16 de mai de 2016

Temer e a Casa Grande se iludem

As elites que apoiam o impeachment ainda não compreenderam: seus privilégios continuarão a ser contestados

Protesto na avenida Paulista, no dia 13 de maio.
Primeiro ato: negros protestam contra o racismo diante da FIESP

Sexta-feira, 13 de Maio de 2016. Avenida Paulista, vão do MASP (Museu de Arte de São Paulo), 12h30. Um grupo de homens negros e de mulheres negras se organiza para marcar com um ato chamado Em Legítima Defesa o momento do Brasil e os 128 anos da abolição da escravatura no país. “O racismo é golpe”, diz o DJ e ator-MC Eugênio Lima. “Ele tira o pertencimento de toda uma população em detrimento de outra.” Eugênio lembra que os afrodescendentes são maioria no Brasil: “A população afrodescendente é 53% da população brasileira”. Negros, negras e negrex — o termo transgênero — representam a si mesmos no ato “no segundo dia do governo usurpador”. Cada um deles levanta um cartaz. Caminham em fila até o que chamam de “Casa Grande Moderna”: o prédio da FIESP, epicentro dos movimentos pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, quartel-general dos verde-amarelos. Diante do imponente edifício da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, postam-se um ao lado do outro e erguem suas frases em absoluto silêncio.

“USP sem cotas é golpe. Rota é golpe. Meritocracia é golpe. Luana morta é golpe. Direita racista é golpe. Feminicídio e hipersexualização da mulher negra é golpe. Ausência de negros nos espaços públicos é golpe. Machismo é golpe. Eu ser suspeito é golpe. Teatro sem negro é golpe. Blackface é golpe. Mulata é golpe. Me seguir no mercado é golpe. Medo branco.” E a pergunta:

– Abolição é golpe?

Manifestantes protestam em frente à sede da FIESP, na avenida Paulista. João Luiz Guimarães

Manifestantes protestam em frente à sede da FIESP, na avenida Paulista.
Um dia antes, Michel Temer (PMDB) havia tomado posse como presidente interino, após o afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT) pelo Senado, anunciando um “governo de salvação nacional”. Compôs um ministério inteiramente branco e colocou como ministro da Justiça e da Cidadania Alexandre de Moraes, ex-secretário de Segurança Pública do governador Geraldo Alckmin (PSDB), relacionado por grande parcela dos movimentos negros e dos ligados aos direitos humanos como o mais recente responsável pela política de extermínio da juventude negra pela polícia do Estado de São Paulo.

A cena perturba os motoristas no trânsito lento da Avenida Paulista. Nas calçadas começa a juntar gente que volta do almoço ou se dirige a algum restaurante. “Que bobagem, não tem racismo no Brasil” e “Vão trabalhar, vagabundos!” são as frases mais ouvidas na plateia espontânea. Ao meu lado, uma dupla de amigos para. Um deles diz, em tom bem alto: “Não existe nada disso! Que frescura!”. Me apresento como jornalista e pergunto: “Por quê?” Ele apresenta-se como José Batista Sobrinho, 76 anos, médico oftalmologista, eleitor do PSDB. E responde:

– Esse racismo no Brasil não existe. Quero dizer, racismo existe no mundo inteiro. Mas no Brasil não é acentuado. Agora, por exemplo: você jamais se casaria com um preto.

– Por que o senhor acha isso?, pergunto.

– Parece que é algo internamente que você, como branca, não aceita. Porque você acha que essa raça é mais feia que a sua raça. Mas não é por isso que você vai discriminá-los. É uma pessoa igual a você. Frequenta a minha casa, frequenta a minha mesa, não tem problema nenhum. É uma pessoa igual a mim. Mas eu não me casaria com uma preta.

– Por quê?

– Não gosto. Tem alguns componentes que eu não gosto, coisas íntimas. Preferia uma pessoa diferente, mais clara. Questão de afinidade, de empatia. Mas não é por isso que vou discriminá-las.

José Batista Sobrinho.
– O senhor é a favor ou contra o impeachment da presidente?

– É lógico que sou a favor. Ela quebrou o país. A convulsão social taí. E quem é culpado disso é o PT. Não sou contra o Bolsa Família. Mas tinha que ser Bolsa-Escola, como era no tempo da Ruth Cardoso. Agora é Bolsa-Voto. Vou lhe dar o nome de uma cidade da Bahia que não tem ninguém trabalhando, todo mundo com Bolsa Família. No Nordeste, você não encontra uma doméstica pra trabalhar, porque tudo agora tem Bolsa Família. Mas não sou de Direita, não, não aceito isso.

– Como o senhor se define?

– Sou um liberal correto.

Três jovens mulheres, duas brancas e uma negra, observam o protesto. Os comentários são altos o suficiente para que se possa ouvi-los: “Quero ver esses negões aí na hora de casar. Se vão casar com essas negonas aí. Querem é brancas”. Risadas.

O grupo começa a repetir, alto, as frases dos cartazes. Na calçada, um homem grita para os motoristas dos carros: “Buzina! Buzina! Bu-zi-na!”. Quer que as buzinas abafem as vozes que denunciam o racismo. De repente, berra, furioso, para uma mulher num carro: “Enfia no cu, sua vaca!”.

Pergunto a ele por que disse isso. Ele apresenta-se como Fábio Andrade da Silva, 46 anos, segurança. E responde:

– Ela mostrou o dedo pra mim. É falta de elegância, é petista, é maloquera.

– E o impeachment?

– Sou a favor! Tou acampado aqui (na FIESP) há 58 dias.

– E o que acha dessa manifestação contra o racismo?

– São tudo desempregado, tudo com cargo comissionado do PT.

Fábio Andrade da Silva.
Faço uma foto dele. Ele comenta, referindo-se às mulheres negras:

– Eu não vou gastar minha bateria (do celular) pra tirar foto dumas mundrunga dessas aí.

– O que é mundrunga?

– Não sabe? Vá no dicionário que vai saber.

E sai gargalhando com um amigo.

O grupo se retira em silêncio. E volta para o MASP. Em legítima defesa.


Segundo ato: entrevista no vão do MASP sobre por que a FIESP é a “Casa Grande Moderna”

O teatro tem sido um dos espaços mais criativos (e contundentes) no questionamento do racismo que atravessa a sociedade brasileira. Nos últimos anos tornou-se também um espaço de irrupção das tensões raciais que por décadas foram encobertas por mitos como o da “democracia racial”. O DJ e ator-MC Eugênio Lima, 48 anos, é um dos protagonistas dessa cena com múltiplas vozes. Em 2015, ele foi o mediador do debate realizado no Itaú Cultural após os protestos contra o uso de blackface numa peça. O evento foi um ponto de inflexão na luta contra o racismo, ao questionar os privilégios dos brancos nos espaços da cultura. Em Legítima Defesa surgiu a partir de outra polêmica: a peça Exhibit B, o controverso espetáculo do sul-africano Brett Bailey, que foi contestado como “racista” por parte dos movimentos negros brasileiros, ao reproduzir cenas em que os negros eram colocados em jaulas para exibição. Sua apresentação na Mostra Internacional de Teatro de São Paulo acabou sendo cancelada, sob a alegação de “problemas de custo”. Por não se sentirem ouvidos no debate, os atores que participariam da produção criaram o Em Legítima Defesa e convidaram Eugênio para dirigi-los em ações. Uma de suas performances aconteceu no Teatro Municipal de São Paulo, símbolo cultural das elites paulistanas. A FIESP foi escolhida por ser identificada como a “Casa Grande Moderna”

Eugênio Lima (à frente).
Quais são os significados da escolha deste dia para o ato?

A performance sobre a Abolição já iríamos fazer. A ironia do destino foi que o dia 13 de maio coincidiu com o segundo dia do governo usurpador. Essa ironia simbólica foi invisibilizada. Talvez o gabinete desse presidente interino seja o mais próximo de uma ação conservadora no Brasil desde 1964, e muito parecido com os gabinetes conservadores da Monarquia. São todos homens, todos brancos, com uma idade mais avançada, com vasto histórico sobre a política. Isso tudo foi construindo mais camadas simbólicas para esse momento. Esse governo não tem voto, não foi eleito pelo povo. Esse processo é um golpe político parlamentar.

Como você responde à pergunta escrita no cartaz que você ergueu: “Abolição é golpe?”.

A Abolição é golpe no sentido de que é apresentada como uma benesse do estado monárquico. A primeira coisa, portanto, é (a necessidade de) desinvisibilizar o primeiro grande movimento de massa deste país, que é o movimento abolicionista. A segunda coisa é que, ao dizer livres afinal, seríamos livres para tudo. Com o passar do tempo, essa ideia de liberdade vai sendo subtraída pela exclusão contínua. A política de imigração, quando se incentiva a população europeia a vir para o Brasil, é onde mais aparece a cara do Apartheid brasileiro. Foi um golpe na medida em que você tem um país com a maior população escrava do mundo, você faz a Abolição da escravidão e não existe nenhuma política de Estado para um problema que foi criado dentro da concepção de Estado. Isso é golpe.

E hoje, você acha que a Abolição já aconteceu?

A abolição é um projeto incompleto. Só que os efeitos desse projeto incompleto estão no extermínio da juventude negra, e este é um projeto muito nítido. Esse projeto é o eixo fundamental de uma política de controle populacional, criada em simbiose com um aparato jurídico-policial que está fundamentado em dois pontos centrais. Um deles é o encarceramento em massa: o Brasil é a quarta maior população carcerária do mundo e a única entre as quatro primeiras que continua a crescer. Isso está baseado numa espécie de "naturalização do racismo", seja na ideia de "suspeito cor padrão", seja na ideia de que negro/homem/pobre é igual a ser "bandido". Estas são justificativas para uma atuação diferenciada tanto da polícia quanto da justiça no que diz respeito a negros e brancos no Brasil. Negros têm geralmente penas mais duras do que os brancos, pelos mesmos crimes cometidos.

E o segundo eixo?

É o da “vida matável”. A polícia vive a lógica de uma guerra, seja contra o crime, seja contra as chamadas "classes perigosas". Ou seja, a polícia combate um inimigo comum, com táticas de guerra e aparatos de segurança importados de outros países, principalmente países que vivem guerras contra populações determinadas, como por exemplo o estado de Israel. Nessa lógica, é preciso se perguntar: quem é a população negra, pobre e periférica? É a população civil do exército inimigo. Uma vida matável é uma vida dispensável. Mas, como o racismo internalizado nas corporações policiais é sistêmico, essa lógica atravessa o tratamento de todo negro/negra, independentemente de sua classe social. É como se ser negro/negra fosse uma “espécie de sujeito a ser combatido”. E isso tem lastro no comportamento social, que, de maneira geral, tenta negar a existência de racismo. Isso é o que a professora Vera Malaguti Batista (socióloga que pesquisa o tema da criminalidade no Brasil contemporâneo) define como "Medo Branco": a ideia dessa conflitividade óbvia, de que um dia o país, que é majoritariamente negro, vai se insurgir, de que um dia haverá um grande conflito social se o "morro descer". E isso só pode ser evitado com uma dura e mortífera política de controle. Daí a nitidez do projeto de extermínio da juventude negra. O genocídio da juventude negra é real e imenso, mas o senso comum trata como se fosse uma exceção, uma anomalia – e não uma política.

Qual é a sua análise sobre o fato de o ministério de Temer não ter um único negro?

É uma mimese. Não só não ter um negro, como não ter uma mulher. Assim como suprimir, colocar sob a égide do Ministério da Justiça os Direitos Humanos e a Igualdade Racial. (Temer extinguiu o Ministérios das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos e colocou tudo sob o guarda-chuva de um Ministério da Justiça e da Cidadania). Esse governo é ilegítimo até nisso. O país é signatário de tratados em Direitos humanos, o país é signatário de tratados de Combate ao Racismo. Não é uma coisa que eu, como governante, posso decidir, mas uma política de Estado. E, como política de Estado, independe de quem está no governo.

Por que você diz que a FIESP é a Casa Grande?

É a Casa Grande Moderna. Ela representou um projeto que é, numa ponta, a subtração de direitos constituídos, na medida em que essa pauta nunca passou pelo crivo eleitoral. Essa é a primeira coisa. Não é uma pauta do conjunto da população. Assim, só pode ser feita na surdina. A segunda coisa é que ela agiu de maneira clara e nítida incentivando ações fascistas. Insultando, racializando o discurso, diminuindo. E utilizou recursos que são públicos para financiamento de ações constituídas dentro do âmbito privado, como no financiamento dessas passeatas (a favor do impeachment). Esse jeito é o jeito da Casa Grande. Eu não estou chamando a FIESP de Casa Grande apenas porque são os herdeiros dos escravocratas. Mas por causa da lógica da Casa Grande. A Casa Grande organiza a sociedade, organiza o Estado à sua semelhança. O que era a Casa Grande? A Casa Grande era a Igreja, a Casa grande era o hospital, a Casa Grande era o Estado, a Casa Grande era tudo. A Casa Grande é onde tudo orbita. Essa é a metáfora do que essas forças reunidas em torno da FIESP fizeram neste momento histórico. Um momento análogo ao de 1964, já que a FIESP já fez isso antes, porque o golpe de 1964 foi civil, além de militar.

“O ministro da Justiça acha que Política é Polícia”

Qual é a importância da denúncia do racismo neste momento?

O racismo tem que ser uma pauta transversal, porque ele desmascara todas as relações. O racismo é aquilo que não pode ser dito. Quando você coloca que essa meritocracia é baseada no status racial, você vai começando a colocar por terra um monte de coisas. Que esses privilégios constituem uma espécie de golpe no direito de todo mundo, porque (o branco) já nasce com esses privilégios que estão constituídos no nível de cultura do país, embrenhados nos hábitos. Então, (o branco) tem uma vantagem adaptativa muito grande. Você vê como a ação coercitiva dos braços armados do Estado são violentos com a população negra do país. Assim, se invisibiliza um dado que jamais poderia ser invisibilizado, o de que somos um dos países que mais mata a sua juventude.

O que você achou da escolha do novo ministro da Justiça e da Cidadania, Alexandre de Moraes?

Eu acho muito ruim que uma pessoa que se dirija a movimentos sociais como “guerrilhas” seja ministro da Justiça de qualquer país. Eu acho ofensivo ao conjunto da população brasileira um ministro da Justiça que condecora policiais que agrediram estudantes secundaristas. Um ministro da Justiça que acha que Política é Polícia.

O que fazer diante disso?

Esse é o momento em que a juventude negra e a multiplicidade da presença negra na sociedade precisam lutar de todas as maneiras pela desinvisibilização dessas questões. Uma das coisas mais cruéis dessa história é a ideia de que a reorganização das elites pode dar o tom de todas as questões. Como se a nossa história fosse uma sequência de reorganizações das nossas elites. Como se não existisse uma outra historia possível que não seja essa. É um momento muito triste. Por isso é o momento de constituirmos vocabulário político, mas sobretudo poético. Porque encaro isso como uma narrativa, que utiliza todos os seus símbolos para constituir o senso comum. E como o racismo é transversal, assim como o machismo é transversal, eles são capazes de desvelar essa narrativa.

E as imagens?

As imagens são muito potentes. Você olha o ministério e diz: “Caramba, mas só tem homens? E brancos? E muito velhos?”. Não que a idade seja um problema em si, mas eles são a cara de uma maneira de fazer política. São figuras calcadas numa série de questões que representam interesses coorporativos muito nítidos. Uma pauta que não foi nem eleita, que sequer passaria pelo crivo das ruas, que sequer passaria por uma eleição para governador. Só pra lembrar: o presidente da FIESP tentou essa pauta no governo do estado de São Paulo (nas eleições de 2014, Paulo Skaf era o candidato do PMDB). E nem isso ele conseguiu. Nem a unanimidade dentro da própria Direita. Então, este é um governo ilegítimo e é um governo usurpador. E, neste sentido, é tão claro, e é claro mesmo, é branco, que até as forças do capitalismo reconhecem que esse processo é questionável.

Terceiro Ato: reflexões sobre o governo que se inicia com as bênçãos de Sarney e de Malafaia

O período democrático que se seguiu à ditadura civil-militar no Brasil foi chamado de “Nova República”. É possível que tenha se encerrado. É preciso encontrar um nome para denominar o período ainda indefinido do governo de Michel Temer (PMDB), iniciado em 12 de maio, após o afastamento da presidente Dilma Rousseff pelo Senado. Como nomear esse momento, ao mesmo tempo novo e velho, na trajetória do país, é algo em disputa. Encontrar esse vocabulário próprio, plural, como já escrevi aqui e como é tão bem dito por Eugênio Lima, faz parte dos desafios do atual cenário. É com políticas culturais que um país constrói voz própria. Como se sabe, Temer extinguiu a pasta da Cultura.

Michel Temer, rodeado de ministros e políticos, ao tomar posse como presidente interino no dia 12 de maio,
em Brasília.
A imagem do ministério de Temer produz estranhamento. É como um retrato que já nasce amarelado. Só brancos, só velhos, só homens. Nenhuma mulher, nenhum negro. Esse retrato é uma imagem poderosa porque não representa o Brasil atual. É também uma mensagem poderosa. Apesar de mencionarem muito o “futuro”, o que interessa a Temer e seus aliados para seguirem garantindo apoio é afirmar o passado. A mensagem gerada pela escolha do ministério reafirma a ideia de que o Brasil voltou a uma espécie de ordem estabelecida. E há até setores que podem comemorar esse feito, como se de fato se tratasse apenas de um retorno ao que sempre foi e jamais deveria ter deixado de ser. Mas, para compreender essa fotografia, é preciso entender que simplesmente voltar já não é possível.

Temer e seu ministério são um retrato que já nasce amarelado e que não representa o Brasil

Temer e as forças que protagonizaram esse momento podem até acreditar que dá para voltar ao passado que representam, mas se equivocam. Não dá para retornar ao Brasil pré-cotas raciais, ao Brasil antes do #meuprimeiroassédio, ao Brasil antes do Bolsa Família e do protagonismo das mulheres chefes de família, ao Brasil em que os mais pobres aceitavam não ter acesso ao consumo, ao Brasil em que pobre não chegava à universidade, ao Brasil em que estudantes de escolas públicas aceitavam calados serem violados em seus direitos mais básicos. Essa ideia pode até ser acalentada por Temer e pelas forças que permitiram que ele assumisse o poder. Mas é desejo, não fato.

A ideia de que as elites podem escrever toda a história do país, e reescrever, e suprimir capítulos, e dizer qual é a narrativa que vai preponderar sobre todas as outras não se sustenta no Brasil do presente. O ato dos negros, negras e negrex diante da FIESP é uma pequena grande cena. Os exemplos irrompem em todos os cantos. Quem acredita que as forças criativas que emergiram em 2013 podem ser silenciadas é um mau leitor do momento histórico. E isso vale para os antipetistas e vale também para os petistas. Os movimentos sociais agora são outros. E se lançam com palavras novas — e próprias.

Há muito de velho e há também algo novo no ministério de Temer, como uma imagem desse pacto de elites. Há pelo menos um investigado pela Lava Jato, Romero Jucá (PMDB). E um sobre o qual há dois pedidos de inquérito, Henrique Alves (PMDB). Há Alexandre de Moraes (PSDB), um ministro da Justiça que condecora policiais que espancam estudantes adolescentes. Há um ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que mudou do PR para o PP para garantir seu nome para o ministério. Maggi, conhecido como “o rei da soja”, já foi o vencedor do prêmio “Motosserra de Ouro”, dado pelo Greenpeace, em reconhecimento à sua colaboração para a destruição do meio ambiente. Há Osmar Terra (PMDB), defensor ferrenho de uma política de drogas comprovadamente ultrapassada, ligada ao extermínio da juventude negra e ao encarceramento massivo dos mais pobres. Há vários que estiveram com Dilma Rousseff até a véspera, como Gilberto Kassab (PSD) e Leonardo Picciani (PMDB). E mesmo os mais jovens são herdeiros de velhos clãs ligados ao PMDB, como Sarney e Barbalho, entre outros. “Notáveis” não há. Mas, como se viu, há notórios.

É urgente compreender o ambicioso projeto político das igrejas evangélicas para compreender o Brasil atual

Mas também há algo que parece velho, mas é novo. Porque não é novo apenas aquilo que achamos que deve ser. Trata-se do bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Marcos Pereira (PRB). Se há algo pouco compreendido e investigado no Brasil é o crescimento das igrejas evangélicas no país. Primeiro, colocam-se todas na mesma caixa, e elas são bem diferentes entre si. O espectro é amplo. As que mais têm crescido não representam um projeto religioso. O que representam é um projeto econômico e, principalmente, político. É aí que mora o perigo. Marcos Pereira é o arquiteto que fez o PRB, partido ligado à Igreja Universal e à TV Record, duas frentes da mesma construção política, ganhar musculatura no Congresso. É urgente que se compreenda melhor o crescimento de algumas igrejas evangélicas no país e seus respectivos projetos de poder para que se entenda o país. Vale a pena perceber também que a Igreja Católica, outrora tão ativa na política brasileira, teve pouca ressonância no desfecho que levou Temer ao poder.

Há dois atos de Temer que têm grande força simbólica para a compreensão do pacto instalado no Planalto. No dia da votação do impeachment no Senado, 11 de maio, ele só deixou o Palácio do Jaburu, onde parlamentares vinham lhe beijar a mão, para beijar uma mão mais poderosa que a dele, a de José Sarney, esse personagem que atravessa a ditadura e a redemocratização. As digitais de Sarney estão por toda parte, em especial no setor elétrico do país. Isso é velho. E forte.

No dia seguinte, após a posse como presidente interino, Temer recebeu a bênção de Silas Malafaia, o mais truculento líder evangélico do país, e rezou com expoentes da bancada evangélica, como o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC), cuja atuação nefasta dispensa apresentações. Isso é novo. E forte. É preciso decodificar essas duas cenas com mais profundidade do que temos feito.

A imagem de um Lula alquebrado, quase distraído, ao lado de Dilma Rousseff, durante o discurso de despedida diante do Planalto, dá margem a muitas interpretações. Lula não disfarçava. Talvez porque não quisesse, talvez porque já não pudesse. Seu rosto estava devastado. Era um fim. Independentemente do que vai acontecer com Dilma e principalmente com o PT nos próximos meses, e que está longe de estar dado, ali havia um fim. Se este final significar uma autocrítica feroz do PT sobre suas escolhas no poder, não só o campo das esquerdas ganha, como o país.

Para citar apenas uma cena desse longo e acidentado roteiro: foi Eduardo Cunha quem peregrinou pelas igrejas evangélicas a serviço de Dilma Rousseff e do PT na campanha eleitoral de 2010, assegurando aos pastores que a então candidata era contra o aborto. Naquele momento, o PT rifou uma de suas bandeiras históricas em troca do voto religioso e dos aliados de ocasião. Cunha, obviamente, sempre esteve a serviço apenas de si mesmo. Este é um momento emblemático. E é apenas um. Há que se passar a limpo todos eles.

O PT precisa enfrentar suas contradições no poder e fazer uma autocrítica implacável

Há que se passar a limpo a tal das escolhas feitas em nome da palavra mais horrenda do léxico político recente: “governabilidade”. A única saída digna para o PT é enfrentar as contradições e fazer autocrítica. Mas não parece que seja isso que vai acontecer. Mais uma vez. É bem mais fácil ser apenas vítima. E também mais conveniente para 2018. Mas já era tempo de entender que o mais conveniente e mais fácil custa caro logo ali.

Quem briga com os fatos sempre acaba perdendo em algum momento. Se Dilma foi afastada e o PT encontra-se nesse buraco é também por escolher desviar das contradições – ou mesmo encobri-las. E isso vale também para as esquerdas que preferiram fazer de conta que era possível perdoar o imperdoável, como Belo Monte. E que continuam a fazer de conta, deixando esse campo desorganizado e abrindo um vazio que logo será ocupado, sabe-se lá pelo quê.

O rosto devastado de Lula, ao lado de uma Dilma em seu derradeiro discurso, e a cena do ministério de Temer, com papagaios de pirata como Aécio Neves (PSDB), evocam também uma interrogação sobre quem são os profissionais do ramo. Parte das elites bajula Lula desde que ele era um líder sindical do ABC, vale rever a cena do Gallery, em 1979, quando Lula vai jantar na boate dos ricos a convite da revista Manchete. Na campanha de 2002, ele desfilou em terno Armani pelos salões da elite paulistana abertos por Marta Suplicy, que sabemos bem o que fez nos verões passados e o que faz hoje. Assim como pelo casal Eleonora Mendes Caldeira e Ivo Rosset. Era o operário que chegou ao paraíso.

Dali em diante Lula gostou cada vez mais dessa bajulação dos salões. E o mesmo vale para muitos do PT. Em algum momento, eles acharam que eram os donos da bola desse jogo viciado, sem perceber que eram observados de perto – e com algum divertimento – por cartolas tão velhos quanto o diabo. Na política, no empresariado, na justiça. E Lula acreditou que era mesmo um ungido, bastando abrir a boca para chamar as massas para si, enquanto cada vez mais se distanciava delas também na produção simbólica de imagens.

Tudo indica que Lula e o PT não compreenderam por completo a complexidade do jogo e a fragilidade do seu lugar nele. Escolheram jogar o jogo do adversário e abriram mão de questionar as regras, achando que podiam seguir ganhando. Dilma, por sua vez, provou-se um dos maiores equívocos de Lula, até então famoso por sua intuição política. Até (quase) o final acreditaram que podiam virar a partida decisiva. A ironia maior é o fato de que quem ficou ao lado de Lula, Dilma e o PT foi a torcida a qual tinham virado as costas ao rifar bandeiras históricas.

Lula acreditou que era o dono da bola e descobriu que a bola nunca foi de fato dele

A face devastada de Lula contém muitos significados. Um deles pode ser decodificado como o rosto entre a surpresa e a mágoa do menino que achava que para sempre seria o dono da bola. Mas descobriu que nunca foi de fato o dono da bola. O sorriso de escárnio dos ministros de Temer e de seus apoiadores, a expressão de euforia mal contida do próprio Temer, pareciam dizer: “Tolinhos, os profissionais agora vão cuidar de tudo”. É a arrepiante volta dos que nunca foram.

Houve um momento em que o PT poderia ter mudado o jogo. E não mudou. Não é possível seguir acreditando que tudo o que aconteceu foi por que o PT mudou o jogo. O impeachment se tornou viável exatamente pelo motivo contrário: porque o PT não mudou o jogo no principal. E essa é a parte incontornável.

Mas a história não está dada. O Brasil não é o que era. O passado não volta. O lema positivista “Ordem e Progresso”, que Temer pegou emprestado da bandeira, como lembrou o escritor Sérgio Rodrigues em artigo no jornal O Estado de S. Paulo, já era conservador quando proclamaram a República, no final do século 19. Em entrevista exclusiva ao Fantástico, programa da TV Globo, no domingo, 15 de maio, Temer respondeu que um dos legados que gostaria de deixar é “a pacificação do Brasil”.

A “pacificação” proposta por Temer é cada um voltar a ocupar seu lugar racial e social como se essa fosse a organização natural das coisas. A “pacificação” de Temer é paz apenas para alguns. A esse desejo de retorno da velha ordem das elites e do progresso para os mesmos de sempre contrapõe-se hoje a frase poderosa, quase um mantra, escrita em um dos cartazes levantados na Paulista na performance dos ativistas negros: “Se a paz não for para todos, ela não será para ninguém”.

Tanto o PT quanto aqueles que agora estão (ou continuam) no poder ainda não compreenderam a potência de 2013. A polifonia que ocupou as ruas naquele momento, para além de qualquer controle possível, segue nas ruas, apesar das bombas de gás da polícia. É essa a força simbólica dos negros e negras e negrex que se postaram diante da “Casa Grande Moderna”. Em legítima defesa.

Quem acha que é o fim da história, ainda não entendeu que ela mal começou.

Eliane Brum é escritora, repórter e documentarista. Autora dos livros de não ficção Coluna Prestes - o Avesso da Lenda, A Vida Que Ninguém vê, O Olho da Rua, A Menina Quebrada, Meus Desacontecimentos, e do romance Uma Duas. Site: desacontecimentos.com Email: elianebrum.coluna@gmail.com Twitter: @brumelianebrum
Leia Mais ►

A entrevista de Temer ao Fantástico revelou um governante inepto e obtuso

Sem noção: Temer no Fantástico
A entrevista de Michel Temer à repórter Sonia Bridi, no Fantástico, só não decepcionou porque não se deveria esperar mesmo nada dela.

O objetivo claramente foi promover Temer, mas eis uma tarefa impossível. Temer não tem nenhum carisma. É um anão político.

Não sei o quanto Sonia deve ser criticada, uma vez que Mariana Godoy afirmou que todas as entrevistas deste gênero são previamente elaboradas por Ali Kamel, diretor de telejornalismo da Globo e autor do livro Não Somos Racistas.

Houve cenas involuntariamente engraçadas na entrevista. A mais dela foi quando foi perguntado a Temer as razões da ausência de mulher em seu ministério de “notáveis”.

Apareceram então imagens de uma reunião da equipe de Temer em que havia uma multidão de homens.

Em seu português de advogado de filme da década de 1940, Temer iniciou sua resposta dizendo discordar de que não haja mulheres.

Citou uma chefe de gabinete como se fosse prova do reconhecimento à importância das mulheres. Acrescentou que representantes femininas deverão aparecer em secretarias surgidas da supressão de ministérios.

Não serão ministras, portanto. Mas secretárias. É um rebaixamento evidente. (A primeira tentativa de recrutar uma secretária foi frustrada com a recusa de Marília Gabriela.)

Eduardo Cunha, o homem a quem Temer deve o cargo, apareceu na conversa. Temer mostrou, perdão pelo trocadilho, temer Cunha.

Disse que para ele é “absolutamente indiferente” se Eduardo Cunha for definitivamente afastado da Câmara dos Deputados ou não.

Ora, ora, ora.

Um governo supostamente nascido do combate à corrupção — pausa para gargalhada — não se importa com o destino do símbolo supremo da corrupção, o psicopata Eduardo Cunha.

A mensagem não poderia ser pior. Fica escancarado o caráter hipócrita, indecente da nova administração. Isso já se percebera quando foi anunciada a equipe ministerial, com sete nomes investigados na Lava Jato.

Um deles é Romero Jucá, que aparece não apenas na Lava Jato como na Operação Zelotes. Nesta, ele é investigado pelo STF por suspeita de, como senador, vender medidas provisórias de interesse da indústria automobilística.

Depois de fazer um elogio desmedido do talento de Jucá, Temer disse que ser investigado não significa nada. Numa nova administração, é o oposto. Significa tudo. Ou deveria ser. Mas não para Temer.

Fica exposta aí sua incompetência, sua miopia, sua estupidez. Todo novo governo deve produzir um choque positivo para elevar as esperanças da sociedade.

Temer fez o contrário: deu aos brasileiros um choque negativo.

No plano das palavras abstratas, ele falou em cortes de despesas que sugerem uma gestão neoliberal. Mas um momento: os brasileiros não votaram, um ano e meio atrás, nisso — um receituário neoliberal.

Ele terminou afirmando que quer pacificar o país. Como, se ele é o retrato acabado da desunião, um vice que não hesitou em se juntar a uma conspiração assim que enxergou a chance de ter direito a seus quinze minutos de fama (ou de Fantástico)?

Sinal disso, a entrevista foi recebida com apitaços, panelaços e vomitaços em várias partes do Brasil.

Há uma única maneira de Temer contribuir para a pacificação nacional: desaparecendo de um cargo para o qual não recebeu um único voto e ao qual chegou por uma trama suja e sinistra.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

O “Fora Temer" e a desorientação da esquerda


O governo Temer é a expressão de um condomínio de corruptos que desfecharam o golpe de abril. A batalha da “limpeza ética” revelou-se uma grande farsa para justificar o golpe. O modus operandi dos golpistas, neste particular, não foi diferente dos intentos contra Getúlio Vargas, contra Juscelino e contra Jango: o combate à corrupção era apenas uma cortina de fumaça para assaltar o poder sem o respaldo da soberania popular. Desta vez, o golpe parlamentar teve o aval de falsos democratas e de oportunistas de toda a ordem. O PSDB, de avalista do golpe, se tornou caudatário e caroneiro do mesmo.

Dos 23 ministros de Temer, nove são citados em denúncias da Lava Jato. O próprio Temer foi alvo de várias citações, acusado de ter recebido propinas. O movimento agora consiste em abafar as investigações e construir uma aparência de moralidade e de normalidade. O juiz Moro, depois de ter rasgado a Constituição, depois de ter cometido uma série de arbitrariedades, depois de ter sido parcial e antirrepublicano, agora pede um “apaziguamento” do Brasil. A verdade é que a Operação Lava Jato agora funcionará a fogo baixo até sobrarem apenas cinzas. Nem a mídia, nem Moro, nem ninguém fala mais de que se trata de uma operação “Mãos Limpas” brasileira. Os tucanos e Aécio Neves continuam inimputáveis e com salvo conduto: Gilmar Mendes devolveu o pedido de investigação de Aécio ao procurador Rodrigo Janot. O Ministério Público, por sua vez, perdeu a verve e o elã da cruzada moral e salvacionista que vinha promovendo. A paz dos hipócritas e dos cínicos está decretada.

O ministério Temer é a expressão da mentalidade machista e escravocrata que predomina na elite brasileira. Ao nomear apenas homens brancos que cheiram o mofo da corrupção e dos vícios da velha política, Temer pratica uma violência e uma discriminação contra a principal força emergente do século XXI: as mulheres. São elas que estão na vanguarda da luta por igualdade e justiça e, por consequência, por humanidade e civilidade. Ao excluir os negros simboliza a exclusão e o preconceito contra a maioria negra brasileira e contra os pobres. Em regra, ser negro no Brasil é ser pobre e ser pobre é ser negro. Ser negro e pobre é viver em risco, situação que se agravará sob esse governo de mentalidade machista e escravocrata. Em síntese, o governo Temer é um governo contra as energias sociais novas do Brasil, contra a pluralidade, a diversidade e multiculturalidade. É um governo contra um futuro humano e civilizado do Brasil.

É também um governo contra a cultura e contra o social. O Ministério da Cultura foi deletado. Os programas sociais ficaram sem um abrigo ministerial. Temer e seus ministros dizem, no imediato, que preservarão os programas sociais, mas já agem para atacá-los e desmantelá-los. Já agem para atacar direitos sociais e trabalhistas, direitos civis, direitos de minorias e direitos de liberdade, como sinalizou o novo ministro da Justiça indicando que desencadeará uma onda repressiva. O condomínio de corruptos que assaltou o poder agora fala em aumentar impostos e em responsabilidade fiscal. Esse condomínio foi radicalmente contra o aumento de impostos antes do golpe e apoiou todas as pautas-bomba de Eduardo Cunha, que elevaram o gasto público, inviabilizando o governo. Esse governo jogará o peso do ajuste fiscal nos ombros dos trabalhadores, pois na assembleia de condôminos golpistas foi acertado que a Fiesp não pagaria o pato. Esse governo exasperará o uso do Estado como instrumento de negócios privados e deprimirá a sua função de promotor do bem público comum e da universalização de direitos.

Desorientação das esquerdas

Afastada Dilma da presidência da República, as esquerdas vêm dando sinais de desorientação e de falta de comando. Se é verdade que cada partido, cada movimento, cada organização tem suas pautas específicas, é preciso uma palavra de ordem que mantenha os progressistas, os democratas, os republicanos, as esquerdas e os movimentos sociais e populares unidos. O que esses partidos e movimentos defenderam e sustentam é que o governo Temer é fruto de um golpe e que se trata de um governo ilegítimo. Ora, se esta é a verdade, não resta outra saída a não ser organizar um grande movimento político e social, uma grande frente, em torno da palavra de ordem “fora Temer”. Esta é a palavra de ordem da unidade. Para além disso, cabe a cada partido e a cada organização defender sua visão específica: diretas já, volta de Dilma, Constituinte, plebiscito etc.

Se o governo Temer é golpista e ilegítimo, nenhuma negociação poderá ser tabulada com ele. A CUT não poderá sentar-se com os ministros de Temer para negociar uma reforma da Previdência. As bancadas de esquerda e progressistas no Congresso deverão dar-lhe combate permanente. Os movimentos sociais deverão ocupar as ruas exigindo a renúncia de Temer. Greves gerais deverão ser pensadas.

Caso a agenda do “fora Temer” não for levada adiante, a esquerda e os progressistas sairão ainda mais derrotados e mais desmoralizados desse processo do que já foram. O PT está no epicentro deste problema. Comandou uma política de conciliação que fracassou. Sustentou um governo incompetente. Adotou as mesmas práticas de financiamento de campanha que os partidos da elite sempre usaram. Não se desculpou com a sociedade, não reagiu com vigor ao golpe.

Foram o PSol, o PC do B e os movimentos sociais que combateram o golpe com mais vigor e com mais coragem. O PT precisa dizer se pensará apenas nas eleições municipais e em 2018 ou se se colocará no leito da luta em curso em defesa da democracia, dos direitos e contra o conservadorismo e a repressão. Claro que as eleições não podem ser negligenciadas. Mas o fato é que existe uma guerra pendente, várias batalhas a serem travadas. Existe também uma versão dos fatos, uma leitura da história em disputa. Se o PT não fizer parte desta guerra, poderá ver-se sozinho em 2018. E o mais grave, será condenado pela história.

Mas se o PT não travar esta guerra, os progressistas, os movimentos sociais e os outros partidos de esquerda precisarão travá-la. É deste combate que se decidirá se o futuro do Brasil será mais ou menos pior do que é hoje. É deste combate que se dirá se a sociedade será mais ou menos justa e igualitária, com mais ou menos direitos, com mais ou menos bem estar e com mais ou menos dignidade.

Aldo Fornazieri – Professor da Escola de Sociologia e Política de São Paulo.
No GGN
Leia Mais ►

Audiência Pública no STF


O Supremo Tribunal Federal (STF), por meio do seu regimento, prevê a convocação de audiências públicas.

Está em curso a campanha para o pedido, ao STF, de audiência pública para a análise técnica do mérito jurídico do processo de afastamento da presidenta Dilma, elaborada pelo companheiro Sérgio Govea. Solicitamos a sua adesão a essa campanha.

No link (  http://www.pcsa.com.br/  ) são disponibilizadas as orientações para encaminhar petição para a referida audiência pública. Mais informações no mencionado link.
Leia Mais ►

'Ninguém quer morrer assistindo': vídeo voltar a criticar Rio 2016

Canal asiático faz nova animação e pega pesado em ironias relacionadas à violência, poluição, queda de ciclovia e zika vírus

Com críticas pesadas, canal asiático publica paródia que ironiza Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas
O canal asiático Tomo News voltou a produzir uma animação em que pega pesado nas críticas ao Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. No vídeo divulgado nesta segunda-feira, o estúdio especializado em paródias afirma que "Brasil deve cancelar os Jogos porque ninguém quer morrer assistindo" e ironiza violência no Rio de Janeiro, queda de ciclovia, poluição e zika vírus.

O vídeo começa com com uma galinha conduzindo a tocha olímpica, em uma alusão ao filme “Cidade de Deus”. Em seguida atletas são assaltados e assassinados em pleno pódio, turistas são "abandonados" no Rio, uma dupla de ciclistas é levada pela ressaca do mar e um mosquito se junta a um casal na cama.

As críticas pesadas geraram muitas manifestações nas redes sociais. Enquanto alguns assumiam os problemas do Brasil, outros internautas ficaram revoltados, defendiam o país e atacaram problemas comuns em outras nações.

Essa não é a primeira vez que o Tomo News tem o Rio de Janeiro como alvo. Em fevereiro deste ano, o canal também foi fundo nas críticas à poluição das águas da sede do Jogos Olímpicos e ironizou os atrasos nas obras na cidade.



No O Tempo
Leia Mais ►

Um trote engenhoso de Haddad revelou ainda mais o caráter do “historiador” Villa e da Pan

Cauby deixa como legado o maior vozeirão da MPB
O historiador Marco Antonio Villa caiu numa pegadinha épica em seu programa na Jovem Pan, a rádio mais jabazeira e direitista do Brasil.

Villa, como se sabe, tem uma razão de vida: destruir o PT. É o Godzilla do partido. Desmoralizado na academia, sobrevive dos pixulecos na TV Cultura, na Pan e onde mais precisarem de um papagaio mono obsessivo.

Não é de hoje que ele escolheu Fernando Haddad como sua presa favorita. Fala dele diariamente, sempre com os mesmos argumentos, para a mesma torcida indigente.

Uma amiga psicanalista jura que é furor sexual reprimido pelo prefeito de São Paulo. Eu acredito que seja mais simples: sandice, oportunismo e falta total de talento para falar de qualquer outro assunto.

Um dos truques de Villa é ler e comentar a agenda do alcaide. Sensacional. Venhamos e convenhamos: vai além da conta para o interesse de qualquer um. A não ser para um sujeito claramente desequilibrado.

Se a Jovem Pan se prestasse a algo próximo de jornalismo, uma alma na direção já teria feito uma advertência carinhosa ao professor de que aquilo começa a entrar no terreno da saúde mental — inclusive de quem ouve.

Mas o Villa se deu especialmente mal na manhã de segunda, 16. Esfregando as mãozinhas, olhinhos brilhantes, ele acessou o site da prefeitura e ficou passado com o que viu.

“Esse prefeito está destruindo a cidade de São Paulo”, diz. “Hoje, por exemplo, eu como faço todo santo dia fui abrir a agenda. A partir de 8h30, tem despachos internos e o resto tá branco”.

Prossegue enlouquecido: “Branco! Branco! Branco!”, grita. “Não há nada, nada, nada, nada!”

“A gente brinca com tudo. Até com as tragédias. Ele é uma tragédia. É inexplicável. Fernando Haddad é uma desonra para São Paulo”, berra.

Pressentindo o cheiro do mico, deu uma bronca na maldita sub raça: “Prefeito, o pessoal precisa ficar mais esperto. O stalinismo morreu. O Stalin morreu em 1953, não sei se o senhor sabe.”

Finaliza apoplético como o Color dos tempos do famoso supositório: “Pago meu impostos e exijo que o senhor cumpra a lei!”

O próprio Haddad, em sua página no Facebook, explicou. Foi um trote: “Resolvemos substituir, por algumas horas, a minha agenda pela de outro político, apenas para vê-lo comentar, uma vez na vida, o dia-a-dia de quem ele lambe as botas”.

O nome não foi revelado. Há uma lista de políticos de quem o comentarista lambe as botas. Provavelmente se trata de Geraldo Alckmin, de quem Villa é serviçal assumido.

De Michel Temer não é. A do interino diz o seguinte: “Atualmente não existem compromissos agendados.” (Como assim??? BRANCO, BRANCO, BRANCO!!”)

Já a do Villa — não que alguém se importe — tem, em todos os dias do ano, fotos de Haddad saindo do supermercado e, numa garatuja infantil, produzida com canetinha de várias cores, as palavras “kill, kill, kill”.

Captura de Tela 2016-05-16 às 15.58.26



Kiko Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Globo se lança ao colo do Meirelles!

"Ministro, adorei! Todos torcemos! Que tudo dê certo!"

Preciso ajoelhar, ministrinho?


O Fantástico exibiu nesse domingo, 15/maio, cenas de constrangedor subserviência.

Não bastasse uma "entrevista" de 25' com o Temer Puft, que provocou ensurdecedora reação, a "apresentadora" do Fantástico ofereceu um espetáculo degradante!

Ao final de uma "entrevista" inútil, em que o Meirelles não disse nada que preste, ela, Poliana Abritta, se projetou para cima do Ministro da Fazenda, em direção ao seu colo, agarrou-lhe as duas mãos e, curvada para a frente, disse:

Muitíssimo obrigado!

Adorei!

Que dê tudo certo!

Todos torcemos para que dê tudo certo!
Inacreditável?

Não, amigo navegante!
"Inacreditável" foi o Gilberto Freire com "i" não cortar essas cenas de explícita imoralidade!

Entrevista pré-gravada, que deve ter sido vista e revista até pelo Dr Roberto Marinho!

Por que não "editou" o fim vergonhoso?

Terá sido um descuido?

E o editor será trucidado nessa segunda-feira?

Ou terá sido de propósito?

Para escancarar a irremediável dependência da Globo ao Golpe?

Em tempo: uma repórter do Estadão em Brasília também já tinha desejado "boa sorte!" ao Meirelles.

Como diz o Mino Carta, no Brasil, os jornalistas são piores que os patrões.

Paulo Henrique Amorim
Leia Mais ►

As baixarias na extrema-direita. Hilário!

Leia Mais ►

Projeto de lei prevê punição dura a quem falar mal de políticos na internet



Leia Mais ►

Retrocessos não se negociam. Vamos combatê-los na luta

Presidente da CUT explica porque não vai a reunião com Temer


A CUT não reconhece golpistas como governantes. Por isso, não irá à reunião que Michel Temer chamou para esta segunda feira com as centrais sindicais.

A CUT vai continuar defendendo os interesses da classe trabalhadora, principal vítima do golpe, exigindo a volta do Estado do Direito e do mandato da presidenta Dilma, legitimamente eleita com mais de 54 milhões de votos.

Acreditamos que a luta contra os retrocessos pretendidos e anunciados será travada pelo conjunto dos movimentos sociais nas ruas, nos locais de trabalho, na luta constante para impedir que o Brasil recue, do ponto de vista democrático, institucional e civilizatório, a décadas passadas.

O respeito a todos os mecanismos e esforços da população em busca de igualdade, valorização da diversidade e acesso a políticas públicas que combatam as injustiças sociais é um valor precioso demais. E assim queremos que seja tratado.

Vagner Freitas, presidente nacional da CUT
Leia Mais ►

Faltou combinar com os russos

Reza a lenda que na Copa de 58, o técnico Feola bolou um esquema infalível contra a seleção soviética: Nilton Santos lançaria a bola pela esquerda para Garrincha, que driblaria três russos e cruzaria para Mazzola marcar de cabeça. Garrincha ouviu o professor atentamente: "Tá legal, seu Feola, mas o senhor combinou com os russos?".

"Primeiro a gente tira a Dilma", dizia o pessoal do impeachment. "Depois a gente derruba o Temer. Aí a gente prende o Cunha. Quando ele cair, a gente cassa o Renan. Daí pronto: eleições gerais." O plano era infalível. Só esqueceram de combinar com os russos.

No poder, o presidente interino (não pronunciarei mais seu nome) já mostrou que não tem a menor intenção de renunciar — apesar de ter assinado as mesmas pedaladas que derrubaram Dilma. Parabéns a todos os que produziram o efeito dominó mais curto do mundo: parou na primeira peça.

Os russos roubaram a bola antes dela chegar ao ataque e fizeram sete gols. O secretario de segurança genocida foi premiado com a Justiça. A Educação ficou com o PFL (me recuso a chamar de Democratas) — partido que foi contra o ProUni, o Fies, os royalties para educação. A Cultura foi pro mesmo lugar que a democracia: debaixo da terra. Ou do PFL. O que é pior. Serra no Exterior — um sujeito que não tem sequer um amigo vai cuidar da diplomacia. Mudaram a CGU — e junto com ela a torneira da Lava Jato.

Achei que aqueles que eram contra a corrupção iriam às ruas contra o primeiro presidente brasileiro que já assume com a ficha suja. Não foram. Achei que fossem contra a indicação de ministros citados na Lava Jato. Tampouco foram. O pato da Fiesp acordou rouco. As panelas voltaram à cozinha. Durante o discurso do vampiro embalsamado que nos governa, tudo o que se ouvia era um silêncio ensurdecedor.

Cheguei a ouvir: "ao menos esse presidente fala bem o português". A vontade é enorme de gostar do mordomo interino. Pode roubar, matar, e esconder cadáver, mas pelo menos não erra o plural.

Não se esqueçam do Carlos Lacerda, que fez o que pôde pro governo de Jango cair. Quando o golpe chegou, teve os direitos políticos cassados. Tentou reclamar — era tarde demais. "Mas não era isso que você queria?", poderiam argumentar os militares.

O golpe chegou. Vale lembrar de Lacerda. Quem pediu o golpe não estará imune a ele. É o momento de deixar claro que não era isso que vocês queriam. Com esse silêncio todo, fica parecendo que era.

Gregório Duvivier
No fAlha
Leia Mais ►

Temer no Fantástico e os apitaços — assista




Embora a Rede Globo esteja se esforçando para legitimar o presidente interino Michel Temer diante da população, a crise política ainda parece longe de terminar.

Na edição deste domingo do Fantástico, o repórter Rodrigo Alvarez foi ao vilarejo onde os pais de Temer nasceram para mostrar a festa dos seus "brimos". Depois disso, diversas pessoas comuns enviaram perguntas a Henrique Meirelles, que foi também entrevistado por Polyanna Abritta.

O clímax da edição seria a entrevista de Michel Temer à jornalista Sônia Bridi, mas ela provocou apitaços em praticamente todas as capitais do País, durante os cerca de 30 minutos em que a Rede Globo dedicou ao presidente interino.

No centro do Rio e de São Paulo, gritava-se "Fora, Temer" das janelas e "fora, golpista".

Na entrevista, Temer disse que pretende deixar como legado um país com desemprego menor e pacificado. Disse ainda que não pretende disputar a reeleição, mas não assumiu esse compromisso em nenhuma hipótese. No ponto mais revelador, ele não se posicionou sobre seu polêmico aliado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que, em entrevista neste domingo, fez questão de demonstrar intimidade com o presidente interino. "O Michel conversava com os partidos, não só eu falava, não. Eu participei de muitas conversas e de muitos debates, não é que cobrei, eu não preciso cobrar o Michel pra ele cumprir os acordos. Ele sabe os acordos que ele tem que fazer ou não pra ter sua base política", disse Cunha (leia aqui).

Neste domingo, milhares de mulheres foram às ruas exigir a saída de Temer e a volta da presidente Dilma Rousseff ao poder (saiba mais aqui).

Nas redes sociais, a hashtag #ForaTemer se tornou uma das mais comentadas do mundo e internautas também promoveram um "vomitaço" na página do Fantástico no Facebook.

No 247
Leia Mais ►

Samper da Unasul a Serra: não respondo a chanceler interino


Secretário-geral da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), Ernesto Samper, reforçou questionamentos sobre a legitimidade do governo Temer.

Ex-presidente da Colômbia, ele também rebateu manifestações do Itamaraty sob a gestão do tucano José Serra, na sexta-feira passada. Na nota, o Ministério das Relações Exteriores repudiou recentes declarações de Samper a respeito do impeachment da agora presidente afastada Dilma Rousseff. 

"Não tem por que um ex-presidente e secretário-geral da Unasul responder a um chanceler interino", rebateu ele, segundo o Valor.

A Unasul diz que poderia acionar sua cláusula democrática caso Dilma fosse impedida (leia aqui).

No 247

Veja também: O Coiso fazendo merda
Leia Mais ►