12 de jul de 2016

Diretor brasileiro no BID denuncia o golpe de Estado em discurso de renúncia

Depois de quatro anos como diretor-executivo do Brasil no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o economista Ricardo Carneiro deixa o cargo disparando críticas contra o governo de Michel Temer.

Em seu discurso de despedida, ele questiona a legitimidade do presidente interino, acusa-o de impor uma política econômica sem o respaldo das urnas e defende eleições antecipadas para corrigir o "déficit de legitimidade".

"Volto ao meu país num momento crítico de ruptura institucional, mas com uma certeza: a sociedade brasileira não cabe num golpe, qualquer que seja sua natureza", diz Carneiro no discurso.

Professor aposentado do Instituto de Economia da Unicamp, Ricardo Carneiro tem laços históricos com o Partido dos Trabalhadores e comunicou que deixaria o cargo no BID dois dias depois da abertura do processo de impeachment no Senado.

"Ajustei a minha saída no menor tempo possível para não ficar representando um governo ilegítimo", disse Carneiro em entrevista à Folha, pouco antes de deixar o cargo, na semana passada. "É uma irresponsabilidade histórica da elite brasileira, vai fazer muito mal ao Brasil e vai durar muito tempo."

(...)

Carneiro não acredita que a política econômica do governo Temer dará certo, mesmo se for bem sucedido no choque de confiança pretendido pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

"Confiança é uma condição necessária, mas não suficiente", diz. O problema, acrescenta, é que falta impulso para que as principais "forças dinâmicas" empurrem a economia, como consumo e investimento. A retomada das exportações, uma das poucas fontes de crescimento, corre risco com valorização do real.

O economista critica a limitação imposta pelo governo Temer ao BNDES, observando que o investimento em infraestrutura é a única fonte de crescimento substancial. "A maior parte do investimento em infraestrutura no mundo é pública, na veia. No Brasil só tem um jeito, é com o BNDES", diz.

Mais que prever o fracasso da política econômica do governo interino, Carneiro não esconde que "está torcendo contra", por considerá-lo ilegítimo.

"Para esse governo dar certo, a economia tem que dar muito certo, e aí estará se legitimando um processo que é, na sua raiz, profundamente antidemocrático. Se isso acontecer, ficará uma cicatriz", afirma.

Em sua opinião, se não tivesse feito algumas "escolhas erradas", a presidente Dilma poderia ter evitado o impeachment. Ao chamar Joaquim Levy para ser o ministro da Fazenda, ela optou por uma política econômica ultraortodoxa que agravou a crise econômica.

"Pressionada pelo mercado, ela pôs o Levy, que é um talibã do orçamento. Ele fez um ajuste muito duro. A economia, que já estava desacelerando, encolheu quase 4%".

(...)

"Nem mesmo a ditadura militar se impôs por muito tempo a esta sociedade, embora lhe tenha feito muito mal. A legitimidade é um imperativo maior no ambiente social brasileiro e este governo muito dificilmente se tornará legítimo. Ainda mais porque tem como agenda principal o desmonte do nosso incipiente Estado de bem estar social", afirma.


No Cafezinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.