29 de jul de 2016

Michael Moore: El próximo presidente de EEUU será Donald Trump

El cineasta norteamericano Michael Moore explica las cinco razones por las que considera que Trump
ganará las elecciones en EE.UU.
El destacado cineasta y escritor estadounidense Michael Moore aseguró en un post publicado en el periódico electrónico The Huffington Post que Donald Trump será el próximo presidente de los Estados Unidos. El multipremiado artista, simpatizante con las políticas de izquierda, lamentó ser el portador de las malas noticias y deseó que su predicción estuviara errada. Moore ofrece cinco razones por las que considera que Trump se sentará en la Casa Blanca.

Texto íntegro publicado por Michael Moore:

Siento ser el que dé las malas noticias, pero ya les advertí el pasado verano cuando dije que Donald Trump sería el candidato republicano a la presidencia. Y ahora traigo unas noticias aún peores y más deprimentes: Donald J. Trump va a ganar las elecciones en noviembre. Este ignorante, peligroso y miserable payaso a tiempo parcial y sociópata a tiempo completo será el próximo presidente de Estados Unidos. Presidente Trump. Vamos, vayan practicando, porque será así como nos tendremos que dirigir a él durante los próximos cuatro años.

En mi vida he deseado tanto estar equivocado como ahora.

Me imagino lo que estén haciendo ahora mismo. Están negando con la cabeza y mientras piensan: “No, Mike, no va a ganar”. Por desgracia, viven en una burbuja con una cámara de resonancia acoplada en la que tanto ustedes como nuestros amigos están convencidos de que los estadounidenses no van a elegir como presidente a un idiota. Van alternando entre la sorpresa y la mofa por su último comentario o por su actitud narcisista ante todo, porque todo gira a su alrededor. Y después escuchan a Hillary y ven a la que sería la primera mujer en un cargo así en Estados Unidos, una persona respetada, inteligente y que se preocupa por los niños, que continuará con el legado de Obama porque eso es claramente lo que quieren los estadounidenses, cuatro años más de esto.

Tienen que salir de esa burbuja inmediatamente. Tienen que dejar de negar lo evidente y enfrentarse a la verdad que en el fondo saben que es muy real. Intenten permanecer tranquilos con datos –el 77% del electorado son mujeres, personas de otras razas y jóvenes de menos de 35 años, ¡y Trump no puede ganar por mayoría en ninguno de esos sectores!– o con lógica –¡la gente no va a votar a un bufón ni en contra de sus intereses!– es la manera que tiene el cerebro de protegerse de una situación traumática.

Como cuando oyes un ruido extraño en la calle y piensas: “Ah, es que habrá reventado una rueda”, o “¿quién anda tirando petardos?” porque no quieres pensar que lo que acabas de oír es un disparo. Es la misma razón por la que todas las noticias iniciales y testigos del 11 de septiembre decían en los primeros momentos que “un pequeño avión se había estrellado por accidente contra el World Trade Center”.

Queremos -necesitamos- tener esperanza porque, francamente, la vida ya es lo suficientemente dura y bastante hay que luchar entre sueldo y sueldo. No podemos con muchas más malas noticias. Por lo tanto, nuestro estado mental vuelve al estado predeterminado cuando se hace realidad algo aterrador. Las primeras personas arrolladas por el camión en el atentado de Niza pasaron sus últimos minutos de vida pensando que el conductor del camión simplemente había perdido el control del vehículo, haciéndole señas y gritándole que tuviera cuidado y que había gente en la acera.

Queridos amigos, esto no es un accidente. Es la realidad. Y si creen que Hillary Clinton va a ganar a Trump con datos, inteligencia y lógica, es que no saben nada de las 56 primarias en las que 16 candidatos republicanos probaron con todo, sacaron todos sus ases de la manga y no pudieron hacer nada para detener al gigante de Trump. A día de hoy, tal y como están las cosas, creo que va a ganar; y, para lidiar con ello, necesito que primero lo reconozcan y quizá después podamos encontrar una manera de salir de este embrollo en el que nos hemos metido.

No me malinterpreten. Tengo muchas esperanzas puestas en el país en el que vivo. Las cosas están mejor. La izquierda ha ganado las guerras culturales. Los homosexuales pueden casarse. La mayoría de los estadounidenses adoptan la postura liberal en las encuestas: en el sueldo igualitario para hombres y mujeres, en que el aborto debería ser legal, en la imposición de unas leyes medioambientales más severas, en un mayor control de las armas, en la legalización de la marihuana.

Se ha producido un gran cambio: que les pregunten a los socialistas que han ganado en 22 estados este año. Y no me cabe duda de que si la gente pudiera votar desde el sofá en su casa a través de la Xbox o de la PlayStation Hillary ganaría por goleada.

Pero en Estados Unidos las cosas no funcionan así. La gente tiene que salir de casa y esperar una cola para votar. Y, si viven en barrios pobres, con mayoría de negros o de hispanos, no solo tendrán que hacer una cola más larga, sino que se hará todo lo posible para evitar que vayan a votar.

Así que en la mayoría de las elecciones es difícil que el porcentaje de participación llegue siquiera al 50%. Y ahí yace el problema de noviembre: ¿quién va a conseguir que los votantes más motivados acudan a las urnas? Saben la respuesta a esa pregunta. ¿Quién es el candidato con los simpatizantes más furibundos? ¿Quién tiene unos fans capaces de levantarse a las cinco de la mañana el día de las elecciones y de ir molestando todo el día hasta que cierren las urnas para asegurarse de que todo hijo de vecino vote? Efectivamente. Ese es el nivel de peligro en el que nos encontramos. Y no se engañen: ni los persuasivos anuncios de televisión de Hillary ni el hecho de que se le desenmascare en los debates ni que los libertarios le quiten votos van a servir para detener a Trump.

Estas son las cinco razones por las que Trump va a ganar:


El destacado cineasta y escritor estadounidense, Michael Moore, predice que Donald Trump será el próximo presidente de EE.UU. y asegura que quisiera equivocarse. Foto: Samuel Corum/ Anadolu Agency/Getty Images.
El destacado cineasta y escritor estadounidense, Michael Moore, predice que Donald Trump será el
próximo presidente de EE.UU. y asegura que quisiera equivocarse.
Foto: Samuel Corum/ Anadolu Agency/Getty Images.
1. El Brexit del medio oeste de Estados Unidos. Creo que Trump va a centrar gran parte de su atención en los cuatro estados azules de Michigan, Ohio, Pensilvania y Wisconsin. Cuatro estados tradicionalmente demócratas, pero que han elegido a gobernadores republicanos desde 2010 (Pensilvania es el único que finalmente ha elegido a un demócrata ahora).

En las primarias de Michigan de marzo, 1,32 millones de habitantes votaron a los republicanos frente a los 1,19 millones que votaron a los demócratas. Según las últimas encuestas de Pensilvania, Trump va por delante de Hillary; y en Ohio están empatados. ¿Empatados? ¿Cómo es posible que esta carrera esté tan reñida después de todo lo que ha dicho y hecho Trump? Quizá se deba a que este ha dicho (y ha dicho bien) que el apoyo de los Clinton al Tratado de Libre Comercio de América del Norte (TLCAN) ha ayudado a destruir a los estados industriales de la zona norte del medio oeste de Estados Unidos.

Trump va a machacar a Clinton con este tema y con el hecho de que haya apoyado el Acuerdo Transpacífico de Cooperación Económica y otras políticas de comercio que han perjudicado a los habitantes de esos cuatro estados. Durante las primarias de Michigan, Trump amenazó a la empresa Ford Motor con que si seguían adelante con el cierre de la fábrica que tenían previsto y se trasladaban a México, pondría un impuesto del 35% a todos los coches construidos en México que se enviaran a Estados Unidos. Música para los oídos de la clase trabajadora de Michigan. Y cuando lanzó otra amenaza a Apple y dijo que les obligaría a dejar de fabricar iPhones en China y a fabricarlos en Estados Unidos todos quedaron embelesados y Trump se llevó una gran victoria que debería haber sido para el gobernador, John Kasich.

La zona que abarca desde la ciudad de Green Bay (Wisconsin) hasta Pittsburgh (Pensilvania) recuerda a la mitad de Inglaterra: rotas, deprimidas y en las últimas funcionan las chimeneas esparcidas por el campo en el esqueleto de lo que antes llamábamos clase media.

Trabajadores amargados y enfadados a los que Reagan engañó y a los que los demócratas -que siguen intentando persuadir de forma deshonesta pero solo quieren aprovecharse de la situación codeándose con banqueros que les puedan extender cheques- abandonaron. Lo que ha pasado con el Brexit en Reino Unido también va a pasar aquí.

Elmer Gantry aparece como Boris Johnson y se limita a inventar para convencer a la gente de que ¡esta es su oportunidad! De acabar con todos, con todos los que hicieron añicos su Sueño Americano. Y ahora Donald Trump, el forastero, ha llegado para limpiarlo todo. ¡No hace falta que estén de acuerdo con él! ¡Es su cóctel molotov personal, el que pueden lanzar a los malnacidos que les hicieron esto!

Y aquí es donde entran en juego los cálculos. En 2012, Mitt Romney perdió por 64 votos electorales. Sumemos los votos electorales de Michigan, Ohio, Pensilvania y Wisconsin. Son 64. Lo único que Trump necesita para ganar es mantenerse, tal y como se espera, en la franja de estados tradicionalmente republicanos de Idaho a Georgia (estados en los que nunca ganará Hillary Clinton), y ganar en Michigan, Ohio, Pensilvania y Wisconsin. No necesita ganar en Florida, ni en Colorado ni en Virginia. Solo en los cuatro anteriores. Y eso le colocará en la cima. Y eso es lo que va a pasar en noviembre.

Lo que Michael Moore llama "los hombres blancos en peligro de extinción" no permitirían los sucesivos gobiernos de Obama y Hillary. Foto: Reuters.
Lo que Michael Moore llama “los hombres blancos en peligro de extinción” no permitirían los sucesivos gobiernos de Obama y Hillary.
Foto: Reuters.
2. El último bastión de los hombres blancos enfadados. El gobierno de Estados Unidos que lleva 240 años dominado por hombres llega a su fin. ¡Una mujer está a punto de llegar al poder! ¿Cómo ha podido suceder? Había señales de peligro, pero las ignoramos. Nixon -el traidor del género- impuso el Título IX, la ley por la que, en el colegio, las alumnas deberían tener las mismas oportunidades a la hora de practicar deporte. Y luego les dejaron pilotar aviones comerciales. Y antes de que nos diéramos cuenta, Beyoncé revolucionó la Super Bowl (¡nuestro partido!) con un ejército de mujeres negras que, con el puño en alto, dejaron claro que nuestra dominación había terminado. ¡Dónde hemos ido a parar!
Ese es el pequeño resumen de la mente del hombre blanco en peligro de extinción. Tienen la sensación de que se les escapa el poder de las manos, de que su manera de hacer las cosas ya no es la manera en la que se hacen las cosas. La “feminazi”, ese monstruo que, como dice Trump, “sangra por los ojos o por donde sea”, nos ha conquistado y ahora, después de haber tenido que pasar por ocho años en los que un hombre negro nos ha dicho qué hacer, ¿se supone que tenemos que aguantar ocho años en los que una mujer nos mangonee? ¡Después de eso serán ocho años de un homosexual dirigiendo la Casa Blanca! ¡Y luego transexuales! Ya ven por dónde van las cosas. Para entonces, se les habrán concedido derechos humanos a los animales y el presidente del país será un hámster. ¡Esto tiene que acabar! Así piensan los xenófobos, homófobos y machistas de EE.UU.

3. El problema de Hillary. Seamos sinceros, ahora que estamos entre amigos. Ante todo, dénjeme que les diga que me gusta - mucho - Hillary y que creo que le han creado una reputación que no se merece. Pero el hecho de que votara a favor de la guerra de Irak hizo que yo me prometiera que no volvería a votarla. Hasta la fecha, no he roto esa promesa. Por intentar evitar que un protofascista se convierta en nuestro presidente, voy a romper esa promesa. Me entristece pensar que Clinton encontrará la manera de meternos en un conflicto militar. Es un halcón a la derecha de Obama. Pero el dedo psicópata de Trump estará listo para pulsar El Botón, así son las cosas.

Asumámoslo: Trump no es el mayor de nuestros problemas, es Hillary. Es muy impopular: el 70% de los votantes piensan que no transmite confianza ni honestidad.

Representa a la política tradicional y no cree en nada que no sea lo que le haga ganar las elecciones. Por eso estuvo en contra del matrimonio homosexual en su momento y ahora lo defiende. Entre sus mayores detractores se encuentran las mujeres jóvenes, cosa que tiene que dolerle considerando los sacrificios que ha hecho -tanto Hillary como otras mujeres de su generación- y lo que ha luchado para que las generaciones más jóvenes no tengan que aguantar que las Barbaras Bushes del mundo les manden callar y a hacer galletas.

Pero no gusta a los jóvenes, y no hay día que no oiga a un millennial decir que no la va a votar. Ningún demócrata, ni ninguna persona que no apoye a alguno de los dos partidos mayoritarios, se va a levantar emocionado el 8 de noviembre por ir a votar a Hillary como pasó cuando Obama ganó las elecciones o cuando Bernie Sanders era candidato en las primarias. No hay entusiasmo. Y, como estas elecciones solo van a depender de una cosa - de quién atraiga a más gente a las urnas -, Trump lleva las de ganar.

Los simpatizantes de Bernie Sanders votarán sin ilusión por Hillary Clinton, dice Moore. Foto: Jeff Mitchel/ AFP.
Los simpatizantes de Bernie Sanders votarán sin ilusión por Hillary Clinton, dice Moore.
Foto: Jeff Mitchel/ AFP.
4. El voto deprimido a Bernie Sanders. Dejen de preocuparse por que los simpatizantes de Bernie no votemos a Clinton, porque la vamos a votar. Según las encuestas, el número de seguidores de Sanders que voten a Hillary este año será mayor que el número de simpatizantes de Clinton que votaron a Obama en 2008.

Ese no es el problema. Lo que debería alarmarnos es que cuando el simpatizante promedio de Bernie se arrastre a las urnas el día de las elecciones para votar a Hillary a regañadientes, a eso se le llamará “voto deprimido” (lo que significa que el votante no se lleva a cinco personas con él para que voten también, que no se ha presentado como voluntario para hacer campaña 10 horas al mes de cara a las elecciones y que no contesta con emoción cuando le preguntan por qué va a votar a Hillary: un votante deprimido). Porque, cuando se es joven, se tiene tolerancia cero ante los farsantes y las mentiras. Para la gente joven, volver a la era de Clinton/Bush es como tener que pagar de repente por escuchar música, o volver a usar MySpace o a llevar un teléfono móvil como una maleta de grande.

No van a votar a Trump; algunos votarán a un tercer partido, pero muchos se limitarán a quedarse en casa. Hillary Clinton va a tener que hacer algo para dar a los jóvenes una razón para que la apoyen; y elegir a un señor blanco, viejo, insulso y moderado como candidato a vicepresidente no es el tipo de decisión atrevida que pueda transmitir a los millennials que su voto es importante para Hillary. Que hubiera dos mujeres al frente era una idea interesante. Pero Hillary se ha asustado y ha decidido ir a lo seguro. Otro ejemplo más de cómo Clinton está matando poco a poco al voto joven.

5. El efecto Jesse Ventura. Por último, no descontemos la capacidad del electorado para hacer el mal o para subestimar cuántos millones de ciudadanos se conciben a sí mismos como anarquistas encubiertos una vez que echen la cortina y se dispongan a ejercer su derecho al voto.

Es uno de los pocos sitios que quedan en esta sociedad en el que no hay ni cámaras de seguridad, ni dispositivos de escucha, ni parejas, ni hijos, ni jefes, ni policías, ni siquiera límite de tiempo. Puedes pasarte ahí dentro el tiempo que te apetezca y nadie puede obligarte a hacer nada. Puedes votar al partido que quieras o a Mickey Mouse y al Pato Donald. No hay reglas. Y precisamente por eso y por la ira que tienen algunos contra un sistema político inservible, millones de estadounidenses van a votar a Trump, y no porque estén de acuerdo con él ni porque les gusten la intolerancia y el ego que le caracterizan, sino porque pueden, simplemente.

Para ver el mundo arder y hacer enfadar a papá y a mamá. E igual que cuando estás al borde de las cataratas del Niágara te preguntas por un instante cómo sería tirarse por ahí, habrá muchos a los que les encante sentir que son los que mueven los hilos y que pueden votar a Trump solo para ver qué pasa. Recordemos cuando, en los noventa, los ciudadanos de Minnesota eligieron como gobernador a un ex luchador profesional. No lo hicieron porque fueran estúpidos o porque pensaran que Jesse Ventura era un político célebre o intelectual. Lo hicieron porque podían. Minnesota es uno de los estados más inteligentes del país. Y también está lleno de ciudadanos con gusto por el humor negro, así que para ellos votar a Jesse Ventura fue como hacer un chiste práctico en un sistema político enfermo. Y es lo que va a volver a pasar con Trump.

Cuando me disponía a volver a mi hotel después de participar en el programa especial de Bill Maher sobre la Convención del Partido Republicano en la cadena HBO, un hombre me paró por la calle. “Mike”, me dijo, “tenemos que votar a Trump. Tenemos que cambiar las cosas”. Eso fue todo. Para él, era suficiente. “Cambiar las cosas”. De hecho, es lo que Trump haría, y a gran parte del electorado le gustaría ser espectador de ese reality show.

Contra todos los pronósticos, el ex luchador profesional, James George Janos (Jesse Ventura), fue elegido gobernador de Minesota. Michael Moore cree que algo similar puede pasar con Trump, pero como presidente de EE.UU. Foto tomada de politico.com.
Contra todos los pronósticos, el ex luchador profesional, James George Janos (Jesse Ventura), fue
elegido gobernador de Minesota. Michael Moore cree que algo similar puede pasar con Trump, pero
como presidente de EE.UU.
Foto tomada de politico.com.
(Aquí puede ver el texto original en inglés)

No CubaDebate
Leia Mais ►

A Lava-Jato, a Operação Mãos Limpas e a cueca de Sanremo

http://www.maurosantayana.com/2016/07/a-lava-jato-operacao-maos-limpas-e.html


Se há uma coisa importante, na Itália, é que, assim como a Grécia, por sua antiguidade, a velha bota serve de espelho, com suas antigas cidades, seus aquedutos, seus monumentos e sua história, para a natureza e a caminhada humanas.

Assim, de certa forma, as virtudes e os pecados de Roma são nossas virtudes e pecados, embora muitos, principalmente os tiranos, tenham tentado manipular a aura da velha senhora a seu próprio favor, ao longo do tempo.

Considerando-se a proeminência do Direito Romano na formação da jurisprudência ocidental, e, principalmente, a sua influência no contexto jurídico brasileiro, é natural que tudo que tenha a ver com a Itália costume ser superestimado em nossa mitologia jurídica, das universidades romanas às citações latinas.

Na genealogia de um mito mais recente, preponderante no atual momento político nacional, o da Operação Lava-Jato, consta que ela teria sido inspirada, assim como o Juiz que a conduz, pela Operação Mãos Limpas, levada a cabo na Itália, há alguns anos.

Dessa versão, já um discurso, uma “marca” estabelecida nos últimos três anos, constam também outros mitos, que encontraram terreno fértil no espírito de outros magistrados e procuradores, entre eles o de que a Operação Mãos Limpas seria uma espécie de divisor de águas moral e político na Itália, nação que teria, por obra e graça de meia dúzia de juízes, se libertado de seus pecados seculares, velhos como as sandálias de César, e mergulhado em uma nova era de honestidade e virtude, tanto no ambiente político como no empresarial, digna de envergonhar um frade franciscano que passasse, contrito e descalço, pela Via della Conciliazione, em direção à Praça de São Pedro, a caminho do Vaticano.

Essa ligação entre a Operação Maõs Limpas e a Operação Lava-Jato não é bizantina.

Ela é extremamente importante, porque uma serve, de certa forma, como justificativa filosófica da outra; porque a afirmação de que a Operação Mani Pulite foi um extraordinário sucesso em suas consequencias é uma mentira; e porque ela sustenta outra crença, o mito fascista de que a realidade pode ser mudada pela vontade de um único homem, que, como Pilatos, levanta as mãos recem lavadas para a multidão, entregando-lhe a decisão de castigar o prisioneiro famoso, como se dissesse: eu condeno este homem, mas o faço em nome de vocês, e por isso o entrego a vocês, para que o execrem e castiguem.

Do ponto de vista político — e econômico — a Operação Mãos Limpas foi uma tragédia para a Itália, que não se limitou a abrir caminho para a chegada de Silvio Berlusconi, um personagem mussolinesco ao poder, onde ficou muitos anos.

Há acusações de que os EUA estavam por trás da operação, baseadas em declarações do próprio embaixador dos Estados Unidos, na época; de que a operação serviu para fatiar e auxiliar a venda de empresas italianas ao exterior; e de que a operação levou o país a uma enorme decadência, com o enfraquecimento de sua soberania e de sua influência política no contexto europeu.

E, mais do que isso: do ponto de vista moral, a Operação Mãos Limpas, que aqui se tenta vender como uma unanimidade na Itália, não acabou com a corrupção coisíssima nenhuma, como se pode ver pelos escândalos que se sucederam depois, entre eles o da Máfia Capitale, que mobiliza, agora, mais uma vez, a justiça daquele país.

Com dezenas de pessoas presas por pertencer a uma organização criminosa formada por bandidos de extrema direita, a Máfia Capitale era comandada pelo ex-líder do NAR - Nuclei Armati Rivoluzionari, Massimo Carminatti, uma milícia terrorista neofascista que atuou na Itália nos anos 1970 e 1980, responsável por 33 assassinatos, além do atentado a bomba contra a Estação Ferroviária de Bolonha, no dia 2 de agosto de 1980, que teve como resultado da colocação de uma mala cheia de explosivos plásticos em uma sala de espera super-lotada, 85 mortos e mais de 200 feridos.

Trinta e cinco anos depois, Operação Mãos Limpas incluída, os terroristas do NAR foram libertados, re-estabeleceram suas ligações com as “autoridades” e o empresariado de direita, e montaram outra organização criminosa, agora para assaltar os cofres públicos, por meio de obras para a Prefeitura de Roma, em um processo que já teve 37 pessoas condenadas.

Também não se pode reputar, à Operação Mãos Limpas poderes extraordinários de purificação, ou efeitos "mágicos", definitivos — como se quer fazer crer no Brasil, com relação à Operação Lava-Jato — na alma italiana.

Outro dia, ficou famoso um vídeo que circulou na internet, com um extrato de cenas de 195 funcionários da prefeitura da cidade de Sanremo, no Norte da Itália, "batendo" o ponto com cartões eletrônicos em um posto da Prefeitura, sem aparecer, há semanas, no serviço.

A tranquilidade e a falta de preocupação da turma filmada pela câmera oculta da polícia era tão grande, que houve quem levou vários cartões de uma vez para "bater" o ponto para amigos; crianças de menos de 12 anos batendo o “ponto” para os pais e até mesmo um cidadão que por lá compareceu seminu, fazendo-o em roupas íntimas.

Como se pode ver, como exemplo do que se faz também em outros países do mundo — por aqui, médicos não tiravam moldes de silicone dos dedos para que colegas "batessem" o “ponto” para eles, em postos de saúde de São Paulo ? — Roma ainda vale uma missa na hora de mostrar que a corrupção é tão velha, universal e eterna, como a cidade fundada por Romulo e Remo, depois que os irmãos mamaram nas tetas de uma loba.

E de lembrar que a corrupção não será sanada por medidas muitas vezes arbitrárias e espetaculares, mas com educação cidadã e leis que venham a dificultar, a longo prazo, — como a que proíbe o financiamento privado de campanha — e não apenas pontualmente a vida dos corruptos.

Antes disso, no entanto, será preciso separar o que é corrupção e o que é Política.

A política, que — ao contrário do que muitos pensam — pode ser feita, e está sendo feita, cada vez mais, no púlpito de uma igreja evangélica, no gabinete de um juiz, na reunião de pauta de uma emissora de televisão, na tomada de um depoimento no quartinho de uma delegacia, ou em uma dependência do Ministério Público, é normalmente feita na base da pressão, da contra-pressão, da negociação, da troca de favores e de entendimento, desde que ainda vivíamos em árvores na savana africana.

Do lobby — institucionalizado como profissão nos EUA — ao Guanxi, eufemismo para "relações interpessoais" na China, essa troca de favores e interesses — que por aqui precisa ser regulamentada — ocorre em todos os países, em todas as épocas, em todos os regimes.

Embora alguns acreditem “piamente” ou tentem "vender" - malandramente - o conto do vigário de que podem mudar a História a golpe de caneta e voluntarismo - às vezes, articulada, coordenada, conspiratóriramente - de uma hora para a outra.

Quem não entender isso, ou é trouxa, ou está se fingindo de bobo para manipular os outros.

O que interessa, no Brasil, neste momento, é quem está exercendo a política e para onde ela está caminhando.

Quando a política começa a ser mais praticada no âmbito do Judiciário, do Ministério Público, ou da polícia, que não têm votos nem mandato popular para fazê-lo, que pela sociedade civil, organizada, ou que está representada, oficialmente na estrutura da República, há alguma coisa errada com o país em que isso está ocorrendo.

Quando ela é feita de modo imediatista, como forma de se chegar ao poder, e sem nenhum compromisso com o desenvolvimento e o fortalecimento da Pátria, estamos quebrando a ordem político-institucional — com todos os defeitos que possam ter nossos homens públicos — e abrindo caminho — como já está acontecendo — para o imponderável, o caos e os piores absurdos morais e jurídicos.

Quando essa “política”, baseada exclusivamente no discurso anticorrupção, que se exerce também juridicamente, destrói a capacidade industrial da Nação, suas maiores empresas, gigantescos projetos de infraestrutura e de defesa, fazendo retroceder a competitividade, a produção e o emprego, ela não está indo em direção dos interesses brasileiros, por mais que possa estar favorecendo, eventualmente, o projeto de poder de alguns espertalhões.

O que ela está fazendo é matar a boiada com a desculpa de acabar com os carrapatos.

Ainda mais quando, nesse pseudo combate à corrupção, não se quebram apenas os ovos, para fazer a omelete — frase que justifica todo tipo de abuso e arbitrariedade — mas se matam, inconsequente e irresponsávelmente, a pontapés e pisões no pescoço, como está ocorrendo com as maiores empresas — as galinhas dos ovos de ouro que sustentam o desenvolvimento nacional — e os principais projetos estratégicos nacionais.

Este país continuará mal — e cada vez pior — se continuar acreditando que a corrupção, na verdade a mais antiga "profissão" do mundo — derivada do jogo habitual de relações de poder — basta ler antropologia — comum a qualquer grupo de primatas — irá se extinguir, no Brasil, por obra de uma “operação”, voltada para arrebentar com a atividade política para abrir eventualmente caminho a uma República de Plutocratas — erguida também por obra e graça de uma imprensa manipuladora — de mal disfarçado caráter autoritário e fascista.

Como se vê pela situação da Itália atualmente, a "Operação Mãos Limpas" não serviu para lavar, nem para mudar a velha bota mediterrânea, nem a corrupção italiana.

E nem para limpar a roupa de baixo do "honrado" funcionário — que não difere muito de nossos marajás que ganham quase o dobro do Presidente da República — que foi bater o ponto de cueca no posto da Prefeitura de Sanremo porque, ao que parece, devia estar quente, muito quente, naquele dia.
Leia Mais ►

Lula levou Moro, Janot e o PiG ao tribunal do mundo


Leia Mais ►

Dois pesos e duas medidas

Ele
O juiz que assina a decisão de transformar o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva em réu é Ricardo Augusto Soares Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília. Leite é conhecidíssimo, mas não por sua eficiência. Bem ao contrário.

Juiz da Operação Zelotes, que apura esquema de corrupção no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), órgão responsável por julgar os autos de infração da Receita, o juiz que transformou Lula em réu teve a capacidade de ser denunciado pelo próprio Ministério Público Federal.

Reportagem publicada pela Folha, em 20 de junho de 2015, mostrava o Ministério Público reclamando de várias decisões judiciais de Ricardo Augusto Soares Leite que dificultaram a obtenção de provas contra os fraudadores da Receita..

“O juiz Ricardo Leite negou todos os pedidos de prisão dos investigados, suspendeu escuta telefônica e não autorizou buscas e apreensões.”

“A Procuradoria já representou contra Leite na Corregedoria do TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região, em abril. Segundo a Folha apurou, se nenhuma medida for adotada pela corregedoria do Tribunal, a Procuradoria da República no Distrito Federal vai recorrer ao Conselho Nacional de Justiça.”

“Segundo a polícia, multas contra empresas somando R$ 19 bilhões tiveram o julgamento alterado pela ação de uma quadrilha que atuava junto ao órgão.”

Pois não é que exatamente esse juiz da 10º Vara Federal, que, segundo o próprio Ministério Público Federal, dificultou a punição dos fraudadores da Receita, é exatamente esse o homem que transformou Lula em réu?

A Justiça é cega mesmo?

E a imprensa golpista? Não percebeu também que esse nome já era dela conhecido?

Aqui a reportagem da Folha, publicada há pouco mais de um ano:


Procuradoria quer afastar juiz que apura corrupção em conselho

LEONARDO SOUZA
DO RIO
20/06/2015 02h00

O Ministério Público Federal quer o afastamento do juiz Ricardo Augusto Soares Leite da 10ª Vara Federal de Brasília. Leite é o juiz da Operação Zelotes, que apura esquema de corrupção no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), órgão responsável por julgar os autos de infração da Receita.

Segundo a polícia, multas contra empresas somando R$ 19 bilhões tiveram o julgamento alterado pela ação de uma quadrilha que atuava junto ao órgão.

O Ministério Público, no entanto, disse que não conseguirá anular a maioria dos casos, porque várias decisões judiciais dificultaram a obtenção de provas.

O juiz Ricardo Leite negou todos os pedidos de prisão dos investigados, suspendeu escuta telefônica e não autorizou buscas e apreensões.

A Procuradoria já representou contra Leite na Corregedoria do TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região, em abril. Segundo a Folha apurou, se nenhuma medida for adotada pela corregedoria do Tribunal, a Procuradoria da República no Distrito Federal vai recorrer ao Conselho Nacional de Justiça.

Juiz substituto, o magistrado está há aproximadamente dez anos no comando da 10ª Vara, especializada em julgamentos de crimes de lavagem de dinheiro.

VAMPIROS

Nesse período, passaram pelas mãos de Leite casos como o da máfia dos Vampiros, o de Maurício Marinho (Correios), Waldomiro Diniz (Casa Civil) e o da quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo (veja quadro ao lado).

Na representação à corregedoria do TRF, à qual a Folha teve acesso, os procuradores relatam o que classificam como “a existência de um crônico e grave quadro de ineficiência” na atuação do juiz Ricardo Leite.

Procurado por uma semana na Justiça Federal no DF, ele não quis dar declarações (leia texto ao lado).

De acordo com o documento, o magistrado prejudicou o andamento dos processos por demorar para tomar decisões simples e por empregar expedientes jurídicos vetados pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) e pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Os procuradores dão exemplos de como “a extrema morosidade” no trâmite dos processos na 10ª Vara gera “substanciais prejuízos” ao país.

Na Operação Vampiro, deflagrada em 2004, o STJ negou um recurso impetrado pelos réus e autorizou, em 2010, o andamento regular do processo. A ação penal só foi retomada pela 10ª Vara, porém, em fevereiro de 2012.

A Justiça suíça bloqueou recursos nos nomes de alguns dos réus. O dinheiro não foi repatriado para o Brasil porque até hoje não há uma decisão definitiva sobre o caso.

Na representação ao TRF, o MPF pede que a corregedoria instaure procedimento avulso contra o juiz e uma correição extraordinária na 10ª Vara Federal. Entre as punições previstas que podem ser aplicadas ao juiz, estão advertência, remoção para outra vara e até mesmo aposentadoria compulsória.

Na correição extraordinária, seria feito diagnóstico completo da Vara para acelerar o andamento dos processos. Nos próximos dias, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) vai na mesma direção: solicitará ao CNJ a instauração de sindicância e processo administrativo disciplinar contra o juiz. Segundo Pimenta, relator da subcomissão da Câmara criada para acompanhar a Zelotes, a atitude do juiz Ricardo Leite tem “prejudicado sobremaneira a apuração dos fatos”.

OUTRO LADO

A Folha fez diversos contatos com a assessoria de imprensa da Justiça Federal em Brasília, por mais de uma semana, pedindo uma entrevista com o juiz Ricardo Augusto Soares Leite para que ele comentasse as reclamações da Procuradoria.

Ele não ligou de volta.

A reportagem também mandou e-mails para a assessoria, mas as mensagens não foram respondidas.

Em audiências realizadas na Câmara pelo relator da subcomissão para acompanhar a Operação Zelotes, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), delegados da Polícia Federal e procuradores da República encarregados do caso reclamaram publicamente do comportamento do juiz Soares Leite.

Frederico Paiva, procurador que coordena as investigações de fraude em julgamentos do Carf, disse que os pedidos de prisão negados por Leite eram importantes para impedir que os investigados combinassem os depoimentos.

“Ele [o juiz] tem um histórico de acúmulo de processos, um comportamento que chama atenção e deveria ser examinado de perto”, disse Paiva numa das audiências públicas.

Laura Capriglione
No Jornalistas Livres
Leia Mais ►

Professor Luiz Moreira: a mídia e a Justiça


Em entrevista a PHA, o professor Luiz Moreira, jurista e mestre em filosofia, falou sobre o seu papel na denúncia da Operação Lava Jato à comissão de direitos humanos da ONU. Segundo Moreira, há uma relação entre o sistema de justiça e a grande imprensa no Brasil: "a partir de vazamentos seletivos e pressão da mídia, há uma impossibilidade de o presidente Lula ter um julgamento imparcial".

Leia Mais ►

“Homem de causas célebres”: quem é Geoffrey Robertson, o advogado de Lula na ONU

Cristiano Zanin e Geoffrey Robertson na sede do Comitê de Direitos Humanos da ONU, em Genebra
Geoffrey Robertson, contratado pela defesa de Lula para representá-lo na Comissão de Direitos Humanos da ONU, já advogou para Julian Assange, dono do Wikileaks, para o ex-lutador de boxe Mike Tyson e para o autor indiano Salman Rushdie.

Robertson foi duro com Sérgio Moro. “Seus telefones, os de usa família e advogados estão grampeados. As transcrições, bem como o áudio das conversas, estão sendo liberados para uma imprensa hostil. O juiz está invadindo sua privacidade e pode prendê-lo a qualquer momento e, em seguida, pode ser julgado sem um júri”, disse ele.

“Na Inglaterra, nenhum magistrado poderia agir dessa maneira. Ele age como uma comissão anticorrupção de um homem só.” É a primeira vez que um brasileiro recorre a essa instância para questionar as instituições do país.

Quem é Geoffrey Robertson?

Resumindo, ele está do lado oposto ao de Moro no sentido profissional e filosófico. O Independent fez um bom perfil dele na época do imbroglio Assange. Destaco alguns trechos:
  • “A transparência conduz a um governo melhor.” Essas palavras poderiam ter vindo de Julian Assange, fundador do WikiLeaks, preso e detido em Londres, aguardando a extradição para a Suécia acusado de estupro. Mas elas podem ser encontrados nas memórias do homem que se mantém entre Assange e o processo no exterior: Geoffrey Robertson.
  • Aqueles que têm seguido a carreira de Robertson não ficaram surpresos ao vê-lo encurtando suas férias para vir defender seu compatriota australiano. 
  • Para Robertson, “a justiça é um grande jogo porque proporciona a oportunidade de ganhar do mais poderoso, do próprio estado. Isso não significa que Davi vai necessariamente matar Golias, mas as leis da batalha irão impedir Golias de matar Davi de maneira desleal”.
  • Geoffrey Ronald Robertson nasceu em 1946 e cresceu em uma casa confortável nos subúrbios de Sydney. Ele quis entrar para o direito depois de ler o processo de Lady Chatterley em 1 960 e de ver o desempenho do advogado de defesa, Gerald Gardiner.
  • Afligido por acne quando adolescente, ele não socializava muito e desenvolveu os hábitos de um workaholic. Robertson era um aluno sério, com, em suas próprias palavras, “uma perspectiva individualista e um pouco puritana”.
  • Ele chegou ao Reino Unido em 1970, achando que a bolsa de estudos em Oxford seria um “desvio agradável” antes de iniciar uma carreira em Sydney. Acabou ficando na Inglaterra. 
  • Iniciada em 1973, sua carreira no Reino Unido é notável, com várias causas célebres. Em 1978, ele defendeu dois jornalistas acusados de violar segredos oficiais quando entrevistaram um oficial de inteligência. A absolvição dos jornalistas foi uma vitória histórica para a liberdade de imprensa. 
  • O foco de Robertson se deslocaria para os direitos humanos e a responsabilização dos governos. Na década de 1990, ele defendeu os quatro diretores da fábrica de ferramentas Matrix Churchill acusados ​​de fornecer ilegalmente armas a Saddam Hussein. O julgamento entrou em colapso depois que o juiz rejeitou as tentativas por parte do governo de suprimir documentos-chave. Um inquérito judicial subsequente descobriu que ministros tinham realmente encorajado a venda de armas. 
  • Robertson esteve no centro das atenções novamente quando defendeu o jornal The Guardian num processo de difamação movido por Neil Hamilton, do Partido Conservador.
  • Houve outros casos menos famosos, mas não menos importantes. Como QC [Conselheiro da Rainha, cargo honorífico], ele processou o ditador malauiano Hastings Banda e defendeu dissidentes detidos por Lee Kuan Yew, de Singapura. 
  • A vida privada de Robertson tem sido tão agitada quanto a pública. Seu casamento com a romancista australiana Kathy Lette o manteve nos holofotes da mídia. Os dois se conheceram em Brisbane em 1990, quando participavam de um programa de televisão na Austrália. Ambos estavam em relacionamentos naquele momento, Robertson com a chef Nigella Lawson e Lette com o executivo de televisão australiano Kim Williams. “Os opostos se atraem” é a explicação de Robertson para a união improvável do advogado liberal com a autora de obras como “Atração Fetal” e “Homens – Um Guia do Usuário”. O casal tem dois filhos, Georgina e Julius. 
  • Robertson escreveu livros polêmicos. Um deles era um julgamento do papa e do Vaticano, outro um trabalho histórico acadêmico sobre John Cooke, o advogado que assumiu a tarefa de processar Charles I após a Guerra Civil inglesa.
  • Robertson não é para todos os gostos. Direitistas não gostam dele. Católicos ficam irritados com seu antipapismo. E o apoio de longa data ao intervencionismo militar humanitário como um meio de levar os criminosos de guerra e violadores dos direitos humanos à justiça levou-o a uma posição um pouco estranha sobre o Iraque. Na edição de 2006 de seu livro “Crimes Against Humanity” ele fala da “retidão moral de derrubar Saddam Hussein e a ilicitude dos meios utilizados para fazê-lo”, com a implicação de que o erro de George W. Bush foi apenas de usar a justificativa errada para o invasão.
  • Em suas memórias, ele descreve como, na sua opinião, a lei pode servir como uma “alavanca para a libertação”. É uma filosofia que orienta toda a sua carreira, seja na corte, no estúdio de televisão, ou nos livros. Seus hobbies são tênis, ópera e pescaria.
Kiko Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

De vice decorativo a interino vingativo!

Em recente debate no Centro de Estudos Barão de Itararé, o ex-ministro Franklin Martins disse que o golpista Michel Temer se converteu de “um vice decorativo em um interino vingativo”. Ele se referia ao processo de desmonte da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), com a exoneração do seu presidente-executivo, o jornalista Ricardo Melo — medida ilegal e arbitrária que depois foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF) — e a demissão de vários profissionais de renome. “Isto é censura, é perseguição política”, afirmou na ocasião. Nesta terça-feira (26), o alerta do ex-ministro foi corroborado pela onda de demissões no Ministério da Cultura — o que confirma que o vingativo usurpador detesta a democracia.

Segundo o noticiário da mídia chapa-branca, a caça às bruxas no MinC resultou na dispensa sumária de 81 profissionais e no desmonte de áreas estratégicas do ministério — como a Diretoria de Livro, Leitura, Literatura de Bibliotecas (DLLLB) e a Cinemateca. Em comunicado oficial e lacônico, o “sinistro” interino da pasta, Marcelo Calero, alegou que a onda de cortes faz parte do “processo de reestruturação” e do “desaparelhamento” da pasta, insinuando que todos os demitidos são “petistas”. Na prática, o Judas Michel Temer sempre desejou extinguir o ministério e só voltou atrás devido à forte pressão do mundo cultural, com dezenas de manifestos e protestos públicos.

Agora, irritado com a altiva resistência dos funcionários do MinC, que ocuparam vários dos seus equipamentos — como a Funarte do Rio Janeiro —, o interino vingativo parte para a retaliação. A medida fascista deve gerar mais rebeldia no mundo cultural e a tendência é de novas perseguições políticas no ministério, lideradas pelo insignificante capacho Marcelo Calero. Há boatos de que demissões podem vitimar até 140 profissionais do setor. No caso da Cinemateca, órgão responsável pela preservação do audiovisual, toda sua direção já foi exonerada – incluindo a coordenadora-geral, Olga Futemma. Para o seu lugar foi nomeado Oswaldo Massaini Filho, um agiota ligado ao mercado financeiro.

Processo macarthista de perseguição

A postura vingativa do Judas Michel Temer ficou explícita logo após a concretização do “golpe dos corruptos”, com o afastamento da presidenta Dilma Rousseff no Senado, em 12 de maio passado. Demonstrando toda sua pequenez política, o ex-vice-presidente — que confessou numa carta patética que se considerava apenas uma figura “decorativa” — passou à retaliação política mais torpe. Cancelou os voos da presidenta eleita pela maioria dos brasileiros e suspendeu, inclusive, a refeição designada à sua nova residência oficial, o Palácio da Alvorada. As iniciativas truculentas, totalmente contrárias à legislação, foram questionadas na Justiça, mas o usurpador não recuou na sua sanha vingativa.

Logo na sequência, o golpista deu início a um processo macarthista de perseguição política. Uma das primeiras vítimas foi um funcionário público que servia café no Palácio do Planalto, acusado de ser “um fiel petista”. A onda fascistoide foi festejada por uma reportagem da excitada revista Época, assinada pelo jornalista Ricardo Della Costa, “Michel Temer escalou auxiliares para desempenhar uma tarefa curiosa: caçar simpatizantes do PT escondidos no governo. A cada suspeita, os auxiliares do peemedebista buscam por registro de filiação e monitoram até as redes sociais. O nome dos encontrados param na mesa do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para a exoneração”.

Balcão de negócios para bandidos

A onda macarthista também foi confirmada pela Folha, em reportagem publicada em 8 de junho. “O presidente interino, Michel Temer, ordenou acelerar as demissões de servidores ligados ao PT que ainda ocupam cargos no segundo e terceiro escalão do governo... A equipe do presidente interino pediu um levantamento do número de postos que ainda abrigam indicações consideradas políticas e orientou que os quadros petistas sejam substituídos o mais rápido possível. Nas palavras de um auxiliar de Temer, os funcionários ligados ao partido da presidente afastada que ainda permanecem em secretarias e diretorias ‘estão atrapalhando o andamento da gestão’. ‘O clima é de guerra’, sentenciou o assessor”.

A mídia venal, que apoiou o “golpe dos corruptos” e tem feito de tudo para embelezar a imagem do usurpador Michel Temer — sabe-se lá a que preço — ainda tentou difundir a ideia de que os demitidos — “todos petistas” — seriam substituídos por nomes de perfil técnico. Mas nem ela tem conseguido esconder que os golpistas estão loteando os cargos, entregando postos estratégicos e até mesmo do segundo escalão em troca da fidelidade dos partidos fisiológicos na aprovação definitiva do impeachment da presidenta Dilma no Senado. O Palácio do Planalto virou um agitado balcão de negócios, com a indicação de todo tipo de bandido — muitos deles com longas fichas policiais — para os cargos públicos.

Altamiro Borges
Leia Mais ►

Repórteres Sem Fronteiras destaca Aécio como "coronel" da mídia

Relatório de ONG critica a "parede invisível formada por dinheiro e conflitos de interesse" que afeta a liberdade de informação

Aécio Neves: ele é um dos políticos que, mesmo com cargo, detém concessões de radiodifusão
O mais recente relatório da ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF), intitulado Mídia: quando os oligarcas vão às compras, tem como personagem principal no capítulo a respeito do Brasil o senador Aécio Neves (MG), presidente do PSDB. Dedicado a "descrever um mundo no qual o jornalismo e a liberdade de informação colidem contra uma parede invisível formada por dinheiro e conflitos de interesse", o documento lista políticos no mundo todo que são detentores dos meios de comunicação.

O capítulo acerca do Brasil é curto. Com o título "O país dos 30 Berlusconis", o documento destaca o termo "coronelismo eletrônico", usado para descrever o fenômeno dos políticos donos de veículos de comunicação. Trata-se de uma alusão aos grandes proprietários de terra, os coronéis, artífices do sistema político que sustentou a República Velha (1889-1930).

Para a RSF, o modelo de propriedade da mídia por políticos na América Latina se assemelha ao usado por Silvio Berlusconi na Itália. Ex-primeiro-ministro, Berlusconi é diretamente dono de diversos veículos de comunicação, sem precisar de intermediários.

"Os 'coronéis' incluem Aécio Neves, que sem sucesso desafiou Dilma Rousseff pela presidência em 2014", afirma o relatório da RSF. "Neves foi governador de Minas Gerais entre 2003 e 2010 e continua a ser um dos senadores do estado. Mais discretamente, ele, sua mãe e sua irmã são acionistas da Arco Íris, uma estação de rádio em Belo Horizonte. Outros membros de sua família também são donos de veículos de imprensa", afirma o texto.

Aécio


RSF destaca Aécio Neves como "coronel" da mídia (Imagem: Reprodução)
Como mostrou em outubro de 2014 o Intervozes, parceiro de CartaCapital, um tio e uma irmã de Aécio possuem rádios em São João Del Rei (MG), e a família exerce influência sobre emissoras educativas e sobre um jornal na cidade. 

Para a RSF, a condição de dono de meio de comunicação permite que Aécio "promova sua carreira política a um custo reduzido e também garante que seus veículos de imprensa fiquem com uma respeitável fatia da verba publicitária que o governo federal destina à imprensa local".

Também em outubro de 2014, a Folha de S.Paulo revelou que "o governo de Minas Gerais se recusou várias vezes nos últimos anos a divulgar informações sobre despesas que realizou para veicular publicidade oficial em três rádios e um jornal controlados pela família do presidenciável".

O documento da RSF destaca que a Constituição proíbe que políticos em cargos eletivos sejam donos de emissoras de rádios e televisões (concessões públicas), mas mostra que essa determinação simplesmente não é cumprida.

"É mais fácil remover a presidente do Brasil do que tirar uma frequência de transmissão de qualquer político", disse à ONG o ex-ministro Paulo Bernardo (PT). Investigado na Operação Lava Jato, Bernardo ocupou o cargo entre 2011 e 2015, período em que o governo federal nada fez de relevante para tentar contornar as ilegalidades nas rádios e televisões brasileiras.

Diante da omissão do governo federal, a sociedade civil age para combater o coronelismo eletrônico. Desde 2011, tramita no Supremo Tribunal Federal uma ação, elaborada pelo Intervozes e pelo PSOL, que pede a declaração de inconstitucionalidade à concessão de outorgas de radiofusão a emissoras controladas por políticos.

Em novembro, procuradores do Ministério Público Federal, com a autorização do Procurador-Geral da República, receberam uma representação, assinada por diversas entidades da sociedade civil pedindo o cancelamento das concessões, permissões e autorizações de radiodifusão outorgadas a pessoas jurídicas que possuam políticos titulares de mandato eletivo como sócios ou associados. Na lista havia 40 políticos, entre eles Aécio, o hoje ministro José Sarney Filho (PV-MA) e os senadores Tasso Ribeiro Jereissati (PSDB-CE), José Agripino Maia (DEM-RN), Edison Lobão (PMDB-MA) e Fernando Collor (PTB-AL).

No CartaCapital
Leia Mais ►

Resposta à ONU: Lula vira réu

Juízes precisam ser mais rápidos que a ONU




O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília, aceitou denúncia apresentada pelo Ministério Público e transformou em réus o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), o ex-chefe de gabinete de Delcídio Diogo Ferreira, o banqueiro André Esteves, o advogado Edson Ribeiro, o pecuarista José Carlos Bumlai e o filho dele, Maurício Bumlai. Eles são acusados de tentar obstruir a Justiça tentando comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

(...) A denúncia acusa os sete de três crimes: embaraço à investigação de organização criminosa que prevê pena de três a oito anos; patrocínio infiel (quando advogado não defende corretamente interesses do cliente — os outros foram considerados coautores), que prevê pena de seis meses a três anos; e exploração de prestígio, que prevê pena de um a cinco anos.
Leia Mais ►

Lula fez muito bem em denunciar Moro ao mundo

Juiz partidário
Juiz partidário
Num mundo menos imperfeito, Lula jamais teria que recorrer a um tribunal internacional para se defender de acusações que lhe são feitas no Brasil.

Mas este mundo em que vivemos é muito imperfeito — e isto quer dizer que Lula agiu muito bem em bater nas portas da Comissão de Direitos Humanos da ONU.

No centro do apelo de Lula está o que todos sabem, embora poucos falem: Moro é um juiz parcial, tendencioso, inconfiável.

É um juiz da plutocracia, um homem que não faz cerimônia nenhuma em aparecer ao lado de homens como os irmãos Marinhos em celebrações.

É evidente que ele vai condenar Lula, quaisquer que sejam as circunstâncias, se puder. Condenar e prender.

Os fatos não contarão nada, assim como no julgamento de Dilma pelo Senado.

Moro é um juiz da linha de Gilmar Mendes. Você consegue ver Gilmar julgando qualquer causa relativa ao PT que não seja com uma tonitruante condenação?

É uma medida extrema a de Lula, mas tempos excepcionais demandam ações igualmente excepcionais, para lembrar a grande frase do rebelde britânico Guy Fawkes.

Fingir que Moro e a Lava Jato são neutros só serve à plutocracia e a ambos, Moro e Lava Jato.

Um dos erros graves de Dilma e do PT não foi, lá para trás, ter reagido à altura quando se caracterizaram os abusos da Lava Jato. Não tardou que ficasse claro que o objetivo de Moro era extirpar Lula, Dilma e o PT — e não a corrupção.

Dilma, Lula e o PT sempre contemporizaram com a farsa de Moro e da Lava Jato, dentro de uma estratégia fracassada de republicanismo suicida.

Coube a Lula, ainda que com atraso, dizer verdades sobre Moro, primeiro no plano interno e agora no cenário internacional.

As pessoas lá fora desconhecem o que se passa no Brasil. O jornalista americano Glenn Greenwald disse nunca ter visto uma mídia como a brasileira. Ele só viu o horror por viver aqui. O advogado australiano contratado por Lula foi na mesma linha: disse ser inconcebível, em sua terra, um juiz como Moro.

Vivemos uma guerra movida pela plutocracia. O jornalismo que se pratica nas corporações é de guerra. A justiça que se faz nos tribunais mais elevados é de guerra.

Que essa guerra seja, ao menos, reconhecida e denunciada por suas vítimas.

O recurso de Lula está impregnado de um forte componente simbólico. A direita brasileira tradicionalmente aumenta a violência contra a democracia quando não há resposta a seus ataques.

Lula respondeu. Jogou em escala mundial luzes sobre o caráter de Moro e da Lava Jato.

Moro vai ter que ser mais cuidadoso com seus passos, para não dar completa razão a Lula.

Ele será observado pelo mundo, uma situação nova e desconfortável para quem jamais recebeu nenhum tipo de fiscalização no Brasil e por isso pôde cometer abusos em série.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Estado de exceção envergonha o Brasil no mundo, diz Lula


O ex-presidente Lula disse, em entrevista ao uma rádio africana, republicada pelo Cafezinho na quinta (28), que o Brasil vive um estado de exceção, com o golpe do impeachment em curso e o cerceamento de defesa no âmbito da Lava Jato, uma vez que a mídia se aliou ao Judiciário para condenar previamente os investigados.

Na visão de Lula, esses problemas, principalmente o do ataque à democracia sem crime de responsabilidade fiscal por parte de Dilma Rousseff, estão sendo observados lá e essa situação "envergonha o Brasil no mundo".

O ex-presidente, que recorreu à ONU (Organização das Nações Unidos) também na quinta, alegando que a Lava Jato, na figura de Sergio Moro, está violando direitos humanos, disse também na entrevista que a elite brasileira só sabe o que é democracia quando está no poder. 

"(...) se nós pegarmos a indicação do Sarney pelo colégio eleitoral depois da morte do Tancredo Neves, 1985, nós temos 31 anos de democracia; se a gente pegar dia 5 de outubro de 1988, quando foi aprovada a Constituição, nós temos 28 anos de democracia. É muito novo. E parece que a elite brasileira não sabe viver democraticamente numa sociedade em que ela não governe. Ou seja, ela só acha que democracia é quando ela governa", disse Lula.

"Quando um partido como o PT ia completar 16 anos de governança, com uma mudança extraordinária na qualidade de vida do povo brasileiro, com uma evolução de conquistas da sociedade brasileira, eles resolveram então antecipar e dar um golpe como estão dando agora. Por isso, eu acho que nós estamos vivendo quase que um estado de exceção mesmo. Eu diria uma situação que envergonha o Brasil no mundo, porque o Brasil não está nem respeitando internamente a Constituição nem está respeitando a democracia", completou.

Lula ainda falou da perseguição jurídica que sofre há mais de dois anos, e apontou que mesmo com várias operações em busca de um crime para inviabilizá-lo para a eleição de 2018, nada foi provado até agora. Segundo o petista, a imprensa está nessa empreitada porque — comandada por uma elite de poucas famílias — nunca aceitou que o PT chegasse ao poder.

"E eles agora resolveram, na minha opinião até pra me jogar na lama, tentando todo e qualquer tipo de acusação contra mim, já faz dois anos e pouco que eles estão fazendo isso e até agora não conseguiram nada, mas continuam falando. E a imprensa toda sabe que isso faz parte de um jogo de tentar criar qualquer impedimento para que eu seja candidato à presidência em 2018. De forma que eu estou muito tranquilo. Quem tem que provar que eu cometi erros são eles, não sou eu que tenho que provar minha inocência. Eles que falaram, eles que provem algum erro que eu cometi tanto no governo como fora do governo."

Para Lula, a regulação da mídia, seguindo um modelo europeu de legislação, deve ser pautada pelo PT na próxima disputa presidencial. "Eu sei que tem gente que não quer e quem não quer são os donos. Mas a sociedade brasileira quer. Então nós vamos trabalhar muito pra isso. Pode ficar certo que vai fazer parte do programa do PT na próxima campanha eleitoral à presidência da República."

Estimulado a falar sobre o futuro do PT após o impeachment, Lula disse que espera que Dilma consiga os 28 votos necessários para reverter sua situação no Senado. Mas, se a derrota for consolidada, o partido terá de repensar como fazer oposição — sinalizando que poderá negociar algumas pautas com o governo interino de Michel Temer (PMDB) para evitar retrocessos.

"(...) nós vamos ter que ter paciência e esperar até o dia 28. Se não acontecer, nós vamos ter que aprender a fazer oposição outra vez no Brasil e fazer oposição com muita responsabilidade, muita consequência, porque nós não podemos permitir que haja nenhum retrocesso nas conquistas que o povo brasileiro teve nesses quase 14 anos de governo do PT."

Ouça a entrevista completa abaixo, ou leia aqui.



No GGN
Leia Mais ►

O golpe explicado aos golpistas




convite2
Leia Mais ►

Arte

No seu livro de ensaios A Máquina da Literatura, Italo Calvino fala dos precursores da autoconsciência e da autorreflexão na arte moderna e cita a cena de Antônio e Cleópatra, de Shakespeare, em que Cleópatra imagina seu futuro como prisioneira de César em Roma, onde seu amor por Marco Antônio será objeto de apresentações teatrais e ela será representada por um menino de voz fina e verá sua grandeza “reduzida à postura de uma prostituta”. Na época de Shakespeare, mulheres não podiam atuar nos palcos. Quem interpretava Cleópatra se imaginando na pele de um menino de voz fina em Roma, era um menino de voz fina em Londres.

Um exemplo mais antigo, não citado por Calvino, seria o do mural de Giotto numa capela de Pádua que ilustra o texto bíblico (da Apocalipse de São João): “E o céu retirou-se como um pergaminho sendo enrolado”, em que anjos começam a enrolar as bordas da pintura – isso no começo do século 16.

O autorretrato disfarçado de Velázquez, As Meninas, pintado do ponto de vista do rei supostamente retratado e que só aparece vagamente num espelho no fundo do quadro, é um fantástico estudo sobre a arte e o poder, e um moderníssimo jogo de imagens.

Duzentos anos antes de Cortázar, Laurence Stern, em Tristram Shandy, também convidava o leitor para um jogo literário, e para explorar todas as implicações de ter na mão um objeto chamado “livro” cheio de mentiras e especulações. (Tristram Shandy) contém bolações gráficas fora do texto que devem ter enlouquecido os tipógrafos da época.

A autoconsciência levou a arte moderna à abstração e teria levado à paralisia terminal se não fosse o pós-moderno, que recuperou o faz de conta depois do seu desmascaramento. Fica combinado que tudo é só tinta no papel ou na tela, e que só porque todo o mundo conhece os truques não é razão para aposentar o mágico.

Luís Fernando Veríssimo
Leia Mais ►

Meirelles quer teto de gastos para barrar aumento de despesas de Temer

O ministro do novo e futuro milagre econômico retornou a maio. Henrique Meirelles esgotara a lista dos assuntos para pronunciamentos destinados a disfarçar a inoperância do Ministério da Fazenda. O silêncio que se seguiu não foi bem visto na ansiedade de Michel Temer e seu grupo de parecerem um governo. Henrique Meirelles retoma, com a mesma fórmula escorregadia, a lista iniciada ao entrar no ministério: "se" o teto não for aprovado, vem aumento de impostos "pontuais"; "caso" a reforma da Previdência (...); "talvez" o corte de gastos (...). Nada é afirmativo.

O imobilismo não é só da Fazenda com Meirelles. Todos os ministérios, ou andam para trás, ou não se movem. Na última reunião ministerial, em que a decisão de Temer foi adiar a pauta por mais quinze dias, Moreira Franco chegou a propor maior cautela dos ministros com entrevistas sobre projetos e atividades de fato inexistentes. Assim são também certas elaborações de Meirelles.

É o caso, por exemplo, das suas persistentes declarações de uma nota só: aquela história de que, sem aprovação no Congresso do teto para os gastos, o recurso será o aumento de impostos ("pontuais", para não desmoralizar muito o Paulo Skaf que banca o pato).

Na Folha de sábado (23), lia-se em "Mercado" que "o fraco desempenho da arrecadação" e "os gastos aprovados nos primeiros dois meses" de Temer no Planalto, levaram a queimar "a quase totalidade das reservas". Ou seja, os R$ 18,1 bilhões perdem R$ 16,5 bilhões. A arrecadação de impostos já era baixa e, com a economia em coma, não melhoraria mesmo. O gasto imenso veio dos aumentos para o funcionalismo, liberações de verbas para comprar apoio de parlamentares, e benesses várias concedidas pelo Temer que, ao mesmo tempo, propala o corte e a austeridade nos gastos.

Meirelles não pode dizê-lo, mas está claro que o teto é por ele desejado para impedir os aumentos de gastos pelo próprio Temer. E é para compensar os aumentos já feitos, salvando a previsão de despesa/receita já estropiada por Temer, que Meirelles põe o problema nas mãos dos senadores. A pretexto de um teto de gastos que eles nem sabem direito o que acarretaria. Inclusive contra eles.

$$$$$$

Sergio Moro e procuradores da Lava Jato não foram os únicos, mas foram os mais convictos a proclamar que o Brasil corrupto não seria mais o mesmo depois dessa operação.

Ao assumir a presidência da Casa, Rodrigo Maia logo revogou a prorrogação, em 30 dias, concedida por seu antecessor Waldir Maranhão à CPI do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais). A nova ordem determinou que a CPI apenas tratasse do relatório e da votação. Nada de convocar devedores para interrogatório, buscar documentos e mais atos úteis.

A corrupção no Carf envolve devedores de dezenas de bilhões, entre eles notórios meios de comunicação. A CPI já foi, por si mesma, uma sucessão de degradações éticas e pessoais. A decisão de Rodrigo Maia, seguindo acordo feito antes de eleger-se, coroa o que a CPI foi até aqui. Sem mudanças, pelas mesmas causas.

Muito além

Michel Temer disse, certa vez, que "a governabilidade não depende só de base parlamentar, sem apoio popular não existe". A notícia recente de que um em cada três brasileiros não sabem quem ele é, ou nem sabem que existe, provocou-lhe a ideia obsessiva de ser popular. Já está em execução a planejada série de aparições suas em TV, internet e em eventos, ainda que nada tenha com o motivo deles (como a inauguração de nova linha do metrô carioca).

Mas apelar para o uso do próprio filho, convocando a imprensa para vê-lo buscar o menino na escola, por uma vez, ultrapassa muito a falta de compostura.

Janio de Freitas
No fAlha
Leia Mais ►