30 de out de 2016

Uma eleição para a esquerda lembrar sempre

http://www.revistaforum.com.br/blogdorovai/2016/10/30/uma-eleicao-para-a-esquerda-lembrar-sempre/

crivela 

Os resultados que brotam das urnas na noite de hoje, somados aos que já haviam sido confirmados no dia 2 de outubro, levam o Brasil para uma das suas maiores guinadas de direita.

O PT foi disparado o grande derrotado. Mas os outros partidos progressistas não conseguiram avançar sobre o seu eleitorado. Ao contrário, também foram muito mal.

Neste segundo turno, o PT, por exemplo, perdeu todas as cidades que disputou, incluindo Anápolis e Santa Maria, onde tinha boas chances de vitória. Mas também se deu mal em Mauá, Recife, Santo André, Vitória da Conquista e Juíz de Fora.

Em Santo André, a derrota foi algo pra lá de fora da curva para um segundo turno. O candidato tucano, Paulo Serra, teve 80% dos votos. Contra apenas 20% do petista e atual prefeito Carlos Grana.

O PCdoB só disputou duas eleições neste segundo turno, em Contagem e Aracaju. Perdeu feio na primeira, onde Carlin Moura disputava a reeleição. E ganhou em Aracaju, numa virada heroica de Edvaldo Nogueira.

O PSOL perdeu nas três cidades que disputou o segundo turno, no Rio de Janeiro, Belém e Sorocaba. E sai desta eleição com apenas duas vitórias. Em Janduis e Jaçana, cidades muito pequenas e ambas no Rio Grande do Norte.

É verdade que há prefeitos progressistas que se elegeram por outros partidos, principalmente pelo PDT, PSB, Rede e PSB, como Roberto Cláudio de Fortaleza.

Mas o resultado geral é desastroso. E não é inteligente e muito menos justo atribuí-lo à ingratidão ou a burrice do povo.

O resultado é parte de um processo político dos mais duros da história do Brasil. Um processo de golpe judiciário-midiático-parlamentar por um lado, mas também que é fruto dos erros cometidos de formas diferentes e não proporcionais, mas por todos os partidos mais à esquerda.

O resultado desta eleição em um primeiro momento parece ser algo para esquecer. Mas na verdade deve ser o contrário, precisa ser lembrada para sempre.

Muito provavelmente ele não se repetirá em 2018 dessa forma, porque o tamanho do campo progressista é maior do que as urnas deste ano apontaram.

E também muito provavelmente não se repetirá porque a safra de novos prefeitos que sai dar urnas é uma das piores de nossa história e isso provavelmente vai produzir péssimos resultados para a cidade e para o país.

Quando se ganha de forma tão maiúscula numa eleição e o povo não recebe o que espera, ele costuma ser muito duro no pleito seguinte.

Ou seja, não é absurdo pensar em começar a trabalhar desde agora para sair da crise ali na esquina, em 2018.

Mas isso vai depender muito de como os movimentos sociais vão se organizar para resistir ao que virá.

A chave do novo não está nas mãos dos partidos mais à esquerda. De nenhum deles. Todos estão muito debilitados.

O novo terá que brotar de outros lugares. E a partir de novas construções políticas. Que pode até renovar esses atuais partidos ou levar a construção de uma nova plataforma eleitoral.

Mas a derrota de hoje precisa ser lembrada como um marco pela esquerda, de que fazer política é muito mais complexo do que parece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.