30 de mai de 2016

Bomba da Lava Jato explode no colo de Temer


Está difícil eleger a pior má notícia que Michel Temer recebeu nesse fim de semana. Quando eu me preparava para escrever a respeito da bomba que caiu em seu colo com as novas revelações dos grampos de Sérgio Machado que o "Fantástico" divulgou ontem, me deparei com a informação de que ele colocou dois imóveis no valor de 2 milhões de reais em nome de seu filho Michelzinho, de sete anos, que, embora seja aparentemente legal, pode ser entendida como uma evidente manobra para esconder patrimônio, pois ele declarou à Receita patrimônio de apenas 800 mil reais.

Por uma dessas ironias do destino, tanto a bomba do "Fantástico" quanto a do Riocentro foram detonadas por dois senhores de sobrenome Machado.

A do capitão Wilson Dias Machado, destinada a provocar um atentado no show de Primeiro de Maio e que explodiu, sem querer no dia 30 de abril de 1981 em seu colo, tinha por finalidade abalar o governo do general Figueiredo; a de ontem, detonada por Sergio Machado com a finalidade de incriminar seus amigos é mais um petardo que abala o governo provisório, ao comprometer, numa tacada só, mais um ministro do governo provisório; o presidente do Senado e vice de Temer e o próprio Temer, que chegou onde chegou com a decisiva colaboração de Renan e que nomeou o ministro que caiu em desgraça e, tudo indica, deverá cair ainda hoje. O destino de Renan não será diferente já que, além de ser flagrado em manobras para obstruir a Lava Jato, ficamos sabendo que está envolvido com o doleiro Alberto Yousseff.

O ilustre desconhecido Fabiano Silveira que no dia do grampo integrava o Conselho Nacional de Justiça e hoje é o ministro da Transparência (parece piada) surge nos grampos não só orientando Renan a se defender, mas no papel de seu emissário para espionar a Lava Jato.

Renan se entrega ao dizer que está preocupado com a doação de 400 mil reais que recebeu da Transpetro e, para piorar ainda mais o quadro, o ex-presidente e seu apadrinhado, Sergio Machado, suposto autor do grampo, que fez a tal doação para a sua campanha, tranquiliza-o informando que os recibos foram providenciados pelo doleiro Alberto Youssef. "Youssef [Alberto] cuidou disso", diz Machado no grampo. O doleiro teria providenciado recibos, mas no valor total maior, de R$ 800 mil.

Como é público e notório que Youssef só entra em ação quando é necessário fazer um trabalho sujo, ninguém pode ficar tranquilo com esse tipo de tranquilizante. É a prova definitiva de que a doação era fraudulenta.

Não há como supor que Renan continue na presidência da Senado, tão explosivo é o teor das gravações. Ele terá que renunciar, pela segunda vez em sua carreira, "para se defender", como se costuma justificar a retirada estratégica nos casos de envolvimento em casos como o seu.

Mas não é só. É previsível que seja aberto contra ele (ou a seu desfavor, como está na moda dizer) um processo de cassação no Conselho de Ética por quebra de decoro e que o STF o libere para ser interrogado em Curitiba.

Em outras palavras, Renan, que até ontem era considerado por muitos o bam-bam-bam da política brasileira, é mais uma carta fora do baralho de Temer.

É evidente que o ministro da Transparência também vai cair. Embora seu papel fosse importante para a turma, ele mesmo, por ser inexpressivo, não será um desfalque tão grande assim, mas, ao ser desmascarado ele expôs o presidente provisório, pois ficou claro que ele foi nomeado não para investigar o que acontece de errado no governo e sim para ajudar Temer e seus amigos na árdua missão de driblar a Procuradoria Geral da República e a Lava Jato.

Foi um fim de semana de pesadelo para Temer. No sábado à noite ele se encontrou com o ministro Gilmar Mendes, atual presidente do TSE, o que não pegou bem, não só porque encontros fora de expediente são sempre suspeitos, mas porque o TSE analisa atualmente o processo de cassação da chapa Dilma-Temer. Encontro esquisito, esse.

Antes mesmo da bomba do Fantástico, já havia indicações seguras de que a Globo não morre de amores por Temer. O primeiro sinal surgiu no dia da reunião em que ele deu um tapa na mesa, logo depois de anunciar, bem ao seu estilo, que uma das coisas que "talvez" venha a fazer será tomar 100 milhões emprestados do BNDES. Nessa mesma noite, enquanto as imagens da reunião eram exibidas na Globo News, Merval Pereira foi taxativo ao declarar que ele não poderia fazer aquilo, a constituição não permite.

O segundo sinal surgiu ontem à noite, no programa Painel, no momento em que a âncora Renata Lo Prete afirmou que erram os que tentam comparar o governo Temer ao de Itamar; mais apropriado seria compará-lo ao de Sarney.

Levando-se em conta que o governo Itamar foi bem sucedido e o de Sarney um estrondoso fracasso e que as opiniões de Merval e de Lo Prete, longe de serem pessoais, expressam o pensamento do diretor de Jornalismo da Globo e, em última análise, da família Marinho, conclui-se que a maior emissora do país não está disposta a ajudar Temer na mesma medida em que atrapalhou Dilma, quando convocou a população a ir às ruas, que foi o álibi de deputados e senadores para aprovarem a primeira fase do impeachment.

Tenho impressão que a postura da Globo é a resposta à nomeação de Marcos Pereira para o ministério da Indústria, Comércio e Desenvolvimento. Ele não é apenas um estranho no ninho, sem nenhuma qualificação para esse cargo, mas um empregado de Edyr Macedo, fundador do partido que preside e dono da Rede Record, com a qual a Rede Globo mantém uma batalha de vida ou morte no ibope. Talvez tenha sido o mais fatal dos muitos erros de Temer ao formar seu governo improvisado, pois governar sem a Globo a seu favor é possível, mas com a Globo contra é arriscadíssimo.

Isso não quer dizer, necessariamente, que a Globo tenha saudades da presidente Dilma, mas significa que não vai ajudar Temer no segundo tempo do impeachment, o que já é um trunfo para ela, cuja popularidade só cresce desde que foi deposta, passando de 18% a 33% de aprovação, mais um bom motivo para a Globo manter-se neutra: enquanto o ibope da ex-presidente cresce, o do presidente provisório desce.

Aqui entre nós, nenhum aliado do governo afastado poderia ter provocado tantos estragos ao seu sucessor ilegítimo quanto os grampos de Sergio Machado e uma Rede Globo mordida. Com que cara os senadores vão alegar, no segundo tempo da votação, sem corar, que o impeachment se fundamenta nas pedaladas fiscais e no Plano Safra diante de tantas evidências de que se tratou de uma conspiração contra a Lava Jato?

A pior notícia para Temer é a próxima.

Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais "Porque não deu certo", "O Cofre do Adhemar", "A guerra do apagão", "O domador de sonhos" e "Dragonfly" (lançamento setembro 2016).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.