6 de mai de 2016

Eduardo Cunha: vergonha de assumir o número ‘171’ na porta de casa

Deputado afastado trocou número de imóvel para não ser relacionado a estelionato

Sem sinal de estelionato. A casa no número 171 da Rua Sergio Porto: enquanto esteve lá, Cunha fixou uma placa com número 173
Daniel Marenco / Agencia O Globo
RIO — No cartório do 2º Registro de Imóveis do Rio de Janeiro, o número oficial da casa de seis suítes da Rua Sergio Porto, no alto da Gávea, Zona Sul da cidade, é 171. Porém, durante os nove anos que ocupou o imóvel, um inquilino não quis associar o número da residência ao artigo do Código Penal pelo qual são conhecidos os estelionatários. Preferiu dar ao lugar uma numeração fantasia — 173. À revelia da prefeitura, fixou na porta uma plaquinha que encobria a original. A dona da casa, a advogada aposentada Regina Gonzalez Pinheiro Machado, de 78 anos, disse que o morador, que viveu ali de 1998 a 2006, jamais pediu o seu consentimento para apagar o número 171. Ao mudar-se dali para a Barra “sem nunca ter devolvido as chaves”, garante a proprietária, Eduardo Cunha, afastado da presidência da Câmara na quinta-feira, levou também a plaquinha com o número 173. Hoje, de vestígio do antigo inquilino, só restaram as marcas do número falso. Mas, na memória de Cunha, o endereço não deve ser de boas lembranças. Foi ali, na casa com piscina, pomar e garagem para oito carros que o político enfrentou o primeiro de uma coleção de escândalos: a denúncia de favorecimento da obscura construtora Grande Piso na construção de unidades habitacionais populares, quando presidia a Cehab.

— Ele vivia sempre assustado e cercado de seguranças — recorda-se um antigo vigilante da rua, que se identificou como “Zé”.

Antes da temporada na Gávea, Cunha já havia comandado a Telerj no governo Collor. Economista formado pela Cândido Mendes, com uma rápida passagem pela empresa de auditoria Arthur Andersen (1978 a 1980), ele teria encantado alguns políticos pela facilidade de lidar com números e finanças. Até chegar ao quartel-general da campanha de Collor a presidente, em 1989, teria testado a expertise nas eleições disputadas por Eliseu Resende em Minas (1982) e Moreira Franco no Rio (1986).

Para assumir um posto tão alto no governo Collor, Cunha teria contado com um empurrão de Paulo Cesar Farias, o PC, apontado como operador do presidente recém-eleito e que acabou sofrendo impeachment. Até então, seu padrinho mais forte era Daniel Tourinho, presidente do PRN. Em 2001, Cunha foi eleito deputado estadual, no Rio, pelo PPB, o atual PP. Dois anos depois, aterrissou em Brasília, mas não sem dificuldades. Impedido, a princípio, de disputar as eleições de 2002 por ter ficha suja no Tribunal de Contas do Estado (TCE), arranjou-se com um nada-consta assinado por membros do Ministério Público do Rio. Elegeu-se e foi em frente, enquanto o então subprocurador-geral de Justiça, Elio Fischberg, viu a carreira ruir ao ser acusado de falsificar as assinaturas do documento que liberou Cunha. Mais tarde, para afastar as suspeitas, Cunha garantiu que funcionara como testemunha de acusação a Fischberg, que jamais abriu a boca sobre o caso.

Registro de ocorrência: endereço errado
Em Brasília, Cunha foi reeleito três vezes. A trajetória do deputado ganhou ímpeto quando, em fevereiro de 2015, conseguiu derrotar o Palácio do Planalto na disputa pela presidência da Câmara, logo no primeiro turno da eleição. Tornou-se um dos homens mais poderosos — e perigosos, segundo seus adversários — da República. E também aparentemente rancoroso. Depois que a relação com a presidente Dilma Rousseff azedou por o Planato ter lançado candidato à presidência da Casa, ele reagiu com pautas-bomba, com potencial de causar verdadeiros rombos nas contas públicas. Depois, como última cartada, acolheu o pedido do impeachment da presidente Dilma — logo que os deputados do PT no Conselho de Ética decidiram votar a favor da abertura do processo de cassação do seu mandato.

Cunha responde a processo no Conselho de Ética da Câmara por ocultar contas na Suíça. Ele é acusado também de ter recebido R$ 5 milhões de propina da Petrobras. Tornou-se réu de um processo que apura sua participação na Lava-Jato em março deste ano. Mas, antes disso, pouco após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, abrir inquérito contra 47 parlamentares no âmbito da Lava-Jato, ano passado, compareceu voluntariamente à CPI da Petrobras e negou que tivesse contas no exterior. Debochou das investigações e fez uma espécie de palanque contra o governo e contra Janot. Para adversários, sua forma de confrontar o Executivo e o MP sempre teve como pano de fundo a tentativa de tirar o foco de si mesmo devido ao acúmulo de denúncias de corrupção no âmbito da Lava-Jato.

À medida que o cerco contra ele se apertava, Cunha subia o tom contra seus antagonistas. Renunciar ao cargo foi uma opção que nunca esteve em seu horizonte. Mesmo nos momentos de pressão máxima, quando sua mulher, Cláudia Cruz, e sua filha Danielle Cunha foram denunciadas, o peemedebista não esboçou qualquer sinal de que abriria mão do poder conquistado.

Sua personalidade “inquebrantável” é vista com assombro pelos colegas. Nem nos momentos mais críticos, Cunha admitiu ter cometido qualquer um dos atos denunciados pelo MP, nem mesmo quando sua própria assinatura comprovou a existência de contas secretas no exterior.

— Eu não conheci na política, nem fora dela, uma figura mais perniciosa do que Cunha. Ao tempo que é perigoso, ele não é uma pessoa normal, está acima da média de inteligência, tem conhecimento e é desinibido, capaz de tudo. As ações dele sempre são voltadas para coisas irregulares, para a imoralidade. Por ele ser uma pessoa bem acima da média na Câmara, seu desembaraço e impetuosidade contribuíram para o processo de impeachment — afirma o deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE).

Controverso, Cunha conseguiu manter aliados até o último dia na Câmara. Sua sagacidade política, o domínio dos temas que são analisados na Casa e o hábito de honrar compromissos firmados com os deputados são fatores destacados por aqueles que relevaram a pilha de evidências contra o peemedebista para permanecerem ao seu lado:

— Eduardo é um político extremamente inteligente, não só pessoas que gostam dele acham isso, mas os adversários mais ferrenhos reconhecem nele um regimentalista, um homem que domina matérias como poucos e que cumpre compromissos no exercício do mandato. O que acerta com partidos, os espaços, ele cumpre. Essas são as qualidades, e por isso ele ainda tem força — afirma o deputado Maurício Quintella (PR-AL).

Chico Otavio e Júnia Gama
No O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.