14 de set de 2016

A dobradinha PF-imprensa comete mais um assassinato


A Globonews acaba de prender uma pessoa que continua  solta. Como se dá esse fenômeno?

A Globonews dá a manchete:

"Sobrinho do governador Fernando Pimentel está preso em São Paulo pela Operação Acrônimo".



Neste exato momento, o sobrinho em questão, Felipe Torres, está dando expediente normal no seu trabalho. É facilmente localizável nos telefones habituais.

Sobrinho da primeira esposa do governador Fernando Pimentel, Torres foi praticamente criado pelo tio. Abandonou uma carreira de executivo do setor privado em São Paulo e foi a Belo Horizonte assessorar Pimentel. Uma de suas primeiras medidas foi afastar Benedito Rodrigues Oliveira Neto, o Bené. Suspeitava-se que Bené estaria montando operações suspeitas utilizando o nome do governador.

Tempos depois, Bené foi preso em uma operação da PF e recorreu ao instituto da delação premiada.

Aí começa o jogo político:

1. Sai notícia em jornal acusando Pimentel de ter se tornado sócio de um restaurante de Torres. A única fonte da notícia era Bené. Nenhuma prova, nenhuma evidência maior.

2. Os advogados de Torres solicitam acesso à delação. No dia 20 de julho o juiz federal instrutor Gustavo Pontes Mazzocchi encaminha a ordem à Superintendência de Política Federal e ao STJ (Superior Tribunal de Justiça). A resposta é que não havia nenhuma ação em tramitação contra Torres. Mesmo assim, ele se coloca à disposição para qualquer esclarecimento.

3. Hoje estoura a 7ª Etapa da Operação Acrônimo. Todos os jornais online divulgam a notícia da condução coercitiva de Torres a São Paulo para depor. Não havia. Ele apenas foi convidado a depor agora à tarde, em Belo Horizonte, sem ser de forma coercitiva.

A Globonews noticia sua prisão. E ele em Belo Horizonte, dando expediente normal.

Felipe Torres garante que nada será encontrado contra ele. Ele teria as comprovações de que investiu sozinho no restaurante e depois o revendeu para a própria empresa franqueadora.

Há uma possibilidade de ele ser culpado; outra possibilidade, de ele ser inocente. E se for inocente? E se o tal Bené meramente o incluiu na delação por vingança ou para atender a propósitos políticos dos investigadores?

Pouco importa. Sua imagem já foi exposta na mídia, consumado o assassinato de reputação. Se nada for apurado contra ele, mais à frente, haverá apenas uma sentença inocentando-o no tribunal de Justiça. Ou então o MPF simplesmente não procedendo à acusação. Na mídia, continuará condenado. E sem nenhum constrangimento para os que montaram a armadilha, nem delegados, nem repórter, nem o jornalismo da Globonews e de outros jornais.

Quem ousar afirmar que se vive um estado de direito, mente.

Luís Nassif
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.