11 de nov de 2016

Xadrez da financeirização de Trump a Temer


Não aposte no fracasso de Donald Trump. Esse americano truculento, primário, grosseiro, tem trunfos na manga para algumas mudanças fundamentais, que poderão relançar a economia norte-americana.

Poderá ser um Franklin Delano Roosevelt às avessas. Enquanto Roosevelt salvou a economia norte-americana brandindo o discurso da solidariedade, valendo-se do triunfo econômico para consagrar a democracia, Trump poderá trazer de volta o dinamismo aos EUA e consagrar a intolerância e o voluntarismo como fator determinante.

Como é uma questão intrincada, vamos por partes para compor o nosso xadrez.

Peça 1 – a financeirização no século 19

No século 19 há a internacionalização do sistema financeiro mundial, comandando a globalização do período. Instituiu-se o livre fluxo de capitais e montou-se uma articulação entre o Banco da Inglaterra e demais bancos centrais, deles para com os financistas dos países periféricos, visando conseguir o máximo de vantagens para o capital.

No início, o padrão ouro impedia jogadas especulativas mais profundas. Mas ficava a liquidez global dependendo dos humores do Banco da Inglaterra. Bastava o banco subir suas taxas para enxugar o ouro dos demais países e, consequentemente, obrigá-los a restringir as moedas em circulação - que tinham o ouro como lastro.

Essas restrições levaram ao abandono gradativo do padrão ouro, substituído pelo papel moeda e pela desregulação total dos mercados. E, aí, bolhas especulativas passaram a explodir em várias partes do planeta.

Peça 2 – os principais personagens da financeirização

O jogo político dos grupos financeiros dava-se através dos seguintes personagens, que descrevo em meu livro "Os Cabeças de Planilha":

1. O financista interno, que faz o meio campo entre os capitalistas nativos e o meio político e a ponte com o sistema bancário inglês.

2. O economista, subordinado ao financista, que se apresenta como o portador da nova ciência mundial, capaz de fazer os países atrasados se desenvolverem.

De posse desses dois ativos - recursos financeiros e a plataforma política embasada no discurso do economista -, o financista monta os pactos internos, com políticos e partidos..

3. O terceiro personagem é o político, presidente ou Ministro da Fazenda.

4. A mídia, influente nos centros de poder, mesmo para um país com apenas 5% de alfabetizados. Foi através dos jornais que Rui Barbosa ganhou sua primeira vitrine, combatendo os planos de remonetização da economia do gabinete de Ouro Preto, o último Ministro da Fazenda do Império.

Deposto o Imperador, o primeiro presidente (golpista) Marechal Deodoro da Fonseca convida Rui para Ministro da Fazenda. Sua primeira atitude foi retomar o plano de remonetização da economia, mas aí escolhendo o seu banqueiro, o Conselheiro Mayrink, espécie de Daniel Dantas da época, banqueiro sem capital que passa a controlar a emissão de moeda no país.

O resultado final são bolhas especulativas, tacadas financeiras de Rui e seus sócios e movimentos voláteis do câmbio que impedem a consolidação de qualquer tentativa de estabilidade e de industrialização. O país vai se arrastando até os anos 30.

Foi só após mais uma moratória, no início dos anos 30, o governo Vargas encontrou força para proibir definitivamente o livre fluxo dos capitais. Sem ter como se movimentar, esses capitais desceram ao reino da terra, financiando indústrias e novos empreendimentos. O Brasil começava a nascer ali.

Peça 3 - a 2ª Guerra e os regimes que venceram o financismo

Essa hegemonia massacrante do capital produziu concentração de renda por todas as partes, dificultou a ascensão econômica de países, produziu conflitos comerciais e se encerrou com a Primeira Guerra Mundial. Ganhou uma sobrevida até a crise de 1929. E foi sepultado no pós-Segunda Guerra.

Os abusos do financismo lançaram um manto de descrédito sobre o sistema democrático em todo mundo. Percebeu-se que as democracias deixavam países desarmados, ante a influência do dinheiro nas eleições, através da parceria de capitalistas locais com os internacionais e com políticos locais, deixando o país indefeso ante o capital predador.

Em três frentes houve o rompimento com a financeirização. Na Europa, com a ascensão do nazifascismo. Na Eurásia, com a ascensão do comunismo. Nos Estados Unidos, com a new deal de Roosevelt e seu plano de grandes obras públicas.

Nos três casos, os países se transformaram em potências econômicas. Mesmo a Alemanha, com as enormes dívidas de guerra, encontrou alternativas criativas que lhe permitiram adquirir matérias primas e retomar o crescimento.

A decisão sobre o melhor regime se deu nos campos de batalha.  Com a vitória dos aliados, se consolida o modelo democrático de mercado norte-americano e o comunismo soviético.

O mundo se reorganiza em torno de novas instituições, disciplinam-se os fluxos de capitais com um novo modelo cambial e criam-se instituilções para promover o desenvolvimento nas regiões mais pobres e amparar países com problemas de solvência.

Peça 4 - o neoliberalismo e os desequilíbrios sociais

As lições da Guerra encerram-se em 1972. O presidente norte-americano Richard Nixon promove a desvinculação do dólar com o ouro, reinstaurando o primado da financeirização global.

Gradativamente a desregulação financeira vai estendendo o manto da financeirização sobre os diversos países, impulsionada pelas mudanças tecnológicas e pela falência dos modelos centralizados de planejamento. Atinge o auge com a queda do Muro de Berlim e o fim da União Soviética. E não para.

As bolhas especulativas se sucedem. À bolha da prata no início dos anos 80, se sucedem as bolhas do mercado imobiliário nova-iorquino, no final dos anos 80, a bolha das montadoras, as bolhas cambiais que balançam da Inglaterra ao México, da Coreia ao Brasil, as bolhas de empresas de tecnologia. E, à frente do FED (o Banco Central norte-americano), um acadêmico, Alan Greenspan, sendo enaltecido como gênio das finanças, capaz de controlar todas as bolhas e garantir a prosperidade eterna.

O sistema financeiro passa a reciclar recursos de potentados árabes, empresários japoneses, do narcotráfico, da corrupção política e empresarial. E consolida-se valendo-se da adesão ampla com o meio acadêmico, especialmente os economistas, desenvolvendo teorias cada vez mais despregadas da realidade, visando iludir eleitores – com o bordão da “lição de casa” – e preservar os ganhos do capital.

E também se beneficia com a adesão incondicional da mídia, tanto norte-americana quanto de outros países.

Peça 5 – os efeitos da crise de 2008

Nas eleições de 2008, a mídia foi unanimemente anti-Obama. Agora, anti-Donald Trump. O que ambos têm em comum? Certamente, não as posições morais, um Obama libertário e um Trump troglodita, mas a crítica ao sistema financeiro e a ameaça ao reinado do financismo.

Mesmo assim, o financismo logrou preservar seu poder político. Quando veio a crise de 2008, um pesado manto ideológico fez com que as ações de salvamento focassem o sistema bancário, em detrimento dos demais gastos públicos, inclusive dos devedores. Mais que isso, impôs cortes fiscais draconianos em economias que afundavam, ampliando ainda mais a recessão. Desmontou estados nacionais.

Tudo isso levou a uma enorme reação global contra o sistema, basicamente o modelo financista que gerou concentração de renda, entregou a maior crise desde 1929, e ainda arrebentou com os orçamentos nacionais.

Mais que isso, a globalização das corporações promoveu a precarização do trabalho, a redução do emprego. No próprio país sede da financeirização, a lógica do capital atropelou a lógica nacional. E tudo isso era revestido por um pretenso cientificismo.

O ponto que une todas as ações antiglobalização, portanto, não é a xenofobia, o racismo explícito — presente em grupos de ultradireita e no discurso de Trump —, mas a crítica a essa financeirização.

O mundo racional, cartesiano, intelectual, obedecia a um pêndulo que ora gerava políticas mais nacionais, ora políticas mais internacionalizantes. Com os exageros de mercado, nos Estados Unidos a bola da vez caiu no colo da malta, tangida por discursos racialistas.

Peça 6 - o desafio de Trump

A subordinação total à financeirização, criou uma falsa ciência, com tantos absurdos, que bastará romper com seus dogmas para revitalizar as economias.

Há uma grande possibilidade da política econômica de Trump ser bem-sucedida, se romper de vez com a financeirização. Caso comprometa o orçamento público com investimentos pesados em infraestrutura, práticas industriais protecionistas e outros recursos antiglobalização, conquistará uma vitória maiúscula para seu país, e problemas para o resto do mundo.

Se vingarem suas propostas de política externa, reduzirá drasticamente as intervenções norte-americanas no mundo, principais responsáveis pelas guerras e pelos êxodos globais.

A eventualidade de seu sucesso ampliará as práticas protecionistas por todo o planeta. E Trump poderá ser o grande inspirador dos racistas, xenófobos, intolerantes por todos os pontos do planeta.

O modelo do cowboy solitário que se impõe, pela vontade, sobre partidos políticos e sobre o sistema será um referencial perigosíssimo para os avanços dos direitos sociais.

Peça 7 - o neoliberalismo à brasileira

No Brasil, no momento em que se resolvesse a questão da dívida pública e dos juros pagos pelo Tesouro, a recuperação da economia seria questão de meses. A política monetária do Banco Central, 14% de taxa básica de juros para uma economia que amarga a maior depressão da história, não é apenas um erro de análise: é crime. Se um dia houver um tribunal para julgar os grandes crimes financeiros da história, não isentará um dirigente de BC brasileiro desde Francisco Gros a Ilan Goldjan — o criador da planilha das metas inflacionárias.

Mais que isso, o eventual sucesso de Trump poderá demonstrar que o sistema de freios e contrapesos das democracias acabou criando freios demais, tornando as democracias disfuncionais e exigindo o estadista capaz de atropelar leis, constituição, separação de poderes.

E o maior exemplo da crise da democracia está aqui mesmo, com um Ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Luis Roberto Barroso, defendendo o estado de exceção, um mero procurador do Tribunal de Contas definindo políticas fiscais, um juiz de primeira instância e procuradores regionais atropelando direitos básicos, em cima do vácuo do Supremo. E, principalmente, um golpe que resultou na ampliação da falta de rumo, das benesses financeiras em um momento em que a potência hegemônica do capitalismo financeiro diz não.

A eleição de Trump é o ponto de não retorno. O que virá daqui em diante é uma incógnita ampla, que passa pelo reposicionamento estratégico da China, pela maneira como a União Europeia irá se comportar, pelos impactos sobre o comércio global e, principalmente, sobre as maneiras como a democracia irá se modificar, para ser preservada. 

E, em todos os campos institucionais, o Brasil irá para essa guerra armado com personalidades públicas de pequena dimensão, Michel Temer, Eliseu Padilha, Geddel, Henrique Meirelles, José Serra, FHC, Luis Roberto Barroso, Rodrigo Maia, Carmen Lucia, Rodrigo Janot, nenhum à altura dos grandes desafios que se apresentam em seus campos.

Aumentam as possibilidades de uma solução bonapartista em 2018.

Luís Nassif
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.