15 de mai de 2016

Exército dá aula de Direito e professor de Direito dá o Golpe

Temer, as Forças Armadas não vão bater no lombo do trabalhador e do velhinho da Previdência!


Conversa Afiada reproduziu video histórico do General Comandante Eduardo Villas Bôas.



O comandante deu uma aula de Direito Constitucional e o professor de Direito Constitucional deu o Golpe!

Como disse o Conversa Afiada, Villas Bôas é o General da Legalidade!

E o Conversa Afiada tem motivos para acreditar que o mesmo se possa dizer dos Comandantes da Marinha e da Força Aérea.

Os três estao, agora, diante do constrangimento de se submeter a um Ministro da Defesa da estatura moral do Raul Jungmann, um baderneiro que nem deputado se elege!

E a um presidente que “informa” o Governo americano!

(Não abre pra ele a caixa preta do submarino nuclear, Ministro da Marinha. Não abre, por favor!

Quem pede é o ansioso blogueiro, que ostenta, com orgulho, a Medalha de Tamandaré!)

Apesar disso, é importante lembrar: 2016 não é 1964.

O General Villas Bôas não vai para a rua bater no lombo do povo para manter esses Golpistas da Lava Jato no poder !

Esse Golpe só se sustenta na Globo, que vai se salvar quando retomar a SECOM (e o BB, o BNDES, a Caixa etc etc. E quero ver o Meireles dizer não!)

Esse Golpe não se sustenta nas Forças Armadas do Brasil!

Têm hoje o silêncio e o constrangimento discreto da disciplina profissional.

Mas, não, a cumplicidade!

Não adianta o Jungmann, o Etchegoyen ou o Alexandre de Moraes, que revogou o Habeas Corpus em São Paulo, no lombo dos estudantes, baterem na porta das Forças Armadas.

Os militares brasileiros aprenderam com 1964.

Em 1964, o Antônio Callado, Wilson Figueiredo, Rubem Fonseca, o radialista Heitor Coni e o Dines mandaram os militares bater nas costas do povo, para combater o comunismo do latifundiário João Goulart.

Veio a Comissão da Verdade e o Callado, o Coni, o Rubem Fonseca e o Dines não apareceram lá para defender os militares que eles, notáveis escritores “liberais”, empurraram para a Casa da Morte!

Por que os militares vão agora macular a instituição a que servem com lealdade e a si próprios para defender as ideias do Ataulpho, da Urubóloga e do biógrafo do Golbery, notável historialista.

O Fernando Henrique assinou o Tratado de Não-Proliferação, ao tirar os sapatos para os americanos.

Depois, quase fechou o Projeto Aramar para beneficiar urânio.

(O Moro também tentou fechar…)

Mas, com Lula e Dilma, os militares brasileiros redescobriram sua missão que é defender, a LEGALIDADE, o INTERESSE NACIONAL BRASILEIRO.

Com um PROJETO PARA O BRASIL, como diz, nesse vídeo, o general Villas Bôas.

Temer não contará com o General Villas Bôas para açoitar operário e velhinho da Previdência.
Outro fracassado professor (sic) de Direito "Constitucional” é o zé.

Um inepto.

Não ganhou uma, UMA ÚNICA causa como Advogado Geral.

Perdeu todas!

7 a 0!

E ainda entupiu — e irritou — o Supremo com ninharias, farelices.

E, provavelmente, movido pelo medo que o impulsiona — para trás —, se esqueceu de obrigar o Supremo a se pronunciar sobre o que interessa: cadê o crime ?

Se não tem crime, é Golpe.

E, por causa dele, do zé, até agora, o Supremo fez cara de paisagem, sai de fininho…

Por enquanto...

(A bola está quicando na area do Ministro Marco Aurélio...)

E o zé ficou, lero-lerando, com aqueles discursos em que o vazio adquire a consistência do vácuo.

Talvez para agradar as moças (da Globo) na plateia.

zé, vai pra Salamanca!

Paulo Henrique Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.