3 de dez de 2016

Moro, tal como o conhecemos, simplesmente acabou — e com ele a Lava Jato

Acabou a festa
Tecnicamente, Moro e sua Lava Jato acabaram ontem no Congresso tal como os conhecemos.

A fala tonitruante de Gilmar fez Moro parecer uma criança assustada. Ficou claro ali como são indefensáveis — criminosamente indefensáveis — os métodos que Moro pôs em execução na Lava Jato, a começar pelos vazamentos para a mídia.

Mas, fora das tecnicalidades, o fato é que a Lava Jato já estava morta, ou semimorta, fazia tempo, desde que seu objetivo de derrubar Dilma foi alcançado.

A Lava Jato foi criada pela mídia e foi destruída pela mídia. A Lava Jato real foi aquela, para ficar num exemplo, que sob um circo histérico da imprensa conduziu Lula ao infame depoimento coercitivo.

Tevês, rádios, jornais, revistas, sites — todas as mídias das companhias jornalísticas foram parte essencial da Lava Jato. Foi o apogeu de Moro. Manchetes seguidas, minutos intermináveis no Jornal Nacional, ação ininterrupta na Globonews: era isto a Lava Jato. Uma obra da mídia.

Para desfazê-la, bastou desarmar o circo. A Lava Jato agônica, para ficar também num caso simbólico, foi a prisão de Eduardo Cunha. O barulho infernal da mídia já desaparecera — e não por acaso. Aliás, nada acontece por acaso no terreno das organizações de jornalismo.

É provável que os barões da imprensa ainda desejassem um derradeiro serviço: a prisão de Lula. Mas não tardou que ficasse evidente que isso ninguém teria coragem de fazer, pelo alto grau de risco.

Com acerto, Joaquim Barbosa disse esta semana à jornalista Mônica Bergamo que prender Lula na marra sujaria ainda mais a imagem do Brasil pós-golpe no exterior. Isso para não falar do potencial explosivo das manifestações de protesto.

Na construção de Moro e da Lava Jato, as corporações de jornalismo deram-lhes cobertura e proteção maciças. Você não lia nada de negativo sobre Moro e a Lava Jato.

Repare agora.

As pancadas de Gilmar tiveram ampla repercussão. Em outras circunstâncias, você não veria nada sobre o episódio na mídia tradicional. Talvez até Gilmar, grande amigo dos barões, fosse dissuadido de questionar Moro.

Este tipo de coisa acontece nos bastidores muito mais do que as pessoas imaginam.

O Moro de ontem no Congresso marca seu retorno às origens: o juiz de primeira instância.

O Super-Moro acabou — e com ele a Lava Jato.

Paulo Nogueira
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.