5 de mai de 2016

Frente ao golpe, a mobilização popular!

Nos dias 10 ou 11 de maio, o Senado vai  afastar a presidenta Dilma temporariamente do seu mandato. E, na sequência, em 48 horas ela deve se refugiar no Palácio da Alvorada ou na Granja do Torto.

Assim como na Câmara dos Deputados, ninguém conseguiu apresentar provas concretas de que a presidenta tenha cometido algum crime. A acusação de pedaladas fiscais — feitas no processo por uma advogada transloucada — é tão absurda que na Câmara a maioria de seus apoiadores respondem por processos de corrupção e podem ser cassados pelo Supremo Tribunal Federal. Ou seja, os votantes, sim, eram os criminosos.

E agora no Senado o relator do processo, o senador Anastasia (PSDB), quando governador de Minas Gerais, utilizou-se do procedimento administrativo das pedaladas para transferir bilhões de reais ao longo de seu mandato.

O processo é tão absurdo e político, que os acusadores é que são os que cometeram os crimes aos quais se acusa a presidenta!

Mas, no fundo, o verdadeiro objetivo da burguesia é se utilizar desses lumpens [pessoas desprezíveis] parlamentares apenas para abrir caminho para a recomposição do neoliberalismo no Brasil. Eles precisam recompor suas taxas de lucro e seguir a acumulação concentradora de renda e de riquezas.

Mas, para isso, precisam de três condições:

a) diminuir o custo da mão-de-obra, com redução de salários e dos direitos dos trabalhadores conquistados ao longo do século XX, e perpetuados na CLT.

b) precisam ter liberdade total para se apoderar privadamente das enormes riquezas naturais  do nosso território, que pela Constituição pertencem ao povo. Assim, precisam se apoderar do pré-sal, dos minérios, da água, das hidrelétricas.. etc.  

c) precisam recolocar  a nossa economia, nosso mercado, na esfera subordinada aos interesses das empresas e do capital estadunidense. Para isso vão acabar com o Mercosul, fragilizar a Unasul e a articulação dos BRICS, além de acelerar acordos de livre de comércio.

Não é por nada que o senador Aluísio Nunes correu a Washington (EUA) para prestar contas ao patrãozinho, assim que se consumou o golpe, e que se anuncia Jose Serra no Itamaray.

O que fazer diante de tanta insanidade das elites?

Nas ruas, e na sociedade em geral, já há um sentimento claro, majoritário, de que foi perpetuado um golpe legislativo-judicial ao melhor estilo hondurenho-paraguaio, para abrir caminho para um modelo econômico contra o povo.

O Governo Dilma cometeu muitos erros, muito semelhantes à tradicional política praticada pelos tucanos nos governos estaduais.  E, portanto, não haveria motivos para afastá-la. O motivo é ter caminho livre para ampliar a exploração contra os trabalhadores.

Mais de 350 manifestos e abaixo-assinados foram realizados de forma espontânea pelos mais diferentes setores da sociedade condenando o golpe: artistas, religiosos, intelectutais, estudantes. Todos contra o golpe! Nenhuma figura expressiva e representativa da sociedade apoiou os golpistas.

Entre a classe trabalhadora não temos outra saída senão melhorar nossa organização e seguir ampliando as mobilizações de massa para denunciar e condenar os golpistas, sejam parlamentares, empresários ou membros do poder judiciário.

Ampliar as denuncias e mobilizações contra a Rede Globo, a verdadeira direção política desse golpe.  Por isso, os jovens e estudantes marcaram para o próximo dia 5 de maio, escrachos em todo país contra a Globo.

Além disso, o momento é de seguir se mobilizando em defesa dos direitos trabalhistas e sociais. Para tanto, as centrais sindicais marcaram, acertadamente, uma paralisação nacional para o dia 10 de maio.

A ação servirá como alerta aos golpistas de que a luta segue. E servirá como advertência aos senadores: vocês podem controlar as leis e manipular as decisões legislativas, mas não podem produzir a riqueza do pais! Quem produz a riqueza são os trabalhadores e nós podemos definir os rumos do país.

Se as mobilizações nesse período forem crescentes poderemos, então, no período posterior ao golpe, inviabilizar e barrar o programa neoliberal da dupla Temer-Cunha; sensibilizar para que existam pelo menos 28 senadores dispostos a barrar o golpe na votação final e devolver o mandato aos 54 milhões de brasileiros que elegeram a presidenta Dilma Rousseff.

E se o golpe se consolidar, poderemos retomar com força a pressão para que haja um plebiscito que devolva ao povo o direito de decidir sobre os rumos políticos, para que se possa fazer uma reforma política de fato nesse país — e por meio de uma assembleia constituinte —, e reconstruir um sistema político em que o povo possa realmente exercer seu poder como está na Constituição.

Caso contrário, seguiremos um longo período de muitas lutas, de crise econômica, política, social e ambiental.

A nossa lumpenburguesia se ilude com governos. Mas não são eles que  produzem as riquezas e que organizam a vida social. O futuro depende de como o povo e a classe trabalhadora vão se mobilizar.

João Pedro Stedile
No Brasil de Fato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.