2 de ago de 2016

“Preto” ou “negro”? O vídeo viral que levantou um debate semântico




Qual o palavra correta para se referir aos, digamos, afrodescentes, “negro” ou “preto”? Embora a primeira seja usada corriqueiramente, inclusive em documentos oficiais e acadêmicos, para o músico e ativista ganês radicado no Brasil Nabby Clifford, “preto” é o único termo aceitável.

“Um país, o Brasil, usa palavras como lista negra, dia negro, magia negra, câmbio negro, vala negra, mercado negro, peste negra, buraco negro, ovelha negra, a fome negra, humor negro, seu passado negro, futuro negro. Não deveria chamar uma criança de negro (…). Pega o dicionário de língua portuguesa, está escrito: negro quer dizer infeliz, maldito. Brasileiro quando valoriza alguma coisa não fala negro, ele fala preto.”

“Ele não come feijão negro, come feijão preto, o carro dele não é carro negro, o carro dele é carro preto, ele não toma café negro, toma café preto, a fome é negra, quando ganha na loteria, ganha uma nota preta. Se branco não é negativo, preto também não é negativo.

Mas negro não, negro é palavra 100% negativa, e atrasa, isso causa morte, causa miséria, doenças. Já que o mundo mudou, vamos mudar nossa linguagem também”, diz Clifford, em um vídeo que está com quase seis milhões de visualizações na página TupiVox no Facebook.

A repercussão do vídeo provocou elogios mas também dúvidas a respeito de qual palavra seria a mais adequada.

Uma pesquisa rápida sobre a militância racial permite ver que o termo “negro” e usado amplamente. Coletivos e grupos organizados assumem a palavra no nome e em textos. Por outro lado, é crescente o uso de “preto”, embora a palavra soe estranha a quem está fora da militância.

Em busca de respostas mais consistentes, recorri à amiga e ativista Mirtes Santos, do Coletivo Negrada. “Os negros que não estão no movimento e não compreendem o que o Clifford falou repudiam o ‘preto’, pois a palavra sempre foi usada como forma de agredir a identidade negra. O termo preto está sendo ressignificado”, explica Mirtes.

Contudo, esse processo não implica na repulsa à palavra “negro” nos moldes que os norte-americanos fizeram com “nigger”. A “n-word”, como eles chamam, era usada corriqueiramente, mas com o avanço das lutas dos movimentos pelos direitos civis foi desconstruída a ponto de se tornar tabu.

Talvez isso não venha a acontecer no Brasil, para desgosto de Clifford. O mais provável é que as duas palavras coexistam, porém sem a carga negativa que o racismo estrutural incrustou.

Inclusive, expressões como “dia de preto”, “coisa de preto” ou “a coisa está preta” mostram que a palavra “preto” pode sim ser usada para perpetuar conceitos racistas.

E por mais que a palavra seja ressignificada e tenha seu sentido empoderado, dependerá do contexto para transmitir a mensagem completa, como mostram esses dois tweets que achei enquanto pensava no texto e via Lewis Hamilton vencer o GP da Alemanha.

“E mais uma história de um preto que vence! Parabéns Lewis Hamilton…”;  “na boa nunca vi um preto tão charmoso, deve ser o unico tbm né .. Lewis Hamilton”

O primeiro é um exemplo do uso inofensivo e empoderado de “preto”. Já o segundo, nem precisou de termos pejorativos para transbordar racismo.

Marcos Sacramento
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.