24 de jul de 2016

Regulamentação da Mídia | Justificando Entrevista Yuri Carajelescov


O Justificando Entrevisa recebe o Professor da Fundação Getúlio Vargas Yuri Carajelescov para uma conversa sobre assunto que é tabu no Brasil: a regulamentação da mídia audiovisual, a qual está sob controle de 05 famílias alinhadas a uma uniformidade de pensamento e com amplo poder.

Por isso, falar sobre regulamentação de um oligopólio - faixa de mercado nas mãos de pouquíssimas pessoas - é algo delicado quando os maiores afetados são empresas com capacidade incrível de difundir sua opinião, no caso taxando essa medida de "censura". Yuri alerta, no entanto, que atualmente não há mais censura estatal, mas sim privada, como quando linhas editoriais das próprias empresas de comunicação barram um material por não atender aos fins privados e comerciais - "Quem censura os meios de comunicação são os próprios meios de comunicação, que são dominados por interesses muito claros".

São empresas que usufruem do espaço público do ar, pois captam e exploram campos eletromagnéticos finitos. Para poderem fazer isso, em tese, deveriam participar de licitações, mas a realidade brasileira mostra que as licenças são renovadas infinitamente, de forma parecida, como lembra Yuri, às sesmarias, isto é, direitos hereditários sobre bens públicas.

Na Argentina, o governo resolveu abrir a caixa preta e participar do debate sobre regulamentação das empresas de telecomunicação. "Para haver isso, houve uma ampla discussão. Para você ter uma ideia, quando o projeto foi apresentado ao Congresso argentino, para levá-lo simbolicamente foram 50 mil pessoas à frente do Parlamento" - lembra Yuri. No Brasil, a legislação é de 1962, com alguns remendos feitos durante a Ditadura militar, uma das grandes responsáveis pelo oligopólio da mídia, sob o pensamento de unificação de um país.

A unificação, no contexto brasileiro, ocorre numa mídia que pensa em sintonia. "Você muda de canal, o comentarista, mas a linha é basicamente a mesma. Ou seja, esses meios de comunicação formados por empresas familiares que ja estão arraigadas há muitos anos, são, na verdade, uma forma de manutenção do próprio status quo. Não há essa pluralidade de vozes, você não liga a televisão e vê o movimento do sem teto fazendo um debate amplo e franco, por exemplo" - critica o Professor sobre o oligopólio midiático.

No tempo em que a entrevista foi concedida, a principal pauta é o impeachment de Dilma Rousseff. Na avaliação do Professor o impeachment é resultado da agenda dessas empresas em eleger a corrupção como tema principal, mas uma corrupção bem específica, a partir de "frames", recortes. "Vamos discutir corrupção deste governo. Do governo passado, nem pensar. Então a mídia fez o recorte". Nessa agenda, heróis são eleitos, lembrados por Yuri na figura de Joaquim Barbosa, no passado, e Sérgio Moro, no presente, além dos vilões, nas pessoas de Lula, Dilma, PT e etc.

Yuri lembra a frase de Roberto Marinho sobre esses recortes da mídia, quando disse que "muito mais importante do que eu mostro no Jornal Nacional é o que eu não mostro no Jornal Nacional". Para ele, contraditoriamente, o uso de recortes para atender a interesses privados é uma forma de corrupção, uma vez que corromper se colonizando a opinião pública com interesses que são particulares, mas que são apresentados de uma forma muito sutil - conclui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.