21 de nov de 2016

Moreira Franco, o ‘czar’ das privatizações de Temer na mira de Cunha

Peemedebista tem 25 bilhões de reais para distribuir em financiamentos a empresários


Se alguém quiser tirar do rumo o secretário do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) do Governo Michel Temer, Moreira Franco, basta citar o nome de um político: Eduardo Cunha, o maquiavélico ex-deputado federal do PMDB preso pela Operação Lava Jato sob suspeita de corrupção. Escolhido para ser a primeira vidraça contra quem Cunha mirou sua artilharia, ainda antes de estar detido em Curitiba, Moreira Franco se esforça para não mudar sua fisionomia ou alterar o tom de voz quando tem de tratar de seu correligionário. Um esforço inócuo.

Diz que tudo o que Cunha tem dito sobre ele são “insinuações malévolas” e que não há nenhum lastro de verdade. “A minha indignação é santa”. Por que, então, foi o eleito para ser o primeiro alvo de Cunha, um potencial delator da Lava Jato? “Essa pergunta você tem de fazer para ele”, responde rispidamente o secretário, ao El País.

Um dos principais aliados de Michel Temer desde a década de 1990, Moreira Franco é um dos homens-fortes da gestão, ao lado de Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Romero Jucá (defenestrado do Ministério do Planejamento por causa da Lava Jato e agora reinstalado como líder do Governo no Senado). Ganhou posição estratégica no Governo empossado em maio, virou o czar das privatizações, carregando para si a responsabilidade de gerenciar um orçamento de aproximadamente 25 bilhões de reais. O valor será usado em financiamentos a serem distribuídos para empresas privadas que participarem das licitações dos programas de privatizações e concessões no Brasil. Até o momento, 34 projetos foram apresentados e os primeiros resultados devem começar a surgir em meados de 2017.

Vidraça desde setembro

À diferença de Geddel, agora no meio do tiroteio por causa das declarações do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de que agiu para obter benefício pessoal em uma decisão ligada à sua pasta, Moreira Franco virou vidraça já em setembro, quando foi citado por Eduardo Cunha como o beneficiário em um esquema ilegal relacionado ao Fundo de Investimentos do FGTS. Já um ex-diretor da Odebrecht, preso pela Lava Jato que negocia delação, diz que ele teria recebido em propinas 3 milhões de reais para enterrar o projeto que previa instalar um aeroporto na cidade de Caieiras, no interior de São Paulo. Na época, ele era o ministro da Secretaria da Aviação Civil de Dilma Rousseff e discutia a concessão de um terceiro aeroporto particular na Grande São Paulo que seria tocado pela Andrade Gutierrez e pela Camargo Corrêa, ambas acusadas pela operação. Sobre a Odebrecht, o secretário também diz se tratar de uma "mentira afrontosa".

Oficialmente ele não é investigado pela polícia ou pelo Ministério Público, nem foi chamado para explicar qualquer declaração feita contra si. “Essas afirmativas não são de algumas pessoas, como se quer divulgar. Elas têm nome e sobrenome. São de quem montou esse esquema, o Eduardo Cunha. Não tenho nada a ver com isso”. Especificamente sobre o imbróglio do aeroporto, Franco nega ter recebido propina afirma que, enquanto ministro, ele só cumpriu a legislação nacional que impedia a construção desse equipamento.

As desavenças com Cunha se iniciaram porque Moreira Franco teria trabalhado para eleger Rodrigo Maia (DEM-RJ), e não Rogério Rosso (PSD-DF), para suceder o peemedebista na presidência da Câmara. Maia é casado com uma enteada de Franco e Cunha acredita que a relação pessoal deles pesou na hora do Governo Temer apoiar um candidato do DEM e não um apadrinhado seu, do “centrão”.

De "gato angorá" a camaleão

No Congresso Nacional, Franco coleciona dezenas de aliados e pouco mais de uma dúzia de inimigos. Depois que acumulou superpoderes em sua secretaria (que ainda não lhe dá o título de ministro nem o foro privilegiado das autoridades públicas), o número de confrontadores parece ter diminuído. “Qual governista vai querer brigar contra o cara que pode distribuir rios de dinheiro para a iniciativa privada? Só quem não tem amor por si mesmo”, diz um deputado do PMDB que diz não ter simpatia pelo chefe do PPI.

“Ele é desses que sempre esteve no poder. O seu lado é o do Governo da hora”, dispara um dos adversários no Congresso. Militante na esquerdista e opositora Ação Popular durante a ditadura militar, o sociólogo Moreira Franco foi influenciado pelo então sogro, o senador Amaral Peixoto, para se filiar ao MDB no Rio de Janeiro. Assim que entrou na política, ganhou a alcunha de “genro do genro”. Peixoto era casado Alzira Vargas, filha do ex-presidente da República Getúlio Vargas.

Na década de 1970 foi deputado federal e prefeito de Niterói pelo partido, mas em 1980, quando acabou o bipartidarismo, migrou para a legenda que dava sustentação ao regime militar, o PDS. A justificativa era de que houve uma desavença interna que fez com que todo o seu grupo político virasse a casaca.

Pelo PDS, disputou a eleição para o Governo do Rio, em 1982 e perdeu para Leonel Brizola (PDT). Aquele pleito ficou marcado pela suspeita de que o candidato do regime, Moreira Franco, seria beneficiado por uma fraude que o favoreceria. Dois anos mais tarde, retornou ao PMDB e em 1986, elegeu-se governador. Nos anos, 1980 Brizola o apelidou de “gato angorá”, por conta da cabeleira branca e por, segundo seu adversário, passar de colo em colo. Na década de 1990, seu amigo, Luís Eduardo Magalhães (deputado federal baiano) o chamava de “anjo mau”, por mapear as intrigas do Planalto Central.

Na esfera federal, além de ser deputado em três ocasiões, Moreira Franco foi assessor especial de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), vice-presidente da Caixa na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ministro das Secretarias de Assuntos e Estratégicos e de Aviação Civil de Dilma Rousseff (PT). O término de sua participação na gestão de Rousseff, porém, foi o que marcou o seu futuro. O brusco rompimento com a petista trouxe mágoas que o transformaram em um dos principais articuladores do impeachment dela junto a congressistas. O próprio Temer, que o usava como um porta-voz informal, o incumbiu da função de agir nos bastidores para derrubar a petista.

Em uma recente reportagem do jornal Folha de S. Paulo, recebeu um novo apelido, o de camaleão. O que ele refuta com a mesma ênfase que rebate Cunha. “Sempre ocupei cargos pelo meu partido, o PMDB. A ida para o PDS foi uma questão política local”.

Enquanto o relógio da contagem regressiva de uma possível delação dos diretores da Odebrecht e do próprio Cunha já está em curso, Moreira Franco tem algo importante em que se fiar. Se não tem as benesses de foro privilegiado dos ministros de Estado, ao menos conta com amplo apoio da maior autoridade do Brasil. Assim que as primeiras pedras contra Franco foram lançadas, Temer logo disse que até agora nada existia contra seu auxiliar. Eram apenas “alegações” que não haviam sido comprovadas. A confiança é tamanha que a sala usada pelo secretário hoje é a mesma que Temer usava até maio, a da Vice-Presidência da República.

Afonso Benites
No El País

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.