2 de out de 2016

Aumento da violência coincide com a exaltação propagada pelo país

O total é incerto, o que tanto atesta a precariedade da informação do Brasil sobre o Brasil, como sugere a gravidade da onda de candidatos e pré-candidatos assassinados no período eleitoral que neste domingo chega às urnas. A violência contra pretendentes eleitorais é tão antiga aqui quanto as eleições, sem sequer se limitar à agressão física: o longo domínio do sistema de trapaças, com a "eleição no bico de pena", justificou até uma revolução, em 1930. Nem por isso os atentados deixaram de existir. Nessas eleições, porém, as mortes já computadas no noticiário deram um salto tão brusco quanto inexplicado.

Nos municípios que circundam a cidade do Rio, na chamada Baixada Fluminense, as milícias integradas por policiais e ex-policiais são apontadas como responsáveis pelos homicídios que, só ali, rondariam a metade dos casos noticiados. Como explicação, não serve nem para a Baixada só. Há dois anos houve as eleições que influem no sistema de segurança, por serem de governadores, e não ocorreu salto na criminalidade dos milicianos interessados no resultado. As eleições de agora são municipais, sem influência na repressão a milícias e seus negócios. O mesmo se pode presumir sobre a ação das milícias nos outros 12 ou mais Estados com violência eleitoral extremada.

Certo é que o aumento da violência relacionada com as eleições coincide com a exaltação propagada pelo país todo. Mais até, sua elevação em número e em vítimas acompanha o processo iniciado na raivosa campanha de 2014 e, visto o resultado das urnas, sempre mais extremado e irado no decorrer dos dois anos até aqui.

Parece não ser ocasional a onda de assassinatos e atentados políticos. Tem tudo de um sintoma a mais, e com eloquência alarmante, de uma situação que se agrava em muitos sentidos, sob atenção de poucos e providências de ninguém.

Duas vezes

Gilmar Mendes piorou. Passou muito da grosseria, ao chamar publicamente de vergonhoso o ato, sem qualquer deslize moral, de outro ministro do Supremo.

Tem história essa colérica opinião de Gilmar Mendes sobre a divisão do impeachment de Dilma, decidida pelo Senado e admitida pelo ministro Ricardo Lewandowski, em perda do mandato e nos mantidos direitos políticos. Nomeado para o Supremo por Fernando Henrique, Gilmar Mendes tinha sido assistente jurídico de Collor então presidente. O plano de defesa contra o impeachment de Collor consistiu em esperar quanto possível e, se encaminhada a perda do mandato, precipitar a renúncia. Assim seriam preservados os direitos políticos do ex-presidente.

Surpreendidos, os senadores recusaram-se a suspender seu pronunciamento e, não podendo mais votar o impeachment, decidiram dar as duas punições por separadas: aprovaram, isoladamente, a cassação por oito anos. A grande esperteza jurídica deu em vexame.

No julgamento de Dilma, o Senado seguiu a separação anterior das punições e Lewandowski, presidindo a sessão, admitiu-a. O Senado cassou o mandato e manteve os direitos. Outra derrota para a estratégia indicada a Collor.

Indigesto

Lá pelo começo de setembro, Aécio Neves ameaçou o rompimento do PSDB com o governo, se a reforma da Previdência não chegasse ao Senado ainda naquele mês. Geddel Vieira Lima respondeu pelo governo: pois não, o projeto será mandado em setembro — no dia 30, sexta-feira. Aécio teve que engolir.

Antevéspera das eleições, não seria o PMDB a jogar nas manchetes e TVs uma bomba contra direitos dos assalariados/eleitores. Sexta-feira, nem telefonema para o Senado, quanto mais reforma da Previdência. Aécio Neves terá que engolir. O bolo do governo e a ameaça.

Janio de Freitas
No fAlha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.