6 de nov de 2016

Clinton & Estado Islâmico financiados pelo mesmo dinheiro – Não permitirão a vitória de Trump: As máquinas de votar são programadas a fim de roubar eleições


No segundo excerto de John Pilger Special, a ser difundido exclusivamente pela RT no próximo sábado por cortesia da Dartmouth Films, Julian Assange acusa Hillary Clinton de enganar os americanos quanto ao verdadeiro âmbito do apoio ao Estado Islâmico por parte de Washington e dos seus aliados do Médio Oriente.

Num email de 2014 publicado no mês passado pela WikiLeaks de Assange, Hillary Clinton, que foi secretária de Estado até o ano passado, insta John Podesta, então conselheiro de Barack Obama, a “fazer pressão” sobre o Qatar a Arábia Saudita, “os quais estão a fornecer apoio financeiro e logístico clandestino ao ISIL [Islamic State, IS, ISIS] e outros grupos sunitas radicais”.

“Penso que este é o email mais significativo de toda a colecção”, afirmou Assange, cujo sítio de denúncias divulgou três conjuntos de emails relativos à Clinton durante o ano passado, contou Pilger numa entrevista exclusiva, cortesia da Dartmouth Films .

“Todos os analistas sérios sabem, e até o governo dos EUA concordou, que algumas figuras sauditas têm estado a apoiar o ISIS e a financiar o ISIS, mas a trapaça era sempre que alguns príncipes “patifes” utilizando o seu dinheiro do petróleo fazer o que querem, mas que o governo realmente desaprova. Mas aquele email diz que é o governo da Arábia Saudita e o governo do Qatar que têm estado a financiar o ISIS”.

Assange e Pilger, que se sentaram para a sua entrevista de 25 minutos na Embaixada Equatoriana em Londres, onde o denunciante está refugiado desde 2012, conversaram acerca do conflito de interesses entre o posto oficial da Clinton, mantido durante todo o primeiro mandato de Obama, a [organização] não lucrativa do seu marido e os responsáveis do Médio Oriente, cujo desejo declarado de combater o terrorismo pode não ter sido sincero.

John Pilger: Os sauditas, os qataris, os marroquinos, os bahrainitas, particularmente os dois primeiros, estão a dar todo este dinheiro para a Fundação Clinton, enquanto Hillary Clinton é secretária de Estado, e o Departamento de Estado está a aprovar vendas maciças de armas, particularmente para a Arábia Saudita.

Julian Assange: Sob Hillary Clinton – e os emails de Clinton revelam uma discussão significativa disto – o maior negócio de sempre do mundo sobre vendas de armas foi efectuado com a Arábia Saudita: mais de US$80 mil milhões. Durante o seu mandato, o total de exportação de armas dos EUA duplicou em valor de dólares.

John Pilger: “Claro, a consequência disto é que este notório grupo jihadista, chamado ISIL ou ISIS, é criado em grande medida com dinheiro de gente que está a dar dinheiro para a Fundação Clinton?

Julian Assange: Sim.

Pilger também questionou Assange acerca de acusações cada vez mais frequentes do campo de Clinton, e dos media ocidentais, de que a WikiLeaks procura inclinar a eleição presidencial da próxima semana em favor de Donald Trump – talvez por ordem da Rússia.
Mas Assange considerou como improvável a perspectiva de Trump, o qual está para trás nas pesquisas, sair vitorioso – e não necessariamente por não ter as boas graças do eleitorado.

“Minha análise é que não seria permitido a Trump que vencesse. Por que digo isto? Porque ele tem todo o establishment distante do seu lado. Trump não tem um establishment, com a excepção talvez do evangélicos, se é que se pode chamá-los de establishment”, disse Assange. “Bancos, [serviços de] inteligência, companhias de armas, dinheiro estrangeiro, etc estão todos por trás de Hillary Clinton. E os media também. Os proprietários dos media e os próprios jornalistas”.


Maior fraude eleitoral na história descoberta nos Estados Unidos


Vídeo chocante revela software secreto projetado para eleger eleições

Bev Harris expõe máquinas de votação eletrônica

Por Jon Rappoport

(Para ler sobre a mega-coleção de Jon, Power Outside The Matrix, clique aqui.)

OK. Ela finalmente fez isso. Na segunda-feira, Bev Harris (blackboxvoting.org), o grande investigador da fraude de votos, apareceu no show de Alex Jones e colocou tudo para fora. O sistema de fraude de voto GEMS, “magia de fração”, a forma como o voto está sendo roubado. Não apenas na teoria, mas na verdade. Ouça toda a entrevista e divulgue a notícia. As descobertas de Bev são surpreendentes. Abaixo do vídeo está a peça original que eu fiz sobre isso no início deste mês.¹





Como as máquinas de votar são programadas a fim de roubar eleições. – Elas não contam os votos como números inteiros!

“Especialistas” (leia-se “apoiantes de Hillary”) dizem aos americanos que a fraude eleitoral é rara nos EUA. Os americanos também são erradamente informados de que a fraude no ato de votar seria detectada. A verdade é, como agora foi provado, que para isso não é preciso nenhuma vasta conspiração. Basta uma só pessoa para por a máquina a contar os votos tal como o desejado. Uma vez que o voto é registado, o código apaga os elementos que revelariam a fraude. Denuncia Paul Craig Roberts.

High Alert: a eleição ainda pode ser manipulada

Votos contados como frações em vez de números inteiros

… Surpreendentemente, o sistema de manipulação de votos descrito não tem recebido atenção generalizada. O sistema pode ser usado em todo os EUA.

Como sabemos, há uma série de maneiras de criar uma eleição. Bev Harris, em blackboxvoting.org, está explorando uma “folha de fraude” específica que tem vastas implicações para a competição Trump vs. Hillary.

É um sistema de contagem de votos chamado GEMS.

Peço-lhe para mergulhar em sua série de várias partes, Fração Mágica (Parte-1 aqui). Aqui estão as principais citações de Harris. Elas são todas chocantes:
“Nosso teste [de GEMS] mostra que um voto pode ser contado 25 vezes, outro apenas um milésimo de um tempo, efetivamente para converter alguns votos para zero.”

“Este relatório resume os resultados da nossa revisão do sistema de gestão de eleições GEMS, que conta aproximadamente 25 por cento de todos os votos nos Estados Unidos. Os resultados deste estudo demonstram que uma característica de voto fracionário está embutida em cada aplicação GEMS que pode ser usada para de modo invisível, mas radicalmente, alterar os resultados eleitorais por pre-definidas porcentagens de voto desejadas para redistribuir votos. Esta adulteração não é visível para os observadores eleitorais, mesmo que eles estejam de pé na sala e observando o computador. É improvável que o uso do recurso de voto decimal seja detectado através de procedimentos de auditoria ou de pesquisa e pode ser aplicado em grandes jurisdições em menos de 60 segundos”.

“Os sistemas de contagem de votos da GEMS são e têm sido operados sob cinco nomes comerciais: Sistemas Eleitorais Globais, Sistemas de Eleição Diebold, Sistemas Eleitorais Premier, Sistemas de Votação Dominion e Sistemas Eletrônicos e Software, além de uma série de subcontratados regionais privados. No momento em que escrevo este artigo, este sistema é usado em todo o estado no Alasca, Connecticut, Geórgia, Mississippi, New Hampshire, Utah e Vermont e para condados no Arizona, Califórnia, Colorado, Flórida, Illinois, Indiana, Iowa, Kansas, Kentucky, Massachusetts, Michigan, Missouri, Ohio, Pensilvânia, Tennessee, Texas, Virgínia, Washington, Wisconsin e Wyoming. Também é usado no Canadá.”

“Em vez de ‘1’, o voto pode ser 1/2, ou 1 + 7/8, ou qualquer outro valor que não seja um número inteiro.”
“Ponderar uma corrida [através do uso de GEMS] elimina o princípio de “uma pessoa – um voto” para permitir que alguns votos sejam contados como menos de um ou mais do que um. Independentemente do que os votos reais são, os candidatos podem receber um determinado percentual de votos. Os resultados podem ser controlados. Por exemplo, ao candidato A pode ser atribuído 44% dos votos, as candidato B 51%, e as candidato C o resto.”

“Todas as evidências de que os valores fracionários [manipulados] já existiam [no sistema GEMS] podem ser removidos instantaneamente até mesmo do banco de dados subjacente usando uma configuração nas tabelas de dados do GEMS, caso em que mesmo instruindo o GEMS para mostrar os decimais [manipulados] falhará ao revelar que eles foram usados.”

“Código fonte: instruções para tratar votos como valores decimais em vez de números inteiros [ou seja, ajustagem] são inseridos várias vezes no próprio código-fonte GEMS; Assim, este recurso não pode ter sido criado por acidente.”
Um contato que, até agora, aparentemente deseja permanecer anônimo afirma o seguinte sobre a história do sistema GEMS:

“A parcela fracionária do voto [ajustado] traça diretamente a Jeffrey W. Dean, cuja esposa era acionista preliminar da companhia que desenvolveu GEMS. Ele dirigiu a empresa, mas foi proibido de lidar com o dinheiro ou os cheques devido a uma condenação criminal por fraude de computador, que lhe rendeu 4 anos na prisão. Quase imediatamente após ter sido libertado da prisão, foi-lhe concedido acesso íntimo a dados eleitorais e contratos governamentais de grande envergadura para a impressão de cédulas e processamento de cédulas”.

Não vejo nenhum esforço por parte do governo federal, dos governos estaduais ou da imprensa convencional para investigar o sistema GEMS ou responder à extensa análise de Bev Harris.

Não é como se os meios de comunicação não soubessem disso. De shesource.org, aqui está um trecho de sua biografia:

“Harris foi referido como “a madrinha” do movimento de reforma eleitoral. (Globo de Boston). A revista Vanity Fair lhe credita com a fundação do movimento para reformar a votação eletrônica. A revista Time chama seu livro, Black Box Voting, ‘a bíblia’ do voto eletrônico… As investigações de Harris levaram alguns a chamá-lo de ‘Erin Brockovich das eleições’ (Salon.com) … Harris supervisionou cinco ‘demonstrações hack’ em campo, usando máquinas de votação reais. Estas foram cobertas pela Associated Press, pelo Washington Post e em relatórios formais do Escritório de Contabilidade Geral dos Estados Unidos… ”

Até agora, sua análise do GEMS parece ser rotulada como “muito quente para lidar.” Relatórios da imprensa preferem relatar o slinging de lama de ambos os campos dos candidatos presidenciais. Enquanto isso, os resultados reais das próximas eleições – incluindo as corridas do Congresso – parecem estar a ganhar, dependendo de quem controla o GEMS.

Atualização: Pelo que eu entendo, cada governo do estado nomeia um “consultor” para gerenciar GEMS na noite das eleições. Essa pessoa seria capaz de manipular o voto.²

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: ¹ RT.com, Autor: John Pilger | ² Autor: Jon Rappoport

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.