1 de dez de 2016

Gilmar Mendes e Lindbergh expuseram o estranho mundo de Moro no Senado

Moro no Senado
O plenário ficou pequeno para dois egos daquele tamanho e você terá todas os motivos para achar que eles se merecem — mas Gilmar Mendes demoliu Sérgio Moro no Senado.

A César o que é de César.

Foi durante sessão de debates destinada a discutir o projeto de lei que define crimes de abuso de autoridade.

Tendo ao centro um Renan Calheiros diminuído e acoelhado (“a Lava Jato é sagrada”, jurou o fanfarrão) e uma Casa repleta de corruptos de joelhos, Gilmar expôs a natureza imperial e populista do mundo de Moro.

Em seu discurso de abertura, o juiz paranaense disse que aquele “talvez” não fosse “o melhor momento” para aprovação do texto por causa das operações policiais em curso.

Da tribuna, por sua vez, Gilmar rebateu os argumentos do colega. “Qual seria o momento adequado para discutir esse tema, de um projeto que tramita no Congresso há mais de sete anos?”, questionou.

“Vamos esperar um ano sabático das operações? Não faz sentido algum”.

Mendes ainda criticou pontos vitais das medidas anticorrupção conforme concebidas pela patota de Dallagnol. As regras sobre a concessão de habeas corpus, retiradas na Câmara, obedeciam a “uma concepção autoritária”.

As tais milhões de pessoas que apoiaram a iniciativa também não escaparam. “Não venham com esse argumento porque eu duvido que esses 2 milhões de pessoas tivessem consciência disso”, afirmou.

“Soube que, se você contratar o Sindicato dos Camelôs de São Paulo, consegue 300 mil assinaturas num dia”.

A Lava Jato, em sua opinião, “não precisa de licença especial” para trabalhar. “Os instrumentos que aí estão são mais do que suficientes”, declarou.

Detonou os vazamentos citando uma conversa que teve com um amigo português. “Eu disse: ‘na nossa ordem jurídica não permite, mas a gente se acostumou a essa violação’. Ele não sabia, ele achava que a nossa Constituição e as leis autorizavam esse tipo de vazamento, tantas vezes ele passando pelo Brasil havia visto isso na Rede Globo”, afirmou.

“É preciso que haja limites para isso, de forma inequívoca. É preciso que a gente chame as coisas pelo nome.”

(Ok. Você vai dizer, com razão, que se o portuga existisse teria manifestado a GM seu espanto diante da mania do ministro do STF de falar fora do autos, uma espécie de Caetano Veloso do Judiciário).

Pouco depois, o senador Lindbergh Farias ainda diria a Moro que “ninguém está acima da lei, nem o juiz, nem o senador [apontando para si próprio], nem ninguém”.

Rememorou as “prisões preventivas abusivas” e as “interceptações telefônicas ilegais”. “Sei que vossa excelência é uma figura muito importante, mas não está acima da lei”, reforçou.

O Brasil está tão de cabeça para baixo que, por um dia, Gilmar Mendes fez sentido. Não tem esse Paraguai como dar certo.



Kiko Nogueira
No DCM

Um comentário:

  1. É... mas o jornal engaNacional fez aquela ediçãozinha básica, que faz você acreditar em papai noel.

    ResponderExcluir

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.