22 de jun de 2016

O que vai acontecer com o campo progressista na eleição de 2016…

http://www.revistaforum.com.br/blogdorovai/2016/06/22/o-que-significa-para-o-campo-progressista-a-eleicao-de-2016/


Uma regra que costuma ser tratada como praticamente absoluta por políticos e analistas da área é a de que nas eleições municipais o cenário nacional conta pouco.

Faz algum sentido, mas nem tanto.

Seria mais razoável dizer que quando a situação econômica nacional é confortável, todos ganham. E quando é ruim, quase todos perdem.

Isso acontece porque eleitores costumam avaliar governos de maneira generalizada.

E mesmo quando o prefeito é ruim, mas a situação geral vai bem, ele costuma se beneficiar do sentimento de que a vida está melhor.

O que eu quero dizer com isso é que se o Brasil vivesse apenas uma crise política, a regra de que a pauta federal não afetaria a local poderia valer alguma coisa.

Ou seja, se a Operação Lava Jato estivesse destruindo o sistema político (como está), mas a economia estivesse rodando a todo vapor, o índice de reeleição ainda seria alto.

Mas não é esse o caso.

Os governos municipais estão vendendo o almoço para pagar a janta. E por este motivo quase todos os prefeitos estão mal avaliados.

Ou seja, a crise total, que é o cenário do hoje, deve fazer com que a eleição de 2016 seja uma das mais surpreendentes da história recente.

E é num momento desses que deve se considerar o tal senso comum do eleitor médio que tende a achar que tudo está errado e que está na hora de dar um basta.

Isso pode e deve por um lado induzi-lo a um sentimento de negação à política, que aumentará a porcentagem dos votos nulos, brancos e a abstenção.

E por outro, a um voto de protesto, que em cada lugar pode ser canalizado para um candidato de estilo diferente.

Essa situação também pode favorecer candidatos mais experientes. Porque o eleitor quando procura algo absolutamente novo e não acha acaba indo para um que considera absolutamente seguro.

Pode parecer contraditório, mas não é.

Mas não se pode deixar de levar em consideração o fator Lava Jato, em especial nas capitas e nas grandes cidades.

E aí, quem pode crescer substancialmente, se tiver condições de se apresentar como alternativa real de poder, é o PSoL.

Porque foi o único partido que se manteve distante dos casos de corrupção nacional.

Por este motivo, o PSoL tem a responsabilidade de sair do seu umbiguismo e olhar para a contexto geral com mais generosidade e responsabilidade.

Precisa tentar entender as demandas do povo e buscar dialogar com elas, buscando não impor suas bandeiras, mas tentando achar sintonia entre o que defende e aquilo que a sociedade topa encarar.

Um PSoL mais forte, um PCdoB vivo, um PT recuperado nas urnas e um PDT mais na linha de Ciro do que de Paulinho, agora no Solidariedade, farão bem à democracia brasileira.

Porque a guinada à centro direita do PSB fez muito mal ao campo progressista. Como também a entortada total do PMDB à direita.

Essa eleição vai mudar a quantidade de garrafas que cada partido terá para contar em 2017, mas ela não necessariamente significará uma baita derrota para o campo popular.

Claro, se o rastaquerismo do sectarismo não acabar prevalecendo. Porque há sempre esse risco.

E aí, amigos, pouco importa se quem vai para o segundo turno de uma eleição em uma grande cidade é alguém do PT, PCdoB, PDT ou PSoL, importa é que alguém desse campo esteja lá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.