15 de jul de 2016

É psicológico? Sem renda, não há consumo; sem consumo…


O professor Fernando Nogueira da Costa chama atenção para reportagem publicada há dias no Valor (aqui, a matéria  reproduzida), onde um estudo da Fundação Getúlio Vargas aponta que a perda de renda dos brasileiros terá perdido, entre 2014 e 2016, 9,4% de sua renda, segunda maior queda em 116 anos. Só perde, diz Nogueira da Costa, para ” o triênio 1981-1983 [sob o comando do decano dos neoliberais, Delfim Neto] teve diminuição mais forte na renda: 12,3%, a preços de 2015 e em moeda nacional”.

Não ficamos muito distantes do quadro registrado naqueles três anos que o professor lembra. Política contracionista, desagregação política e contração (agora, estagnação) da economia mundial. Mas há duas diferenças, ambas dignas de menção e de reflexão.

A primeira, registrada  na reportagem a partir da observação de  Silvia Matos, economista responsável pelo estudo: “A renda não está despencando tanto por causa dos benefícios sociais e dos programas de redistribuição”.

Mas isso, lembra Nogueira, não é o suficiente. Citando números do sistema bancário, ele registra que, do final de 2014 até agora, o número de pessoas nas classes D e E  aumentou em  quase 7 milhões: de  65,5 milhões para 72 milhões. Um crescimento de 10%, quando o incremento populacional não chega a 1% ao ano.

Um processo de exclusão com essa magnitude tem evidente e persistente impacto na atividade econômica.  Em exemplo sobre um produto que se tornou o “sonho de consumo da classe C, as motocicletas: de 2 milhões de unidades em 2011, estima-se que a produção  será, este ano, da metade do número de unidades.

Tanto que o estudo da FGV prevê um PIB estagnado em 2017, o que representa a continuidade da queda no PIB per capita, considerado os quase 1% de crescimento populacional.

A segunda diferença importante entre as duas crises mencionadas é que a ruptura política, no início dos anos 80, apontava num sentido inverso ao de hoje. As ditaduras, sobretudo na América Latina, desmanchavam-se, os processos de descolonização iam se concluindo e democracia era um valor em afirmação.

Agora, não é exagero dizer que a tendência é o contrário.

Este é o “psicológico” — ao qual Michel Temer referiu-se para “explicar” a crise, outro dia — que realmente preocupa.

Fernando Brito
No Tijolaço

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.