14 de ago de 2016

Ferrar-se

O Ano do Brasil na França (2005, por aí) foi um sucesso. Tanto que, quando veio ao Brasil, num encontro com um barão da nossa imprensa, o coordenador do evento estranhou a ausência de qualquer notícia, aqui, sobre o que acontecia lá, onde nossos artistas e produtos eram bem promovidos, numa iniciativa conjunta dos governos brasileiro e francês. E ouviu do seu interlocutor uma explicação sucinta, contada por ele mesmo:

— Eu quero que o Lula se ferre.

“Se ferre”, claro, não foi exatamente o verbo usado. O verbo substituído exprimia o sentimento de parte da grande imprensa nacional e boa parte do nosso patriciado, para quem um governo do PT bem-sucedido era uma ameaça trifurcada: à ortodoxia liberal deixada pelo Fernando Henrique, ao desejado Estado mínimo, minado por um assistencialismo desenfreado, e à normalidade democrática (ou seu atual arremedo), com um PT eternizado no poder e monopolizando a vida política no país por muitos anos. A reeleição da Dilma e a perspectiva de ela ser substituída no poder pelo Lula em 2018 tornaram mais urgente a necessidade de frear, ou ferrar, o PT.

Durante muito tempo, quando as coisas se acalmarem, se discutirá se o PT foi ferrado ou ferrou-se sozinho, sucumbindo à tentação do dinheiro fácil do propinato, sem o consolo de não ser o único. O PT limpo continua, talvez até tenha futuro, mas o fato é que o desejo do tal barão da imprensa (que já morreu) se realizou.

Tese

Ouvi uma tese que parece doida mas não deixa de ter sentido — ou um sentido doido, como todas as teses conspiratórias. Seguinte: o Donald Trump estaria fazendo todo o possível para perder as eleições. Ninguém mais do que ele teme a sua vitória. Assim, tudo o que ele está fazendo e dizendo como candidato à Presidência dos Estados Unidos (culminando com sua pouco sutil sugestão de que a Associação Nacional do Rifle cuide de Hillary, supostamente com um rifle) não é excentricidade ou demência, é pânico. Como a velha piada do Groucho Marx — me recuso a ser sócio de um clube que aceita gente como eu — Trump não quer ser presidente de um país governado por alguém como ele.

Luís Fernando Veríssimo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.