo para desgastar o governo, pouco importando os resultados danosos impostos à população. Podemos superar esse momento e, juntos, buscar o crescimento econômico e a estabilidade, o fortalecimento da soberania nacional e a defesa do pré-sal e de nossas riquezas naturais e minerárias.

É fundamental a continuidade da luta contra a corrupção. Este é um compromisso inegociável. Não aceitaremos qualquer pacto em favor da impunidade daqueles que, comprovadamente, e após o exercício pleno do contraditório e da ampla defesa, tenham praticado ilícitos ou atos de improbidade.

Povo brasileiro, Senadoras e Senadores,

O Brasil vive um dos mais dramáticos momentos de sua história. Um momento que requer coragem e clareza de propósitos de todos nós. Um momento que não tolera omissões, enganos, ou falta de compromisso com o País.

Não devemos permitir que uma eventual ruptura da ordem democrática baseada no impeachment sem crime de responsabilidade fragilize nossa democracia, com o sacrifício dos direitos assegurados na Constituição de 1988. Unamos nossas forças e propósitos na defesa da democracia, o lado certo da História.

Tenho orgulho de ser a primeira mulher eleita presidenta do Brasil. Tenho orgulho de dizer que, nestes anos, exerci meu mandato de forma digna e honesta. Honrei os votos que recebi. Em nome desses votos e em nome de todo o povo do meu País, vou lutar com todos os instrumentos legais de que disponho para assegurar a democracia no Brasil.

A essa altura todos sabem que não cometi crime de responsabilidade, que não há razão legal para esse processo de impeachment, pois não há crime. Os atos que pratiquei foram atos legais, atos necessários, atos de governo. Atos idênticos foram executados pelos presidentes que me antecederam. Não era crime na época deles, e também não é crime agora.

Jamais se encontrará na minha vida registro de desonestidade, covardia ou traição. Ao contrário dos que deram início a este processo injusto e ilegal, não tenho contas secretas no exterior, nunca desviei um único centavo do patrimônio público para meu enriquecimento pessoal ou de terceiros e não recebi propina de ninguém.

Esse processo de impeachment é frágil, juridicamente inconsistente, um processo injusto, desencadeado contra uma pessoa honesta e inocente. O que peço às senadoras e aos senadores é que não se faça a injustiça de me condenar por um crime que não cometi. Não existe injustiça mais devastadora do que condenar um inocente.

A vida me ensinou o sentido mais profundo da esperança. Resisti ao cárcere e à tortura. Gostaria de não ter que resistir à fraude e à mais infame injustiça.

Minha esperança existe porque é também a esperança democrática do povo brasileiro, que me elegeu duas vezes Presidenta. Quem deve decidir o futuro do País é o nosso povo.

A democracia há de vencer.

Dilma Rousseff
Leia Mais ►

Eduardo Cunha e os 260 ladrões

Cunha festeja sua eleição para a presidência da Câmara: o golpe começou aí
Uma das armações do Mensalão foi achar 40 réus, nem um mais, nem um menos.

Era tudo que a mídia queria para usar a expressão Lula e os 40 ladrões.

Pensei nisso ao ler neste final de semana trechos de mais uma delação premiada de Júlio Camargo.

Não havia, a rigor, novidade. Mas a reafirmação de absurdos choca.

Falei dos 40 do Mensalão. No caso da delação de Camargo, são 260. É o número de deputados que Eduardo Cunha disse a ele que mantinha. Por isso Cunha o pressionava para que pagasse uma propina milionária que vinha sendo atrasada.

Chamemos assim, para evocar o Mensalão: Eduardo Cunha e os 260 ladrões. Roubaram 54 milhões de votos, antes de mais nada.

Cunha teria inflado o número para se gabar? É uma possibilidade. Mas é difícil que ele tenha dado um número muito maior do que o real.

De toda forma, foram Cunha e seus ladrões que derrubaram Dilma. A Câmara foi determinante. O resto, a começar pelo Senado, foi perfumaria.

Na altura da sessão infame da Câmara, a história de Camargo já era de amplo, geral e irrestrito conhecimento.

E mesmo assim nada foi feito para poupar o país e a democracia da ação destruidora de Eduardo Cunha e seus 260 ladrões.

No STF, o ministro Teori Zavascki esperou que o processo na Câmara se encerrasse para acatar o pedido de afastamento de Cunha que lhe fora remetido pela procuradoria geral da República não dias, não semanas — mas meses antes.

Todos sabiam fazia tempo não apenas do exército de mercenários de Cunha. Também eram sabidos os métodos de intimidação de Cunha contra delatores.

Camargo neste depoimento mais recente — e de novo: não há novidade aqui — relembrou as ameaças sofridas de emissários de Cunha para que não o delatasse.

Camargo era um homem aterrorizado. Temia que Cunha se vingasse sobre sua família, sobre seus negócios, sobre tudo, enfim.

Avisaram a ele que não adiantava recorrer a ninguém: presidente, polícia federal e o que mais fosse. Cunha o alcançaria.

Tudo isso contar que, em meio a todas as informações vindas das delações, os suíços entregaram documentos que provavam contas secretas de Cunha na Suíça. A papelada chegou ao Brasil pouco tempo depois de, sob juramento, Cunha dizer na CPI da Petrobras que não tinha conta no exterior.

E foi este homem, com seus 260 ladrões, que derrubou Dilma sem que as assim chamadas “instituições” fizessem qualquer coisa para impedir este crime.

Num mundo menos imperfeito, o processo de impeachment orquestrado por Cunha seria sumariamente cancelado.

Mas somos, lamentavelmente, uma sociedade de gigantescas imperfeições, e então somos forçados a engolir Temer, o Odiado, no Palácio do Planalto.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Xadrez da esperteza do mercado e o fator Temer


Peça 1 — a arte de prever o pensamento médio do mercado.

O mercado trabalha sob a ótica do investidor racional, o que toma suas decisões baseado em análises e na lógica. Não é assim. No mercado, há um efeito manada similar ao que acomete o público comum em relação a eventos de repercussão.

Há vários tipos de análises no mercado.

A mais consistente é a chamada análise fundamentalista — que se debruça sobre os fundamentos da economia e da empresa analisada. A boa análise permite ao analista prever como a economia estará daqui a algum tempo. Mas não é suficiente para prever o chamado pensamento médio do mercado. É o pensamento médio que, em última instância, define o valor da ação.

Os ganhos são obtidos por quem consegue prever o pensamento médio do mercado — ou seja, a irracionalidade dos movimentos de manada — em relação aos fatos concretos que ocorrerão na economia.

Peça 2 — como operam os profissionais

Hoje em dia, as Bolsas estão subindo devido a uma nova onda de liquidez internacional, que inclusive ameaça formar novas bolhas globais. Os três índices da Bolsa de Nova York — Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq — alcançaram máximas históricas, algo que não acontecia desde 1999.

Aí analistas profissionais, como Luiz Carlos Mendonça de Barros, assumem posições compradas — que trazem ganhos ao investidor sempre que a bolsa sobe. Ele sabe que o governo Temer é instável, que está longe de se consolidar. Sabe, inclusive, que há uma probabilidade cada dia menos remota do próprio TSE (Tribunal Superior Eleitoral) caçar a chapa completa de Dilma, levando Temer junto.

Mas o que interessa é o movimento de curto prazo da Bolsa até a votação do impeachment. Ele passa, então, a atribuir a alta da Bolsa à suposta consolidação do governo Temer (http://migre.me/uG6Ds). Esse discurso é repetido por outros profissionais de mercado, criando o efeito manada.

A Bolsa continuará subindo até o dia da votação do impeachment. No dia seguinte, o país continuará o mesmo, não haverá mais dúvidas sobre a permanência de Temer no curto prazo, mas mesmo assim a Bolsa despencará porque Mendonça e outros operadores profissionais, começarão a vender suas posições, realizando lucros. E quem ficará com o mico são os investidores menos informados, que acreditaram que a alta se devia a fatores internos e ao enorme brilho do governo Temer.

Portanto, todas essas análises sobre o mercado subordinam-se a visões de curtíssimo, curto, algumas vezes médio prazo. E os movimentos de manada, quase sempre, são montados em cima de visões parcialíssimas da economia.

Peça 3 — a análise fundamentalista

A rigor, o mercado é afetado por fatores externos e internos. A análise fundamentalista é aquela que tenta analisar as empresas de forma sistêmica, com todos os fatores que poderão impactar seus resultados. E mesmo ela, com toda sua racionalidade, dificilmente autoriza conclusões taxativas sobre as cotações — porque estas dependem do pensamento médio, que não se move racionalmente.

Veja no quadro abaixo, com um pequeno resumo dos fatores que impactam a Petrobras.

exto alternativo gerado por máquina:E e ções nos EUA Juros nos EUA L quidez int

Lado externo

O principal fator é o preço do petróleo. Sobe o petróleo, sobe a ação da Petrobras e vice-versa.

As cotações do petróleo são afetadas pela oferta, demanda e pela liquidez internacional.

Do lado da oferta, há inúmeros fatores geopolíticos presentes. Uma crise fiscal na Rússia, um conflito no Irã, uma crise na Venezuela, são fatores que impactam diretamente a oferta do produto.

Do lado da demanda, o desempenho econômico da China e dos países da União Europeia.

Do lado da liquidez, a situação das taxas de juros internacionais e das injeções de liquidez dos Bancos Centrais que, injetando muito dinheiro na economia global, promovem movimentos especulativos com commodities.

Todos esses fatores estão entrelaçados. Um acirramento de ânimos entre EUA e Rússia, por exemplo, afetará a oferta de petróleo, aumentará as avaliações de risco e, por consequência, a liquidez internacional.

Tem-se hoje em dia um quadro internacional bastante similar ao brasileiro, sem a presença de figuras referenciais capazes de apontar rumos ou promover pactos. Cria-se um campo extremamente volátil para previsões. O caso Brexit é sintomático da imprevisibilidade dos modelos.

Lado interno

A cotação final da Petrobras é dada pelos seus resultados de balanço e pelos ecos do mercado de ações em geral.

Os resultados próprios são afetados pelo aumento da produção, cotação dos derivados, redução do passivo. Nem sempre o que é bom para o acionista é bom para a empresa. O acionista se move exclusivamente pelos resultados de curto prazo enquanto a empresa tem que se planejar no longo prazo.

Os movimentos do mercado de ações, por sua vez, se refletem automaticamente nas cotações das empresas. O mercado é afetado por eventos internacionais (a maior ou menor liquidez internacional) e por eventos internos.

Grande parte do mercado atua de forma binária. São os investidores que recorrem a robôs que disparam ordens de compra ou venda quando a cotação atinge determinados patamares.

A maioria do mercado, mesmo os que não recorrem a robôs, atua de maneira binária.

Se o impeachment passar, a bolsa sobe até o dia da votação. Depois, cai.

Se não passar à reforma da Previdência, a bolsa cai.

Se a Lava Jato detonar ainda mais o Lula, a Bolsa sobe.

Se a Lava Jato pegar o Temer, a bolsa cai.

Se passar o limite de gastos a Bolsa sobe.

Tudo isso é avaliado evento a evento. Se um determinado evento leva a uma alta da Bolsa, no dia seguinte à ele, a Bolsa cairá por realização de lucros.

Peça 4 — O mercado e o país

A partir daí, é paradoxal a ideia de que o desenvolvimento virá de políticas econômicas que atendam o mercado no curto prazo.

Voltemos à análise do Mendonça de Barros. Para não ficar mal com os especialistas de fato, ele inclui na sua análise, ainda que em segundo plano, a liquidez internacional e os juros estratosféricos proporcionados pela taxa Selic. Enfatiza que as próximas mudanças fiscais propostas por Temer aumentarão ainda mais a credibilidade do país.

No plano real, de visão de futuro, o que ocorrerá?

1.     Juros altos: desestimulam os investimentos produtivos.

a.     Aumentam a taxa de retorno requerida para os investimentos.

b.     Pressionam a dívida pública, absorvendo mais recursos do orçamento.

c.    Como consequência, são reduzidos os os investimentos públicos e os gastos.

2.   Limites orçamentários, cortando na carne despesas com saúde e educação, interessam apenas aos rentistas. Os limites para a alta de juros são dados pela relação dívida/PIB. Com os cortes orçamentários, ganha-se mais tempo para a manutenção de juros elevados. Mas compromete o investimento produtivo:

a.     Menos oferta da mão-de-obra especializada.

b.     Menos dinamismo no mercado interno.

c.     Menos atividade econômica, com menos interesse pelas concessões de infraestrutura.

3.   Cortes de gastos sociais alimentam a instabilidade política. De um lado, pelo aumento das tensões sociais e da criminalidade em geral. De outro, por inviabilizar politicamente o governo que aplica essas políticas, induzindo-o a ações visando interromper o processo político. Para o investimento produtivo — que planeja para horizontes de décadas — é um forte desestímulo. Para o investimento especulativo, um chamariz, porque saídas abruptas de capital também permitem grandes ganhos financeiros.

É evidente que Mendonça de Barros sabe de tudo isso. Mas, como operador de mercado, seu papel é buscar aquilo que é melhor para o mercado.

Esse vício contaminou toda a estrutura produtiva brasileira. As grandes corporações trocaram o crescimento sustentado pelos ganhos de tesouraria. É o típico caso do cachorro se alimentando do próprio rabo.

E essa extravagância, própria de nações subdesenvolvidas, é tratada como tema sofisticado.

Luís Nassif
No GGN
Leia Mais ►

Boanerges de Castro - "Águas de Temer"


Leia Mais ►

Senador Aécio, seu cinismo é assustador


Nem a Globo o perdoa...

Leia Mais ►

Rede Globo: O golpe se vê por aqui

 Imperdível 


Todos os vídeos do Jornal Nacional relacionados neste artigo estão, mencionados em ordem da narrativa, no vídeo abaixo.

Da manipulação ao ocultamento da informação, o Jornal Nacional (JN) resolveu partir para o escárnio na última semana. Do principal jornal do país, em pleno horário nobre, ouviu-se um silêncio “retumbante” frente às delações dos empresários da Odebrecht na Operação Lava Jato.

A delação de Marcelo Odebrecht, estampada no panfleto Veja, apontava R$ 10 milhões em propina pagos pela construtora ao PMDB, em 2014, a pedido de Michel Temer, o presidente ilegítimo e interino. Na Folha, destaque para as denúncias de um repasse de R$ 34,5 milhões ao caixa dois da campanha de Serra, em 2010.

O timing foi olímpico. As notícias já se misturaram às manchetes sobre os jogos mundiais, de maior apelo entre a população, e desapareceram do noticiário. De qualquer forma, a exposição das delações, por veículos midiáticos nada ilibados, revela as rachaduras entre os golpistas. Em seu xadrez semanal, publicado site GGN, Luis Nassif aponta dois campos de forças do lado de lá:

“O poder mercado, composto pelo mercado propriamente dito, grandes grupos, a mídia e autoridades brasilienses, além do apoio constante dos Estados Unidos”. E “a camarilha dos 6 — Michel Temer, Eliseu Padilha, Geddel Viera Lima, Roberto Jucá, Moreira Franco e o finado Eduardo Cunha — que representa a maioria ocasional no parlamento” (Leia a íntegra do artigo aqui).

É neste contexto que, porta voz dos interesses do mercado, dada sua imensa capilaridade na população brasileira, o JN vem criando a atmosfera favorável ao verdadeiro abate dos direitos democráticos e constitucionais que se avizinha. E, claro, naturalizando o golpe do qual a Rede Globo foi uma das principais protagonistas.

"Descalabro petista"

Desde a posse de Temer, em 12 de julho, é notória tentativa de legitimar o impeachment a partir do “descalabro petista”, causador da crise econômica. Esta, por sua vez, é a justificativa para todas as medidas propostas pelo atual governo que ferem, frontalmente, os direitos constitucionais dos brasileiros.

No trabalho minucioso com o pânico em relação ao desemprego e da superficialidade como são apresentadas as questões relativas à economia — aposta-se no desconhecimento geral da população — as reportagens reforçam, noite após noite, o discurso único do neoliberalismo, ocultando outras alternativas para o país.

Em 3 de maio, na mesma edição em que Temer concedia uma entrevista exclusiva ao jornal, outra reportagem incensava a entrega de um programa dos tucanos ao novo governo (JN, 03.05.3016). As condições — destacava o JN — para a colaboração do PSDB eram o combate “irrestrito à corrupção” e a responsabilidade fiscal. Um jogo de cena descarado, como se eles não estivessem envolvidos no golpe.

Dias depois, Henrique Meirelles vinha à público anunciar os objetivos do governo: “mostrar claramente que as medidas que estão sendo propostas e que serão aprovadas muito provavelmente pelo Congresso”, que essas propostas “vão fazer com que a trajetória da dívida pública seja sustentável”, para que os “efeitos sejam mais rápidos”, de maneira que “o risco possa ter reação bem rápida”, que o “investimento e confiança possam voltar com tempo suficiente para que a economia possa reagir rapidamente”. (JN, 05.05.2016)

Registre-se a pressa anunciada no discurso do ministro, acenando a velocidade do ataque e do desmonte em curso no país. Para tal, os golpistas contam com uma cobertura na área econômica repleta de termos econômicos e nada palatáveis à maioria da população. Ao telespectador resta se fiar nos comentários e expressões dos apresentadores do JN.

Um bom exemplo é a cobertura da alta do dólar, no dia 9 de maio, quando o então presidente da Câmara, Waldir Maranhão, apresentou um recurso contra o impeachment da presidenta Dilma. Em meio à enxurrada de reportagens criticando a atuação do parlamentar, o JN destacou:

“Com o anúncio da decisão do presidente interino da Câmara, o dólar subiu quase 5% e a bolsa caiu 3,5%. Depois que o Senado decidiu continuar com o processo de impeachment, a tensão diminuiu. Mas a bolsa terminou o dia queda. E o dólar mais caro, a R$ 3,52” (JN, 09.05.2016).

A “salvação nacional”

O mote da “salvação nacional contra a crise econômica”, bradado por Temer em sua posse, no dia 12 de maio (JN, 12.05.2016), vem sendo trabalhado diariamente. O convencimento de que é preciso reduzir os programas sociais também. Abaixo, a forma como Carlos Aberto Sardenberg explica os gastos públicos do governo e a crise econômica:

“A história começa quando o governo resolve acelerar seus gastos. Gastos no quê? Pessoal, salário, previdência, aposentadoria, programas sociais, obras todo o funcionamento da máquina; enfim, tudo que faz o governo funcionar. Agora, gastar é bom mas quando você tem o dinheiro” (JN,12.05.2016).

Em suma: sem dinheiro não há direitos. O brasileiro passa, então, a ser convidado a participar do combate à crise. Como? Por meio do sacrifício e da fé, muita fé, na equipe econômica do novo governo.

Com uma naturalidade aterradora, Henrique Meirelles apresenta no dia seguinte à posse, as suas propostas para o país. Estamos falando não apenas da retomada da CPMF, sempre criticada quando os proponentes eram os governos petistas, mas de idade mínima de aposentadoria, reforma trabalhista, teto para gastos públicos, revisão das desonerações e dos incentivos para setores da economia.

Espertamente, no final da reportagem, o uso do desemprego para engajar o apoio popular: “Para se criar emprego, é necessário que a economia esteja crescendo”, para tal é preciso “que se estabeleça a confiabilidade das contas públicas e a confiança de que o Estado brasileiro, o governo brasileiro estará solvente no futuro. A partir daí, volta o investimento e a partir daí, em consequência o aumento do emprego”. (JN, 13.05.2016).

Da mesma forma, como necessário ao combate à crise, vem sendo divulgado o teto para o aumento do gasto público, apesar dele incluir mudanças na Constituição afetando, inclusive, repasses nas áreas da Saúde e Educação. Reportagem do JN sobre a questão, construída sobre as aspas de Temer e Meirelles, turbina: “em 10 anos, as despesas públicas aumentaram 70% acima da inflação” (JN,24.05.2016).

O pavor do desemprego

Não é preciso ser especialista para saber que “gasto público” ou “rombo nas contas” são apresentados como um descalabro dos governos petistas e vilões a serem combatidos. No quadro forjado, a via do ajuste fiscal (e das propostas neoliberais) surge como única saída para a retomada do crescimento e da geração de empregos.

Observe a enxurrada de reportagens sobre o desemprego:

Em maio: “Classe média encolheu em 2015, diz pesquisa” (JN, 16.05.2016), apontando a queda do padrão de vida de 1 milhão de famílias brasileiras. “IBGE: Desemprego aumenta em todas as regiões no primeiro trimestre” (JN, 19.05.2016) e “Construção civil sente efeitos da crise e fecha vagas de emprego” (JN, 19.05.2016), com direito à defesa de mudanças nas regras trabalhistas. “Queda no emprego faz aumentar o trabalho por conta própria” (JN, 21.05.2016).

No começo de junho: “Desemprego chega a 11,4 milhões de pessoas no país e é recorde, diz IBGE”. (JN, 31.05.2016). No dia seguinte “Produção da indústria tem cenário similar ao de 13 anos atrás”, apontando que o nível de desemprego voltou dez anos (JN, 01.06.2016).

No final do mês, o tom sobe: “Crise econômica faz disparar número de idosos com nome sujo (JN,28.06.2016)”. “De março a maio, desemprego no país permanece em nível recorde” (JN, 29.06.2016) incensando que, em um ano, mais 3,3 milhões procuraram e não encontraram trabalho” e que “desempregados buscam sobrevivência em abrigos e refeições a R$1”.

No mesmo dia, em “Trabalho por conta própria registra queda, diz IBGE” (JN, 29.06.2016), a comparação impactante: “imagine a população da cidade de São Paulo inteira na fila do desemprego. Pois essa é praticamente a quantidade de gente sem trabalho no país: 11, 4 milhões, segundo o IBGE”.

No geral, essas reportagens exploram dramas individuais e contam o comentário de um especialista favorável à linha editorial do JN — leia-se à flexibilização das leis trabalhistas e mudanças de regras na Previdência, entre outras.

Em 20 de julho com a notícia: “Governo pretende mandar ao Congresso até o fim do ano propostas para leis trabalhistas”, em apenas 1 minuto, o JN apresentou apenas os objetivos do ministro Ronaldo Nogueira (Trabalho):

“Aprimorar a proposta que está no Congresso sobre regulamentação do trabalho terceirizado para combater a informalidade e dar garantias aos trabalhadores; ampliar e tornar permanente o programa de proteção ao emprego, sobre a CLT prestigiar as convenções coletivas permitindo a flexibilização da jornada e dos salários, sem mudar direitos como parcelamentos de férias e 13°” (JN,20.07.2016).

Ironicamente, a mesma reportagem anunciava o reajuste de até 41,5% no salário dos servidores do Judiciário. Tudo sob a plástica de uma falsa objetividade, com um bonito iconográfico e mediante o ocultamento do contraditório às medidas.

Em outros casos, o JN somente dispara índices econômicos como verdadeiros slogans do caos. Em apenas 16 segundos: “o Brasil fechou 91 mil vagas com carteira assinada” e “desde janeiro o país perdeu mais de meio milhão de empregos formais” (JN, 27.07.2016); ou “Desemprego sobe para 11,3% e bate recorde no trimestre de abril a junho”, “são 11,6 milhões desempregados no país”, “em um ano, mais de 3 milhões” (JN, 29.07.2016).

Naturalização do golpe

Quando do anuncio de Ilan Goldfajn na presidência do Banco Central, o JN reforçava a fala de Meirelles sobre o controle de gastos e uso do dinheiro público, criando a contraposição entre eficiência (Temer) e gasto irresponsável (Dilma):

“O governo Dilma reconheceu que esse rombo seria de R$ 96 bilhões. Mas, no Congresso, já se fala em R$ 140 bilhões. Meirelles disse que ainda não decidiu se haverá aumento de impostos”, afirmava a reportagem.

Note como o aumento de impostos é inserido no discurso. Segue a menção ao desemprego com a crítica implícita ao retorno da presidenta: “com a economia em contração como está no momento, e se isso continuasse, o que obviamente não é o caso, o desemprego poderia chegar a 14% ao ano”.

Na sequência, a solução: “Para um controle mais eficiente da inflação, Meirelles disse que o governo vai enviar ao Congresso uma proposta para dar autonomia ao Banco Central na execução da política monetária, mas não garantiu a independência do Banco Central com a fixação de mandatos para os diretores. O ministro da Fazenda voltou a defender a reforma da Previdência. ”

Dois temas cruciais — a independência do Banco Central e a reforma da Previdência — são postos como fato dado, quase óbvios no discurso do jornal. Em outra reportagem, chama-se um especialista para reforçar a tese de que “para conter a inflação, uma das armas do Banco Central é subir a taxa de juros”. Detalhe: “a previsão é que a inflação termine 2016 mais uma vez acima do teto da meta” (JN,17.05.2016).

Rombo

O tema do “rombo” nas contas públicas também foi bastante turbinado: Rombo nas contas públicas para 2016 deve chegar a R$ 200 bilhões (JN, 19.05.2016); Rombo nas contas da União deve ser de R$ 170 bilhões em 2016 (JN, 20.05.2016) — salpicadas pelas medidas anunciadas pelo Governo para recuperar a economia (JN, 21.06.2016).

Apenas às vésperas da votação da meta fiscal, surgem algumas vozes dissonantes: a de Amir Khair destacando a necessidade de que “os R$ 50 bilhões de juros todo mês também tenham limite, coisa que não está na proposta do governo”. E da CUT denunciando que os trabalhadores é que vão pagar as medidas do governo (JN, 24/05/2016).

Aprovado “rombo recorde nas contas públicas”, aparece a crítica do senador Humberto Costa (PT) apontando que o governo superestimou o rombo para aumentar os gastos: “Foi uma grande jogada política e contábil, mas que eu acho que ao longo do tempo vai se desmascarar” (JN, 25.05.2016).

Várias medidas são anunciadas como processos naturais. Em “Moreira Franco que acelerar concessões para atrair investimentos”, cujas prioridades são aeroportos, rodovias e Ferrovia Norte Sul, o teleprompter da Globo destaca apenas a versão do ministro: “só há um caminho: passar para o setor privado serviços que hoje estão em poder do setor público”; “o país projeta para este ano 14 milhões de desempregados, então, nós temos que acelerar o processo” (JN, 17.06.2016).

Em meio a esse caos construído e atribuído ao governo anterior, é possível avaliar o impacto de reportagens como “Perícia conclui que Dilma não participou de pedaladas fiscais”, com o adendo, afinal é a Globo: “decretos suplementares foram resultado de ação direta dela”, conforme afirmam técnicos (JN, 27.06.2016).

De olho no Decorativo

Além de naturalizar o golpe e agenda neoliberal, o JN vem sendo um potente pombo-correio a serviço dos interesses do mercado. São notórios os “puxões de orelha” dados no governo, em horário nobre

Em 1° de julho, um afago na divulgação da pesquisa Ibope. Com boa dose de camaradagem a pesquisa foi intitulada “Governo Temer é aprovado por 13% e reprovado por 39%, diz Ibope”, sendo que a maioria avaliava o governo como regular, ruim ou péssimo; 53% desaprovavam a maneira de governar de Temer; 25% consideravam sua gestão pior do que a da presidenta Dilma e 44% igual. (JN, 01.07.2016).

Uma semana depois, a bronca: “Na contramão do discurso, o governo elevou os gastos: aprovou o reajuste de servidores do Judiciário e do Ministério Público, fez um acordo para aliviar a dívida dos estados, e deu reajuste para benefícios do Bolsa Família acima do proposto por Dilma Rousseff. Tudo somado: R$ 127 bilhões até 2018.” (JN, 07.07.2016, ver de 0,55”a 1”33”)

Dez dias depois, o ilibado Fundo Monetário Internacional (FMI) acenava, alterando a avaliação a respeito da contração da economia brasileira: ao invés dos 3,8% (previstos em abril), a contração seria de 3,3%. O JN incensava:

“A contração da economia em 2016 vai ser menor do que se esperava”, “pela primeira vez em quatro anos estimativas melhoram” e justificava a mudança: “os economistas do FMI dizem que aumentou a confiança dos investidores no mercado brasileiro” (JN, 19.07.2016).
O Governo Meirelles

Em 24 horas, a conta. Ao cobrir a manutenção da taxa de juros a 14,25% pelo Copom, o recado do mercado ao governo no JN:

“Pela manhã, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, chegou a afirmar que o presidente em exercício, Michel Temer, via com bons olhos uma queda nos juros. Investidores se assustaram com o que poderia ser um sinal de interferência política nas decisões do Banco Central. Por isso, antes do anúncio do Copom, Michel Temer declarou numa rede social que o Banco Central tem plena autonomia para definir a taxa de juros — e que o combate à inflação é objetivo central do governo. ” (JN, 20.07.2016).

Obediente, o governo reiterava uma semana depois: “O Copom reafirma a preocupação com o aumento do preço dos alimentos e reforça a necessidade de uma reforma fiscal. Na interpretação de economistas o texto indica que o Banco Central não pretende baixar os juros tão cedo (JN,26.07.2016).

Aos que ainda duvidam sobre o poder do mercado e das elites financeiras no país, a última pérola:

“A gente começa com uma notícia boa para a Petrobras, uma raridade nos últimos anos. A Justiça dos Estados Unidos aceitou um recurso da empresa e suspendeu por tempo indeterminado todas as ações contra ela nos tribunais americanos. Os processos são movidos por acionistas que alegam ter sofrido prejuízos por causa da corrupção revelada na Operação Lava Jato, só uma das ações prevê o ressarcimento de U$S 10 bilhões” (JN, 02.08.2016).

Imagine a rapinagem em jogo para compensar a suspensão dessas ações.

O que está em curso é o pleno obscurantismo que transita, livremente, nos largos vãos deixados pela ausência de uma democracia jamais efetivada no setor da Comunicação.

Isso sim é descalabro.

Tatiana Carlotti
No Blog do Miro

Leia Mais ►