29 de mai de 2016

Cadê o Leonardo?

No filme “O terceiro homem” (roteiro de Graham Greene, direção de Carol Reed), o vilão Harry Lime, interpretado por Orson Welles, defende sua vilania lembrando que, em 30 anos sob os Bórgias, Florença teve guerras, terror e assassinatos, mas também produziu Michelangelo, Leonardo da Vinci e outras glórias da Renascença, enquanto em 500 anos de ordem e paz a Suíça só produziu o relógio cuco.

A nova Florença que é Brasília, como a Florença dos Bórgias, também é feita de pequenas perfídias e grandes traições, mesmo se as punhaladas nas costas e o veneno no vinho sejam figurativos. Ouvindo as gravações que movimentaram o país nas últimas semanas — e as que ainda virão —, o que mais impressiona é a mediocridade dos artistas. São tramoias combinadas, alianças obscuras lembradas ou cobradas, e tem-se um espantoso vislumbre dos bastidores do poder brasileiro — só que o espanto não vem. Nada tem consequência, salvo o sacrifício de um ou de outro, que, de qualquer maneira, manterá seus privilégios parlamentares e sua influência entre seus pares. Você fica esperando alguma manifestação de grandeza, ou pelo menos de vergonha, dos gravados e nada. São essas tristes sumidades que decidem nosso destino. Tramam a derrubada de uma presidente por conveniência política, chegam a sugerir um conluio de ministros do Supremo, e é como se estivessem falando sobre relógios cuco.

Quer dizer, temos uma versão de Florença com as intrigas e os vícios da original, mas sem nada que os redima. Nenhuma grande figura para resgatar a autoestima nacional do domínio da mediocridade. Da Florença dos Bórgias, se dizia que cada corredor mal iluminado escondia uma conspiração. Em Brasília dispensam os corredores e as sombras, as conspirações são a céu aberto — só, às vezes, ao alcance de um gravador malandro. Espera-se para breve a edição em CD das conversas gravadas. Já existem as favoritas do público.

— Gostei mais da do Jucá.

— Que é isso. Sarney toda a vida.

E parece que já há um estribilho, a ser cantado em uníssono por todos no início do CD:

“Quem tem medo do Moro mau, do Moro mau, do Moro mau...?”

Luís Fernando Veríssimo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.