21 de jul de 2016

Folha escondeu que 62% querem novas eleições por não ver "relevância"


Ontem o GGN publicou uma informação que consta no relatório da última pesquisa Datafolha, indicando que o instituto nunca usou as pedaladas fiscais para saber do povo se Dilma Rousseff merecia sofrer o impeachment. O que o Datafolha usava como justa causa era a Lava Jato: perguntava se a corrupção entre empresários, agentes públicos e políticos era motivo para afastar a atual presidente. Esse dado nunca foi explicitado por Folha e talvez justifique o desinteresse do jornal quanto à fragilidade da tese de que Dilma cometeu crime fiscal [leia mais aqui].

Agora, descobre-se que a Folha escondeu mais uma pergunta importante de seus eleitores, cujo resultado renderia a seguinte manchete: 62% dos brasileiros apoiam novas eleições. Ao invés disso, Folha reportou, no domingo (17), que 50% preferem Michel Temer no poder.

Como se já não bastasse a manipulação da pergunta que foi escolhida por Folha para legitimar Temer (o entrevistado do Datafolha só teve duas alternativas à pergunta "O que é melhor para o País: Dilma voltar ou Temer ficar"), o relatório divulgado ontem também havia passado por censura. Não constavam as perguntas que retratavam com menos parcialidade a atual crise política. O conteúdo só veio à tona após o Tijolaço encontrar os dados no servidor do Datafolha e o jornal ser pressionado pela imprensa a explicar a fraude.

O que a Folha escondeu dos leitores?


O Datafolha perguntou, a pedido da Folha (foi o jornal que selecionou as perguntas): "Uma situação em que poderia haver novas eleições presidenciais no Brasil seria em caso de renúncia de Dilma e Temer a seus cargos. Você é a favor ou contra Temer e Dilma renunciaem para a convocação de novas eleições para a Presidência ainda neste ano?"

Aqui, 62% disseram ser a favor, 30% contra, 4% indiferente e 4%, que não sabem.

Segundo o El País, Sérgio D'ávila, editor-executivo da Folha, disse que deixou de publicar essa informação porque não exergou relevância nela. "(...) é prerrogativa da Redação escolher o que acha jornalisticamente mais relevante no momento em que decide publicar a pesquisa. O resultado da questão sobre a dupla renúncia de Dilma e Temer não nos pareceu especialmente noticioso, por praticamente repetir a tendência de pesquisa anterior e pela mudança no atual cenário político, em que essa possibilidade não é mais levada em conta.”

Se a renúncia de Temer e Dilma não é mais levada em conta, por que a Folha inseriu essa pergunta no questionário levado às ruas entre 14 e 15 de julho?

Outra dúvida foi levantada por Fernando Brito, do Tijolaço: "Sérgio D’Ávila não diz, porém, que este arquivo [o relatório do Datafolha] está sendo linkado somente agora, depois que veio a público, no início da noite [de quarta, 20], por este blog e por outros, o arquivo escondido nos servidores do Datafolha. Mais de duas horas depois de revelado o escândalo é que isso foi feito".

Segundo o novo relatório, a realização de uma nova eleição tem mais apelo entre os jovens de 16 a 24 anos (68% favoráveis) e na faixa de 25 a 34 anos (também 68%). Entre aqueles que consideram o governo Temer ótimo ou bom, 50% são a favor de nova eleição, e 44%, contra.

Sobre o impeachment

O Datafolha também aferiu, sem o interesse noticioso do jornal, se o processo de impeachment de Dilma corria, na visão dos entrevistados, respeitando as regras democráticas e a Constituição. Aqui, 49% disseram que sim, outra parcela de 37% disse que não, e 14% não souberam avaliar.


O líder do PT no Senado, Humberto Costa, disse que é "evidente que esses dados divulgados em pesquisas de opinião estão distorcidos, manipulados, com a finalidade de favorecer Temer e os setores que o apoiam. (...) É uma forma de tentar convencer os senadores de que a opinião pública está com o golpista e que, em razão disso, seus votos devem ser contra Dilma. Mas, a partir dessas denúncias, estamos vendo que nada é mais irreal do que essa tese."

Dilma precisa do apoio de 28 senadores para vencer o impeachment na votação final, que deve ocorrer na segunda quinzena de agosto. O Planalto e a equipe da presidente afastada trabalham para conquistar o apoio dos senadores. Pela primeira votação (admissibilidade do impeachment) no Senado, Dilma precisa conquistar seis votos além dos 22 que já tinha. O senador Randolfe Rodigues (Rede) disse, na semana passada, que Dilma tem um universo de 9 senadores indecisos para trabalhar, e que 6 deles já estariam "inclinados" a ajudá-la. Mas a vitória da presidente está associada justamente à ideia de voltar ao poder e propôr, com consentimento do Congresso e do povo, novas eleições.

No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.