1 de jan de 2016

Vazio Contemporâneo e Espiritualidade


Leia Mais ►

Salário mínimo valorizado é instrumento de combate à crise e a miséria


O aumento do Salário Mínimo (SM) para R$ 880,00 anunciado pelo governo nesta terça-feira 29, é uma boa notícia para os brasileiros e para o País. Para as pessoas porque beneficia diretamente 48 milhões de aposentados, pensionistas e trabalhadores que têm o rendimento atrelado ao piso nacional, referência para os salários do mercado informal de trabalho e para os pisos de muitas categorias profissionais.  Para o Brasil porque serão R$ 57 bilhões a mais circulando na economia a partir de 1º de janeiro, quando o reajuste entra em vigor. Esse montante incrementará o consumo, gerando mais renda para outros setores da economia, como comércio, agricultura e indústria.

Outro impacto positivo é a melhora da distribuição renda, fator que considero fundamental para a retomada do desenvolvimento econômico e social do Brasil iniciada em 2003 e condição necessária para sairmos da agenda da crise e entrarmos de uma vez por todas na agenda  do crescimento, da geração de emprego e melhoria da renda.

A política de valorização do salário mínimo, negociada pela CUT, com o apoio das demais centrais sindicais, e implementada nos governos Lula e Dilma, aumentou o poder de compra em 77% de 2002 até este ano, segundo o DIEESE. Quando comparamos com o valor da cesta básica, o novo SM comprará 2,14 cestas. Este é o melhor poder de compra desde 1979.

Sabemos que este valor não é suficiente para atender todas as necessidades de uma família. Por isso mesmo, continuamos lutando pelo mínimo necessário para manter uma família de, por exemplo, dois adultos e duas crianças que, segundo o DIEESE, estava em de R$ 3.399,92 em novembro de 2015. Mas, não podemos deixar de reconhecer que em apenas 15 anos conseguimos aumentar o poder de compra em quase 80% e, com isso, segundo o IPEA, ajudar a reduzir a desigualdade da renda e do trabalho. Fato inédito há décadas, segundo o Instituto.

Apesar de todos esses fatos, ainda há quem critique o aumento do salário mínimo alegando preocupações com os impactos nas contas públicas. Em outras palavras, com a elevação do que eles chamam de “custo” dos pagamentos de benefícios previdenciários e nós chamamos de investimento na melhoria de vida das pessoas. Além disso, os críticos esquecem que o aumento da renda também vai contribuir para elevar a arrecadação de impostos sobre o consumo, que segundo o DIEESE será de mais de R$ 30 bilhões. Ou seja, grande parte do aumento de gastos se paga.

Outra crítica que vem sendo feita é sobre a decisão do governo de dar aumento real ao SM ampliando seu valor para R$ 880 — segundo a regra deveria subir para R$ 871. Essa diferença, alegam, gera uma despesa de mais R$ 2,9 bilhões, pelos cálculos do Ministério do Planejamento, aumentando o chamado “rombo” nas contas públicas. O montante, na verdade, é muito pequeno se comparado a outras despesas, como o pagamento de juros da dívida pública, que em 2015 terá seu custo aumentado em mais de R$ 200 bilhões, ou seja, 100 vezes mais que aumento do SM.

O interessante neste debate é notar que, quando o aumento de gastos é para engordar os lucros dos banqueiros e dos especuladores financeiros, os críticos se calam. Porém, quando o benefício é para a classe trabalhadora rapidamente se posicionam contra, com o velho e batido argumento do “rombo das contas”.

Para nós da CUT, o salário mínimo é um instrumento de combate a crise e a miséria, portanto, deve continuar crescendo, não só pelo impacto econômico positivo, como também por ser um alicerce da sociedade que estamos construindo com mais justiça social, geração de empregos e distribuição de renda.

Vagner Freitas, presidente da CUT
Leia Mais ►

Un año de gobierno de Dilma Rousseff


La presidenta de Brasil enfrentó durante 2015 al poder de los medios de comunicación, los partidos de derecha, un escándalo de corrupción y los intentos de juicio político que intentan destituirla.

Hoy se cumple un año del inicio del segundo mandato de Dilma Rousseff, quien fue reelecta presidenta el 27 de octubre de 2014 con el 51,64 por ciento de los votos en la segunda vuelta de las elecciones generales y gobernará hasta 2019.

Rousseff obtuvo un segundo mandato tras haber logrado importantes avances en diferentes esferas como la económica y social con una importante disminución de los niveles de pobreza y un significativo crecimiento de las clases medias de la población debido, principalmente, al aumento de los puestos de trabajo y a la puesta en práctica de unas iniciativas de inclusión sin precedentes.

Pero 2015 ha sido un año duro, Brasil se enfrentó a un decrecimiento de su economía y los índices de popularidad de la presidenta brasileña, Dilma Rousseff, cayeron avivados por una continua campaña para vincularla a ella y a altos miembros del partido gobernante, el Partido de los Trabajadores (PT), a un fraude masivo en el gigante petrolero estatal, Petrobras.

El caso de corrupción de Petrobras estalló en el 2014, y se resume en lavado de dinero y sobrefacturación de unos 10 mil millones de reales (tres mil 850 millones de dólares) en proyectos y contratos de la estatal petrolera. Ante los hechos delictivos, la presidenta Dilma Rousseff solicitó a la Justicia de su país que aplicara los correctivos respectivos, a pesar de que la empresa estaba al mando de dirigentes del PT.

El escándalo que estalló incluso antes de las elecciones del año pasado, se ha convertido en un tema recurrente en los principales medios de comunicación brasileños. A la cabeza se encuentra el conglomerado mediático Grupo Globo, que apoya abiertamente la destitución de Dilma presentando de forma destacada a diputados de la oposición.

En febrero, el director del Grupo Globo, Erick Bretas, exigió mediante una publicación de Facebook la destitución o impeachment de Dilma, lo que dejó clara la posición de Globo contra la presidenta.

El 29 de agosto, el expresidente y antiguo líder del PT, Inácio Lula da Silva, demandó a cuatro periodistas y al editor de la revista Veja por publicar un especial de primera página que lo vinculaba con el escándalo de Petrobras.


Lula fue quien dirigió la bonanza económica de Brasil desde 2003 hasta 2010, y todavía goza de bastante popularidad entre la población. El antiguo presidente ha sido un ferviente partidario de Dilma, y su influencia fue decisiva en las pasadas elecciones presidenciales.

Asimismo, un abogado también lo acusa de beneficiar a la compañía de construcción Odebrecht durante su mandato. El presidente ejecutivo de esta compañía se encuentra bajo investigación como parte del caso de fraude de Petrobras. No obstante, actualmente, el abogado que acusó a Lula está siendo investigado por no presentar pruebas convincentes que sustenten dicha acusación.

Mientras tanto, la frágil coalición del PT y el Partido de Movimiento Democrático de Brasil (PMDB) es atacada por el presidente del Congreso, Eduardo Cunha, un diputado evangélico que rompió sus lazos con la coalición del gobierno. El propio Cunha está siendo investigado por el escándalo de Petrobras, pero está protegido por inmunidad parlamentaria.


Los intentos de vincular a Dilma y al PT con el escándalo de Petrobras ha sido la estrategia principal usada por los partidos y políticos de derecha para justificar la destitución de la presidenta; la misma estrategia usada el año pasado para atacar a Rousseff durante la campaña presidencial.

Juicio político

El presidente de la Cámara de Diputados de Brasil, Eduardo Cunha, autorizó el 2 de diciembre abrir un juicio político con fines de destitución a la presidenta brasileña, Dilma Rousseff, tras considerar procedente una acusación contra la mandataria por supuestas irregularidades fiscales ocurridas en 2015.

Pese a la campaña mediática que se lleva a cabo en su contra y la intolerancia que se vive actualmente en el país la mandataria expresó que no cree en un Brasil fascista si no en un país donde vivan todos.

Conozca qué sigue tras la aceptación del pedido de juicio político contra la presidenta Dilma Rousseff AQUÍ

¿Qué hay detrás del juicio político a Dilma Rousseff?

Una acusación por irregularidad fiscal contra la presidenta Dilma Rousseff conjuga desde el Parlamento un golpe suave para poner fin al actual gobierno del Partido de los Trabajadores (PT) que, desde el mandato de Lula en 2003, ha sacado de la pobreza a más de 50 millones de brasileños.

Entre los objetivos primordiales de la oposición de acuerdo a diversos analistas, entre ellos Beto Almeida, se encuentra:

— Detener la democratización mediática

— Involucrar en diferentes crímenes al Partido de los Trabajadores (PT)

— Desacreditar a Lula da Silva para contrarrestar su popularidad, y así frenar su posible candidatura a las presidenciales de 2018

— A largo plazo: retornar a las políticas neoliberales de los Gobiernos de derecha y privatizar las empresas estatales como Petrobras

— Retirar a Brasil de la Unasur y la Celac para socavar la integración latinoamericana.



No teleSUR
Leia Mais ►

O decreto de Dilma que extinguiu a pena de Dirceu. Pizza?

Será que foi um arrumadinho com jeitinho brasileiro?

Há poucos dias, as manchetes dos principais meios de comunicação do país anunciavam que a presidenta Dilma Rousseff tinha assinado, às vésperas do natal, um decreto para favorecer seus ex-aliados políticos, perdoando, com isso, suas penas.


Logo, milhares de internautas começaram a compartilhar tais notícias como se isto fosse um grande escândalo e atribuindo à presidenta os piores adjetivos possíveis, afirmando, tais internautas, que tudo estava acabando em pizza, mais uma vez e que ela estava favorecendo os corruptos do PT.


Ao que parece, pelo teor dos comentários nestas notícias e em milhares de postagens nas redes sociais, quem desconhece vai imaginar que a presidenta elaborou um decreto com o seguinte texto:
“DECRETO DO PERDÃO

“Perdoo Dirceu, Delúbio, Jefferson e todos os companheiros do mensalão, extinguindo suas penas.

Ass. Dilma.”
Não, leitores. Isto, sim, seria o cúmulo.

O que muitos, ou quase todos, desconhecem é que o objetivo deste decreto nunca foi o de beneficiar especificamente tais personalidades condenadas no famoso Mensalão.

O que beneficiará Dirceu é o decreto nº 8.615/15, assinado em 23 de dezembro de 2015, que dispõe, em artigo 1º, XVI, que será concedido indulto coletivo às pessoas “condenadas a pena privativa de liberdade, que estejam em livramento condicional ou cumprindo pena em regime aberto, cujas penas remanescentes, em 25 de dezembro de 2015, não sejam superiores a oito anos, se não reincidentes, e a seis anos, se reincidentes, desde que tenham cumprido um quarto da pena, se não reincidentes, ou um terço, se reincidentes;.

Este é o caso concreto de Dirceu, razão pela qual sua defesa, acertadamente, requereu ao STF que o benefício do indulto, previsto neste decreto, lhe fosse concedido.

O indulto é um benefício de extinção da pena, sendo impessoal e genérico, logo, apartidário como deve ser. Este é concedido a QUALQUER PESSOA, como diz em seu próprio texto, bastando que esta se enquadre nas exigências por ele apresentadas.

Não se trata de um decreto com texto inovador que visou beneficiar alguém determinado como o Dirceu, in casu, visto que o benefício concedido às pessoas que obedeçam a estas mesmas condições objetivas e subjetivas já constava no decreto 7648/11, em seu inciso § 1º, XIV, e vem sendo mantido desde aquele ano em todos os decretos posteriores (Decreto 7873/12, § 1º, XIV; Decreto 8172/13, § 1º, XV e Decreto 8380/14, § 1º, XV).

Ora, este decreto, que trata da concessão de indulto natalino e comutacao de penas, é assinado anualmente pelo presidente da república, o que já se repete há décadas e sua concessão tem previsão Constitucional, no artigo 84, caput, inciso XII.

Ademais, cumpre destacar que, apesar das notícias terem enfatizado que este foi assinado às vésperas do natal, como se na “calada da noite” tivesse sido feito por ser algo imoral, esta já é a tradição, visto que o benefício por ele trazido é apelidado de indulto de natal, o que justifica a data de assinatura, como já ocorre há décadas.

Destarte, leitores, é muito importante ter cuidado com as noticias veiculadas, para que não saiamos por aí fazendo julgamentos equivocados.

Vilaça Neto, Advogado sócio do escritório Welton Roberto Advogados Associados. Pós-graduando em Processo Penal. Graduado pela Universidade Federal de Alagoas.
Leia Mais ►

Causa Operária


Programa Nacional do PCO, exibido em cadeia de rádio e televisão no dia 31 de dezembro de 2015.

Leia Mais ►

Um feliz 2016 para o povo brasileiro

"Mesmo injustamente questionada pela tentativa de impeachment, não alimento mágoas nem rancores"
O ano de 2015 chegou ao final e a virada do calendário nos faz reavaliar expectativas e planejar novas etapas e desafios. Assim, como sempre, nos traz a necessidade de refletir sobre erros e acertos de nossas decisões e atitudes.

Este 2015 foi um ano muito duro. Revendo minhas responsabilidades nesse ambiente de dificuldades, vejo que nossos erros e acertos devem ser tratados com humildade e perspectiva histórica.

Foi um ano no qual a necessária revisão da estratégia econômica do país coincidiu com fatores internacionais que reduziram nossa atividade produtiva: queda vertiginosa do valor de nossos principais produtos de exportação, desaceleração de economias estratégicas para o Brasil e a adaptação a um novo patamar cambial, com suas evidentes pressões inflacionárias.

Tivemos também a instabilidade política que se aprofundou por uma conduta muitas vezes imatura de setores da oposição que não aceitaram o resultado das urnas e tentaram legitimar sua atitude pelas dificuldades enfrentadas pelo país.

Mais do que fazer um balanço do que se passou, quero falar aqui da minha confiança no nosso futuro e reafirmar minha crença no Brasil e na força do povo brasileiro. Estou convicta da nossa capacidade de chegarmos ao fim de 2016 melhores do que indicam as previsões atuais.

A principal característica das crises econômicas do Brasil, desde os anos 1950, é uma combinação entre crise externa e crise fiscal. As economias emergentes sempre foram pressionadas pela combinação de deficit e dívida externa, com desarranjos fiscais do Estado.

A realidade brasileira hoje é outra. A solidez da nossa economia é a base da retomada do crescimento. Temos uma posição sólida nas reservas internacionais, que se encontram em torno de US$ 368 bilhões, a sexta maior do mundo.

O deficit em transações correntes terá recuado no final do ano de cerca de 4,3% para 3,5% do PIB, comparativamente a 2014. O investimento direto estrangeiro na casa de US$ 66 bilhões demonstra a confiança dos investidores no nosso país.

Em 2016, com o apoio do Congresso, persistiremos pelos necessários ajustes orçamentários, vitais para o equilíbrio fiscal. Em diálogo com os trabalhadores e empresários, construiremos uma proposta de reforma previdenciária, medida essencial para a sobrevivência estrutural desse sistema que protege dezenas de milhões de trabalhadores.

É claro que os direitos adquiridos serão preservados, e devem ser respeitadas as expectativas de quem está no mercado de trabalho, mas de forma efetivamente sustentável.

Convocarei o Conselho de Desenvolvimento Social, formado por trabalhadores, empresários e ministros, para discutir propostas de reformas para o nosso sistema produtivo, especialmente no aspecto tributário, a fim de construirmos um Brasil mais eficiente e competitivo no mercado internacional.

Não basta apenas a modernização do nosso parque industrial, é fundamental continuarmos investindo em educação, formação tecnológica e científica.

Precisamos também respeitar e dialogar com os anseios populares, desenvolvendo uma estrutura de poder mais próxima da sociedade, instituições fortes no combate à corrupção, oferta de serviços públicos de qualidade e ampliação dos instrumentos de participação e controle da sociedade civil.

As diferentes operações anticorrupção tornaram as instituições públicas mais robustas e protegidas. Devem continuar assegurando o amplo direito de defesa e punindo os responsáveis, sem destruir empregos e empresas.

Reafirmo minha determinação pela reforma administrativa que iniciei. Quero um governo que gaste bem os recursos públicos, que seja racional nos processos de trabalho e eficiente no atendimento às demandas da sociedade.

O governo está fazendo sua parte. Executamos um duro plano de contenção de gastos, economizando mais de R$ 108 bilhões em 2015 -o maior contingenciamento já realizado no país. Para 2016, firmamos o compromisso de produzir um superavit primário de 0,5% do PIB. Fizemos e faremos esse esforço sem transferir a conta para os que mais precisam.

Sei que as famílias brasileiras se preocupam com a inflação. Enfrentá-la é nossa prioridade. Ela cairá em 2016, como demonstram as expectativas dos próprios agentes econômicos.

O governo manteve, no ano de 2015, os investimentos que realizamos para melhorar a vida dos brasileiros. Por exemplo, foram cerca de 389 mil moradias entregues e mais de 402 mil contratadas no Minha Casa, Minha Vida. Quase 14 milhões de famílias receberam o Bolsa Família.

Oferecemos 906 mil novas vagas em universidades públicas e privadas e 1,3 milhão no Pronatec. Entregamos 808 km de rodovias, tanto por meio de obras públicas como pelas concessões privadas. Autorizamos dez terminais portuários privados, concedemos e modernizamos aeroportos. Ampliamos a oferta de energia em 5.070 MW.

É hora de viabilizar o crescimento. O plano de concessões em infraestrutura já é uma realidade. Os leilões de portos, aeroportos, rodovias e ferrovias vão impulsionar a nossa economia e contribuirão para a geração de empregos. Não vamos parar por aí.

É importante ressaltar que em 2015 as instituições da nossa democracia foram exigidas como nunca e responderam às suas responsabilidades, preservando a estabilidade institucional do Brasil.

Todos esses sinais me dão a certeza de que teremos um 2016 melhor. Mesmo injustamente questionada pela tentativa de impeachment, não alimento mágoas nem rancores. O governo fará de 2016 um ano de diálogo com todos os que desejam construir uma realidade melhor.

O Brasil é maior do que os interesses individuais e de grupos. Por isso, quero me empenhar para o que é essencial: um Brasil forte para todo o povo brasileiro.

Dilma Rousseff, presidente da República
Leia Mais ►

O Jornalista do Ano

Combatendo o bom combate: Mino Carta
É triste ver como certas pessoas pioram com o correr dos dias. FHC e Helio Bicudo são dois casos. São o antivinho.

Em compensação, há aqueles que não cessam de melhorar, e é importante louvá-los.

Um caso notável é o do jornalista Mino Carta, editor e fundador da Carta Capital.

Já passado dos 80 anos, Mino reúne virtudes em geral associadas à juventude: é vigoroso, intrépido, infatigável, explosivo na defesa de uma sociedade menos abjetamente desigual.

Sua revista marcha gloriosamente na contracorrente de uma mídia que serve apenas aos próprios interesses da classe que representa — a plutocracia.

Todos são iguais, na lógica infame da imprensa, mas alguns são mais iguais que os outros, para lembrar a célebre sentença de Orwell. Os mais iguais são os plutocratas, à frente dos quais estão os próprios barões da imprensa, com suas fortunas fabulosas derivadas maciçamente de dinheiro público.

Mino é o oposto disso.

Ele combate o bom combate, aquele em cujo centro estão os desvalidos, os excluídos, os invisíveis.

E faz isso com classe, num dos textos mais elegantes que você poderia encontrar em jornais e revistas. Mino é um mestre na arte de pensar e de escrever.

Não bastasse, fala como poucos, como se pode ver nos vídeos semanais em que conversa com o editor do site da Carta, Lino Bocchini, entre goles de bom vinho.

Em 2015, ele foi um dos focos de resistência ao golpe armado pela direita. Desmascarou FHC, Cunha, Aécio, a mídia e tantos outros que lutaram, e ainda lutam, por cassar 54 milhões de votos.

Pelo que fez no ano que se encerrou, e mais ainda pelo conjunto da obra, o DCM elegeu Mino Carta o melhor jornalista de 2015.

Sem Mino a Veja não existiria — e é irônico que hoje você possa perguntar se ele prestou um bom ou um mau serviço ao Brasil com isso, dado o ganguesterismo editorial que é agora a marca da revista.

Mino pôs de pé a Veja, em 1968. Quando percebeu a natureza de seus chefes, Victor e Roberto Civita, se insurgiu. Jamais perdoou Roberto Civita, e eis um dos raros traços negativos de Mino, um rancor à prova do tempo.

Acabou demitido.

Isso o obrigou, dali por diante, a ser seu próprio patrão. Por um breve período, infelizmente, comandou no começo dos anos 80 um jornal dos sonhos, o República, no qual trabalhavam estrelas do jornalismo como Cláudio Abramo.

O custo era alto demais para quem, como Mino, não tinha um grande grupo por trás, e o República fechou.

Ele criou depois a IstoÉ, então o exato oposto do que a revista é hoje, assim como a Veja.

Finalmente veio a Carta Capital, alvo desde o início de uma campanha vergonhosa das grandes empresas.

Elas diziam que a Carta era favorecida por anúncios do governo. Quando, enfim, foram revelados os números da publicidade estatal, ficou claro o tamanho da mentira.

A Carta recebia uma fração insignificante dos valores extraordinários que jorravam sem cessar para empresas como Globo e Abril.

Os governos petistas financiaram quem tentou desde logo destruí-los, e deixaram virtualmente a pão e água quem defendia não a eles — mas a ideia de uma sociedade igualitária.

Mino jamais esmoreceu.

Por tudo isso, é o Jornalista do Ano.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

O passado não morre


Pesquisadores e cientistas da Universidade da Califórnia, em Berkeley, encontraram e decodificaram um conjunto de antigos textos cuneiformes e o resultado é a recriação de uma peça musical inédita.

O corpo das tabuinhas cuneiformes anciãs, conhecido como texto léxico, foi descoberto pela primeira vez na década de 1950 na antiga cidade síria de Ugarit. Antes, não se sabia quase nada sobre a música sumério-babilônica, a não ser o tipo de instrumentos musicais utilizados.

Mas, recentemente, foi encontrada uma coleção que conta com quatro textos cuneiformes individuais e um quinto grupo de textos com uma teoria e notação musical complexas e um hino de louvor de quase 3.400 anos, ou seja, a peça completa mais antiga de música escrita já descoberta. A tábua contém a letra de um hino a Nikkal, deusa das plantações, e instruções para um cantor, acompanhadas de um sammûm de nove cordas, um tipo de harpa ou lira.


No Blog do Bourdoukan
Leia Mais ►

Triunfo da Revolução Cubana: a queda do ditador Batista [1959]

Momentos históricos da Revolução Cubana


Vídeo da TV cubana — "Cuba Acusa" —, versão em português, sobre o triunfo da Revolução Cubana de 1959 e a queda do ditador Batista.


No Solidários
Leia Mais ►

A The Economist e o umbigo inglês

http://www.maurosantayana.com/2016/01/a-economist-e-o-umbigo-ingles.html


Como os abutres, que, nas planícies da África, avançam sobre a carniça quando as hienas se distraem, tem gente festejando a matéria sobre o Brasil da The Economist, desta semana, mostrando uma Dilma Roussef cabisbaixa na capa.


Como faz com qualquer país que não reze segundo a cartilha neoliberal anglo-saxã, do tipo “faça o que eu digo, não o que eu faço”, The Economist alerta que o Brasil enfrenta um “desastre político e econômico”, cita o rebaixamento do país pela Fitch e pela Standard and Poors — mas não diz que essas agências foram incapazes de prever a crise que se abateu sobre os EUA e a Europa — Inglaterra incluída — em 2008, a ponto de terem sido multadas por incompetência e por enganar investidores — e conclui criticando o déficit previsto para nosso país em 2014, sem citar — aliás, como faz a imprensa conservadora tupiniquim — as reservas internacionais brasileiras, de 370 bilhões de dólares, o equivalente a 1 trilhão, 480 bilhões de reais.

A imprensa britânica sempre se especializou em “ditar” — a palavra ideal seria outra — regras para países que considera subdesenvolvidos ou “emergentes”.

O seu “foco” no Brasil como alvo aumentou muito, no entanto, depois do episódio em que ultrapassamos, momentaneamente, a Grã Bretanha como sexta maior economia do mundo em 2011.

Vide, por exemplo, o caso do Financial Times, recentemente vendido — sob risco de quebra — para capitais japoneses no dia em que publicou um editorial contra o Brasil (ler Os nossos Yes Bwana e os novos Hai Bwana do Financial Times).

Mas, na hora de falar sobre o Brasil, os jornalistas ingleses agem como se vivessem em outro planeta ou a Inglaterra, economicamente, estivesse acima do bem e do mal.

Em vez de conversar fiado, os redatores da The Economist deveriam olhar para o seu próprio umbigo inglês.

Se a questão é de deterioração dos fundamentos macro-econômicos, a dívida pública bruta do Reino Unido — The Economist cita a dívida pública bruta brasileira, mas esquece, convenientemente, a líquida, que é de aproximadamente 35% do PIB — é tão bem administrada que mais que dobrou, de menos de 40% em 2002 para quase 90% do PIB em 2014.


Enquanto a brasileira diminuiu no mesmo período, de quase 80% do PIB, para menos de 70% em 2014, como se pode ver pelo gráfico do Banco Central.


Quanto às reservas internacionais — uma das principais referências macro-econômicas para se verificar a solidez de uma economia — o Reino Unido também não fica bem na foto, na comparação com o Brasil.

Com uma economia praticamente empatada, em tamanho, com a nossa (nominalmente) as reservas de sua Majestade são de 154 bilhões de dólares, menos da metade das reservas, em dólares, do país a que os seus editores resolveram dedicar a sua primeira — e negativa — capa de 2016.
Leia Mais ►

Desmundo


Quem não conhece a história não entende a política: "Desmundo" ou quando o Brasil foi destruído pelo cristianismo, pelo patriarcalismo, pelo capitalismo e por todas as porcarias civilizadas da Europa.



No Pensador da Aldeia
Leia Mais ►

Eduardo Galeano e o direito ao delírio

 Feliz 2016 a todas e todos, muita saúde, sucesso, alegrias, que vivamos cada dia como se fosse o primeiro; e cada noite como se fosse a última. 



Leia Mais ►