13 de abr de 2016

O xadrez do The House of Cards


O que seria o dia seguinte ao impeachment? O jogo não está decidido. Nenhum dos dois lados conseguiu o número mínimo para apregoar vitória. Mas vale como exercício.

Não é necessário muita imaginação para supor.

O novo jogo teria os seguintes personagens:
  1. O novo governo, controlando o Executivo e o Congresso..
  2. O Supremo Tribunal Federal
  3. O Procurador Geral da República/Lava Jato
  4. A mídia
  5. A frente anti-impeachment
  6. A frente pró-impeachment.
Vamos a um pequeno exercício de fórmulas para ver como eles se interagem.

Consolidação do poder



No dia seguinte à tomada do poder, a estratégia do novo grupo será a consolidação definitiva do poder. Assume em uma posição precária, ilegítima, tendo atrás de si a Lava Jato e a desconfiança geral e à frente às eleições de 2018.

Suas armas são temíveis: controle do Executivo e do Congresso, das leis e da caneta. Usarão como puderem para enfrentar as seguintes frentes:
  • Lava Jato.
  • Crise econômica.
  • Eleições de 2018, logo ali.
A estratégia de sobrevivência contemplará algumas linhas básicas visando estender o poder conquistado.:
  1. Ampliação do arco de alianças.
O Congresso será utilizado para a aprovação de leis de interesse dos grandes grupos.  O balcão de negócios será transformado em um hipermercado.

O maior negócio será a alteração na lei do petróleo. Mas há uma enorme agenda a ser manobrada por Eduardo Cunha, inclusive como forma de consolidar o golpe. Aí se entra em um campo em que ele é senhor absoluto, o grande especialista em negócios do Congresso. Obviamente todas essas faturas impactarão o orçamento e a política econômica.
  1. Mudanças estruturais que permitam a consolidação do poder.
O grupo não tomará o poder para entregá-lo em 2018. É evidente. A consolidação do poder passará por mudanças políticas que excluam o voto direto para presidente, talvez com a introdução do parlamentarismo, podendo chegar ao adiamento das eleições de 2018.
  1. Enquadramento do Ministério Público Federal e da Lava Jato.
Ou alguém tem dúvida de qual foi a moeda de troca com o PP?

Tentarão se valer da euforia com o fim do governo para tomar medidas que restrinjam o poder do MPF. O Executivo tem a chave do cofre. O Congresso, a chave das leis e das nomeações e destituições de Ministros do Supremo. Em vez de um governo ingênuo e desarmado, o MPF e a Polícia Federal enfrentarão agora o poder de fato, nas mãos de uma organização que sabe manobrar as ferramentas do poder, e que estará travando uma guerra de vida ou morte, já que a derrota implicará até em sua prisão.
  1. Administração de uma economia em crise.
O orçamento é um só.

Numa ponta, será pressionado pelas demandas do grupo. Na outra, exigirá aumento de tributos, uma CPMF. Só que a base de apoio do grupo são lideranças empresariais que agitaram o país nos últimos anos levantando a bandeira da redução de impostos.

O caminho óbvio será o dos cortes nas áreas sociais, programas sociais, educação, saúde, ampliando ainda mais a revolta das ruas em um quadro de aprofundamento da crise.

A busca do inimigo interno

Em um primeiro momento, haverá uma falsa euforia do mercado, com valorização de ativos e queda do dólar. Durará pouco. É uma crise de demanda que não será resolvida pela mera melhoria do índice Bovespa, ainda mais tendo em conta o custo da fatura para a montagem de alianças.

Haverá uma ampliação geométrica das manifestações de rua.

Como superar o quadro de crise econômica + falta de legitimidade + manifestações de rua? Nem é preciso ser um grande visionário para perceber o lance seguinte: o macarthismo.

Além da ilegitimidade original, o novo governo ampliará as reações dos movimentos sociais com os cortes de políticas sociais. A reação das ruas fornecerá o  alibi  do inimigo interno e O novo governo se escudará cada vez mais na ultradireita da opinião pública e nas bancadas religiosas. A ameaça bolivariana e a dissolução moral são os elos que unem tudo, a ultradireita na rua, os jovens turcos do Ministério Público, o conservadorismo do Judiciário e a classe média, os grupos religiosos.

Os desdobramentos

É impossível saber os vencedores dessa disputa. Seja qual for o resultado, haverá uma grande noite caótica pela frente, um atraso histórico nos avanços sociais e econômicos e uma ameaça direta à democracia e à economia.

Não fosse o custo a ser pago pelo país, especialmente pelos mais vulneráveis, seria uma boa lição a esses aprendizes de feiticeiro que resolveram abrir a caixa de Pandora e colocar em risco a democracia apenas para exercitar os músculos.

Luís Nassif
No GGN

4 comentários:

  1. ZCarlos, uma dúvida. Pós impeachment, não consigo imaginar as Forças Armadas, única instituição da República até o momento preservada dos escândalos de corrupção, prestando continência e obediência a Eduardo Cunha, Renan Calheiros, Romero Jucá, Aécio Neves, etc.

    ResponderExcluir
  2. Primeiro: Não vai ter golpe. Os golpistas não tem os votos necessários.
    Segundo: Há sim indícios de corrupção nas FFAA, principalmente em áreas do setor de Engenharia do Exército, envolvendo inclusive generais, embora não tenham se tornado escândalo pela mídia.
    Terceiro: Creio que dificilmente os atuais comandantes das FFAA iriam se prestar a obedecer os golpistas. Iriam imediatamente solicitar passar para a reserva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. z carlos, também sou contra o golpe e ajudo a divulgar. Fiz a pergunta pq as Forças Armadas participaram de todos os momentos de crise institucional no Brasil, desde a instauração da República, aliás feita pelo Exército. Com a exceção do episódio do impeachment do Color de Mello. Gostaria de ter essa certeza que vc tem de que não vai ter golpe. Me preocupa a possibilidade de uma convulsão social e a consequente repressão pelas PMs e até pelas FA, como já aventou o Ministro Mello do STF. Abraço

      Excluir
  3. A disputa na Câmara não será fácil. A abstenção será alta. E os golpistas não conseguirão o 342 votos necessários. Ainda que consigam, as batalhas no Senado e no próprio STF continuarão. O Exército e a Aeronáutica estão mantendo postura constitucional, a Marinha, porém, nem tanto. E isso não é surpresa, desde a revolta dos Marinheiros, é a Arma mais conservadora.
    Em caso de convulsão, a presidenta tem a possibilidade constitucional - remota - de decretar Estado de Defesa ou até mesmo Estado de Sítio.
    Creio também que, após passada essa crise política, a presidenta deveria usar a Lei de Segurança Nacional e enquadrar o áudio vazado de Temer como crime de conspiração. Basta de condescendência! Golpista deve ser tratado como tal.

    ResponderExcluir

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.