30 de jun de 2016

STF condena Celso Jacob, deputado do PMDB, a 7 anos de prisão


A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve, em decisão proferida nesta terça-feira (28), a condenação do deputado federal Celso Jacob (PMDB-RJ) por falsificação de documento público e e dispensa de licitação fora das hipóteses previstas em lei. 


O deputado havia entrado com recurso, que foi rejeitado pela Suprema Corte. Além disso, os ministros fixaram pena total de 7 anos e 2 meses de prisão, com regime inicial de cumprimento semiaberto. Jacob ainda deverá pagar 30 dias multa no valor de dois salários mínimos da época.


De acordo com o STF, “em 2002 a prefeitura de Três Rios (RJ) realizou licitação e procedeu à contratação para a construção de creche padrão para 100 crianças. Como a empresa vencedora da licitação abandonou a obra inconclusa, em 2003 o prefeito decretou estado de emergência, alegando deterioração de patrimônio público para justificar a contratação sem licitação da Construtora e Incorporadora Mil, que havia sido desclassificada na licitação inicial:.


Segundo o Ministério Público Federal, o estado de emergência foi falsamente declarado para, indevidamente, justificar a dispensa de licitação.

O ministro Edson Fachin afirmou, durante seu voto como relator, que o parlamentar, à época prefeito, agiu em conjunto com dois corréus no sentido de adulterar legislação municipal.


“Não é possível crer que o prefeito tenha assinado a lei com a adulteração que liberava recursos para a construção da creche, uma das principais metas de seu governo, sem saber que o fazia”, disse. 

“Não se pode agasalhar a máxima segundo a qual o fim justifica os meios. O homem público só pode fazer o que está autorizado pelo ordenamento jurídico”, concluiu o relator.


No Agência PT de Notícias, com informações do STF

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.